Zermatt: um rolê pela cidade antiga

Zermatt, Suíça

Chegamos no fim da tarde em Zermatt, e graças ao horário de verão europeu (e à latitude suíça) ainda teríamos luz até perto de 8 da noite. O grupo se encaixou numa caminhada guiada pela cidade (10 francos suíços/8 euros quando reservadas no posto de turismo de Zermatt).

A guia é uma moradora, Edith Villiger, e lidera essas caminhadas em inglês, francês ou alemão.

ZermattZermattZermatt

Sem mais delongas, vamos direto à área onde é possível ver como era Zermatt antes do alpinismo. A região vivia da agricultura de subsistência. Os meses de temperatura amena serviam para produzir e estocar. Os moradores viviam em casas simples de madeira, construídas sobre palafitas para afastar os ratos. Mantinham os estoques de comida e feno nas casas ou em celeiros que eram divididos entre alas de uma mesma família.

ZermattZermattZermatt

Um pequeno núcleo dessas casas antigas sobrevive pertinho do centro comercial de Zermatt. É onde se pode ver o ancestral do chalé de montanha como conhecemos hoje — uma espécie de chalé de Neanderthal, apenas remotamente aparentado com os chalezinhos alpinos que vieram a se espalhar pelo mundo.

ZermattZermattZermatt

Foram os ingleses que, na segunda metade do século 19, começaram a transformar Zermatt no que é hoje. Era a época mais romântica do alpinismo, em que as montanhas iam sendo conquistadas por escaladores intrépidos. Por ironia, foi um terrível acidente que tornou Zermatt conhecida e procurada. A primeira escalada ao topo do Matterhorn terminou com a morte de quatro dos cinco alpinistas, na descida (os dois guias locais sobreviveram). O evento foi tão noticiado ao redor do mundo, que logo o Matterhorn se tornaria o troféu mais desejado entre os alpinistas europeus.

Zermatt

Em torno de 1% de quem faz a escalada não volta vivo (o índice é maior entre os que não usam guias locais). Os mortos mais jovens são celebrados num cemitério atrás da igreja católica.

Zermatt

Ali perto há também um memorial aos guias locais que não voltaram das expedições.

Igreja de São Maurício, Zermatt

Igreja de São Maurício, Zermatt

Mas o que eu achei mais incrível foi o afresco do teto da igreja de São Maurício: nada conservador…

Igreja de São Maurício, St. MoritzIgreja de São Maurício, Zermatt

Terminamos a visita nos arredores do Museu do Matterhorn, que vale a entrada — conta a história das escaladas a esta e a outras montanhas-fetiche da Suíça e do mundo. (Ingresso: 10 francos suíços/8 euros).

Museu do Matterhorn

No próximo post da série: subindo ao Gronergrat e ao Kleine Matterhorn.

Ricardo Freire viajou à Suíça a convite do Swiss Travel System.

Pesquise

Seguro de viagem na Mondial Assistance

Leia mais::

Suíça alemã: Zurique x Lucerna x Berna

Suíça francesa: Montreux x Lausanne x Genebra

Lugano, Suíça à italiana

Estações alpinas: Interlaken x Zermatt x St. Moritz

Trens panorâmicos: como é o Glacier Express

Trens panorâmicos: como é o Bernina Express

Trens panorâmicos: como é a Golden Pass Line

Trens panorâmicos: como é a Jungfraubahn

Trens panorâmicos: como é o Wilhelm Tell Express

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email

20 comentários

Olá, estamos indo para Zermatt em Outubro (pelo que entendi, a mesma época dessa incrível postagem sua). Minha dúvida é quanta roupa de frio levar. A nossa ideia é fazer hiking nas montanhas. As temperaturas que vemos nos sites dizem respeito ao vilarejo, mas acredito que nas montanhas elas podem cair ainda mais.
Dúvidas:
1 – Preciso realmente levar um sapato ou bota impermeável para hiking, ou os nossos tênis brasileiros com uma meia mais grossa dão conta (não é pão-duragem, é preocupação com o tamanho da mala)?
2 – Faz frio o suficiente para demandar 4 camadas (segunda pele, camisa, fleece e corta-vento)?
Obrigado, e parabéns pelo site!

    Gabriel, precisa de calçado impermeável, sim. A mistura de água gelada, terreno úmido e frio e caminhadas pede um calçado impemeável. Tênis normais vão incomodar muito, e não há meia que resolva o problema de proteção contra água.

    Aliás, esqueça meias ultra-grossas: compre um ou dois pares de meias térmicas de tecido sintético. É *muito* desconfortável andar com os pés gelados, ainda mais em uma trilha. Da mesma forma que vc não iria fazer trekking em floresta de mata Atlânica sem protetor solar, não dá pra fazer trekking de montanha sem calçado específico.

    Quanto ao restante do corpo, se você vai fazer trilhas tudo oque você *não* quer é sair pesadão já do hotel. Compre um excelente conjunto para frio, com GoreTex i-400 ou superior e corta-vento, que isso já resolve três dessas quatro camadas que vc se referiu com 70% a menos de peso.

    Fleece é meio inútil para trekking. Você precisa de um casaco alpino, impermeável e corta-vento.

Oi Bóia, li tudo e mais alguma coisa, mas ainda estou na dúvida: tenho dois dias em Geneve e pensei em fazer no sábado (o segundo dia) um bate-volta a Zermatt e subir até o Matterhorn. Será que fica muito puxado? A programação de domingo é embarcar cedo no GoldenPass Panoramic até Lucern ou fico mais duas noites. O que você acha?

    Eu dormiria em Zermatt, de lá iria a Luzern em voltar a Geneve via Spiez e Interlaken.

    Nào é preciso percorrer trechos interos de ferrovias panorâmicas e, na minha opinião, a segunda parte da “Golden Pass” (Interlaken-Luzern) é a mais bonita.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.