Santiago: reaberto o teleférico do Parque Metropolitano

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Interditado em 2008 por problemas mecânicos (não, não foi por causa do terremoto de 2010!), o teleférico do Parque Metropolitano de Santiago voltou a funcionar agora no dia 26 de novembro (obrigado mais uma vez por avisar, Neftalí!).

Com 47 cabines novinhas e moderníssimas (acredito que iguais às do Valle Nevado), o teleférico oferece lindas vistas de Santiago (em dias claros) e leva com rapidez à maioria dos atrativos do Parque Metropolitano.

O circuito tem três estações: Inicial, Tupahue e Cumbre.

A estação Inicial fica no plano, junto ao acesso de pedestres Pedro de Valdivia Norte, no finzinho desta avenida: dá para vir a pé de Providencia. (São 15 a 20 minutos de caminhada desde a esquina da avenida Providencia com a Pedro de Valdivia).

A estação Cumbre fica no topo do Cerro San Cristóbal -- um lugar que já está incorporado ao circuito básico de Santiago, aonde se chega de funicular.

O passeio pelo teleférico de Santiago pode ser feito nos dois sentidos.

Se começar pela estação Inicial, você depois desce pelo funicular e visita La Chascona, a casa-museu de Pablo Neruda. Se tiver tempo, dá para continuar depois pelo Centro -- Mercado Central, Museu Pré-Colombiano, Plaza de Armas, Cerro Santa Lucía.

Se vier do Centro ou de La Chascona, você sobe pelo funicular e inicia o passeio na estação Cumbres. Salta na estação Inicial e então segue para Providencia (de repente, vai ao Sky Costanera).

Veja o vídeo do percurso completo do teleférico de Santiago feito pelo site Plataforma Urbana:

Teleférico do Parque Metropolitano de Santiago

  • Funciona de 3ª a domingo das 10h às 19h (no verão, até as 20h) | Tarifa de ida, 2 estações ('2 tramos'): de 3ª a 6ª, 1.910 pesos (crianças até 12 anos, mulheres acima de 60 anos e homens acima de 65 anos, 1.240 pesos); sábado, domingo e feriado, 2.290 pesos (crianças até 12 anos, mulheres acima de 60 anos e homens acima de 65 anos, 1.490 pesos) | Veja lista completa de tarifas aqui

Leia mais:

8 comentários

Izabella Zava
Izabella ZavaPermalinkResponder

Finalmente!!!! Quando fui lá em 2012 estava sem teleférico e sem funicular. E não vale a pena andar a pé pelo parque. Não tem nada pra ver no caminho e não é nada agradável. Que falta me fez esse teleférico...

Marcia Ramos
Marcia RamosPermalinkResponder

Estive em santiago no início de novembro e uma greve geral (já fazia 20 dias), fez parar tudo que era público no país. E a subida a San Cristoban estava fechada. A alternativa foi visitar o que não era público e usar o bus turístico

Edgar
EdgarPermalinkResponder

É possível subir pelo funicular e descer pelo teleférico até a estação Pedro de Valdivia? Espero que a greve citada pela Marcia Ramos tenha terminado, pois estarei em Santiago no início de janeiro.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Edgar! Esta possibilidade não apenas existe, como está recomendada no texto e ilustrada no mapa... Atente que existe uma caminhada de 15 a 20 minutos entre a estação Inicial do teleférico e a estação Pedro de Valdivia do metrô.

Luciana Selbmann

Ola, Na verdade, acho que onde diz: "Se vier do Centro ou de La Chascona, você sobe pelo teleférico e inicia o passeio na estação Cumbres. Salta".... a palavra teleférico deveria ser funicular.... por isso confundiu... Não seria isso?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luciana! Sim. Estou corrigindo já.

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Descendo pelo teleférico, saio próximo ao parque bicentenário de la infancia?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Claudia! Não sai não, o parque fica pro outro lado. Estando no alto do cerro San Cristóbal é possível descer a pé, por escada e trilhas. Mas a entrada principal e que o site do parque recomenda fica na av. Perú 1001, metrô Cerro Blanco.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar