O que fazer em Gramado

Guia de Gramado

O que fazer em Gramado e Canela: 30 atrações explicadas

Em qualquer época do ano, nunca falta o que fazer em Gramado. A região tem atrações suficientes para fazer várias viagens sem repetir passeio.

Nesta página você vai ver a ficha completa de 30 atrações em Gramado e Canela, para você aproveitar sua viagem ao máximo. Aproveite também para consultar nossos roteiros práticos. Para saber tudo sobre o Natal Luz deste ano, leia nossas dicas e recomendações .

A Bóia recomenda:

Atrações clássicas

Estas são as atrações que compõem a Gramado essencial. Estão em cartaz desde quando a cidade era visitada apenas por gaúchos.

Castelinho Caracol

O que fazer em Canela: Castelinho Caracol

Funcionando como museu desde 1985, o Castelinho Caracol preserva um casarão de 1915, todo de madeira de araucária, construído sem pregos — apenas com encaixes e parafusos. O mobiliário é de época, e os ambientes ajudam a entender a vida na ‘colônia’.

A cereja do bolo não é cereja, nem é bolo: é um delicioso apfelstrudel (torta de maçã) servido no café do castelinho. É uma parada obrigatória para quando você for para os lados do Caracol; só atente para o fato do lugar fechar para almoço (entre 13h e 14h20).

Informações práticas

Centro de Gramado

O que fazer em Gramado: Rua Torta

Tire o seu primeiro entardecer para caminhar pelo centro de Gramado. Comece pela Praça das Etnias, ao lado da Rodoviária: ali existem modelos de casas de imigrantes alemães, italianos e portugueses (além de venda de produtos regionais, pães e cucas).

Continue pela Borges de Medeiros, se afastando da rodoviária. Atravesse a rua. A primeira travessa à sua esquerda vai ser a rua Emílio Sorgets, mais conhecida como Rua Torta: é uma versão gramadense da Lombard Street de San Francisco, uma ladeira íngreme, toda em ziguezague.

Se você se animar a subir, lá no alto pegue a direita e a direita novamente. Se você não subir a ladeira, continue pela calçada e vire na primeira à esquerda. Das duas maneiras você vai dar na… continuação da Borges de Medeiros, que faz uma curvinha e se torna a principal rua de comércio do centro.

Na primeira quadra está o Mundo de Chocolate, um espaço temático da Lugano. Duas quadras (curtinhas) adiante, você chega à igreja Matriz e ao Palácio dos Festivais, sede do Festival de Gramado. Na calçada oposta está o Casa da Velha Bruxa, onde você pode experimentar o mais tradicional chocolate quente da cidade (desde 1978 ali). Ali perto fica a Rua Coberta, uma galeria de lojas, cafés e restaurantes. No meio da quadra está a RasenPlatz, inspirada nas cervejarias de Munique).

Se você atravessar a rua coberta, vire à direita na rua seguinte, suba mais uma quadra e você verá o Hotel Serra Azul, o mais tradicional da cidade. Entre para fazer uma viagem no tempo, à época de Gramado antes do turismo de massa (o bar é lindo, peça um drink ou uma taça de vinho).

Tendo esquadrinhado o centrinho, escolha as vitrines para namorar, as lojas para entrar, um café para sentar…

Chocolate Prawer

Gramad o que fazer: Chocolate Prawer

Muito antigamente (tipo: 30 anos atrás), uma das razões para subir a Serra era comprar as barrinhas de chocolate artesanal da Prawer (diga: Práver), vendidas em caixinhas com foto do portal de Gramado.

Foi o primeiro chocolate artesanal do Brasil, que não era nem Lacta nem Garoto nem Nestlé nem Pan (nem Neugebauer, uma marca até hoje fortíssima no Sul).

Hoje, mesmo quando qualquer colega de trabalho é um traficante de trufas caseiras em potencial, o chocolate continua um tema forte em Gramado. Quase todas as marcas têm visitas às fábricas, e existem ‘espaços temáticos’, como o Reino do Chocolate da Caracol (av. das Hortênsias, 5382) e o Mundo de Chocolate da Lugano (av. Borges de Medeiros, 2497).

A visita à fábrica da Prawer tem o charme da tradição e da autenticidade — além de ser muito fácil de fazer, porque está no iniciozinho da ligação Gramado-Canela.

Informações práticas

Lago Negro

Gramado Lago Negro

Um dos símbolos de Gramado, o Lago Negro é artificial: foi construído como parte de um projeto de recuperação desta área depois de um incêndio. As mudas dos pinheiros das margens foram trazidas da Floresta Negra, na Alemanha; no verão, hortênsias florescem no entorno.

Além de ser o ponto focal de um parque muito bonito, o Lago Negro sintetiza a preocupação de Gramado com o ajardinamento e a cenografia — a cidade cresceu à sua imagem, europeizando os espaços urbanos. É difícil resistir a um passeio de pedalinho pelo lago.

Informações práticas

Mini Mundo

O que fazer em Gramado: Mini Mundo

Muitíssimo antes das celebridades de cera e dos showrooms de carrões, o Mini Mundo era a grande atração temática de Gramado. Otto Höppner, dono do hotel Rita Höppner, começou a montar miniaturas superdetalhadas de cidades e paisagens alemãs no jardim de sua casa apenas para os netos brincarem.

O trabalho ficou tão bem-feito que o jardim acabou aberto ao público em 1983. Com o tempo foram acrescentadas miniaturaas nacionais, como da Usina do Gasômetro de Porto Alegre e a Igreja de São Francisco em Ouro Preto.

Informações práticas

Parque do Caracol

O que fazer em Canela: Mirante do Caracol

Como as hortênsias só florescem no verão, a cascata do Caracol é o único cartão-postal de Gramado que pode ser apreciado em qualquer época do ano em toda sua beleza. O parque é super bem-mantido; tem trilhas e área de churrasco e piquenique.

A visão que se tem da cascata é lateral; para ter vista frontal, você precisa ir ao parque Bondinhos Aéreos, que fica mais adiante na estrada. Mas como custa metade do preço, oferece ótimo custo x benefício. Um elevador, cobrado à parte (R$ 15), leva ao mirante superior, cuja maior vantagem é permitir que se veja uma nesguinha do rio que forma a cachoeira. Mas se é para investir no ingresso ao parque + ingresso do elevador, melhor ir direto aos Bondinhos Aéreos, o parque mais adiante.

Quem estiver com o fôlego em dia pode descer pela Escadaria da Perna Bamba (são 700 degraus!) para ver o Caracol de baixo. Se for com crianças pequenas, um programa extra dentro do parque é pegar o trenzinho que em menos de cinco minutos leva à Vila dos Imigrantes, um cenariozinho de minicasas que recria um vilarejo da colônia; custa R$ 15 por pessoa.

Informações práticas

Atrações top

Nos últimos anos Gramado e Canela ganharam atrações superproduzidas. Conheça as principais nesta seção.

Bondinhos Aéreos

O que fazer em Canela: Bondinhos Aéreos

Do mesmo grupo que detém a concessão do Parque Unipraias em Balneário Camboriú, os Bondinhos Aéreos proporcionam a melhor vista à Cascata do Caracol. Levam a um mirante numa altura ideal para contemplar e fotografar a supercachoeira.

Na estação de embarque você pode também experimentar a atração Eagle, um tipo de tirolesa feita em cadeira para duas pessoas e que simula o voo de uma águia (paga à parte).

Na estação intermediária existe uma atração gratuita, a sala das Esculturas que Falam, 80 animais talhados em madeira por Masaharu Hata, que emitem sons ao serem tocados por bastões. A estação do mirante é mais baixa do que a do embarque, para revelar a vista mais dramática.

Informações práticas

Gramado Zoo

O que fazer em Gramado: Gramado Zoo

É provavelmente o zoológico mais bacana do Brasil, com proposta de educação ambiental. Seu elenco é apenas de animais autóctones brasileiros, mantidos em condições semelhantes ao do seu habitat natural, sem jaulas: tudo é resolvido com fossos, cerquinhas ou, no máximo, uma parede de vidro.

O percurso a pé, feito com calma, leva entre 1h30 e 2h. A sinalização é divertida: a cada espécie é atribuído um Kikito (o Oscar do Festival de Cinema de Gramado) que premia sua principal qualidade (Kikito velocidade, Kikito força, Kikito elegância…).

O que fazer em Gramado: Gramado Zoo

Na Calçada da Fauna, os bichos do Zoo deixam suas patinhas registradas para a posteridade. Um dos pontos altos do parque é a reconstituição de um banhado para abrigar as espécies que habitam a região do Taim, no sul do Estado.

Há passeios especiais à noite, para ver bichos com hábitos noturnos: é preciso agendar com antecedência em [email protected]

Informações práticas

Mundo a Vapor

O que fazer em Gramado: Mundo a Vapor

Quem passa pela frente pode achar que aquela maria-fumaça de ponta-cabeça na fachada é uma isca para uma atração pega-turista. Não é não. O Mundo a Vapor é um extraordinário museu de ciências que usa miniaturas para explicar o funcionamento de uma série de artefatos a vapor. Mesmo quem não é fã de ciências vai amar ver as miniaturas em funcionamento.

A mesma magia dos trenzinhos de brinquedo (que aqui reproduz uma linha férrea de 1920) se materializa em coisas como siderúrgica, fábrica de papel, olaria e usina hidrelétrica, entre muitos outros avanços tecnológicos do passado. O funcionamento de cada obra de engenharia em miniatura é explicado por monitores.

Ao entrar, localize os stands com atuação de monitores, e então vá assistindo aos showzinhos. Vai por mim: é bacana demais. (Ah, sim: tem também um passeio num trenzinho de verdade, que vai até o quintal e volta.)

Informações práticas

MUM | Museu da Moda

O que fazer em Canela: Museu da Moda

Em termos relativos, é a atração mais cara de Gramado e Canela. Mas vale muito a pena. Milka Wolff — o maior nome da alta costura gaúcha — criou o que nunca tinha visto em lugar nenhum do mundo para onde viajou: um museu que contasse 4.000 anos de vestuário feminino, reproduzindo peças com tecidos e técnicas de tingimento e costura de cada época.

O resultado é impressionante: você viaja na moda desde o Egito até Lady Di. E para felicidade do seu instagram, agora o museu inteiro pode ser fotografado. Vai por mim: o Museu da Moda é a melhor surpresa do eixo Gramado-Canela.

Informações práticas

Parque Gaúcho

O que fazer em Gramado: Parque Gaúcho

Atenção: fechado por causa da pandemia.

Mas bah! Coladinho ao Gramado Zoo (quem visita um, normalmente emenda no outro), o Parque Gaúcho é um espécie de parada do orgulho gaudério (gaudério é o sinônimo mais querido de gaúcho) em forma de museu.

As duas áreas mais interessantes são o acervo de objetos, ferramentas e vestimentas tradicionais dos gaúchos, e a recriação de uma aldeia dos tempos dos primeiros ocupantes dos pampas.

A área de animais se propõe a resgatar raças crioulas, anteriores ao agronegócio. É possível fazer passeios de montaria, pagos à parte. O restaurante típico era uma das grandes atrações do parque, mas atualmente está fechado para reformulação.

Informações práticas

Snowland

O que fazer em Gramado: Snowland

A primeira pista de esqui indoor das Américas (existem similares em Dubai, no Japão e em diversos países da Europa) é hoje a maior atração de Gramado. O ingresso dá direito a várias atividades, como patinação no gelo (a partir de pé tamanho 28), carrinho bate-bate na neve, simulador 7D e pelo menos duas horas na área de neve, onde dá para fazer tubing e mini-tubing (ilimitado).

Para esquiar ou fazer snowboard, é preciso alugar equipamento e agendar aula e/ou comprar tempo de pista (agende e pague na chegada).

Nos dias em que o parque não esteja cheio, a permanência na área de neve é ilimitada. Para chegar à área de neve você passa pelo vestiário; roupas, botas, luvas e armários estão incluídos no preço do ingresso. Crianças menores de 1 ano não entram na área nevada.

Há também outros brinquedos interativos, pagos à parte.

Vale a pena comprar ingresso antecipado para se cadastrar e usar a fila expressa de entrada. Da porta para dentro, o Snowland é impecável; você vai se pegar repetindo “nem parece Brasil” a todo momento.

A área do estacionamento, porém, é mal-enjambrada: você deixa o carro num bolsão sem muita urbanização e depois tem que subir uma pirambeira a pé. Para uma melhor experiência, vá no começo da semana; nos fins de semana e feriadões o parque lota.

Atenção: não aceite cortesias, ingressos vips ou fura-filas que venham com a contrapartida de assistir a uma ‘sessão sobre o Snowland’ — é cilada, Bino! Trata-se de um encontro de venda do time-sharing do local que vai ocupar duas horas do seu passeio e esgotar sua paciência.

Informações práticas

Receba a Newsletter do VNV

Serviço gratuito

Atrações temáticas

Veja nesta seção as atrações que transformaram Gramado e Canela num polo de turismo em família.

Aldeia do Papai Noel

O que fazer em Gramado: Aldeia do Papai Noel

Não é só no Natal-Luz que seus filhos podem encontrar Papai Noel em Gramado. O bom velhinho dá expediente o ano inteiro na Serra Gaúcha, na Aldeia do Papai Noel (antigo parque Knorr). A mais antiga casa bávara de Gramado, de 1940, foi redecorada por dentro para fazer as vezes da casa do Papai Noel.

Num cercadinho ali perto é possível conhecer as famosas renas ao vivo. As renas, infelizmente, não voam, mas é possível andar de trenó voador, de trenzinho-jardineira e de monotrilho. O banho de neve de sabão está suspenso por causa da pandemia.

Informações práticas

Alpen Park

O que fazer em Canela: Alpen Park
  • Permanência: 4 horas
  • No mesmo caminho: centrinho de Canela

O único parque de diversões clássico do eixo Gramado-Canela não é assim nenhum Beto Carrero — mas quebra o galho dos caçadores de montanha russa com a Alpen Blizzard, que leva a uma altura de 15 metros e proporciona uma bela vista do vale, antes de engatar a velocidade de 55 km/h.

A atração mais original, porém, é o trenó alpino. É uma espécie de montanha russa mais calminha, em que você pode controlar a velocidade do carro (e apreciar a paisagem). O parque tem também uma área de atividades radicais, onde se destacam o circuito de quadriciclo e o Super Salto, um parente distante do bungee jumping que não te deixa de cabeça para baixo.

Para os dias de chuva, o parque tem toda uma área coberta, onde dá para brincar de jogos eletrônicos interativos.

As atrações são compradas uma a uma. Há apenas um passe, o Passaporte Alpen Park, que dá direito a trenó, Alpen Blizzard, Alpen Turbo Drop, carrinho bate-bate, jogos interativos e cinema 4D, podendo repetir quantas vezes quiser. As atrações da área Alpen Kids estão fechadas por causa da pandemia.

Informações práticas

Dreamland (Museu de Cera)

O que fazer em Gramado: Dreamland

O Dreamland é o madametussô de Gramado. Expõe um dream team de celebridades internacionais, da Rainha Elizabeth a Barack Obama, misturados a um seleto elenco nacional em que despontam Silvio Santos, Chico Anysio e Neymar.

Personagens também têm vez – como o Máskara, Harry Potter e Popeye. A qualidade das reproduções, porém, é bastante inconsistente: pouquíssimas conseguem arrancar do espectador um “perfeito!” (algumas delas só são identificáveis depois que você lê a legenda). Crianças, porém, devem gostar.

É possível fotografar quase todas as estátuas, mas alguns ambientes (como a Sala da Presidência da Casa Branca, onde você pode sentar na cadeira de Obama) são exclusivos para fotos compradas à parte. Sozinha, é uma atração cara para o que oferece. Compre no passaporte multiatrações.

Informações práticas

Hollywood Dream Cars (Museu do Automóvel)

O que fazer em Gramado: Hollywood Dream Cars

Para quem curte carrões antigos, vale por uma viagem a Cuba. O Hollywood Dream Cars expõe um acervo de mais de 30 modelos clássicos, restaurados nos trinques — Cadillacs, Pontiacs, Buicks, Rolls-Royces. A coleção vai dos anos 20 aos anos 60, com ênfase em conversíveis.

Pena que o espaço seja apertado — você se sente mais numa garagem do que num museu. A iluminação também não ajuda a quem quer fotografar. Mas no geral o museu entrega o que promete.

Informações práticas

Mina de Gramado

Situada no norte gaúcho, próxima à fronteira de Santa Catarina, a cidade de Ametista do Sul (a 457 km de Gramado) é o maior pólo sul-americano de extração de ametista, quartzo de cor lilás que é considerado uma pedra semipreciosa.

Esta atração, que funciona dentro do parque Tomasini, é a reprodução cenográfica estilizada de uma de suas minas, com pedras lapidadas magicamente expostas nas paredes. Uma loja anexa vende bijoux feitos com a pedra.

Informações práticas

Motor Show Gramado

O que fazer em Gramado: Harley Motor Show

Nos altos do museu de cera Dreamland, este é um bar temático, com motos clássicas por todos os lados. A iluminação é mais de bar do que de showroom. Só vale o ingresso separado se você for fãzaço de Harleys. Se comprar o passaporte multiatrações, é uma boa parada para um chope, um milk-shake ou um lanchinho em meio à turistagem na avenida das Hortênsias.

Informações práticas

Mundo de Chocolate

Gramado o que fazer: Mundo de Chocolate

Nos fundos da loja-conceito da Lugano na Borges de Medeiros funciona um museu de esculturas de chocolate. Paisagens, obras de arte e cartões postais do mundo são esculpidos em chocolate maciço, com acabamento de manteiga de cacau. Ao fim do passeio há uma degustação. A experiência de elaborar seu próprio chocolate, que fazia parte do programa, não é mais oferecida.

Informações práticas

Mundo Gelado

O que fazer em Canela: Mundo Gelado

Desde 2016, o Mundo Gelado, que era apenas um iglu, tornou-se um ice bar, no estilo dos que existem em Foz do Iguaçu. O esquema é parecido: você põe um macacão térmico e luvas e entra num ambiente gelado, com temperaturas de até 25ºC negativos. O ingresso inclui dois drinks (ou seja: não é open bar, como em Foz) e permite uma permanência de meia hora. É tempo suficiente para experimentar a mobília congelada e fotografar as esculturas de gelo (e se quiser mais drinks, é só pagar à parte).

Informações práticas

Parque de Lavanda Le Jardin

Gramado Le Jardin Parque de Lavanda

Na entrada de Gramado pela RS 115, este atração combina uma loja de produtos derivados de lavanda, um café (com um strudel famoso) e estufas que servem de viveiros para plantas (e são visitáveis). Entre outubro e dezembro, o lugar tem uma atração a mais: um jardim de lavanda em flor. Mas mesmo quando não há lavanda à vista, é sempre uma parada charmosa (e perfumada).

Informações práticas

Praça das Etnias

Gramado o que fazer: Praça das Etnias

Ao lado da Rodoviária, a Praça das Etnias traz as origens de Gramado para o centro da cidade. Modelos estilizados de uma casa alemã, uma italiana e uma portuguesa compõem o conjunto. Há uma loja de produtos coloniais que funciona diariamente.

O destaque da praça, no entanto, são os Fornos de Gramado. Toda 4ª, 6ª, sábado e domingo os fornos são pilotados por moradores de 12 ‘linhas’ do interior do município, que se revezam na produção de pães, doces e biscoitos típicos. Experimente o pão de lingüiça e a cuca de uva.

Informações práticas

Supercarros

O que fazer em Gramado: SuperCarros

É um showroomzão só com carros poderosos — se você é ferrariadicto ou lamborghinimaníaco, traga o babador. O ingresso dá direito apenas a admirar os carrões. Lá dentro, há atrações pagas à parte, como o cinema 9D e o simulador de direção de Fórmula 1. Abrindo a carteira, é possível também dar uma voltinha nos carrões: todos estão disponíveis para percursos de 5,5 km na carona e de 8,7 km ou 15,5 km na direção. Spoiler: tem que respeitar os limites de velocidade.

Informações práticas

Terra Mágica Florybal

O que fazer em Canela: Terra Mágica Florybal

Do grupo dos chocolates Florybal, este parque enorme é um sucesso entre as crianças. As atrações misturam duendes, dinossauros, índios, homens pré-históricos, figuras mitológicas e religiosas, tudo embrulhado numa estética totalmente SBT. (Se é que consigo me explicar.)

Os dinossauros, aqui, são bem menos científicos que os do vizinho Vale dos Dinossauros; funcionam mais como personagens de desenho animado.

Tem também uma mina de chocolate, com direito a cascata de chocolate. Como atrações pagas à parte, tem cinema 7D, vôo do pterodáctilo e parquinho. Se você vai com criança pequena, vai ser difícil escapar.

Informações práticas

Vale dos Dinossauros

O que fazer em Canela: Vale dos Dinossauros

Numa baixada cercada por mata, este parque tem duas trilhas onde estão alinhados dinossauros em tamanho natural, com aparência realista. Alguns têm movimentos e emitem sons (pouco realistas). Todos têm sua ficha técnica, com nome oficial, época em que habitou o planeta e hábitos alimentares. Ou seja: dá para dizer que é um programa educativo light…

Informações práticas

Atrações alternativas

Saia do centro das cidades e conheça as raízes de Gramado e Canela.

Agroturismo

Gramado o que fazer: Raízes Coloniais
  • Duração: meio dia

O sucesso turístico de Gramado e Canela se deve ao fato de terem emulado a estética de vilarejos alpinos. Quando você quiser descobrir como era a vida autêntica na colônia antes da chegada do turismo, faça… agroturismo.

Existem passeios que levam pelas paisagens e casas históricas do interior dos dois municípios, normalmente culminando com um autêntico café colonial. Alguns são feitos em ônibus e jardineiras antigos — mas os mesmos circuitos também são oferecidos em van e carro convencional.

Além da paisagem e da cultura da colônia, esses passeios oferecem uma oportunidade única de conversar com os ‘nonnos’ e ‘nonnas’ (e ‘opas’ e ‘ommas’) e ouvir o delicioso sotaque de italianos e alemães da Serra.

O tour Raízes Coloniais percorre a Linha Bonita, visitando uma casa centenária, uma fábrica de erva-mate, o museu de quinquilharias divertidas do seu Fioreze e o café colonial da família Foss.

O roteiro da Linha Ávila passeia pelas culturas italiana, alemã e campeira. Você prova geléias e doces na casa da família Wagner. Depois, na Cantina Nonno Giovanni, espia a produção de vinhos artesanais e prova queijos, salames e pães caseiros. De lá para a Vivenda Schönrhein, onde um café alemão, com suas guloseimas, estará à espera. A última parada é no Sítio Tradição, para uma pequena exposição de costumes gaúchos e um naco de costela assada na vala.

No Tour do Vale do Quilombo, o passeio começa na propriedade da família Marcon, onde você aprende sobre o cultivo do milho e prova pães, geléias e doces. A segunda parada é na casa da Família Perine, que mantém um museu da história da família na colônia. De lá você visita o Alambique Rossa, onde conhece como é feita a aguardente artesanal. O gran finale é no café colonial da Família Baretta.

Se você escolher o Tour Linha Bella, vai visitar a vinícola Masotti, o casarão da família Marcon, o moinho de milho da família Cavichion e o núcleo inicial de colonização italiana em Gramado na Linha Nova. Em vez de café colonial, a comilança é no almoço típico da Cantina Linha Bella.

Oa passeios de agroturismo também podem ser comprados no quiosque da Praça das Etnias — sujeito à disponibilidade.

Ecoparque Sperry

O que fazer em Canela: Ecoparque Sperry
  • Permanência: 2-3 horas (com almoço)
  • No mesmo caminho: fora de circuito

Com trilhas que levam a cachoeiras, o Sperry é um parque privado que pode ser visitado de terça a domingo.

Mas os dias mais auspiciosos são os fins de semana e os feriados, quando funciona o restaurante Bêrga Motta, com um excelente buffet de comida regional e brasileira feita no forno a lenha e saladas com ingredientes orgânicos (aberto sábados, domingos e feriados, 12h-15h).

Chegue cedo, visite as cachoeiras e abra o apetite.

Informações práticas

Rota Cervejeira

O que fazer Gramado: Rota Cervejeira
  • Duração: 5 horas

O eixo Gramado-Canela se tornou um pólo de microcervejarias (algumas, já nem tão micro assim). As fábricas podem ser percorridas por conta própria, mas o jeito mais bacana (e seguro) Rota Cervejeira, um tour maneiríssimo feito numa kombi vintage (grafitada!). O itinerário cobre três cervejarias (normalmente, a Rasen Bier, a Gram Bier e a Cervejaria do Farol, mas pode haver alguma mudança).

Numa das paradas há visita guiada à área de produção de cerveja — e em todas elas acontece uma degustação de 3 a 5 estilos. A kombi também é equipada com um barril de chope — e o guia faz o possível para que o copo de nenhum passageiro fique vazio. Hic! Custa R$ 173 e não é possível levar crianças.

Nossa parceira Easy Travel Shop oferece o Bus Bier Tour, passeio de 5 horas com visitas a cervejarias em Gramado e Canela, com degustação – às 3as, 5as, 6as e sábados.

Atrações nos arredores

Aproveite a estada em Gramado para visitar cidades próximas, em passeios bate-volta ou com pernoite(s).

Aparados da Serra (Cânion do Itaimbezinho)

Aparados da Serra

O cânion do Itaimbezinho, em Cambará do Sul — figurinha carimbada em novelas, comerciais e Globos Repórteres — está a duas horas de carro de Gramado. Agências também vendem o (puxado) tour de dia inteiro.

É difícil resistir a ir ver uma paisagem tão bela, sabendo que está tão perto. Mas eu preciso alertar que não existe garantia de chegar lá e ver o cânion: a neblina é uma variável imprevisível, pode cobrir o cânion a qualquer momento. A situação ideal de visitar é programar duas noites em Cambará do Sul (e aproveitar também para ver o outro cânion deslumbrante, o da Fortaleza).

  • Pesquise a opção de passeio ao cânion Itaimbezinho com nossa parceira Easy Travel Shop. A experiência ocupa o dia inteiro, inclui duas trilhas leves e de fácil acesso e encerra com um piquenique.

Bento Gonçalves (Vale dos Vinhedos e Maria Fumaça)

Bento Gonçalves: Maria Fumaça

O roteiro sugerido em Bento Gonçalves está descrito aqui.

Nova Petrópolis

Nova Petrópolis

A 35 km de Gramado na direção da BR 116, Nova Petrópolis se orgulha de estar florida o ano inteiro. Seu centro de gravidade é a Praça das Flores, vizinha do Labirinto Verde — um labirinto de verdade, feito de arbustos podados com técnica de topiária.

É superdifícil chegar ao centro e mais difícil ainda sair, o que deixa a brincadeira bem divertida. Ainda na rua principal, o Parque Aldeia do Imigrante ostenta réplicas de casas coloniais alemãs, construídas em estilo enxaimel.

Nossa parceira Easy Travel Shop oferece passeio de dia inteiro a Nova Petrópolis, incluindo visita a lojas de malhas e couro.

208 comentários

O Mini Mundo vale a pena para adultos? Ou é muito infantil?

    Olá, Camila! Acredito que talvez adultos gostem mais até do que as crianças, porque reconhecerão algumas das cidades e lugares que estão miniaturizados.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.