Saqsaywaman, Cusco

Cusco, uma cidade estonteante (em todos os sentidos)

Saqsaywaman, Cusco

É fácil perder o fôlego em Cusco. E por Cusco, principalmente. Uma das mais lindas cidades das Américas, a antiga capital do império inca faz o coração palpitar, a cabeça girar e amolece as pernas.

Culpa da altitude – e da incrível mescla de arquitetura inca e colonial espanhola. De Saqsaywamán e do circuito de sítios arqueológicos. Do colorido artesanato andino. Das ruas e vielas de paralelepípedo. Dos cafés, albergues, lojas e pequenas praças que vão aparecendo pelo caminho.

Em Cusco a gente aprende a arfar e suspirar ao mesmo tempo.

Cusco


Primeira viagem ao Peru:

O centro histórico de Cusco e o convento de Santo Domingo

À primeira vista, o centro histórico de Cusco nada mais parece do que uma típica cidade colonial espanhola. Na verdade, os conquistadores construíram tudo aquilo sobre uma estrutura urbana complexa que já existia, de autoria dos incas. Muitos dos grandes símbolos de Cusco hoje, como sua catedral, foram erguidos pelos espanhóis em cima de templos e palácios-símbolo do antigo império.

Convento de Santo Domingo, Cusco

É o caso do convento de Santo Domingo, ou Qoricancha, que em quéchua quer dizer “pátio dourado”. Durante o governo de Inca Pachacuteq (o mais bambambã entre os imperadores Incas), Qoricancha foi o templo principal e o mais cheio de riquezas. Narram as crônicas espanholas que suas paredes eram nesta época cobertas por ouro maciço. Os conquistadores fizeram a rapa, mas podemos dizer que um dos tesouros ficou por ali: o testemunho da sofisticada arquitetura inca, com paredes e câmaras intactas feitas de pedra encaixada.

Convento de Santo Domingo

O convento de Santo Domingo, construído por sobre o templo de Qoricancha, foi fundado no século XVI e é uma das atrações imperdíveis de Cusco.

Um tour pelas ruínas

Os sítios arqueológicos no entorno de Cusco rendem um ótimo passeio de meio dia. Estive em Saqsaywamán, Q’enqo e Puka Pukara. Tambomachay completa o circuito.

Puka Pukara

A melhor maneira de fazer este recorrido é contratando um tour guiado. As explicações do guia são toda a graça desse tipo de passeio. Além do mais, ir de um desses locais a outro usando transporte público não deve ser nada fácil (ou sequer possível).

Cada lugar teria desempenhado uma função diferente durante o império inca. Puka Pukara seria como uma alfândega; Q’enqo, um local de rituais e sacrifícios; Tambomachay, onde os incas teriam construído canais (que ainda funcionam!) para cerimônias de adoração às águas.

Saqsaywamán

De todos os sítios arqueológicos, o mais impressionante é Saqsaywamán. Cenário dos festejos do Inti Raymi a cada 24 de junho, Saqsaywamán é uma construção colossal feita por pedras imensas, que chegam a pesar algumas centenas de toneladas.

Saqsaywamán

A função de Saqsaywamán durante o império inca é ainda discutida. Alguns estudiosos afirmam que teria fins militares. Outros, que os propósitos seriam religiosos.

Saqsaywamán

Saqsaywamán

Eu acho, antes de mais nada, que Saqsaywamán serve mesmo é pra gente se sentir pequenininho.

O puxadinho mais elegante de Cusco

Um dos melhores restaurantes de Cusco está localizado… em um contêiner! A duas quadras da Plaza de Armas, o MAP Café é um elegante puxadinho dentro do Museu de Arte Pré-Colombiana.

Map Café

O museu é grifado – uma espécie de filial do Museu Larco, de Lima. E, se na capital peruana, o restaurante do museu-matriz não é mais do que mediano, em Cusco tive a melhor experiência à mesa de toda a viagem.

MAP Café

Não bastasse a deliciosa sopa de milho e cogumelos, um conforto para os estômagos mais remexidos pelo soroche, ainda encerrei minha passagem pela cidade com o Deus Sol em forma de torta de tangerina.

MAP Café

Ah, Cusco. Meu coração até palpita novamente.

Dicas práticas

Para curtir Cusco:

  • Use o dia da chegada para se acostumar com a altitude
  • Invista em um hotel bacana e próximo à Plaza de Armas
  • Percorra o centro histórico a pé, e sem pressa
  • Visite as ruínas com um tour guiado
  • Tenha paciência com os ambulantes mais insistentes

Cusco e as cidadezinhas do Valle Sagrado costumam anteceder Machu Picchu nos roteiros mais comuns. Eu não faria diferente… mas fiz. Com essa experiência não-ortodoxa, e contrariando todas as minhas previsões, pude concluir que Cusco arrebata mesmo se visitada depois da atração mais-mais do Peru.

Plaza de Armas

(O Valle Sagrado não entrou para o roteiro. Pela logística e pelo impacto, se a viagem inclui o Valle Sagrado, é ainda mais recomendável deixar Machu Picchu para o final.)

Dedique 3 noites a Cusco. Veja aqui um roteiro completo.

Saqsaywamán

Mariana viajou a convite da TAM Linhas Aéreas e do Sumaq Machu Picchu Hotel.

Leia mais:


Machu Picchu

37 comentários

Estive lá com esposa e duas filhas em maio passado. É magnifica Cusco e merece ser ponto de apoio para o tour no vale sagrado, por ao menos, uma semana, antes de seguir para Machu Picchu. Lá passei dois dias. A dica maior que dou para os que estão com preparo físico em dia é explorar tudo, ao máximo, à pé. Corro diariamente e isto me permitiu, depois de adaptado ao soroche, conhecer lugares inusitados e interessantes pelas ruas históricas de Cusco, inclusive Saqsaywaymán. Neste dia, deixei cedo o hotel no centro histórico e subi correndo até o sítio mais imponente de Cusco. Depois segui ao Cristo Blanco e desci pelo bairio de San Blas. Fotografei tudo e terminei nos festejos musicais e religioso ao largo da plaza de armas. Em Águas Calientes fiz o mesmo e subi a trilha até a portaria de Machu Picchu, à pé. Maravilhoso a preservação da mata e o rio urubamba de perto. No dia seguinte, claro, segui cedinho, de van, para Machu Picchu e além de horas na cidade antiga, percorri algumas trilhas abertas que existem por lá. Valeu cada centavo e pretendo voltar.

Oi Camila, eu vou dar um pitaco com relação a Arequipa e Canion del Colca. da forma que está no roteiro ficará muito cansativo. Se vc puder, durma em Chivay par na manhã seguinte ir para o canion, onde terá oportunidade de ver o voo do condor. Eu fiz dessa forma e não me arrependo. Estava viajando sozinha, mas quando cheguei em Arequipa fui a uma agência e peguei um tour. valeu a pena, pois o hotel era confortável e deu para recuperar as energias.
Se quiseres, podes olhar aqui como foi a viagem
http://caminhosdeviajante.blogspot.com.br/2015/01/canion-del-colca.html

Oi, Camila! Muito caprichado o seu roteiro. Minhas sugestões especiais para Lima são o Circuito Mágico das Águas, que é um espetáculo de fontes ornamentais no Parque Municipal da cidade, e também o restaurante La Rosa Náutica. Em Cusco fizemos todos os passeios pela agência Viajes Pacífico: eles são fera! Contam com uma equipe especializada para cada destino. Caso não queira contratar um guia ou a agência para fazer os passeios, há a opção de adquirir o boleto turístico. Se for utilizar o serviço de táxi, é bom combinar o valor antes da corrida. No Vale Sagrado, não fiquei tão encantada com o mercado de
Pisac. Ollantaytambo me impressionou mais. Amei! E não esperava tanto fascínio por este ponto turístico. Pernoitamos no Valle Sagrado e apesar de estarmos em um hotel muito gostoso, ao pé da montanha, consideramos que seria melhor ter pernoitado em Águas Calientes. Tivemos que pegar o trem de 7h, saímos do hotel muito cedo. É bom ter muitas atividades para o Valle Sagrado, senão 3 dias é muito tempo. Quanto mais cedo chegar à Machu Picchu é melhor!

Ah, Camila! Me desculpe, não vi que no dia 14 o passeio já de deixaria em Ollantay, rs. Então, se tiver viajando com o namorado, vale a pena passar a noite pra lá e ir mais descansada pra Aguas Calientes. Lembre que Macchu Picchu é o principal da viagem e vc vai precisar estar muito descansada.

Oi, Camila! Eu e minha namorada fizemos o mesmo roteiro que você, com alguns detalhes que podem fazer a diferença pra otimizar seu roteiro:
– Dias 3 e 4: Acho que você pode fazer em 1 dia só. Pegue o ônibus em Lima as 03:45 da manhã, chegando em tempo em Ica para fazer para as Ilhas Ballestas. De lá, pegue o Tour privado, passeando pela Reserva Nacional de Paracas, pelas bodegas de Ica até hotel em Huacachina. Passeio de buggy no fim da tarde ao por do sol (melhor horário). Acredite, não ficará muito cansativo. A noite vc dá uma volta em Huacachina, descansa e dorme cedo.
– Dia seguinte: Vc pegaria um ônibus na estação de Ica para Nazca de manhã e faria o passeio que você tem programado com ônibus para Arequipa a noite. Não esqueça de participar da sessão no planetário a noite para entender a ligação das linhas de Nazca com as constelações.
– Dia 7: Eu trocaria o passeio para Colca para opção de 2 dias/ 1 noite, com Puno como destino final, economizando o tempo que vc perderia no ônibus no dia 8 (sim, tem agências que tem essa opção! rs).
– Entre Puno e Cusco, eu iria com um ônibus turístico que vai parando para conhecer uns lugares turísticos.. custava tipo $45 na época. Demora 1 dia mas o tempo passa rápido, sendo as paradas bem agradáveis (http://www.turismomer.com/ tem outras opções tb). Tem uma igreja da parada no caminho que foi uma das mais bonitas que já visitei. Vc tem que balancear se vale a pena esse passeio e perder 1 dia.
– Algo que aconselho fazer é deixar o tour do Vale Sagrado para o dia anterior a sua chegada em Aguas Calientes/Machu Picchu. Por quê? Porque a última parada do tour do Vale Sagrado é em Ollantaytambo, onde vc pode desembarcar do passeio com uma malinha de mão e pegar o trem de Ollantaytambo para Aguas Calientes. Vai otimizar seu roteiro tb.. pq não vai precisar voltar pra Cusco e ir pra lá de novo. No meu caso, como estava com minha namorada, ficamos 1 noite em Ollantay curtindo e fomos para Aguas Calientes só no dia seguinte. Se vc estiver sozinha, vá direto pra Aguas Calientes.. pq Ollantay, apesar de mt charmosa, é uma vila muito pacata.
– Eu tenho os contatos de todos os passeios que fiz. As empresas que me ajudaram nesse passeio de Ica/Huacachina e a de Arequipa que fez o passeio pra Colca são muito boas.. preços ótimos. Me mande um e-mail que te passo tudo.

Camila, tudo bem? Seu roteiro eh praticamente igual aoque eu fiz em setembro, porem, de Nasca eu voltei a Lima de onibus para pegar um voo a Cusco, e depois segui para Puno e Arequipa. Alguns pitacos: o passeio as Ilhas Ballestas comecam cedo, entao verifque direito se o seu onibus chega a tempo, caso contrario, voce pode pode ir passar o dia em Huacachina e ja a noite partir para Paracas e fechar os passeios para a manha seguinte (fiz dessa forma e deu certo).
Em Nasca, tenha em mente que, por condicoes climaticas, seu voo pode atrasar e vc pode ter de deixar de fazer alguns passeios (foi o meu caso, nao consegui visitar o Cemiterio)!
Tambem fiz o tour de 1 pelo Colca e confessoque fiquei mais tempo na estrada do que outra coisa. Foi super corrido e cansativo, mas eu nao tinha mais dias disponiveis – se vc tiver, aconselho o tour de 2 dias.
Cusco: sua decisao de fazer o tour privado pela cidade eh acertada. Eu fiz em grupo e me arrependi.
No meu blog tem o passo a passo so meu roteiro, qquer duvida eh so falar: http://www.ciaoviaggio.com

Pessoal, muito obrigada pelos pitacos!

Queríamos pegar o trem no meio da tarde do dia 14 pra aproveitar a vista na própria viagem de trem rsrs Bobagem?

Uma dúvida: será que Ollanta dá pra conhecer legal no tour regular ao Valle Sagrado? Se não, será que dá pra complementar o que falta em algumas horinhas depois de conhecer Maras e Moray, em esquema privado? Ou ainda é necessário mais tempo, com mais calma?

De Cusco pra Ollanta tem outro meio de transporte além do trem? Alguém já foi de van/táxi, pra dar uma ideia de quanto custaria?

Murilo, quanto a Arequipa: vimos que a diferença entre os passeios regulares para o Colca de 1 dia e de 2 dias é basicamente algumas paradas no caminho para Chivay e a estadia lá (uma tarde + pernoite). Pelo que vimos, a partir de Chivay (na manhã do segundo dia no tour de 2 dias), o percurso e as paradas são iguais. Nesse caso, preferiríamos abrir mão dessa primeira parte do passeio (até Chivay) para poder conhecer a cidade de Arequipa, que tem algumas coisas que achamos interessantes. Confere a questão do passeio?

    Oi Camila, não entendi bem seu roteiro dos dias 13 e 14. Você vai fazer o Valle Sagrado, volta para Cusco e no dia seguinte volta Maras?

    Ollantaytambo tem vários sitios menos conhecidos, mas não menos interessantes, com potencial para um dia inteiro, mas o mais importante você consegue ver no tour e nessas horinhas extras.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.