Lisboa para vegetarianos: onde comer bem, sem carne

Heloísa Dall'Antonia
por Heloísa Dall'Antonia

Restaurante vegetariano Psi, em Lisboa

Durante os dias quentes, comer no Psi é assim

“Mas é claro que temos opção no cardápio para vegetarianos!”, afirma, confiante, o garçom. Sei. “Tem esta salada aqui (aponta para um prato só de folhas)... Esta outra é só tirar o bacon e o frango... E tem as massas, menos a bolonhesa.” Claro. Meu sonho era mesmo vir pro outro lado do mundo e comer um spaghetti ao sugo. Veja bem, nada contra o spaghetti. Mas depois que parei de comer carne, me alimentar fora de casa, ainda mais em viagens, se tornou um pouco frustrante. Não que os destinos não tenham bons restaurantes vegetarianos, mas achá-los (e ter tempo de aproveitá-los direito) nem sempre é viável. Ainda mais quando se vai a trabalho.

Por aí você entende a minha surpresa quando vi no planejamento da viagem a Lisboa, a passagem por dois restaurantes exclusivamente vegetarianos e por outros que, mesmo não sendo voltados para esse público, traziam opções bacanas, com bons toques de cozinha tradicional portuguesa. Nos dias em que o cronograma estava mais corrido, porém, devo ser sincera de que qualquer omelete com tomate (ou mesmo lanchinho pronto do supermercado) tava bom já. Ah, sim, acho justo dizer que ainda como peixe (e por isso escrevi sobre o Confraria LX).

Minha primeira refeição em solo lisboeta foi no Ministerium (Terreiro do Paço, 72 – tel. 351/218-888-454). O restaurante tem boa variedade de pratos com carnes, mas também dispõe de outras opções deliciosas, como o queijo de cabra marinado e o Brás de legumes (uma versão da famosa receita de bacalhau, mas sem o tradicional protagonista). A refeição, sem sobremesa, mas com batatas fritas, saiu por volta de €15.

O début em restaurante vegetariano foi no Psi (Alameda Santo António Capuchos, tel. 351/213-590-573), e não poderia ter sido melhor. O ambiente é lindinho (como se fosse a estrutura de um coreto no meio de um jardim, com direito a laguinho e cascata ao redor) e o atendimento é superdedicado. O ceviche de manga, as chamussas (pãezinhos) de queijo e azeitona, o roti (tipo um bolinho) de queijo feta com espinafre e cogumelos, acompanhados de um delicioso lassi (iogurte com fruta) servidos foram suficientes para, de novo, me fazerem recusar a sobremesa (que podia ser “salame do Psi”, feito de bolachas de aveia, chocolate, castanhas e figos). A refeição saiu por volta de €20.

Restaurante vegetariano Os Tibetanos, em Lisboa

Interior do restaurante Os Tibetanos

Mas se o assunto for ambiente, Os Tibetanos (Rua do Salitre, 117, tel. 351/213-142-038) também é incrível. Com cara de jardim de inverno, graças as plantas e a iluminação natural do salão, o restaurante vegetariano mais antigo de Lisboa oferece poucos pratos, mas bastante saborosos, como os momos (pastéis tibetanos) de espinafre e queijo. Na mesma linha, o Terra (Rua da Palmeira, 15 – tel. 351/ 213-421-407) é uma ótima pedida para, em um dia bonito, comer no jardim que tem árvores e até uma fonte. Há boa variedade no buffet de pratos, muitos deles vegans. No almoço, custa €12,50.

Restaurante vegetariano Terra, em Lisboa

Área externa do Terra

No The Decadente (Rua de São Pedro de Alcântara, 81, tel. 351/213-461-381), o forte são os pratos com carnes, mas o Ninho de Couscous, com cebola caramelizada, agrião, cogumelos e couve, e o bolo de maçã estavam tão gostosos que achei que merecia menção. smile Refeição por volta de €15.

No esquema self-service, o Jardim das Cerejas (Calçada do Sacramento, 36 – tel. 351/ 213-469-308) tem preços mais camaradas: €7,50 no almoço, €9,50 no jantar. As opções são menos criativas, mas tem bom custo-benefício. A conta também é mais leve no pequenininho Bio (Rua Francisco Sanches, 39 – tel. 351/ 218-122-848), que é bastante querido e lembrado pelos portugueses com quem conversei. Já no Paladar Zen (Avenida Barbosa du Bocage, 107 – tel. 351/ 217-950-009), o cardápio está diariamente exposto na internet, para facilitar a vida de quem quer ter certeza do que encontrará no buffet antes de pegar o metrô. Ali pertinho fica o Oásis Vegetariano (Rua Marquês Sá da Bandeira, 76, tel. 351/218-095-457), que também usa sua página no Facebook para indicar quais pratos coloridos terá na mesa no dia.

Sem vontade de sair do hotel? O Jardim doSentidos (Rua da Mãe d’Água, 3 – tel. 351/ 213-423-670) entrega.

Heloísa viajou a convite do Turismo de Lisboa.

Leia mais:

1 comentário

Diana G.
Diana G.PermalinkResponder

O Psi é sem dúvida uma referência vegetariana por cá. Recomendo um que abriu há menos tempo (cerca de 3 anos) mas que é muito bom: O Temple of Food. Fica na Mouraria, tem um menu minúsculo com poucos pratos, mas é muito bom!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar