Ricardo Freire

Dicas e destinos para viajar com bebês: o que dizem os leitores

Ricardo Freire

A partir de que idade uma criança pode viajar? Com a bênção dos pediatras, mamães e papais não têm esperado muito para planejar as primeiras aventuras com seus filhos pequenos. Reunimos aqui opiniões de leitores que levaram bebês de 3 meses a 2 anos para viajar pelo Brasil e pelo exterior. Da escolha do carrinho a vôos sem traumas, são 40 dicas para viajar melhor com o seu pequeno companheirinho:

Viajar com bebê: sim ou não?

Dica da Patricia: “Quando fiz minha primeira viagem com meu filho, ele tinha 3 meses! Antes de ir, perguntei ao médico se ele tinha alguma recomendação e ele disse: em todos os lugares existem bebês, e eles têm as mesmas necessidades que seu filho.”

Dica da Sut-Mie: “Nós (adultos) é que temos tendência a complicar e ter medo de tudo! Mas eu respeito quem não vai muito longe, penso que cada família tem a sua dinâmica! No entanto, se me perguntarem e se eu puder dar força para colocarem o pé na estrada, contem comigo!”

Dica da Luciana: “Com planejamento e paciência quase tudo se resolve, mas é claro que no final das contas cada um sabe o bebê que tem! Um bebê que chora muito e tem dificuldade com lugares novos e em sair da rotina vai ter mais problemas pra viajar do que um bebê que tem o temperamento oposto.”

Dica do Daniel: “Eu acho bem mais fácil viajar com um bebê de colo (até 1 ano) do que com uma criança pequena. O bebê influencia menos no ritmo da viagem, qualquer coisa pra ele tá bom, não tem vontade e nem opinião. Seu stress é facilmente resolvido com um brinquedo colorido ou o peito da mãe. Quando vão criando vontade é que a coisa vai complicando, mas aí também é só adaptar os roteiros. De forma geral, gostamos de dizer que a mudança que o bebê faz na sua viagem é a mesma que ele faz na sua vida… Muda? Muda! Mas rapidinho você se adapta e curte ainda mais.”

Dica do Alex: “Enquanto o bebê for novinho, até uns 7, 8 meses… talvez mesmo com 1 ano, fica mais fácil viajar para qualquer lugar. Porém, entre 1 ano e 2 ou 3 me parece ser um momento mais complicado. Minha filha já não cabe no bercinho do avião, mas ainda não parece valer pagar um assento próprio, o que complica muito para vôos mais longos, mesmo noturnos. Também está comendo, mas não comida de adulto.”

Planejamento

Dica do Regis: “Abra a mão e prefira vôos diretos. Aeroportos ainda não têm uma estrutura boa para conexões demoradas com crianças, especialmente no Brasil. Prefira hotéis com uma pequena cozinha, ajuda bastante. Se possível, alugue carro no destino, para facilitar no transporte das tralhas e acessórios. E é mais seguro, porque táxis não têm cadeirinha de criança. Compre um tablet ou GPS com suporte para vídeos. É fantástico como os vídeos infantis (Galinha Pintadinha!) prendem a atenção das crianças. Eu preferi um GPS com tela grande (7″) porque já vem com ventosa e conector de energia apropriado para carro.”

Dica do Thiago: “Sempre preferimos grandes cidades, vôos diretos, evitar mudanças de hotel. Levamos sempre um carrinho leve, DVD portátil, papel e lápis de cor, boneca preferida. Apresentamos o lugar por fotos, livros e criamos expectativa quanto às férias. Ela adora. Mas cada viagem é diferente da outra e apesar de lermos tudo sobre viajar com crianças, cada vez aprendemos uma coisa nova. Da última vez aprendemos que visitar uma loja de brinquedos e comprar um brinquedo novo ao chegar no destino é ótimo pra aumentar o entusiasmo e criar um certo vínculo, trazer uma lembrança do lugar.”

Dica da Karla: “Conforme as crianças vão crescendo, as preocupações vão mudando. Hoje meu filho tem 2 anos e a gente prefere hotéis que tenham pelo menos um parquinho para diverti-lo, por mais simples que seja. Já não levamos mais banheira inflável nem aqueles potinhos de papinha pronta. E no final da viagem, dá sempre certo. Eu costumo dizer que o medo é todo nosso, porque as crianças sempre nos surpreendem e depois a gente acaba relaxando e curtindo.”

Dica do Ricardo: “As principais dicas que poderíamos dar são: preferir vôos noturnos; planejar bem os roteiros para saber os momentos de caminhada, pontos de parada, refeições; alugar carro mesmo servindo somente para trocar de uma cidade para outra, para evitar carregar malas, carrinhos, etc. a todo momento; manter sempre à mão comida e água para o bebê; respeitar os horários de sono e tempo de descanso pro bebê.”

Carrinho

Dica da Teresa: “Minha primeira viagem com bebê me ensinou a lição mais importante: não esqueça um bom carrinho, pois o bebê estando confortável, você vai a qualquer lugar!”

Dica do Denis: “Quando a criança é de colo ainda, é excelente levar um carrinho que vire cama, para que elas durmam um pouco. Muitos carrinhos guarda-chuva simples não fazem isso. No máximo reclinam a cadeira inteira, mas a criança fica sentada-deitada.”

Dica da Juliana: “Ter um carrinho guarda-chuva com assento reclinável foi essencial. Conseguíamos passar o dia praticamente inteiro fora do hotel.”

Dica da Andreia: “Levei um ‘canguru’ e o carrinho e passeamos bastante. Também poderia ter comprado um carrinho nos Estados Unidos, que é muito barato, mas cheguei num domingo e foi muito bom ter levado o dela para não ficar preocupada em sair para comprar um.”

Dica da Silvane: “Está a cada dia mais difícil, mas peça para levar o carrinho a bordo, pois ao chegar no destino pode tomar bastante tempo até que tragam o carrinho do bagageiro. O bebê certamente estará impaciente e a mãe, cansada, o que tornará a espera um tanto difícil.”

Dica da Flavia: “Se você vai despachar um carrinho caro, tente comprar uma capa, uma bolsa protetora, alguma coisa desse tipo.”

Dica da Giovanna: “Quando a minha filha tinha 1 ano e 2 meses, passamos 15 dias no Rio de Janeiro. Como estávamos sem carro e pretendíamos andar bastante, levamos o nosso carrinho-trambolho, próprio para enfrentar qualquer obstáculo. Só não contamos com o óbvio: não são todos os restaurantes que acomodam bem um carrinho normal, não são todos os motoristas de táxi que ajudam com o carrinho, há calçadas estreitas, não dá para circular direito nas lojas, nem todas as estações de metrô têm elevadores. Em compensação, nas vezes que viajamos com o carrinho guarda-chuva (Rio, SP, Miami, Key West), ele foi pau pra toda obra.”

Dica da Luciana: “Cogite alugar um carrinho de bebê em cada um dos lugares onde você for ficar. Pergunte ao hotel de vocês se eles disponibilizam esse serviço. Caso contrário, pesquise na internet. Aqui na Itália, por exemplo, há empresas que alugam. Eles podem te esperar no aeroporto e entregar o carrinho lá, ou entregá-lo diretamente no hotel.”

A bordo

Dica da Mariana: “Tenho dois filhos e encarei levá-los ao Brasil para conhecer meus pais, sempre os levei sozinha e sempre pedia para as comissárias de bordo segurarem meus filhos para eu usar o banheiro! É super fácil viajar com crianças, você só precisa de um bom planejamento e vários planos B, C e D.”

Dica da Lali: “Evitei viajar quando eram bebês, só arriscamos quando o caçula tinha completado 2 anos. Embora a semana num resort na Bahia tenha sido maravilhosa, a viagem de ida foi uma experiência terrível! O moleque se assustou com o cinto de segurança e abriu o berreiro enquanto o avião ficou por 40 minutos taxiando pela pista, sem conseguir levantar vôo. A aeromoça colocou o dedo na minha cara e disse que se eu o tirasse da poltrona ou soltasse o cinto, em qualquer acidente eu seria responsabilizada. O resultado foi que eu tive que segurá-lo com força na cadeira e apertar o cinto, para total desespero do menino que se sentiu amarrado e ficou em estado de pânico! Na volta a aeromoça me explicou que eu poderia segurá-lo no colo, como todos os bebês de até 23 meses viajam (ele havia acabado de completar 24 meses). Uma criança muito pequena pode ter reações surpreendentes a um nova experiência. Claro que é super desagradável ouvir choro de bebê em avião, mas infelizmente faz parte… e nem sempre é algo que as mães podem controlar. Eu mesma já viajei diversas vezes com choro de bebê dos outros.”

Dica da Helena: “Moro em Boa Vista, Roraima. Sou baiana, e meu marido, gaúcho. Avião é moleza pro Heitor. No primeiro ano, foram 20 cartões de embarque, todos os vôos com conexão! Salvo uma única vez, ele sempre tirou de letra. Acho que os limites da criança devem ser sempre respeitados, mas o ser humano é muito adaptável.”

Dica da Sara: “Pra viajar com alimentação de bebê, durante a passagem pelo raio-x tudo é inspecionado. Nos EUA tive que beber a água da mamadeira e também colocaram um detector dentro do leite em pó. Lugar mais rigoroso (mais que os EUA) foi o Chile! Leia atentamente as recomendações de cada país. Tenha cuidado com a alimentação solicitada durante a reserva do vôo (uma vez esqueceram da papinha da minha filha, ainda bem que levei um estoque extra de leite e fiz um improviso).”

Dica da Daniele: “Uns pacotes de fralda, e uma lata de leite grande não foram tanta bagagem a mais assim. Éramos 4, e levamos uma mala grande e uma média e duas mochilas como bagagem de mão. Uma dica para a mãe é levar uma bolsa pequena destas transversais que deixa as mãos livres no aeroporto.”

Dicas e truques

Dica da Sara: “Comprei um liquidificador portátil que me acompanha em todo lugar que viajo. Faço vitamina no quarto do hotel com frutas e cereais que pego do café da manhã.”

Dica do Rodrigo: “Viajar com bebês tem suas desvantagens, como a impossibilidade de curtir uma balada à noite, sentar tranqüilamente num café e tal, mas também tem vantagens como ser prioridade nas filas de check-in, alfândega e entradas de museus e atrações.”

Dica da Kamila: “Nunca deixamos de ir a passeios ditos de adulto, como museus. Entretanto, sempre respeitamos a idade e o ritmo deles, fazendo as devidas adaptações. Insistir em sair para programas noturnos é um desrespeito com as crianças.”

Dica da Patricia: “Desapegue dos luxos e simplifique a vida: não, seu filho não vai precisar da banheira dele ou da própria cadeira de refeições (dê banho no chuveiro e comida no carrinho). Algumas facilidades são sempre bem vindas: microondas, berço no quarto, máquina de lavar ou um lugar para estender uma roupinha. E paciência!”

Destinos

Dica da Patricia: “Quando fui para Disney minha filha tinha 6 meses, e meu filho 5 anos. Quando fui para Fernando de Noronha, meu filho tinha 1 ano e meio. Quando fui para a Tailândia, minha filha tinha 1 ano. As pessoas ficaram muito assustadas, mas posso afirmar que foi a melhor viagem da minha vida! Planejamos o ritmo, nos adaptamos à comida, fizemos programas muito legais com elefantes e tigres. Meu marido sempre diz que eles podem não lembrar, mas nós vamos lembrar e temos lembranças incríveis!”

Dica da Raquel: “Quando a Laurinha tinha 6 meses fomos para Miami e Orlando, e quando ela tinha 1 ano e 5 meses fomos para Nova York e Washington. Todas as viagens com ela foram maravilhosas, com experiências que só nos fizeram crescer! Nós teremos sempre a lembrança e o prazer de ter vivido com ela esses momentos.”

Dica da Flávia: “Viajo com as minhas filhas desde bebês. Confesso que a maior aventura foi encarar 3 países da Europa com as duas. Me chamaram de louca. Vários vôos, abre e fecha mala. Tirando Paris, que eu precisava esperar a boa vontade de algum parisiense que estava passando pra ajudar com os carrinhos nas escadas, e a falta de trocadores na cidade, posso dizer que tiramos de letra, eu e elas. Depois disso encarei qualquer viagem e hoje em dia viajamos sozinhas as 3.”

Dica do Luciano: “Já fomos para Praia do Forte, Argentina, Tahiti, Ilha da Madeira, Lisboa e Porto. Eu e minha esposa,em todos esses lugares, não tivemos qualquer dificuldade. Meu filho tem apenas 1 ano e 9 meses. Nos hotéis havia sempre um chiqueirinho.”

Dica da Karla: “A primeira viagem que fiz com meu filho ele ainda ia completar 3 meses. Fomos a Montevidéu. Ele reagiu super bem ao frio da época. Levamos a capa do carrinho para proteger do vento, roupas quentinhas e alguns remedinhos para o caso de alguma emergência. A nossa principal preocupação foi com o berço do hotel, o resto foi só questão de adaptação, uma rotina mais devagar, sem aquela sede de conhecer o mundo em um dia. Depois disso, aos 5 meses, fomos morar em Natal e de lá fomos para várias cidades do Nordeste e depois para o Sul.”

Dica da Juliana: “Eu viajei com meu filho quando ele estava com 7 meses e meio. Fomos eu, meu marido e ele pra Nova York, no frio. A viagem foi ótima. Deu tudo certo, apesar dos meus medos: vôo longo, frio intenso e alimentação diferente. Arthur se comportou muito bem nos dois vôos, se adaptou rápido ao fuso e comeu todas as papinhas que ofereci durante a viagem. Claro que sabíamos que não seria a mesma coisa que foi das outras vezes em que estivemos em Nova York, as limitações são muitas. Mas valeu muito a pena. Saíamos por volta das 9 da manhã e voltávamos perto das 18h. Nesse momento eu dava de mamar, dava banho nele e saíamos novamente, pra jantar. Como ele ainda mama no peito, nem precisei procurar um hotel com cozinha ou coisa do tipo. Ele comeu as papinhas de potinho mesmo e algumas frutas que comprava e conseguia amassar. Só pedi pra colocar um berço no nosso quarto. Foi maravilhoso. Tirou o ‘medo’ de viajar com bebê. Já estamos planejando as próximas férias. Com ele no pacote, claro!”

Dica do Daniel: “Tenho uma filha de 2 anos, a Nina. Quando ela tinha 5 meses fomos a Cabo Frio, e pegamos um bom friozinho de uns 9, 10 graus em Petrópolis. Com 7 meses fomos passar um feriadinho em São Paulo, andando de metrô mesmo. Com 8 meses fomos pra Aruba. E quando ela tinha 1 ano e meio fomos para a Disney. Todas as experiências foram muito tranqüilas.”

Dica do Douglas: “Eu e minha esposa viajamos com nossa filha para Buenos Aires quando ela tinha 7 meses. Pegamos diversos táxis (eles colocavam o carrinho no banco da frente), metrô e ônibus com ela, tudo tranqüilo. No metrô inclusive um funcionário me ajudou a achar o elevador para sair da estação com o carrinho, bem de boa! Ficamos no Awwa, muito bom porque tem mini cozinha, minha esposa fez sopa para minha filha e sempre saíamos com um potinho com sopa e esquentávamos no mesmo lugar onde iríamos comer. Em frente ao hotel tem uma vendinha; compramos frutas, sucos, etc. Avião foi melhor do que eu pensei (já peguei vôo São Paulo-Londres com um bebê chorando mais da metade do vôo). Ela dormiu, acordou, ‘brincou’ com os vizinhos de poltrona, bem tranqüilo!”

Dica do Hugo: “Eu e minha esposa levamos nosso filho, então com 4 meses, para passar uns dias no Tivoli, na Praia do Forte. Lá contratamos uma babá que ficava com ele de manhã, enquanto estávamos na praia, e à noite, quando ele já estava dormindo, na hora do nosso jantar. Foi tudo tranqüilo, e pudemos aproveitar muito sem desgastar o nosso filho ou sair muito da sua rotina.”

Dica da Fernanda: “Levamos Carol para 1 semana em Nova York e 3 em Orlando (tudo à mão, carro, apartamento com cozinha…), quando ela tinha 1 ano e meio. Com 2 anos fomos pra Santiago, com direito a dois dias de esqui. E outras viagens pelo Brasil: Nannai, Praia do Forte, Santa Catarina, São Paulo“.

Dica do Rodrigo: “Cidades medievais não são legais com bebês. Estivemos em Carcassonne quando o Dudu tinha 1 ano, e Sarlat quando ele tinha 2 anos, e teve muito tombo e joelho ralado (o chão de pedra é ruim pra andar de carrinho, e perigoso para quem a recém aprendeu a andar). Cidades grandes são boas para bebês pela infra que se tem à disposição, e a possibilidade de andar sempre com o carrinho. O Dudu já esteve no Rio, Recife, Paris, Barcelona, Amsterdã e sempre foi super tranqüilo, inclusive adorou a Fête de la Musique e o Dia da Rainha, festas com muita gente na rua. Praias e destinos rurais são os melhores destinos para bebês e crianças pequenas, na minha opinião. Se tiver algum programa com bicho (fazenda, zoológico…), é o que eles mais curtem.”

Dica da Sara: “Viajo com minha filha desde quando ela tinha 5 meses. A primeira viagem foi uma loucura, de carro para a Chapada Diamantina, com o fundo do carro lotado com muitas malas, utensílios, liquidificador, carrinho, brinquedos, banheira, etc. Aos 10 meses fizemos uma segunda viagem, para Itacaré, e infelizmente o hotel não era nada acessível para crianças. Foi um desastre! Aos 18 meses fomos para o Chile e, apesar do frio, tudo foi perfeito. Providenciei uma roupa da marca Solo para usar como segunda pele, o que mantinha minha bebê sempre aquecida. Paris não é uma cidade para crianças, não há rampas (um problema para andar de carrinho), o metrô é antigo e são poucas as estações com elevadores. O restaurantes não são ‘child-friendly’. Quase fomos expulsos de um deles! As longas escadarias de museus e os banheiros não são adaptados para criança. Não há trocadores. Tive que me ‘virar’ no carrinho mesmo. Já nos Estados Unidos tem os family bathrooms, com assentos para adultos, trocadores, pias amplas. Tudo acessível. Aliás, viagem com criança é definitivamente nos EUA. Tudo preparado pra eles, as pessoas estão acostumadas a receber casais com filhos menores, tudo é mais fácil. Você se sente bem acolhida e mais calma pra curtir a viagem. Além dos parques infantis espalhados para todo canto, a criança se diverte muito. Você ainda pode levar pouca roupa e utensílios porque caso precise, lá você encontra tudo!”

Dicas do Ricardo: “Fizemos várias viagens próximas desde os 3 meses dele (Monte Verde, Águas de São Pedro). A primeira envolvendo vôo foi para um resort na Bahia (10 meses) e a maior e melhor foi para a Itália quando ele tinha 1 ano e 5 meses. Ficamos 20 dias viajando pela Itália e Suíça. Na Itália alugamos carro e viajamos por boa parte do país. Nas cidades usávamos metrô e ônibus mesmo. Na Suíça foi tudo de trem.”

Dica da Jaquelina: “Nas viagens nacionais, 70% dos nossos destinos hoje em dia são resorts.”

Dica do Marcio: “Recentemente fomos todos para Santiago e Viña del Mar. Achei Santiago uma excelente opção para ir com os pequenos. A cidade é plana, cheia de parques e praças com brinquedos. Para começar, eu sugiro que os pais de primeira viagem experimentem um resort ou um hotel-fazenda para ir testando com uma estrutura mais completa como é viajar com o pequeno, como ele se comporta, o que levar na mala e o comportamento no vôo e trânsfer, se for o caso. Depois é se aventurar por outros destinos!”

Leia mais:

Passagens mais baratas no Kayak

Encontre seu hotel no Booking

Faça seu Seguro Viagem na Mondial Assistance

Aluguel de carro na Rentcars em até 12 vezes e sem IOF

Passeios e excursões com a Viator

Compre ingressos para os parques temáticos na RCA

68 comentários

Viajo com minha filha desde pequenininha.. com 3 meses viajávamos pelo Brasil, viagens curtas pra ela ir se acostumando.. com 6 meses ela encarou Buenos Aires e Montevidéu.. e depois encaramos uma viagem para Budapest Vienna Amsterdan e Lisboa quando a fez 12 meses (ela aprendeu a andar de vez durante a viagem).. foi bem mais tranquilo do que a gente pensou.. mas se puder deixar algumas dicas

1) evite voos demorados (na viagem em questão pegamos o voo Brasília-Lisboa da tap, direto, por ser o mais curto possível, mesmo que seja um pouco mais caro)
2) evite conexões demoradas.. se ficar parado a toa num aeroporto por horas já é entediante pra um adulto, imagina pra uma criança de 1 ano.. se for o caso, faça um pernoite e continue no dia seguinte..
3) não adianta achar que ela vai fazer a viagem no seu ritmo que não vai.. vai ser no ritmo dela.. então sabe aquela cidade que todo mundo diz que 3-4 dias são suficientes? Se prepare pra ficar 6 (como regra, faço um incremento de 33-50% nos dias regulamentares)
4) tem coisas que não vai dar pra fazer mesmo, tipo sair pra tomar vinho a noite.. esquece.. mas tem coisas que da pra fazer se você dividir.. por exemplo, mknha esposa e eu fazíamos questão de ir no museu Van Gogh.. então ela marcou pra ir em um dia, enquanto eu passeava com a bebê.. e no dia seguinte eu fui sozinho, curtir em paz, sem pressa, no meu tempo.. a viagem e com o bebê, mas você também tem que curtir
4) apartamentos são melhores que hotéis, por uma simples questão de ter espaço pra espalhar aquele monte de coisa, cozinha pra eventualidades, lavar roupa numa emergência.. então em cidades com boa oferta de apt pra alugar, pra mim sempre e a primeira opção..
5) nunca esqueça a mala de remédios dela! Peça receita de antibióticos pra pediatra e leve, porque se precisar comprar lá fora você vai perder muito tempo pra conseguir.. se não usar, ótimo!

Tem mais, mas deixa assim pro post não ficar mais comprido ainda.. Hehehhe

Carlos

Li este post quando fui viajar com o Mascote VnV dos 10 anos pq agora tem 15 anos #VnV 15 anos desta vez eu perdi rs) em 2017 para a Flórida – eu queria conhecer Key West além de visitar nossas famílias de lá e levá-lo na Disney. Arrumei um hotel com piscina em KW- ele amou e eu conheci tudo que queria e depois revi os lugares que já tinha ido várias vezes. Chega minha hora de retribuir e incentivar – em 2018 realizei o sonho de fazer a Highway 1, 10 anos depois de tentar de ônibus e trem rs – fiz um roteiro todo kids só reclamou do passeio das 10 mile rs mas amou o Aquário de Monterey no mesmo dia . Mas para mim o maior desafio foi levá-lo a uma exposição e a museu em 2019 – era meu sonho conhecer o VASA em Estocolmo e levei ele na Exposição do Atelier des Lumières- em Paris. Criei uma história de piratas que afundaram o navio e com 5 anos ele repetia para todo mundo. Ele desenhar o autorretrato do Van Gogh depois de voltar de lá em uma pesquisa do colégio mostra que vale a pena apesar de todo cansaço, procurar o que ele come (na Escandinávia teve almoço que foi Batata frita pq ele não come pizza e hambúrguer) e tentar fazer ele tomar Dramin pq desde pequeno passa mal em longas distâncias…o bom é que cresce dizem hahahaha carrinho guarda chuva foi útil de 1 ano e meio a 4 anos e meio – com 5 já não levamos pq ele queria andar – em Paris andava 10 km por dia, com paradas em parquinhos e bancos.

Viajo com minha filha desde seus 3 meses de carro, trem e avião. No Brasil já fomos a SP, cidades do RJ e Nordeste. Para fora, fomos primeiro para Europa qd ela tinha 10 meses (Portugal, Alemanha, Bélgica e Holanda), depois para Caribe com 15 meses (Barbados e ilha de Granada) e passamos o último reveillon no Chile, na região de Puerto Varas (18 meses).
O avião é realmente a parte mais difícil para a gente pois ela não quer dormir e só quer correr pelo avião. Mas encarando que são apenas 10 horas para 3 semanas de férias maravilhosas, fica mais leve. Já escrevi algumas dicas das nossas viagens (https://viagemcomthatha.com/).
Vale sempre lembrar que uma viagem com bebê não será a mesma de antes. Por exemplo, quase não saímos mais para jantar fora e nos hospedamos mt mais em Airbnb. Mas são momentos únicos em família que fazem valer a pena qq perrengue!

“O bebê influencia menos no ritmo da viagem, qualquer coisa pra ele tá bom, não tem vontade e nem opinião. Seu stress é facilmente resolvido com um brinquedo colorido ou o peito da mãe.”
Gente, li esse comentário qnd ainda estava grávida e fui iludida hahaha Bom, o pensamento mais sensato é o de que cada um sabe o bebê que tem. Sabendo quais dificuldades e gostos do nosso filho, podemos escolher melhor o roteiro. Meu filho de 9 meses amou uma recente viagem a um parque aquático, já roteiros de passeios urbanos dentro de um carrinho seriam estresse na certa. Em geral, uma coisa importante e prática a se avaliar em qualquer destino é a estrutura, inclusive hospitalar.

Avião pode ser um transtorno com crianças pequenas.
Com nossa filha sempre davamos umas gotinhas de Dramin assim que chamavam para o embarque. Ela dormia tranquilamente o vôo todo e chegava no destino final descansada.
Para não ter dor de ouvido na decolagem e aterrissagem, a dica é dar algo na mamadeira para ela sugar… o sugar impede a pressão no ouvido.