Só até domingo: bouillabaisse em Maceió

Nilo Burgarelli e Franco Borello (foto: divulgação)
Nilo Burgarelli e Franco Borello (foto: divulgação)

Recém-chegados de um mês inteiro na França, meus amigos Márcio Coelho, do Ritz Lagoa da Anta, e Nilo Burgarelli, da Pousada do Toque, montaram um festival arretado de bom: dez dias de cozinha tradicional do Mediterrâneo no Le Sururu, o restaurante top do Ritz.

Nilo elaborou o cardápio junto com o chef Franco Borello — e ainda topou posar para a foto paramentado e tudo (os hóspedes do Toque vão estranhar!).

Entre os pratos do festival estão a autêntica bouillabaisse (sopa de peixe) de Marselha, mexilhões recheados e costeletas de cordeiro em azeite de baunilha. De sobremesa, macarons et fraises.

A grand’bouffe vai até dia 19. Reservas pelo    82/2121-4000 . Bon appétit, ó xente!

9 comentários

Hum…aquela mix de folhas e aquele peixe com molho de laranja e gengibre do Toque…diliça!

Fico intrigada
Gostaria de compreender uma coisa que me intriga muito
Convivo com VÁRIAS pessoas que nunca viajaram para lugar
algum e nunca viajaram de avião
O máximo que fizeram foi uma viagem rápida de final de
semana para alguma praia do litoral paulista
Um belo dia acordam de manhã e decidem se mudar para um
país bem distante
(Pergunto-me se talvez possa ser algum tipo de ansiedade
em relação a melhorar o próprio currículo profissional)
Então vão para aquela que é uma longa viagem (e a primeira
vez que vão de avião)
Ficam de alguns meses a um ano ou pouco mais e retornam
(apesar de dizerem que o país em que estiveram é
maravilhoso, acabam voltando para cá)
E voltam então a NUNCA mais viajar
Não conhecem nenhum lugar do próprio país, nem ao menos os
mais próximos, como Curitiba, Florianópolis, Rio de
Janeiro etc.
Para outro país, então, nem pensar. Nem mesmo os também
mais próximos, como Argentina e Chile
Entra ano, sai ano, jamais viajam nas férias. Passam-nas
sempre na própria cidade
E passam o resto da vida, muito impressionados,
mencionando o que viram no tal país em que moraram
e “forçando” comentários em todo e qualquer tipo de
assunto de que se fale com eles
Isto é MUITO intrigante

Oi, Riq. Oi, tripulantes. Chegamos ontem à noite. A viagem foi ótima; vamos passar mais informações assim que tivermos um tempinho. Tivemos, porém, um contratempo: saímos do hotel em Londres às 3h da manhã para pegar o avião às 6h. Chegamos em Lisboa às 8h30, mais ou menos, e só então descobrimos que o vôo da TAP para o Recife havia mudado de horário: passou das 11h para as 16h. A mudança ocorreu no dia 19 de junho, segundo nos informaram no aeroporto. Foi nesse dia que tomamos o voo para a Inglaterra. Diz a TAP que a agência deveria ter nos avisado, mas se recusou a dar qualquer declaração de que havia avisado à agência. Enfim… para não ficar mofando no aeroporto, pegamos um táxi e fizemos um breve passeio pelos principais pontos turísticos de Lisboa. Teve o lado bom: toda vez que alguém me perguntar por que eu nunca fui a Portugal, e tentar me convencer a ir, eu posso dizer: “mas eu já fui”. 🙂 Lisboa tem vários prédios muito bonitos, mas realmente não me empolgou.

O Nilo tem jeito de ser um tremendo gente boa.
Vô tê que í lá.
Mas antes… Monte Verde, São Francisco Xavier, Lombardia e Itacaré.
É… VnV me dá aaaaaasas. hehe

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.