Lisboa: um dia entre patrimônios da Unesco, museus e pastéis de Belém

Heloísa Dall'Antonia
por Heloísa Dall'Antonia

Belém

A menos de 10 km do coração da Baixa lisboeta, Belém é o bairro do Descobrimento por excelência. A história da navegação portuguesa está intimamente ligada a ele. Foi dali que saíram as frotas de Vasco da Gama, em 1497, e de Pedro Álvares Cabral, em 1500, em busca de novos caminhos para as Índias. Esse importante papel continua impresso na região, fazendo dela um dos mais interessantes passeios na capital portuguesa. E, como tudo é pertinho, dá pra combinar vários atrativos bacanas com uma só visita.

Na Praça da Figueira, ou na do Comércio, pegue o eléctrico 15, com destino a Algés (se não tiver nenhum passe de transporte, a viagem avulsa vai custar €2,85), e desça na parada Pedrouços.

A partir dali, dá para fazer um roteiro redondinho de uma manhã e parte da tarde.

Torre de Belém

Comece pela Torre de Belém. Construída entre 1514 e 1520, sua principal função era a de servir de posto de vigia para a proteção da área. Com parte de sua construção já avançando para a água, e arquitetura que lembra castelos medievais, o local é um dos Patrimônios Culturais da Unesco no bairro. A visitação à área interna da torre custa €6 (€12 no ingresso combinado com o Mosteiro dos Jerónimos; grátis com o Lisboa Card), e permite ver o baluarte, a imagem de Nossa Senhora do Bom Sucesso, as salas dos reis e do governadores, além das capelas. Ao olhar para as guaritas da torre, procure pela imagem de um rinoceronte. O animal com o qual o rei D. Manuel I foi presenteado em 1514 ficou imortalizado na construção. Do terraço, em dias limpos, é possível ver boa parte do bairro e de suas outras imponentes edificações.

Padrão dos Descobrimentos

Caminhando pela margem do Tejo você chega ao Padrão dos Descobrimentos. Com a forma de uma caravela, essa obra construída em 1960 traz a imagem de várias personalidades importantes da navegação portuguesa - tendo elas ido ou não ao mar. Na proa está o Infante D. Henrique e nas laterais, além de Pedro Álvares Cabral e Martim Afonso de Sousa, estão várias outras personalidades históricas. Um mirante permite a vista do mar e da cidade a 56m de altura. O ingresso custa €3 (€2,10 com o Lisboa Card).

Seguindo para dentro do bairro pela Praça Império, é possível conhecer o Museu Coleção Berardo, com mais de 900 obras em exposição no acervo permanente (entrada: €5).

Mosteiro dos Jerónimos

Fachada, vitral e teto do Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Fachada, urna real sustentada por elefantes, claustro

Continue para o Mosteiro dos Jerónimos, uma construção que começou em 1501 e só ficou pronta quase um século depois. A Igreja de Santa Maria de Belém, com suas três naves, deixa clara de forma definitiva a importância das navegações para os portugueses. Seu estilo manuelino (que deriva do gótico, incorpora elementos da natureza e faz alusão ao poderio militar da casa real) pode ser visto em vitrais, nas representações dos túmulos da família real e até nos sarcófagos de Vasco da Gama e de Luís de Camões, que estão ali. Para mim, o mais curioso foi encontrar estátuas de elefantes dentro de uma igreja.

Camões

Túmulo de Camões

Além de Camões, outros dois grandes nomes da literatura portuguesa também descansam no mosteiro: Fernando Pessoa e Alexandre Herculano.

Mosteiro dos Jerônimos, Lisboa

O claustro -- a área em que os monges moravam e meditavam -- é outro dos pontos altos da visita. A construção, também em estilo manuelino, em torno de um pátio ajardinado, tornou-se Patrimônio Mundial da Unesco em 1983. A entrada é gratuita para a igreja, mas custa €10 para o mosteiro (€12 no ingresso combinado com a Torre de Belém; grátis com o Lisboa Card).

Nos arredores você pode visitar o Museu de Marinha, com seus modelos de navios da época dos Descobrimentos até outros mais atuais, e o Museu Nacional de Arqueologia, que tem cerâmicas, mosaicos e itens de ouro em sua coleção. O ingresso custa €6 no Museu de Marinha (€3 para menores de 18 anos) e €5 no Museu de Arqueologia.

Pastéis de Belém, Lisboa

Dali você está quase na porta da Antiga Confeitaria de Belém, que existe desde 1837 no edifício de uma refinaria de açúcar. Ali é feita a receita ~secreta~ (antes conhecida apenas pelos monges) dos maravilhosos docinhos típicos portugueses, que fora dali são conhecidos apenas como "pastéis de nata". (Se você pedir um pastel de Belém fora de Belém provavelmente receberá como resposta "Não há!", mesmo se houver pastéis de nata à sua vista na vitrine. Pastéis de Belém, só em Belém!) Há também outros quitutes no cardápio (mas vale mais a pena pedir mais uma rodada de pasteizinhos, que vêm morninhos de tão frescos). Dá até para levar alguns para viagem...

Pastéis de Belém

Mais uma caminhadinha e eis o Museu Nacional dos Coches, que tem em sua coleção carruagens a partir do século 17, além de acessórios e outros itens referentes ao transporte de pessoas no passado. Custa €6 (grátis com o Lisboa Card).

Ainda com disposição? Embarque de novo no eléctrico 15 e desça no Calvário para terminar o dia batendo perna pelas lojinhas e restaurantes do LX Factory.

Heloísa viajou a convite do Turismo de Lisboa.

Leia mais:

5 comentários

Valdete Muniz
Valdete MunizPermalinkResponder

Adorei a matéria, parabéns.

Cândida Silva

E se você fizer tudo isso no domingo, terá entradas grátis, até às 14h, na Torre de Belém, Mosteiro dos Jerônimos e Museu dos Coches! Na minha última visita à capital lusa, consegui a gratuidade na Torre e no Mosteiro! Chegamos ao Museu dos Coches à tarde, depois do almoço e depois da sobremesa na pastelaria. Como era o ingresso mais barato, valeu!

MAGNIFICAT TOURS

A gratuitidade é SÓ no primeiro domingo de cada mês em vários espaços museológicos e monumentos, a saber;

Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, Lisboa
Museu de Arte Popular, Lisboa
Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, Lisboa
Museu Grão Vasco, Viseu
Museu Monográfico de Conímbriga, Condeixa-a-Nova
Museu da Música, Lisboa
Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa
Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa
Museu Nacional do Azulejo, Lisboa
Museu Nacional dos Coches, Lisboa
Museu Nacional de Etnologia, Lisboa
Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra
Museu Nacional Soares dos Reis, Porto
Museu Nacional do Teatro, Lisboa
Museu Nacional do Traje, Lisboa
Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa
Palácio Nacional de Mafra, Mafra
Convento de Cristo, Tomar
Mosteiro de Alcobaça, Alcobaça
Mosteiro da Batalha, Batalha
Mosteiro de Jerónimos, Lisboa
Panteão Nacional, Lisboa
Torre de Belém, Lisboa

Malu Esper
Malu EsperPermalinkResponder

Ótima matéria Heloisa! Lisboa é uma paixão! Fiz esse passeio em setembro 2014 e estava muito calor, sol e nenhuma nuvem no céu. Delícia, mas para ir da Torre de Belém para o Padrão dos Descobrimentos, apesar de ser uma curta caminhada, aconselho a fazer esse passeio pela manhã antes das onze horas, como você sugeriu. Existe uma passagem subterrânea para ir ao Mosteiro dos Jerônimos que na verdade é só para atravessar a avenida mas ajuda bastante devido ao calor. Entrando primeiro na Igreja do Mosteiro já é aquele alívio de frescor e uma sucessão de OHs! Que maravilha!

Heloísa
HeloísaPermalinkResponder

Obrigada, Malu! Eu consegui pegar chuva em absolutamente TODOS os dias em que estive em Lisboa agora em novembro, dá pra acreditar? Todos os meus deslocamentos foram com guarda-chuva em punho! smile

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar