Vinícolas em Santiago: como visitar Cousiño Macul e Concha y Toro de metrô

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Cpusiño Macul

Vinho é sempre um assunto importante para quem vai a Santiago. Não importa o seu estágio no assunto -- iniciante, curioso, avançado --, sempre há o que visitar. Enófilos de carteirinha já saem de casa com sua lista de vinícolas a visitar (e degustar) nos vales de Casablanca (domínios de Sauvignon Blanc e Chardonnay) e de Colchagua (onde moram as uvas Carmenère, Cabernet e Syrah). Mas se o seu objetivo é simplesmente ver um vinhedo de perto, percorrer as instalações de uma vinícola, entender como o vinho é feito -- e ainda provar de três a cinco amostras da produção local --, não é preciso se afastar da cidade. Duas vinícolas do Vale do Maipo (dominado pelas castas Merlot e Cabernet) podem ser visitadas combinando metrô e ônibus: a histórica Cousiño Macul e a popular Concha y Toro.


Passeio à vinícola Cousiño Macul de metrô + ônibus ou táxi

Cousiño Macul

A Cousiño Macul é a vinícola mais próxima do centro (e, na minha opinião, a que vale mais a pena entre as duas). O primeiro passo é marcar a visita no site da vinícola.

Esteja na estação Tobalaba do metrô (entroncamento das linhas 1/vermelha e 4/azul) com pelo menos uma hora de antecedência em relação ao horário da visita. A estação Tobalaba está a menos de 10 minutos da estação Baquedano (onde está o hotel Mito) e a pouco mais de 5 minutos das estações Manuel Montt (onde está o Ibis Providencia) e Los Leones (onde estão o Orly e Le Rêve). Num raio de 5 a 8 minutos de caminhada da estação Tobalaba estão hotéis como RQ Bosque Tobalaba (em frente), NH Collection, Doubletree by Hilton e Atton El Bosque. A estação está a uma quadra do shopping Costanera Center, o que facilita que esse passeio seja feito em dobradinha com o mirante Sky Costanera.

Cousiño Macul

Pegue a linha 4, direção Plaza de Puente Alto. Desça na nona estação, Quilín (existe mais adiante uma estação chamada Macul, mas não serve).

Paseo Quilín

Ao sair da estação, vire à esquerda. Você vai passar por uma passarela subterrânea sob a avenida expressa e vai chegar a um shopping, o Paseo Quilín.

Paseo Quilín

Ali você tem as duas opções para terminar o percurso. Pode pegar um táxi (vai sair entre 2.000 e 3.000 pesos -- R$ 15 a R$ 18 pelo câmbio de setembro/2015) ou seguir de ônibus. Os dois pontos ficam no próprio pátio de estacionamento. O ônibus (na verdade, microônibus) que serve para a vinícola é o D57. Custa 670 pesos (R$ 4) mas não pode ser pago em dinheiro; só com a tarjeta Bip, o 'bilhete único' santiaguino que você compra nas estações de metrô. Se você usou a Tarjeta Bip no metrô, o trecho de ônibus não será cobrado. O táxi vai levar 5 minutos; o ônibus, 10 minutos. Peça para o motorista avisar a parada (paradero, no espanhol local).

Cousiño Macul

Pronto, chegamos.

O charme da Cousiño Macul é ser uma das mais antigas bodegas chilenas -- e ainda nas mãos da mesma família. O fundador, Luis Cousiño, era de origem portuguesa. Sua mãe morreu no parto; seu pai se casou novamente -- e, num enredo digno de novela de época, o menino Luis acabou se casando com Isidora, uma das filhas da madastra. Naquela época eles ainda não sabiam, mas Isidora Goyenechea viria a dar nome à avenida que detém o maior PIB por m² de Santiago. Luis morreu precocemente, de tuberculose, e coube a Isidora comandar o império da família, que além da vinícola incluía uma mineradora (de carvão).

Ao chegar à vinícola, procure o balcão da recepção de passeios. Eles vão conferir a sua reserva e cobrar a visita (aceitam cartão de crédito).

Cousiño Macul

Mesmo com a cidade cheia de brasileiros (era o nosso feriado de 7 de setembro), o grupo do meu horário (11h) era pequeno. Gostei.

Cousiño Macul

O tour – em espanhol -- começa pelo vinhedo (la viña), que se estende até a sede. O guia, de ótima didática, dá explicações sobre o Vale de Maipo e suas uvas. (Fiz a visita no fim do inverno, quando as parreiras estão peladas; só chegando muito perto daria para ver os primeiros brotos de folhas surgindo. Se você quer ver uvas no pé, visite entre dezembro e março.)

Cousiño Macul

As instalações hoje são meramente cenográficas, usadas nas visitas, em eventos e em... filmagens e gravações. (Atualmente estão gravando uma novela por ali.) Mas ainda é o lugar que abriga a adega particular da família Cousiño.

Cousiño Macul

O destaque da visita é a cave subterrânea. Construída no fim do século 19 com projeto francês, é tida (ou pelo menos eles disseram e eu acreditei) como uma das caves mais perfeitas já construídas fora da Europa. As grossas paredes de tijolos usam como rejunte uma argamassa local chamada cal y canto, feita de areia e clara de ovo. A temperatura interna fica estável em 15ºC, não importa a época do ano.

Cousiño Macul

A visita termina uma sala-museu onde estão expostas traquitanas usadas na produção, engarrafamento e distribuição do vinho na era mesozóica.

Cpusiño Macul

O grupo volta então à sede, onde é dividido segundo o tipo de visita que foi comprado. Quem comprou a visita Regular fica na sala principal, onde são servidos três tipos de vinho: um varietal, um reserva e um gran reserva.

Cousiño Macul

Quem comprou a visita Premium (presente!) é chamado para uma salinha onde há uma mesa pronta com os cinco vinhos (incluindo um premium) a serem degustados já servdos nas taças, e um prato de queijos e frutas secas. Um segundo enólogo aparece para explicar cada um dos vinhos e proceder ao ritual da degustação.

Não tenho nenhuma autoridade para opinar sobre os vinhos – mas o passeio é redondinho.

Visita à vinícola Cousiño Macul

Visitas de 2ª a sábado em diversos horários. Não há visitas aos domingos, 1º de janeiro, Sexta-feira Santa, 1º de maio, 18 e 19 de setembro e 25 de dezembro. Visita Regular: 9.000 pesos chilenos. Visita Premium: 18.000 pesos chilenos. Não há visitas em português. Visitantes até 17 anos não pagam. Reserve no site da vinícola.A Snowtours oferece o passeio de meio-dia, incluindo a entrada, por 24.000 pesos.


Passeio à vinícola Concha y Toro de metrô + ônibus ou táxi

Concha y Toro

A Concha y Toro é a maior exportadoras de vinhos da América do Sul, e a mais conhecida no Brasil. Por isso é top of mind entre os brasileiros que visitam Santiago. As principais agências de turismo receptivo vendem excursões de meio dia à vinícola. Mas o passeio também pode tranqüilamente ser feito por conta própria. O primeiro passo, como sempre, é marcar a visita no site da vinícola.

A Concha y Toro fica 12 estações adiante da Cousiño Macul. Por isso, esteja na estação Tobalaba do metrô (entroncamento das linhas 1/vermelha e 4/azul) com pelo menos uma hora e meia de antecedência em relação ao horário da visita. A estação Tobalaba a pouco mais de 5 minutos das estações Manuel Montt (onde está o Ibis Providencia) e Los Leones (onde estão o Orly e Le Rêve). Num raio de 5 a 8 minutos de caminhada da estação Tobalaba estão hotéis como RQ Bosque Tobalaba (em frente), NH Collection, Doubletree by Hilton e Atton El Bosque. A estação está a uma quadra do shopping Costanera Center, o que facilita que esse passeio seja feito em dobradinha com o mirante Sky Costanera.

Tome a direção Plaza de Puente Alto e desça na estação Las Mercedes.

(Caso você esteja hospedado nas redondezas da estação Baquedano – onde onde está o hotel Mito) – pode pegar a linha 5/verde na direção Vicente Valdez e então trocar para a linha 4, direção Plaza de Puente Alto, e desça em Las Mercedes.)

Concha y Toro

Em Las Mercedes, pegue a saída Av. Concha y Toro Poniente. Ao chegar à superfície você vai ver o ponto de táxi (a corrida à vinícola sairá 3.000 pesos/R$ 18, e levará 10 minutos) e um grande ponto de ônibus coberto. Os ônibus que passam pela Concha y Toro são locais e não param ali; seu ponto fica à esquerda da parada coberta. Você pode pegar os ônibus 73, 80 e 81; o percurso vai levar de 15 a 20 minutos. A passagem custa 670 pesos (R$ 4) e precisa ser paga em dinheiro; a tarjeta Bip não funciona, porque a Concha y Toro está em outro município, Pirque.

Concha y Toro

A bilheteria fica junto ao portão; você paga a sua reserva e ganha uma pulserinha colorida que indica o seu grupo.

Concha y Toro

Caso chegue cedo, você pode aproveitar o restaurante da vinícola. Eu não tinha muito tempo, pedi uma porção de empanadas que estava excelente.

Os grupos na Concha y Toro são grandes, e há visitas em português. O tour começa num auditório, com um vídeo de 10 minutos.

Concha y Toro

De lá, o grupo passa a uma visita pelos jardins da propriedade -- que incluem o Jardín de Variedades, onde estão plantadas as 26 cepas de uva usadas pela cia --, os vinhedos e, por fora, La Casona, a residência de verão da família. Infelizmente esta parte, que intuo ser a mais interessante do tour, não é oferecida em dias de chuva, como o meu. Preciamos nos contentar com a vista da varanda.

Concha y Toro

Nesta varanda acontece a primeira degustação, de vinho branco. Cada visitante recebe uma caixinha com uma taça, que servirá de souvenir. A guia é ainda mais didática que o da Cousiño Macul. Nota-se que está preparada para falar com quem não tenha absolutamente nenhuma informação anterior sobre vinho.

Concha y Toro

Descemos então à cave.

Concha y Toro

Depois das explicações técnicas, vamos ao que a cia. considera como o ponto alto do tour, a visita à cave do Casillero del Diablo (garrafeira do diabo).

Concha y Toro

O escurinho dali permite que a projeção de uma animação na parede que conta a lenda da aparição do diabo para ladrões de vinho.

Concha y Toro

Depois do filminho, subimos para o térreo para a degustação final, de tintos.

Fiz o tour Tradicional. Há um segundo tour, Marqués de Casa Concha, que talvez seja mais técnico. O basicão parece feito sob medida para acharia aborrecido um tour convencional de vinícola, e por isso agrega esses efeitos especiais de parque temático da Flórida. Vale para levar criança...

Visita à vinícola Concha y Toro
Visitas diárias, inclusive domingo, em vários horários. Não há visitas dias 1º de janeiro, Sexta-feira Santa, 1º de maio, 18 e 19 de setembro e 25 de dezembro. Visita Tradicional: 12.000 pesos (há grupos em português). Visita Marqués de Casa Concha: 22.000 pesos (não há grupos em português). Visitantes até 17 anos não pagam. Reserve no site da vinícola. As principais agências oferecem passeios guiados de meio-dia à Concha y Toro. Na Snowtours sai 24.000 pesos; na Turistik, 29.000 pesos (26.100 pela internet), e na TurisTour, 30.000 pesos (27.000 pela internet).

Leia mais:

29 comentários

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Excelente e completíssimo o post!! Só um detalhe, para quem tem a Tarjeta Bip (1.500 Pesos em qualquer bilheteria do metrô, un 8,50 Reais) e tiver utilizado ela no metrô, o ônibus do Paseo Quilín para a Cousiño Macul é grátis. A Bip permite utilizar ônibus+metrô+ônibus pagando só uma tarifa durante o período de duas horas.
Mas não serve para o ônibus do metrô para a Concha y Toro, que já é fora de Santiago (Pirque).
Apesar do metrô de Santiago ser muito eficiente, acho válido comprar a BIP para utilizar os ônibus na cidade. Pessoalmente, ao viajar, prefiro ver a paisagem das ruas do que a subterrânea. Mas sem dúvida que, para chegar à Cousiño Macul e à Concha y Toro, como informa o Comandante, o metrô é o modo de chegar.

Ricardo Freire

Obrigado, Neftalí! Não tinha percebido que o ônibus não tinha sido debitado do meu saldo smile Vou incluir no texto.

(E agora entendi porque o ônibus da Concha y Toro não usa Tarjeta Bip...)

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Quando fui a Santiago visitei a Cousino Macul e fui de metro e ônibus. A vinícola realmente é muito bonita e vale a visita. Recomendo

Maria Carvalho

Fizemos Concha y Toro Marques de Casa Concha em 11.09.2015 pela Turistik com uma ótima guia. Era um grupo pequeno com 5 pessoas. Excelente ! 31.000 per capita, mas valeu a pena. Pegaram e deixaram no hotel.
A guia na vinícola era uma paulistana de ascendência nipônica,
que falava espanhol perfeito.
A degustação privativa com a enóloga foi antes do tour pela vinícola. Como nosso grupo tinha apenas 5 pessoas, ficou bem personalizado. 4 vinhos top, tábua de pães e queijos. A tábua também era brinde da vinícola, assim como a taça que vc mencionou.
Restante do tour como descrito por vc. Não teve filminho no início do tour.
Saímos do Chile 2 dias antes do terremoto de 8.4 graus ?

Joana
JoanaPermalinkResponder

Fiz o tour de bicicleta na cousino macul em abril de 2014. Através do site la bicicleta verde. Muito legal. Provamos uva do pé

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Fiz as duas visitas,nesse esquema de transporte público. Gostei muito mais da Concha Y Toro, não só pelos vinhos, quanto pela visita em si.

Camilla
CamillaPermalinkResponder

Estive em Santiago em maio/2015 e fiz as duas visitas no mesmo dia. Fiz a Concha y Toro primeiro, de metrô + táxi, e optei pelo tour Marques de Casa Concha. Achei que vale a pena pela explicação detalhada e também pela tábua de queijos servida para harmonizar (e que é dada de brinde depois). Fiz um lanche no restaurante, super recomendado, e de lá peguei um táxi para a Cousino Macul. Não tinha marcado essa visita, mas fui recebida super bem e fiz o tour básico que eles oferecem. Ao final da visita, peguei novamente o combo táxi + metrô. Para quem gosta de vinhos, acho que vale a pena fazer as 2 visitas em um único dia.

Cristiano
CristianoPermalinkResponder

Riq, visitei a Concha y Toro em um dia ensolarado no verão de 2013 e também não pude visitar o casarão. Acho que é padrão.

Luciana Terra
Luciana TerraPermalinkResponder

Também da pra ir as Vinãs Aquitania e Santa Rita utilizando o excelente sistema de metrô de Santiago!

Cristiane
CristianePermalinkResponder

Peguei as dicas aqui no site e acabei optando por ir a Vinícola Santa Rita, que fica alguns quilômetros após a Concha y Toro. O tour foi super completo, mostrando todas as etapas de produção do vinho, além disso a vinícola tem um ótimo restaurante, uma paisagem belíssima e um museu (Museu Andino). Fui por conta própria seguindo as indicações disponíveis no site da Vinícola. Só um porém, se quiser ir por conta própria, tem que sair de Santiago com no minimo 2 horas de antecedência, pois você irá gastar cerca de 50 minutos até a estação Las Mercedes e de lá pegar um micro ônibus que demora um pouco a passar e gasta uns 40 minutos até na Vinícola. Outra opção, mesmo indo por conta própria, é combinar a ida a Vinícola Santa Rita e Concha y Toro, pois o mesmo ônibus (MB 81) passa na porta das duas. Ir de ônibus e metrô demora um pouco mais, mas sai bem mais em conta do que ir por agência. Recomendo!

Marcela
MarcelaPermalinkResponder

Estava em Santiago quando busquei esta dica pois as agencias locais de turismo estavam cobrando cerca de 30.000 pesos para visitar 1 vinícola. Segui as dicas e consegui visitar as duas vinícolas por conta propria e sem qualquer dificuldade. Deixo aqui apenas uma outra dica. Soube que a Vinicola Santa Rita é muito mais bonita que a Concha y Toro e Cousiño Macul e saindo da estação Las Mercedes são 20 minutos de taxi. Uma pena que não deu tempo de visita-la.

Amanda
AmandaPermalinkResponder

Olá! Por favor, gostaria de saber se é possível visitar as duas vinícolas no mesmo dia. Se sim, qual a ordem que devo seguir: Concha y Toro e depois Cousiño Macul ou vice-versa? Desde já agradeço. Estou usando as dicas do VnV para o meu roteiro de viagem a Santiago em Setembro. Valeu, Ricardo e Boia!! =)

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Amanda! Indo a uma de manhã e a outra à tarde, sim, é possível. A ordem quem decide é você, ou a que os horários disponíveis determinarem.

Nadia
NadiaPermalinkResponder

Alguém poderia me indicar uma agência confiável para fazer o tour da Concha Y Toro? No site não tem disponibilidade para nenhuma das datas que estarei na cidade em agosto e gostaria muito de fazer este passeio. Será que consigo através de agência de turismo?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Nadia! Possivelmente está muito cedo, ou tem algum priblema no site. Deixe para ver mais perto ou ligue ao chegar.

Nadia
NadiaPermalinkResponder

Obrigada Bóia! Tentarei novamente daqui uns dias.

Galvão
GalvãoPermalinkResponder

Também não consegui pelo site para nenhuma data, tentei próximas e distantes. Consegui através do e-mail que tem no site.

Fabiano
FabianoPermalinkResponder

Consegui marcar minha visita no tour tradicional na Concha y Toro para o dia 25/11 às 10h, custo de 24000cl ou R$120 para duas pessoas.

Antonio Carlos

Ótimas explicações.....Parabéns!!
Vou hoje para lá, por conta própria, e não sabia como. Super 10!!!!
Antônio Carlos.

Núbia
NúbiaPermalinkResponder

Fui para Santiago em julho e visitei a vinícola Concha y Toro de metrô e taxi , fiz o caminho descrito no post e deu tudo certo. A corrida de táxi foi 3 mil pesos e levei cerca de 1:20 da estação Tobalada até a vinícola. Bom passeio mas esperava mais, achei muito rápido e comercial demais.

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Fui em dezembro/15 a vinícola Concha y Toro com amigos por conta própria, saindo de Providência, seguindo exclusivamente as instruções do Viaje na Viagem, e deu supercerto!
Alguns detalhes:
- vale fazer o tour Marques de Casa Concha, que ao final tem uma degustação mais completa em sala reservada, com queijos e 5 vinhos. E ganha a tábua que queijos, além da taça de vinho, ao final.
- sugiro fazer o tour de manhã e, ao término, almoçar no restaurante da vinícola, que é delicioso! E cai bem comer depois de beber tantos vinhos...
- a viagem de metrô é excelente, já a parte do transporte público é pior. Os táxis disponíveis são carros velhos e sujos num geral. Por isso, optamos pelo ônibus, e descobrimos que também são bem velhos, muito piores dos que circulam aqui no Rio de Janeiro. Pelo menos era mais barato e as pessoas no ônibus eram bem simpáticas.
Acho que vale a pena ir por conta própria pela liberdade de horário e também para economizar. Os passeios de agência são absurdamente mais caros.

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Outra dica: vale a pena comprar os vinhos na loja da Concha y Toro, principalmente aqueles em promoção e os mais raros ( não os mais baratos que encontramos no supermercado do Brasil).
Comparei os preços tanto em lojas de vinho de Santiago e do Rio, como no Free Shop dos Aeroportos de Santiago e do Rio de Janeiro, e concluí que comprar na vinícola foi o melhor negócio.

Ana paula
Ana paulaPermalinkResponder

Amei essa vinícola.

Sarah de Almeida Prates

Boa tarde. Irei realizar a viagem na próxima semana e estou um pouco preocupada com os horários que reservei as visitas.
Marquei a visita a Cousiño Macul para as 11h - o horário mais cedo da sexta-feira - e Concha y Toro reservei para as 14:50. É muito arriscado se eu seguir as dicas para me locomover com o transporte público? Deveria modificiar o horário de Concha y Toro para 16h?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sara! Deve dar certo, mas remarcando para mais tarde você tem tempo de fazer um lanche entre as visitas.

Marcelo Medeiros

Excelentes dicas. Fiz a viagem agora em Julho de 2017 e realmente a Cousiño Macul é muito melhor que Concha y Toro, tanto pelo passeio quanto pelos vinhos. A degustação simples da Cousiño Macul já é uma aula de vinho. Estava com família de 4 pessoas e foi muito tranquilo ir pelo metro e depois taxi, que sai por volta de CLP 2500. Na volta, usamos o Uber, que saiu pouco mais de CLP 1200. Na Cousiño Macul há wifi de boa qualidade. Não gaste uma fortuna indo nas Vans dos receptivos, siga as dicas o Viaje na Viagem e você não vai se arrepender. Só não se esqueça e agendar as visitas, fiz todos os agendamentos lá no Chile mesmo e sempre tinha para o dia seguinte. Estava em temporada, então era fácil achar horário com turmas em português.

Kátia
KátiaPermalinkResponder

Bóia, gostaria de confirmar com você se o ônibus que se pega na estação Los Mercedes não precisa da tarjeta Bip. Pois encontrei pessoas dizendo que precisa na internet. E não consegui confirmar isso. E ainda, na volta da para fazer o inverso, pegar ônibus e descer na Los Mercedes?
Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Kátia! Quando o Ricardo Freire fez esse trajeto, em setembro de 2015, não precisava (a tarjeta sequer era aceita). Mas se você chegar até Las Mercedes, já terá um cartão Bip com você. Carregue com uns pesos a mais e tudo dará certo.

Graça
GraçaPermalinkResponder

Fiz este passeio agora no final de julho. Você paga direto ao motorista, acho que 400 pesos-umas moedas. A volta é pelo mesmo caminho, super facil e o pessoal do metro esta explicando aonde é o ponto de ônibus, mas é na mesma calçada da saída do metro, não tem erro.!

Atenção: Bóia de férias! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 2 de outubro de 2017. Obrigado pela compreensão!
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar