Santiago

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

O que fazer em Santiago: roteiro para 4 dias

Santiago tem atrações suficientes para uma permanência de 4 a 7 dias. Note, porém, que os passeios à montanha só valem a pena quando há neve e as estações estão funcionando (normalmente, entre meados de junho e meados de setembro).

Se preferir, clique para ir direto ao tópico desejado:

  • Dia 1: Centro Histórico

Tire o primeiro dia para um tour pelo centro histórico. (Se o seu primeiro dia for uma segunda-feira, faça o dia das vinícolas e deixe o centro histórico para a terça.)

La Chascona
Santiago: o que fazer -- La Chascona

Comece por La Chascona, a mais poética das três casas-museu de Pablo Neruda, originalmente construída para abrigar sua vida romântica clandestina com Matilde Urrutía, com quem acabaria se casando e vivendo até o fim da vida.

La Chascona

  • Fernando Márquez de la Plata, 0192, Bellavista | Metrô: Baquedano | Abre de 3ª a domingo das 10h às 18h (janeiro e fevereiro até as 19h) | Número limitado de visitantes por dia: atendimento por ordem de chegada | Ingresso: 7 mil pesos chilenos (2017)

Cerro San Cristóbal

Depois de La Chascona, aproveite que está pertinho e suba ao Cerro San Cristóbal, de onde se tem a vista mais bonita para a parte moderna de Santiago (com as montanhas ao fundo).

A subida é feita de funicular -- um programa divertido para as crianças. O funicular funciona todos os dias.

Lá no alto, você também pode dar uma volta no Teleférico do Parque Metropolitano, que foi reaberto em novembro de 2016 e também proporciona lindas vistas das montanhas. O teleférico funciona de 3ª a domingo.

Cerro San Cristóbal

  • Pio Nono, 450, Bellavista | Metrô: Baquedano | Funciona de 3ª a domingo das 10h às 20h; 2ª feira das 13h às 20h | Funicular (ida e volta): 2ª a 6ª, 2.000 pesos (crianças de 3 a 14 anos, 1.500 pesos) fim de semana e feriados, 2.600 pesos (crianças de 3 a 14 anos, 1.950 pesos) | Teleférico (ida e volta): 3ª a 6ª, 2.510 pesos (crianças de 3 a 14 anos, 1.630 pesos); fim de semana e feriados, 3.010 pesos (crianças de 3 a 14 anos, 1.950 pesos)

Vai chegar de dia?

  • Caso você chegue a Santiago no fim da manhã ou no começo da tarde, pode aproveitar para subir ao mirante Sky Costanera, que é melhor visitado justamente no fim da tarde. (Você encontra mais informações sobre o mirante no tópico Dia 2]. Caso o tempo esteja encoberto, pode ir a La Chascona e ao Cerro San Cristóbal, fazendo o resto do roteiro no dia seguinte.

Mercado Central
Santiago: o que fazer -- Mercado Central

Agora sim, vamos ao centro antigo de fato. Caminhe 10 minutos até o metrô Patronato (Santa Filomena esquina Recoleta), que está na linha 2/amarela, e desça na estação seguinte, Puente Cal y Canto. Você saltará ao lado do Mercado Central, parada incontornável num tour por Santiago. O prédio, de 1872, já valeria a visita, com seu ferro fundido escocês. Passear pelas bancas de pescados -- que funcionam só até o começo da tarde -- funciona como uma aula de frutos do mar do Pacífico que nunca vemos por aqui. Os garçons do Donde Augusto, restaurante que domina o mercado, vão tentar aliciar você para uma de suas mesas, onde uma centolla (o caranguejo gigante do Pacífico) custará pelo menos 39.000 pesos, em sua versão menorzinha (as maiores chegam a sair 90.000 pesos). Se não fizer questão de centolla, porém, escolha um dos pequenos restaurantes dos corredores externos ao saguão, e encontrará peixes e frutos do mar frescos em receitas saborosas e a bom preço. Os restaurantes continuam funcionando depois que as bancas de pescados fecham.

Mercado Central

  • San Pablo, Santiago | Metrô: Puente Cal y Canto | Abre de 2ª a domingo das 8h às 19h, inclusive feriados | Entrada gratuita

Plaza de Armas e Museu de Arte Pré-Colombiana
Santiago: o que fazer -- Museu Pré-Colombiano

Do Mercado dá para ir a pé até o coração da cidade velha, a Plaza de Armas, onde está a Catedral Metropolitana e o Museu Histórico Nacional.

Ali perto você encontra o museu número 1 de Santiago, o Museu de Arte Pré-Colombiana (em espanhol: Museo de Arte Precolombino). Não deixe de visitar: o museu foi inteiramente reconfigurado depois do terremoto de 2010, e agora expõe o seu incrível acervo de objetos povos autóctones da América do Sul com tecnologia de última geração. A seção mais deslumbrante é a Sala Têxtil, com peças tecidas entre os anos 900 e 1400 (há uma peça do ano 100!). Caso você não tenha almoçado no Mercado Central, aproveite o café do museu (que serve um menu del mediodía até as 3 da tarde).

Museu de Arte Pré-Colombiana

  • Bandeira 351, Santiago | Metrô: Plaza de Armas | Tel.: 2/2928-1500 | Abre de 3ª a domingo das 10h às 18h; fecha 2ª | Ingresso: 4.500 pesos (2017)

La Moneda

Ainda a pé, continue até o Palacio de la Moneda, sede da presidência chilena, que foi bombardeado em 1973 pelas forças golpistas de Pinochet. Para mim o grande apelo da praça está na estátua ao presidente deposto Salvador Allende, bem ali, ao lado do palácio em que se suicidou. A praça também sedia a troca de guarda, que acontece a cada dois dias, pela manhã (às 10h em dias de semana, às 11h em fins de semana e feriados). Em 2016, a troca de guarda ocorre em dias pares em janeiro, março, junho, julho, setembro e outubro; e em dias ímpares em fevereiro, abril, maio, agosto, novembro e dezembro.

Cerro Santa Lucía
Santiago: o que fazer -- Cerro Santa Lucía

Vamos terminar o passeio pelo Centro no seu canto mais bonito, caminhando até o Cerro Santa Lucía, um parque de onde se tem uma visão complementar da cidade (mas não tão alta quanto a do San Cristóbal). O lugar hoje é um parque, com várias praças e o superfotogênico Castelo Hidalgo.

Daqui você pode continuar ao barrio Lastarria, para já escolher em que restaurante vai jantar à noite -- ou, caso tenha começado o circuito pelo Mercado Central e ainda tenha tempo, pode dar uma passadinha num dos museus da região -- como o Museu Nacional de Belas Artes, no parque Forestal, ou o Centro Cultural Gabriela Mistral, já às portas do Lastarria. De 5ª a sábado há uma feirinha de antigüidades das 10h às 20h.

Museu Nacional de Belas Artes

  • José Miguel de la Barra 650, Santiago | Metrô: Bellas Artes | Tel.: 2/2499-1600 | Aberto de 3ª a domingo das 10h às 18h45; fecha 2ª | Ingresso: grátis

Centro Cultural Gabriela Mistral

  • Libertador Bernardo O'Higgins 227, Santiago | Metrô: Universidad Católica | Tel.: 2/2566-5500 | Salas de exposição abertas de 3ª a domingo das 10h às 20h | Ingresso: grátis

Voltar | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Mais dias

  • Dia 2: Vinícola

Visitar uma vinícola (os chilenos usam viña, palavra que também significa vinhedo) costuma estar nos planos de todo mundo. As mais próximas, no Vale de Maipo, praticamente no quintal de Santiago, podem ser visitadas em meio dia. Já o passeio ao Vale de Casablanca demanda um pouco mais de tempo, mas dá para combinar com outras atrações (veja adiante).

As agências de turismo receptivo levam a todas as vinícolas citadas neste tópico. Duas delas são visitáveis por transporte público (Cousiño Macul e Concha y Toro). Ao Vale de Casablanca é válido ir de carro, desde que o motorista não participe das degustações.

chile

Cousiño Macul e Concha y Toro (e Sky Costanera)

Cousiño Macul e Concha y Toro são as duas vinícolas mais próximas do centro de Santiago. Ambas podem ser visitadas usando a linha 4 (azul) do metrô, saindo da estação Tobalaba (complementando com ônibus local). É possível visitar as duas no mesmo dia: marque uma para antes, outra para depois do almoço. Na volta a Santiago, você pode aproveitar para subir ao mirante Sky Costanera, que fica ao lado da estação Tobalaba.

Santiago: o que fazer -- Cousiño Macul

A Cousiño Macul é a viña mais próxima da cidade. São 9 estações pela linha azul (35 minutos) até a estação Quilín, mais 10 minutos de ônibus (ou 5 minutos de táxi). Este post dá todas as dicas de transporte. Mas o passeio não vale a pena só por causa da proximidade: a vinícola é também a mais antiga do Chile, e o tour pela bodega antiga permite que você conheça equipamentos usados nos primórdios, antes da produção de vinhos ser modernizada.

Cousiño Macul

  • Av. Quilín, 7100 - Peñalolén | Tel. 2/2351-4135 | Visitas: 2ª a 6ª às 11h, 12h, 15h e 16; sábado às 11h e 12h | Necessário reservar | Idiomas: espanhol ou inglês | Ingresso: 14.000 pesos (tour regular, degustação de 3 vinhos) e 24.000 pesos (tour premium, degustação de 5 vinhos, com queijos e frutas secas ) - preços de 2017 | Transporte público: linha 5 do metrô até a estação Quilín; continue de táxi ou com o ônibus D57 (total: 1 hora)

A Concha y Toro é a viña mais turística do Chile: seu esquema de visitação é superprofissional, com direito a efeitos especiais na bodega do Casillero del Diablo. Os grupos são maiores e há tours guiados em português. Se você nunca visitou uma vinícola, é um excelente tour de introdução ao assunto. Se você já visitou vinícolas, é melhor fazer o tour Marqués de Casa Concha.

Concha y Toro

  • Av. Virginia Subercaseaux, 210 - Pirque | Tel. 2/2476-5680 | Visitas: diariamente (menos feriados) entre 10h e 17h | Necessário reservar | Idiomas: espanhol, português ou inglês (tour regular); espanhol ou inglês (tour Marqués de Casa Concha) | Ingresso: 14.000 pesos (tour regular, degustação de 2 vinhos) e 25.000 pesos (tour Marqués de Casa Concha, degustação de 7 vinhos, com queijos | Preços de 2017 | Transporte público: linha 5 do metrô até a estação Las Mercedes; continue de táxi ou com o ônibus MB 72 (total: 1 hora e meia)

Sky Costanera

Santiago: o que fazer -- Sky Costanera

Na volta a Santiago você terá tempo para subir ao Sky Costanera, o mais alto mirante da América Latina, a 300 metros de altura. A entrada é pelo shopping Costanera Center, servido pela estação Tobalaba, onde você vai desembarcar ao voltar das vinícolas. A melhor experiência é num fim de tarde de dia claro, quando o sol poente ilumina a Cordilheira.

Sky Costanera

  • Costanera Center: Andrés Bello, 2457, térreo | Tel. 2/2916-9269 | Visitas: diariamente das 10h às 22h | Ingresso: de 5ª a 3ª, adultos 10.000 pesos (13 a 64 anos), crianças e sêniors 7.000 pesos (até 12 anos e acima de 65); 4ª, adultos 7.500 pesos (13 a 64 anos), crianças e sêniors 5.000 pesos (até 13 e acima de 65 anos) | Preços de 2017 | Metrô: Tobalaba (linhas 1 e 5)

Undurraga

A Undurraga também fica no vale de Maipo, mas para um lado diferente das outras duas. Sua maior vantagem é oferecer tours todos os dias, incluindo feriados. Chegar de transporte público, porém, é mais complicado: é preciso ir ao Terminal San Borja (metrô Estación Central, linha 1) e pegar um ônibus para Tagalante (plataforma 79-81) que leva 50 minutos até a viña (é preciso pedir para o motorista parar na Undurraga).

Undurraga

  • Camino a Melipilla, km 34 - Talagante | Tel. 2/2372-2900 | Visitas: diariamente; de 2ª a 6ª às 10h15, 12h, 14h e 15h30; sábado, domingo e feriado às 10h15, 12h e 15h30 | Necessário reservar | Idiomas: espanhol ou inglês | Ingresso: 11.000 pesos (tour Sibaris, degustação de 3 vinhos) e 28.000 pesos (tour Founders, degustação de 4 vinhos premium, com queijos (preços de 2017)

Vale de Casablanca

O Vale de Casablanca, a 80 km de Santiago e 40 km de Valparaíso, se caracteriza pelos vinhos brancos que se beneficiam dos ventos marinhos. Algumas vinícolas, como a Casas del Bosque, a Viña Indómita e a Matetic, têm restaurantes bastante recomendados, que complementam o passeio. A viña Emiliana, do grupo Concha y Toro, oferece uma visita diferente: como não processa o vinho no local, a ênfase é na explicação, in loco, do processo orgânico de produção do vinho (você vai ver os animais, as ervas e as técnicas usadas para evitar o uso de agrotóxicos).

Santiago: o que fazer --

Há tours que combinam Vaparaíso e/ou Viña del Mar com uma degustação numa das vinícolas do Vale de Casablanca. Evite! Eu fiz um passeio assim (Emiliana + Valparaíso e Viña del Mar) e a visita a Valpo e Viña fica prejudicadíssima. Se quiser combinar uma vinícola do Vale de Casablanca com outro passeio, é melhor seguir a Isla Negra, a casa praiana de Pablo Neruda.

De transporte público, você pode ir a Casablanca de ônibus (saída do Terminal San Borja, metrô Estación Central, linha 1) e, ao chegar à cidade, seguir de táxi à vinícola escolhida.

As vinícolas do Vale costumam oferecer visitas diariamente.

Emiliana

  • Ruta 68, km 60 - Valle de Casablanca | Tel. 2/2353-9130 | Visitas: diariamente; de dezembro a março, 10h30, 11h30, 12h30, 14h30 e 16h; de abril a novembro, 10h30, 11h30, 12h30, 14h30 e 15h30 | Necessário reservar | Ingresso: 15.000 pesos (2017)

Casas del Bosque

  • Hijuelas, 2 - Casablanca | Tel. 2/2480-6941 | Visitas e degustações: diariamente, às 10h30, 12h30, 15h e 16h30 | Necessário reservar | Ingresso: depende do tour ou da degustação escolhido

Viña Indómita

  • Ruta 68, km 64 - Casablanca | Tel. 3/2215-3902 | Visitas: diariamente, às 10h30, 12h, 14h30 e 16h | Necessário reservar | Ingresso: 11.000 pesos (2017)

Matetic

  • Fundo Rosario - Casablanca | Tel. 9/8920-2066 | Visitas: diariamente, às 11h, 12h30, 15h e 16h | Necessário reservar | Ingresso: 13.000 pesos (tour Corralillo, com degustação de dois vinhos) e 19.000 pesos (tour Premium, com degustação de 4 vinhos); preços de 2017

Isla Negra

  • Poeta Neruda, s/n, Isla Negra, El Quisco | Abre de 3ª a domingo das 10h às 18h (janeiro e fevereiro até as 20h) | Número limitado de visitantes por dia: atendimento por ordem de chegada | Ingresso: 7 mil pesos chilenos (2017)

Vale de Colchagua

A cerca de 200 km de Santiago, nos arredores da cidadezinha de Santa Cruz, ficam algumas das vinícolas mais prestigiadas. O passeio bate-volta, porém, é bastante sacrificado. O Vale de Colchagua é indicado para conhecedores mais avançados de vinho, que estejam interessados nas degustações e si. Neste caso, o melhor é programar de um a três pernoites e pedir ajuda ao hotel para organizar as visitas.

Voltar | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Mais dias

  • Dia 3: Montanha

Entre fim de junho e setembro, a neve torna imperativa a subida a uma das estações de esqui 90 minutos a nordeste de Santiago, como Valle Nevado, Farellones, El Colorado e La Parva. Quando não há neve, porém, o melhor passeio de natureza é feito numa montanha 90 minutos a sudeste de Santiago: Cajón del Maipo.

Um dia na neve

As estações de esqui dos arredores de Santiago costumam abrir suas temporadas na última semana de junho, ficando abertas até meados de setembro -- ou quando a neve acabar. Este quadro reflete a probabilidade de você pegar neve na sua viagem a Santiago:

  • De julho a meados de setembro: neve garantida, com as estações funcionando.
  • Maio: pode até nevar, mas as estações ainda não estarão nem pensando em iniciar a temporada.
  • Junho: a neve é provável, mas não garantida. Havendo neve suficiente, as estações iniciam a temporada lá pela terceira semana.
  • Fim de setembro a meados de outubro: a neve não é garantida. Havendo neve suficiente, as estações vão estendendo a temporada pelo início de outubro.
  • Janeiro, fevereiro, março, abril, novembro, dezembro: não há neve para tocar.

Existem quatro estações de esqui nos arredores de Santiago. Chega-se a elas pelo mesmo caminho, saindo da cidade pelo bairro de Las Condes: El Colorado, Farellones (tecnicamente parte de El Colorado) e La Parva estão a uma hora de viagem e, meia hora adiante, você chega ao Valle Nevado.

Para visitar, recomendo que você decida entre duas estações: Valle Nevado ou Farellones. Na dúvida, aumente um dia de montanha na sua programação, para ir às duas.

Santiago: o que fazer -- Valle Nevado

A graça de Valle Nevado é poder andar num teleférico em cabine fechada (a góndola) que leva a um restaurante no meio das pistas, a 3.200 metros. Você passa o dia apreciando os movimentos dos esquiadores e snowboarders -- e, se quiser, pode também fazer uma aula.

Farellones

O bacana de Farellones é que se trata de um parque de neve, com atividades como tubing (tobogã na neve, em que você desce com bóia), esquibunda e tirolesa. Há também um teleférico de cabine aberta que liga a parte baixa (Base) e a parte alta (Cumbre) do parque, e que pode ser considerado um 'brinquedo'. Também é possível fazer aulas (as pistas são próprias para principiantes). Farellones tem apenas dois senões: poucas áreas abrigadas para se esquentar entre uma atividade e outra, e temporadas mais curtas -- como está na base da montanha, a neve dura menos por ali. Sempre consulte o site oficial do parque para ver quais atividades estão sendo oferecidas no momento.

Evite passeios que combinem as duas estações!

  • Os passeios mais vendidos pelas agências são os que combinam Valle Nevado e Farellones para turistas ávidos em fazer seu dia na montanha render. É ilusório. Nesses passeios você não tem tempo de aproveitar o principal de cada estação. Não dá tempo de subir na góndola de Valle Nevado nem de brincar direito em Farellones. Você "conhece" duas estações sem aproveitar nenhuma. Vai por mim: use o esquema de van compartilhada da Ski Total detalhado neste post (não tenho nenhuma relação comercial com esta empresa) tanto para Valle Nevado quanto para Farellones e tenha a experiência completa.

Para subir à montanha, não alugue carro: dirigir em estrada com capa de gelo é para iniciados. Use as empresas de trânsfer que são especialistas no trajeto.

A SkiTotal cobra 16.000 pesos a El Colorado/Farellones/La Parva, 18.000 pesos por pessoa a Valle Nevado (preços de 2017), em transporte compartilhado saindo do pequeno shopping Ommnium Center, na av. Apoquindo, 4.900, loja 37. Não é necessária reserva: apenas se apresente entre 7h e 7h30, e você consegue se encaixar nas vans, que começam a sair por volta das 8h. Aproveite para alugar as roupas de que for precisar.

Para Farellones, no mesmo Omnium Center (loja 48) você pode pegar as vans do complexo El Colorado. Saem mais em conta -- apenas 12.000 pesos (preço de 2017) e na volta partem do estacionamento da zona Base do parque. O esquema é o mesmo: não é necessário reserva. Você pode alugar roupas na vizinha Ski Total ou na loja que fica em frente à entrada da zona Cumbre do parque.

Para excursões à montanha sem permanência numa estação específica, veja o que oferecem as agências Snowtours, TurisTour e Turistik. Todos os passeios incluem parada para alugar roupas de neve no caminho (no mínimo, você vai precisar de botas e luvas impermeáveis. Se vai esquiar ou brincar na neve, pense também em alugar sobrecalças. Gorro também é imprescindível). Sempre lembrando que eu não recomendo os tours que prometem visitas a Valle Nevado e Farellones no mesmo programa; não há tempo para curtir de verdade nenhuma das duas estações.

Uma quinta estação, Portillo, está a 3 horas de viagem de Santiago, quase na fronteira com a Argentina. No caminho você passa pelo Caracol, a seqüência de cotovelos na estrada que é um dos cartões-postais dos Andes chilenos. Trata-se de um passeio baaaastante cansativo; caso queira fazer, vá de excursão organizada.

Valle Nevado

  • Tel. 2/2477-7701 | Entrada: gratuita (permitida permanência na base da estação, onde há bar, restaurante e neve no solo) | Teleférico: 49.000 pesos para maiores de 12 anos, 37.000 pesos de 5 a 11 anos e 17.500 até 4 anos | Os preços são da temporada 2017.

Parques de Farellones

  • Tel. 2/2767-7890 | Entrada: 20.000 pesos, com atividades ilimitadas (exceto aulas) | A maioria das atividades requer um mínimo de 5 ou 6 anos de idade | Preço da temporada 2017

Cajón del Maipo

Quando a neve desaparece das estações de esqui, o melhor passeio panorãmico dos arredores de Santiago passa a ser o Cajón del Maipo. A 1h30 de centro na direção sudeste, Cajón tem montanhas com topos nevados durante boa parte do ano, os banhos termais de Colina, Morales e El Plomo, o cânion El Morado e a represa Embalse el Yeso. O lugar também é possível de visitar no inverno, mas como o trecho final é completamente off-road, são poucas as agências que confirmam saídas. No verão dá para ir até por conta própria, alugando um 4x4. Ainda não fizemos o passeio, mas temos relatos de leitores que fizeram por conta própria e em tour organizado.

Voltar | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Mais dias

  • Dia 4: Valparaíso e Viña del Mar

A 140 km do centro de Santiago (120 km do aeroporto), estas duas cidades podem ser visitadas em conjunto. Uma é o oposto da outra. Tudo o que Viña del Mar tem de arrumadinha e clássica Valparaíso tem de bagunçada e alternativa.

Valparaíso está para Santiago assim como o bairro de La Boca está para Buenos Aires -- a diferença é que continua um lugar descolado; pense no Cerro Alegre como uma Santa Teresa/Olinda chilena. Já Viña del Mar é como um Guarujá dos bons tempos, ou uma Punta del Este menos badalada e mais família.

Santiago: o que fazer -- Valparaíso

Valparaíso

  • Chegando pela rodoviária, pegue um táxi (negocie a corrida: 5.000 pesos) ou um Uber para visitar La Sebastiana, a casa-museu de Pablo Neruda na cidade
  • Pegue outro táxi (negocie o preço: 5.000 pesos) ou um Uber para o Cerro Alegre, onde você vai admirar a linda coleção de casas de fachada de zinco tombadas pela Unesco.
  • Almoce num dos restaurantes da calle Almirante Montt
  • Se der tempo, visite o Museu de Belas Artes, que funciona no recém-restaurado Palacio Baburizza.

La Sebastiana

  • Ferrari, 692, Valparaíso | Abre de 3ª a domingo das 10h10 às 18h (janeiro e fevereiro das 10h30 às 18h50) | Número limitado de visitantes por dia: atendimento por ordem de chegada | Ingresso: 7 mil pesos chilenos (2017)

Museu Barburizza

  • Paseo Yugoslavo, Cerro Alegre | Tel. 3/2225-2332 | Abre de 3ª a domingo das 10h30 às 17h30 | Ingresso: 2.000 pesos (2017)

De Valparaíso a Viña del Mar

  • Do Cerro Alegre, desça de funicular (100 pesos) até o Plano e siga caminhando até a Plaza Sotomayor
  • Ali, da estação Puerto, embarque no metrô de superfície Merval para Viña del Mar

Santiago: o que fazer -- Viña del Mar

Viña del Mar

  • Salte na estação Viña del Mar, que é vizinha à Quinta Vergara, o parque onde está o Palacio Vergara. O palácio, assim como todos os outros palacetes-museus de Viña, está interditado para visitas desde o terremoto de 2010, mas você pode apreciar o parque e sua fachada
  • Do parque, vá caminhando ao Relógio de Flores e siga pelo calçadão ao longo da bela costeira que leva ao Cassino, que pode ser visitado
  • Para voltar, pegue o ônibus no Terminal de Buses de Viña del Mar; não precisa voltar a Valparaíso

Vale a pena ir a Viña del Mar no inverno?

Eu não iria ao Chile para pegar praia; o mar é muito gelado e há praias mais bonitas por aqui. Vai-se a Valparaíso pelo cenário dos cerros e pela noite, e a Viña pelo urbanismo. No verão ambos lugares estarão mais movimentados, mas se você tiver um dia sobrando no inverno também vale a pena.

Como chegar a Valparaíso e Viña del Mar

Ônibus da TurBus saem a cada 15 minutos do Terminal Alameda (em frente à estação Universidad de Santiago do metrô, linha 1-vermelha) para Valparaíso e Viña. Também é possível embarcar na rodoviária da estação Pajaritos do metrô (linha 1-vermelha, já na saída da cidade). A ida e volta custa entre 4.000 e 6.000 pesos, dependendo do horário e da antecedência de compra. A viagem leva 1h30.

Os 10 quilômetros entre os centros de Valparaíso e Viña podem ser percorridos pelo Merval, o metrô de superfície que vai pela orla e funciona até as 22h.

Também dá para fazer o circuito de carro alugado, claro. Note, porém, que são freqüentes casos de arrombamentos de carros de turistas em Valparaíso, Viña e também em Isla Negra.

Quem não quer enfrentar nenhum perrengue logístico vai gostar de pegar um tour organizado: por US$ 45 você faz o passeio a Valparaíso e Viña del Mar no mesmo dia.

Voltar | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Mais dias

  • Mais dias em Santiago (ou no Chile)

Tem mais 1 dia? Escolha:

  • Divida o centro histórico em 2 dias; no primeiro, explore mais o Parque Metropolitano, usando o teleférico recém-reinaugurado
  • Suba duas vezes à montanha: um dia a Valle Nevado, outro dia a Farellones (na temporada)
  • Dedique dois dias a vinícolas: um dia ao Vale de Maipo, outro dia ao Vale de Casablanca
  • Pernoite em Valparaíso, e visite Isla Negra de lá

Tem mais 2 dias? Escolha:

  • Quaisquer duas atividades do tópico "Tem mais 1 dia?"
  • Passe duas noites em Valparaíso, visitando Isla Negra e o Vale de Casablanca a partir de lá
  • Passe duas noites no Vale de Colchagua, visitando vinícolas

Tem mais 3 dias? Escolha:

  • Quaisquer três atividades do tópico "Tem mais 1 dia?"
  • Qualquer atividade do tópico "Tem mais 1 dia?" + qualquer atividade do tópico "Tem mais 2 dias?"
  • Passe 3 noites em Pucón
  • Passe 3 noites em Chillán
  • Passe 3 noites em Huilo-HuiloPasse 3 noites em Mendoza (siga de lá ao Brasil)

Tem mais 4 dias? Escolha:

Tem mais 5 dias? Escolha:

Tem mais seis dias? Escolha:

Voltar | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Mais dias

38 comentários

Pedro
PedroPermalinkResponder

Ricardo acabei de voltar do chile, nas dicas tive uma experiencia legal para quem quer curtir a neve e gastar pouco, ir a los Pumas, é um acesso entre Fartellones e Vale Nevado, não se paga para entrar, aluguei no caminho roupas e trenos para as crianças...diversão garantida! Outro local que sugiro é a selva viva, embora seja cara, vale o passeio de uma hora e meia, onde se pode tocar nos animais, alimentar tucanos, entrar em borboletario, e segurar uma piton...as crianças amam..e o Museu Mirador, um dos pontos altos da viagem...abs

Gui Lopes
Gui LopesPermalinkResponder

Bóia, queria deixar a dica denão reservar NADA diretamente com as estações El Colorado e Farellones, como eles dizem ser possível no site. Estou na véspera do passeio, com tudo pago há uma semana, e tive que discutir pelo telefone hoje para descobrir onde devo ir amanhã e a que horas - pois eles diziam ainda estar "aguardando a confirmação" e haviam perdido o comprovante de pagamento que enviei.

O atendimento por email é péssimo, cheio de má vontade, o que parece algo recorrente em Santiago (felizmente não se repete em outras regiões do Chile onde fomos muito bem atendidos em toda a viagem). Sorte que eu sou fluente em espanhol e consigo me comunicar bem, mas imagino o sufoco de outras pessoas que possam só se virar no portunhol.

Prefiram, portanto, agências especializadas que organizam o passeio para turistas e ainda alugam a roupa, como a Snow Tours de Lastarria, por exemplo.

Diego Silva
Diego SilvaPermalinkResponder

Ótimo site! Parabéns. Uma dúvida, se eu for ao Valle Nevado, devo levar somente pesos chilenos?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Diego! Aceitam também dólar e cartões. Mas a cotação para moeda estrangeira não é boa.

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Adorei a atualização do site. Em breve espero trazer algumas dicas do Chile.

Andre
AndrePermalinkResponder

Roteiro muito bom e assertivo.

Sergio
SergioPermalinkResponder

Voltamos de Santiago no ultimo dia 19 de Agosto e a cidade é encantadora. As dicas encontradas aqui no site foram de grande valia , ficamos 5 dias e fomos a Vale Nevado, Farellones, Valpo e Viña del Mar, pontos positivos a cidade é bem legal eu e minha esposa adoramos e queremos voltar , pontos negativos : Comida cara demais e taxistas desonestos aconteceu exatamente o relatado no site de trocar as notas por notas menores) Dica Uber e Metrô super tranquilos, e se fugir do esquema caça turista brasileiro da pra economizar uns 10 mil pesos em cada refeição. Obrigado pelas Dicas!
P.s : Fizemos o passeio a Vale Nevado/ Farellones ( apesar de não indicado, não iríamos esquiar é só queríamos conhecer as estações) com uma empresa onde só vimos Brasileiros chamada Alltosky sem muita pompa mas a economia no passeio e aluguel de roupas foi de quase uns 40 mil pesos....

Crisriane
CrisrianePermalinkResponder

Muito boa as informações. Tudo que precisava. Obrigada. Indo final de setembro.

Ana
AnaPermalinkResponder

Estou indo para o santiago na proxima semana. Gostaria de saber se o cartão american express é bem aceito lá. Desde já agradeço quem possa responder

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana! Fora dos Estados Unidos, a aceitação do American Express é menor do que a de Visa e MasterCard. Estabelecimentos mais modestos podem não aceitar esta bandeira.

Ricardo Cassolatto

Fantástico !

Dário
DárioPermalinkResponder

Olá Ricardo. Estou indo para santiago em fevereiro de 2017. Li que você recomenda que as vinícolas sejam visitadas nas segundas feiras. Você pode explicar a razão ? Grato.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Dário! Quem responde é A Bóia. Segunda-feira é um dia em que os museus e casas de Neruda fecham. Vinícolas abrem. Só isso. Pode visitar vinícolas qualquer dia da semana que funcionem (algumas não recebem visitantes no domingo).

Regina Loureiro

Gostei muito do blog e segui o conselho de visitar Cajón del Maipo neste mes de novembro de 2016. Encontrei um receptivo ótimo que me proporcionou um passeio maravilhoso. Preço ótimo e pessoal atencioso, superou todas as expectativas. O passeio é lindo e mesmo nessa época do ano vi muitas montanhas com gelo, divino!! O receptivo que usei chama-se Samba Tour, e são brasileiros, o que faz toda diferença.

Lalá
LaláPermalinkResponder

Bóia, passamos a black friday deste ano em Santiago, no Costanera Center ("o" shopping enorme e lindo de Santiago), os preços estavam bons. Santiago, ao contrário da Argentina e do Uruguai, possui preços um pouco mais baratos (cerca de 20%) que o Brasil. Compramos duas malas boas da Samsonite e na Head, com bons preço (havia um desconto especial devido ao black friday nas malas - pagamos cerca de 30% a menos que no Brasil). Outra coisa que valeu comprar na black friday chilena foi vinhos, a loja "El Mundo del Vino", também entrou na promoção, oferecendo descontos muito bons, de até 40% (!), compramos umas 10 garrafas - esta loja, no geral, possui os melhores preços para vinhos, mesmo comparando com os supermercados, com a vantagem de embalar gratuitamente com plástico bolha. Essa loja também oferece desconto aos turistas - é só você pegar o livro de descontos no quiosque (fica pertinho da loja, na entrada do shopping mais próxima). O supermercado do Costanera também estava com desconto de 40% em algumas marcas de vinho (como a Undurraga), compramos mais algumas garrafas lá também. Saiu bem em conta.

Tatiana
TatianaPermalinkResponder

Fui em 2015 ao Chile em julho, agora voltarei em janeiro de 2017, para apreciar os museus com mais calma. Uma dica, que vou fazer, siga esse roteirinho por conta própria aqui do VNV para a visita a Viña e Valpo. Em 2015, peguei o passeio pela Turistik, não havia tempo para visitar o museu La Sebastiana (??!!) e ou almoçávamos ou dávamos uma volta por Viña (tivemos que almoçar, pois estávamos com crianças). Dessa vez vou fazer tudo com as dicas daqui, tenho certeza q vou voltar feliz da vida!!!!

Simone
SimonePermalinkResponder

Aviso aos brasileiros que forem a Santiago:
Cuidado com os taxistas, hoje primeiro em Santiago fui ao shopping Costaneira, na ida do hotel ao shopping foi 3300 pesos na volta notei que o taxímetro disparou, perguntei porque havia disparado, e o taxista me respondeu que a partir das 19:00 o valor seria o dobro ( no hotel me falaram que é a partir das 23:00h ) . Resumindo a corrida ficou em 9500 pesos.
No hotel me explicaram que os taxista alteram com um botão o taxímetro.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Oi Tatiana. As tarifas de taxi em Santiago não passam a ser em dobro em horario nenhum, nem as 19:00 nem as 23:00.
Sempre, ao entrar em um taxi em Santiago, antes do motorista ligar o taximetro, se deve pedir a notinha (boleta) da corrida, onde aparecem o valor e a distancia percorrida. Nenhum taxista vai querer produzir provas contra sua propria desonestidade. E por qualquer problema, ao contrario do resto da America Latina, a policia chilena (Carabineros) eh extremamente confiavel. Ah! E o Uber funciona muito bem em Santiago e nas maiores cidades chilenas.

Tatiana
TatianaPermalinkResponder

Cheguei de Santiago essa semana e esse roteiro de Viña e Valparaíso é simplesmente perfeito! Já tinha ido no inverno e tinha gostado mais de Viña. Dessa vez, mesmo porque não fui com operadora turística e tive tempo de visitar a casa do Neruda (La Sebastiana) e o Museu Baburizza (que são ignorados pelas cias.), posso dizer que Valpo ganhou meu coração! Só um alerta - a Quinta Vergara está toda em reforma, não dá pra ver o castelo, está todo com tapumes, eu até excluiria o lugar do passeio por enquanto, mas quando ficar pronto vai ficar lindo!!!

João Freire
João FreirePermalinkResponder

Oi, Ricardo. Eu e minha mulher passamos 8 dias em Santiago em janeiro e suas dicas foram muito úteis. A cidade é simplesmente fantástica e o povo muito educado e acolhedor. Já estamos planejando a volta! Uma atualização: o Sky Costanera agora cobra 10 mil pesos todos os dias, exceto às quartas, quando o ingresso é 7.500. Uma dica: quando forem contratar passeios para Viña e Valparaíso peçam o roteiro para a agência e evitem os que param em muitos lugares. Fizemos o passeio em um destes (com cerca de 10 paradas) e não dá tempo de conhecer nada. Um abraço!

Ana Paula
Ana PaulaPermalinkResponder

Olá também fui bem recebida pelos chilenos, uma dica é fazer passeios com agências fora dos hotéis, íamos pagar 38000 pesos para vina del mar e Val paraíso, mas contratamos outra empresa e saiu por 20000 mil pesos o passeio..E exigir boleta dos taxistas dos percursos pois nossos amigos foram enganados dizendo que tinham dado nota de menor valor

José D Pereira

Estive em Mendoza, no Valle do Uco e visitei algumas bodegas, dentre elas: Pedra Infinita da Zuccardi, O'Fournier, Salentein, Bodega Lá Azul dentre outras, atendimento perfeito, sensação de que eles tinham prazer de te atender. Aqui em Santiago fui na Concha Y Toro, sensaçao de linha de produção, de que eles estavam te atendendo por obrigação, sem carinho sem te dar atenção, não explicaram os vinhos servidos, além de que as porções de vinho servidas serem ridículas, 60ml ou menos, menos da metade do que foi servido nas dez Mendoza, não recomendo para ninguém.

Paulo Almeida
Paulo AlmeidaPermalinkResponder

Apesar na cena gastronômica na Isidora, existe na mesma rua um Outlet da MAC: Ed Titanium 2800/11 andar. Precisa levar identidade.

Erika
ErikaPermalinkResponder

Acabei de voltar de Santiago e usei muito as dicas aqui do VnV. Só senti falta de uma dica fundamental do que fazer em Santiago: o "Museu da Memória de dos Direitos Humanos", que conta a história da ditadura chilena e as marcas que deixou no povo chileno. Um dos museus mais impactantes que já fui e vale muito a experiência. Entrada gratuita, só se paga 2 pesos pelo "audioguide" em português com todas explicações para fazer o tour a seu tempo e estação de metro (Quinta Normal) que sai dentro do museu. Imperdível.

Sabio Viajante

Excelente post!
Com dicas preciosas, informações importantes e roteiro muito agradável!
Acrescentaria:
- La Moneda: agende sua visita para conhecer o lugar por dentro (é um e-mail simples e q eles costumam responder rapidamente)
- Vinícolas: se possível comprem os vinhos vendidos nas próprias vinícolas. Costumam ser muito mais baratos q em qq outro lugar.

Rogeria soares

O assalto praticado pelos taxistas chilenos continua a todo vapor. Vc pega o taxi em frente ao shopping, eles enrolam, o taxímetro dispara e vc fica refém, pede ticket e não dão. Travam a porta até receber o dinheiro.Espero que o Ministério do Turismo tome providencias. Já está indo longe demais essa vergonha!!!!!

Stefania Azevedo Meyer Braga

Adorei essas informações. Muito obgda. Por me ajudarem a me programar pro meu próximo destino!

Celia Regina
Celia ReginaPermalinkResponder

Obrigada pelas informações. A tristeza foi o encontro de mta violência, meu anjo da guarda até tentou me avisar, mas... Cuidado com absolutamente tudo, roubaram minha mochila na Sky Total, dentro da loja. Levaram a mochila toda (cartões de crédito, dinheiro em espécie, meu cachecol, meus medicamentos, etc) e a assistência que tive da loja foi: "Sentimos mto, a loja não possui cameras e não podemos devolver o dinheiro do passeio mas se a sra quiser a levaremos para qquer lugar da cidade, gostaria de voltar para seu hotel???" Me senti como se estivesse atrapahando o trabalho deles, como se eu fosse um incômodo. Me avisaram sobre a violência tbm no metrô, cuidado com suas jóias e tbm nos táxis e Uber... Eles ficam rodando hs, de propósito, e depois querem cobrar a mais por isso. A experiência não foi mto boa. A maçã do hotel foi a melhor coisa do Chile! Doce, crocante...

Vieira
VieiraPermalinkResponder

Estou indo p Santiago dia 21/08/17 e vi os comentários dos taxistas e estou assustada. O que fazer p isso não acontecer ? Vou estar c criança de 10 anos e queria dicas de quem procurar (transporte) para fazer os passeios com segurança. Obrigada

Barbara
BarbaraPermalinkResponder

Oi, Ricardo / Boia! Estou fazendo contas na ponta do lápis rsrs Para aproveitar a neve com custo-benefício e sem ser muito cansativo , pesquisei uma pousada em Farellones com meia pensão para passar 2 dias . Eles têm transfer apenas para El Colorado e La Parva (não pesquisei programação nestas estações). Vocês sabem dizer qual o melhor meio de transporte para quem já está em Farellones até o Vale Nevado? Abs

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Barbara! Não há transporte público. Você terá que ir de táxi.

Marcelo Medeiros

Ótimas dicas do site. Voltei ontem do Chile e seguem mais algumas dicas. Para quem vai à Farellones, alugue roupas e equipamentos nas lojas fora do parque, é muito mais barato. Uma calça que custa de CLP 8 mil a 9 mil tanto na Sky Total como nas paradas antes da subida, nessas lojas fica por CLP 5 mil. O problema é que só aceitam dinheiro. Há todos os tamanhos. Os equipamentos também são mais baratos (CLP 15 mil), assim como aula de sky ou snowboard que custam CLP 20 mil. Já quem vai ao Valle Nevado, vale a pena alugar em Santiago. Fiz o Valle pela Sky total e Farellones por uma operadora de turismo. As vans da Sky Total são amplas.O valor da Sky Total subiu para CLP 18 mil. La Parva, Colorado e Farellones sai por CLP 16 mil.

Regina
ReginaPermalinkResponder

Oi Marcelo, vi seu comentário no blog viajenaviagem.com sobre o aluguel de roupas. Vc sugere alugar em Farellones, do lado de fora do parque? E nossas roupas deixanos em lockers? É Mais barato que alugarem Santiago? A Van por CL$ 16 mil vc fechou lá mesmo? Todas que consultei pediram 20 a 22 mil, acredita? Acho que querem levar vantagem do turista que prefere acertar tudo antecipadamente

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Regina!

Leia sobre o novo post sobre Farellones:
http://www.viajenaviagem.com/2017/08/farellones-como-chegar

Daniela
DanielaPermalinkResponder

Olá! Acabei de voltar do Chile...segui várias dicas aqui do blog. Deu tudo certo....andamos muito de metro e em alguns lugares de uber, o que valeu super a pena, além de ser mais seguro que táxi. Amei Santiago! Com certeza vamos voltar um dia!

Marcelo Farago Zanlorenzi

Uma sugestão de correção quanto aos onibus que levam da estação Las Mercedes até a vinicula Concha y Toro: NÃO é a linha MB72! Pode-se pegar a MB73, MB80 ou MB81! Acho que está correto no post específico sobre os meios de transporte até lá. E uma dica: peça ao motorista para avisar onde descer; perdemos o local e tivemos que pegar outro ônibus pois o onibus não passa bem em frente!

Leonardo
LeonardoPermalinkResponder

Os comentários sobre os taxistas são todos muito pertinentes, pois vivi na prática o que comentaram. Os taxistas de Santiago deviam dar aula para os taxistas do Rio de Janeiro, pois no quesito malandragem e desonestidade eles são os campeões da América Latina. Uma corrida do Pátio Bela Vista até o Hotel Aton(Av Afonso Cordova) me custou incríveis 19 mil pesos, marcados no taxímetro. De alguma maneira, eles adulteram o taxímetro. Peguem Uber, Uber e mais Uber.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar