5 roteiros para combinar Argentina e Chile na mesma viagem

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Revoada de flamingos no deserto do Atacama

Argentina e Chile são dois países compridíssimos, que compartilham mais de 5 mil km de fronteira. A Cordilheira dos Andes atua como limite natural e proporciona paisagens belíssimas dos dois lados da divisa.

Atravessar a fronteira e explorar o que há do outro lado, na mesma latitude, sempre faz sentido. É possível fazer uma série de viagens perfeitas em ziguezague. A fórmula você já sabe: basta ir desempacotado, que os roteiros ficam todos viáveis.

Veja 5 roteiros práticos para visitar Argentina e Chile na mesma viagem:


View Argentina e Chile na mesma viagem in a larger map

--> SANTIAGO + MENDOZA

Ônibus de Santiago a Mendoza

Mendoza, a capital argentina do vinho, está a 1.100 km de Buenos Aires -- mas a apenas 350 km de Santiago do Chile. Combinar as duas cidades na mesma viagem não apenas encurta distâncias, mas oferece de lambuja o mais belo ponto de travessia dos Andes -- tanto pelo ar, quanto por terra.

Você pode voar a Santiago e, depois de uns dias, pegar um ônibus para Mendoza. São 6 horas de viagem; vá de dia e curta vistas incríveis (tente reservar o assento da frente, no segundo andar). Em Mendoza, além de degustações em vinícolas, aproveite para fazer as atividades de ecoturismo nos arredores. Prossiga de avião -- seja de volta a Santiago, seja a Buenos Aires, para aproveitar uns dias antes de regressar ao Brasil.

--> BARILOCHE + LAGOS ANDINOS CHILENOS

Bariloche, bonita mesmo sem neve

Eis outra combinação clássica que oferece deslumbre em dobro numa viagem só. Ao contrário do que muita gente pensa, a melhor época para fazer esta viagem combinada é fora do inverno, quando as atividades lacustres ficam mais interessantes e todos os caminhos estão desimpedidos. O verão é a época preferida pelos argentinos e chilenos para desfrutar da região dos lagos.

(Claro que, para ver neve, é preciso ir entre meados de julho e meados de setembro. E neste caso, é melhor não planejar deslocamentos e se concentrar nas atividades da estação de esqui mais próxima.)

Ainda por conta da erupção do vulcão Pueyhue, o aeroporto de Bariloche segue pelo menos até março sem operações. Até lá, o jeito de fazer esta viagem é chegando e saindo pelo Chile. Voe até Puerto Montt (via Santiago). Fique uns dias no lado chileno (em Puerto Varas você pode ter vista para o vulcão Osorno), então faça a travessia pelo Cruce Andino, que navega durante um dia inteiro por três lagos até Bariloche. Volte de ônibus a Puerto Montt (5 horas de viagem), para não repetir o mesmo trajeto.

Note, porém, que ainda é possível a presença ocasional de cinzas na região de Bariloche. Trata-se de um roteiro que deve ficar mais interessante no verão de 2013.

--> EL CALAFATE + PUERTO NATALES

Glaciar Perito Moreno, El Calafate

Por trás desses nomes pouco conhecidos estão duas das maiores atrações naturais do continente americano: o glaciar Perito Moreno (a uma hora do centrinho de El Calafate, na Argentina) e o parque nacional de Torres del Paine (a uma hora de Puerto Natales, no Chile).

Os dois lugares são tão longe da gente -- e relativamente tão perto entre si -- que é uma pena visitar um sem dar um pulinho do outro lado da fronteira.

Você pode voar a El Calafate (via Buenos Aires) e depois pegar um ônibus a Puerto Natales (são 5 horas de viagem para ir e outras tantas para voltar).

Caso queira ir por um país e voltar pelo outro, comece pelo Chile: voe a Punta Arenas, então pegue um ônibus a Puerto Natales (3 horas de percurso), prossiga depois de uns dias a El Calafate (5 horas) e então retorne de avião ao Brasil via Buenos Aires.

--> USHUAIA + PUNTA ARENAS (com extensão a Puerto Natales e El Calafate)

Pingüins na Ilha Magdalena

Não, a Terra do Fogo não é sinônimo de Patagônia: pertence à Patagônia, mas é um arquipélago no extremo sul da região. Assim como o restante do território patagônico, também a Terra do Fogo é dividida entre Argentina e Chile.

As cidades mais austrais dos dois países, Ushuaia, do lado argentino, e Punta Arenas, do lado chileno, são ligadas por ônibus que fazem a viagem em doze horas (com uma travessia de balsa por um canal). É possível também viajar entre as duas cidades por navios de cruzeiro que passam pelo canal de Beagle, contornam o Cabo Horn e passam ao longo de glaciares no estreito de Magalhães.

A viagem fica mais completa quando você aproveita também para visitar Torres del Paine e El Calafate. Voe até Ushuaia. Vá de cruzeiro ou ônibus a Punta Arenas. Siga de ônibus a Puerto Natales (3 horas de viagem). Depois de visitar Torres del Paine, continue de ônibus a El Calafate, na Argentina (5 horas de percurso). Volte de avião de El Calafate.

Querendo evitar a viagem de ônibus entre Ushuaia e Punta Arenas, voe de Ushuaia a El Calafate e então atravesse de ônibus para Puerto Natales. Volte de avião a partir de Punta Arenas via Santiago.

--> SALTA + ATACAMA

Salar do Atacama

O norte argentino guarda paisagens magníficas. A árida região de Salta, Jujuy e Quebrada de Humahuaca tem formações geológicas belíssimas e serve como ante-sala para visitar o vizinho mais famoso -- o deserto do Atacama, uma das regiões (justificadamente) mais cobiçadas do Chile.

É possível voar a Salta via Buenos Aires. De lá, quatro vezes por semana saem ônibus para San Pedro de Atacama (via Jujuy). A viagem leva 11 horas. Voe ao Brasil desde Calama, via Santiago.

(Os mais intrépidos incluem no roteiro o Salar de Uyuni, na Bolívia, fazendo um bem-bolado de três regiões fronteiriças.)

Leia também:

Primeira viagem a Buenos Aires: roteiro completo

Primeira viagem a Santiago: roteiro completo

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email

621 comentários

Antônio José de Albuquerque

boa tarde Bóia ! estou indo desde Belo Horizonte para Atacama, passando por Salta. poderia me informar sobre abastecimento de combustíveis, se há postos no trajeto em quantidade que me permita uma viagem tranquila? è possível fazer este trajeto com Reais no bolso ? agradeço antecipadamente,

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Antônio! Informe-se localmente sobre a localização dos postos. Leve dólares.

eva
evaPermalinkResponder

Oi Antônio, resposta atrasada, mas se ainda der tempo...
Existem postos suficientes, mas beeem espaçados, você deve ser cauteloso. Confirme se o abastecimento está normal antes de sair de cada localidade, pode haver problemas com greves ou clima.
Eu sempre paguei com moeda local. Leve notas de dolar em ótimo estado de conservação.

Paulo Martinelli

Fui de carro partindo de São Paulo para o Atacama. Belissima viajem. 90% dos postos de combustiveis só aceitam em efectvo(dinheiro vivo), isso na Argentina. Já no Chile e Uruguai aceitam cartão de credito/debito. Quanto a gasolina use a de 95 octanas, tem uma mais forte mas é mais cara e pode prejudicar o motor do carro.

Eduardo Tedesco

Olá!
Estou indo com a minha esposa para o Atacama na próxima semana. Vamos alugar um 4X2 em Calama, pois um de nossos objetivos é ir de São Pedro do Atacama até Pumamarca na Argentina. Você tem alguma dica para nos dar sobre esse caminho ou sobre a região de Pumamarca? Não encontrei nada em seu site sobre ele ou sobre Pumamarca.

Obrigado e um abraço
Eduardo

Magali Viajante

Combinar dois ou mais destinos na mesma viagem pode ser incrível, mas precisa ser bem planejado.
Veja o que você deve considerar ao incluir mais um destino na sua viagem:
http://magaliviajante.com/2015/04/22/especial-viagem-o-que-considerar-ao-agregar-mais-um-destino-em-seu-roteiro/

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Comentar novamente

Cancelar