Postal por escrito: Paris

Aquarela de Pinky Wainer

Escrito em outubro de 1998, publicado em “Postais por escrito”, de 1999. A aquarela é de Pinky Wainer.

Tenho por Paris a afeição que as pessoas normais costumam devotar a Nova York, Londres ou Barcelona. Gostar de Paris, hoje em dia, parece ser uma espécie de perversão reservada aos muito sofisticados, aos muito afetados ou às muito peruas. Gostaria de esclarecer que eu (ainda) não me classifico em nenhuma dessas categorias.

O que me atrai em Paris não são seus restaurantes celebrados nem o vitrinódromo da rue du Faubourg Saint-Honoré. Na verdade, me satisfaço plenamente com pratos manjados de brasserie ou jantando nos vietnamitas mais vagabundos, e só entro em loja quando preciso comprar cartão telefônico.

Gosto de Paris pelos mais mundanos dos prazeres — caminhar, ir ao cinema, tomar sorvete. Paris é indiscutivelmente o maior triunfo do urbanismo sobre a natureza, e eu, metropolitano convicto, dou uma passadinha aqui sempre que posso, para recuperar minha fé nos incríveis poderes curativos de andar na rua.

E põe andar nisso. A temperatura tem se comportado de maneira moscovita (máximas de 1 ou 2 graus Celsius todos os dias), o metrô está mais limpo do que nunca (só pode ter sido a Copa), mas eu só não vou a pé quando está chovendo. Pior: fico inventando os percursos mais longos possíveis, que me forçam a cruzar a cidade do jeito mais esbaforido (senão eu morro de frio). Com o quê, minha Paris é a mais deslumbrante esteira aeróbica do mundo. E o que é melhor: grátis.

Ontem, um sábado, depois de passar a manhã trabalhando no laptop aqui no meu hotel da île Saint-Louis, fui até a Chinatown do 13ème. arrondissement almoçar num vietnamita recomendado pelo Gault-Millaut (45 min) — ângulos inesperados do Panteão no caminho. De lá atravessei a cidade para ver a exposição dos artistas trans-viados Pierre & Gilles que abriu numa galeria da avenue Matignon (1h30min) — passando por uma feira livre perto da Sorbonne, pelas Tulherias, place de la Concorde e rue du Faubourg Saint-Honoré. Depois, duas sessões de cinema na cinelândia dos Champs-Elysées (7 min). De lá para um indiano perto da rua Montmartre ( 30 min) e então de volta para a île Saint-Louis (45 min) para começar a escrever este postal. Na próxima encarnação eu quero ser desses um ônibus de dois andares que fazem sightseeing.

15 comentários

Estou apaixonada pelo blog e pela construção dessa minha primeira viagem a Paris com o amor da minha vida. Já fui a muitos lugares e em alguns voltei, tenho a impressão que com Paris será assim …

Eu fui ano passado em lua de mel… estou apaixonada… até sonho com Paris às vezes…
Vamos viajar novamente este ano e dei um jeitinho de ficar novamente uns 2 dias lá.. para matar a saudade…

Paris na minha opinião fica melhor a cada vez que vc volta. Porque não estamos desesperados para ticar as listas interminaveis de lugares…
Paris é bom mesmo quando se vai no slow trip, caminhando e degustando. A percepção real da beleza desta cidade, so se tem depois de dias e dias por ali. Por isso que nunca recomendo uma primeira visita menos que 1 semana.
Paris é deliciosa.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.