Madri

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Madri: o que fazer | Roteiro para 4 dias e bate-voltas

Madri tem museus, rotas de tapas, parques e várias possibilidades de passeios bate-volta de trem.

Madri sem pressa

Com 5 pernoites em Madri você esgota todas as atrações principais, com calma. Basta seguir o roteiro passo a passo desta página, com passeios para o dia de chegada e mais 4 dias na cidade.

Você pode incrementar sua estadia visitando cidadezinhas como Ávila, Toledo e Segóvia, voltando sempre a tempo de aproveitar a noite da capital. Veja nossas 5 sugestões de viagens bate-volta aqui, e acrescente uma noite em Madri para cada cidade que queira visitar.

Madri em 3 dias

Se você tem pouco tempo em Madri, organize sua visita desta maneira (clique no texto em azul para ir ao ponto exato do texto que fala sobre o passeio):

O que fazer | Fura-filas | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

  • Madri: fura-filas

Compre ingressos com antecedência

  • Entre os três grandes museus de Madri (Museu do Prado, Reina Sofía e Thyssen-Bornemisza), o Museu do Prado é o que costuma ter mais filas na bilheteria. Chegue lá com ingresso comprado.
  • Se você tem planos de visitar os três museus, escolha o Abono Paseo del Arte, um ticket 3 em 1 que dá 20% de desconto no preço total das entradas. É vendido pelos sites dos museus.
  • Vale também a pena comprar antes a entrada para visitar o estádio Santiago Bernabéu, do Real Madrid. Assim, você já vai direto para o raio-x, sem precisar passar pela bilheteria.
  • Também faça antecipadamente a reserva para o espetáculo de flamenco na Casa Patas, que tem lugares disputados sempre.
  • NÃO recomendamos o Madrid City Pass. O passe dá apenas desconto na maioria das atrações, e não oferece transporte público gratuito.
  • Dia da chegada: Gran Vía e mirante

Esticar as pernas deve ser o seu único compromisso num primeiro dia de viagem. Em Madri, você pode fazer isso caminhando pela Gran Vía, a avenida que é símbolo da capital.

A Gran Vía está passando por obras em 2018, e algumas das melhorias que estão sendo feitas são justamente para os pedestres, como o alargamento das calçadas. Ainda que, por enquanto, você encontre trechos com tapumes, de toda forma dá para apreciar a arquitetura espetacular dos edifícios.

madri circulo bellas artes edificio metropolis vista

Ed. Metrópolis visto do Círculo de Bellas Artes

Comece na altura da estação Callao do metrô, deixando os prédios menos antigos pra trás. Faça a sua mini viagem no tempo desde o Edifício Capitol (de 1931, hoje ocupado pelo hotel Vincci Capitol) até o prédio de número 1 (o Edifício Grassy, de 1917, onde funciona uma joalheria).

Pelo caminho, você certamente vai se distrair pela loja oficial do Real Madrid, pela Primark, pela Adidas e pela H&M. Mas olhe para cima de tempos em tempos e repare também nos edifícios.

O melhor desfecho para esse passeio é seguir até a calle Alcalá, passar pelo Edificio Metrópolis (uma verdadeira joia) e subir no Círculo de Bellas Artes. Nesse centro cultural, o terraço funciona como mirante e bar, e fica aberto para visitas desde de manhã até de madrugada. Lá em cima, a vista é de cartão-postal.

Para jantar, escolha algum lugar perto do seu hotel, para se ambientar à vizinhança. Temos dicas na seção Onde comer deste guia.

Círculo de Bellas Artes de Madrid

  • Alcalá 42 | Terraço (Azotea): abre diariamente | De 2ª a 5ª das 9h às 2h; 6ª das 9h às 2h30; sábado das 11h às 2h30; domingo das 11h às 2h | Outras atividades: veja horários aqui | Ingresso: 4 euros

O que fazer | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

  • Dia 1: Museu do Prado, Letras e flamenco

Depois de dormir a primeira noite em Madri, uma manhã no Museu do Prado dá as devidas boas-vindas à cidade.

Museu do Prado: Velázquez, Goya e cia.

Vá ao Museu do Prado de metrô, saltando na estação Banco de España. Desde esse ponto, você faz uma caminhada passando pela fonte e pelo Palácio de Cibeles, a belíssima sede da prefeitura de Madri, e segue em direção ao museu pelo Paseo del Prado. O deslocamento já conta como parte do programa.

Como você comprou a entrada para o Museu do Prado antecipadamente, vai escapar da fila da bilheteria.

museu do prado madri velazquez

Museu do Prado

O Museu do Prado é a casa da coleção de arte da família real espanhola, e o museu número 1 de Madri. Em maior número no acervo estão as obras dos pintores da Corte, como Velázquez, Goya, Rubens e Tiziano. Em temática, são maioria os retratos e as pinturas religiosas. É um museu enorme, então cuide para não perder 'As Meninas' de Velázquez, as duas versões da 'Maja' de Goya, e 'O cavaleiro com a mão no peito' de El Greco. O delirante 'Jardim das Delícias' de Bosch também está no Museu do Prado.

Museu do Prado

  • Felipe IV s/n | Abre diariamente | De 2ª a sábado das 10h às 20h; domingos e feriados das 10h às 19h | Fechado em 1º de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro | Horário reduzido em 6 de janeiro, 24 e 31 de dezembro, das 10h às 14h | Ingresso: 15 euros (7,50 euros para maiores de 65 anos; grátis para menores de 18 anos) | Grátis de 2ª a sábado das 18h às 20h; domingos e feriados das 17h às 19h | Outros descontos aqui

Belas Letras

Quando você terminar a visita, já vai estar chegando a hora do almoço. Siga a pé até o Barrio de Las Letras, do outro lado do Paseo del Prado.

barrio de las letras madri

Barrio de Las Letras

O Barrio de Las Letras é um dos bairros mais bonitos de Madri, com tabernas à moda antiga, sebos e ruas que fazem homenagem a Cervantes e seus contemporâneos. Por falar neles, não faz falta visitar as casas de Cervantes e Lope de Vega, não. Prefira caminhar pela calle Huertas, dar um giro pela Plaza de Santa Ana e passar na Librería Miguel Miranda (Lope de Vega 19), um sebo dos sonhos. O happy hour mais gostoso é na Casa González (Calle del León 12, reservas aqui).

Una vez flamenco

flamenco madri casa patas show

Casa Patas

Se a sua viagem não continuar à Andaluzia, vale a pena assistir a um espetáculo de flamenco em Madri. Um bom show do gênero nunca vai ser barato, mas o da Casa Patas vale o desembolso. O teatro é bem intimista, nos fundos de uma taberna – de qualquer assento você vai estar bem perto do palco. A apresentação reveza números de música e de dança, com bailaores de alto nível. É um espetáculo enxuto, de bom gosto e muito emocionante. Reserve antecipadamente.

Casa Patas

  • Cañizares 10 | Shows de 2ª a 5ª às 22h30; 6ª e sábado às 20h e 22h30 | Veja o calendário aqui | Ingresso: 38 euros (22 euros de 12 a 16 anos; 19 euros de 6 a 11 anos; grátis até 5 anos) | Reservas aqui

Antes ou depois do espetáculo (que tem uma hora e meia de duração), você pode ir a pé jantar no bairro de Lavapiés, em algum dos indianos baratinhos da Calle del Ave María. Ou escolha um restaurante próximo ao seu hotel.

O que fazer | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

  • Dia 2: Centro histórico, tapas e Chueca

Prazer: Los Austrias

Nessa primeira parte do dia você vai passear a pé pelo bairro de Madrid de los Austrias, o centro histórico de Madri. Se vier de metrô, salte na estação Ópera, contorne o Teatro Real e... listo: eis o Palácio Real, a Plaza de Oriente e os Jardins de Sabatini.

madri palacio real

Palácio Real

Considerando que os prédios mais antigos dessa zona são do século XV, o Palácio Real é até recente. Foi construído em meados do século XVIII sobre as ruínas do antigo Alcázar incendiado, num desenho bem diferente do original, que tinha mais a ver com a Plaza Mayor e a Plaza de la Villa. O interior do palácio é suntuoso, e o destaque é a coleção de armaduras. Também há mais do acervo de arte da família real para ver, e desde 2017 se pode visitar a cozinha do palácio. Só não adianta procurar pelo rei Filipe ou pela rainha Letizia – apesar dos quase 3500 quartos, eles usam como residência oficial o Palácio da Zarzuela, a 13 km do centro.

madri jardins sabatini

Jardins de Sabatini

Mesmo que você decida não visitar o Palácio Real por dentro, pode conhecer os lindinhos Jardins de Sabatini, na lateral do palácio, sem pagar entrada.

Do lado oposto, a Catedral de Almudena pode ser visitada a 1 euro, mas é mais bonita por fora do que por dentro.

Palácio Real

  • Bailén s/n | Abre diariamente | Outubro a março das 10h às 18h | Abril a setembro das 10h às 20h | Fechado em 1º e 6 de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro | Horário reduzido em 12 de outubro, 24 e 31 de dezembro; consulte aqui | Ingresso: 10 euros (5 euros entre 5 e 16 anos; grátis até 4 anos) | Outros descontos aqui

Jardins de Sabatini

  • Bailén 2 | Abre diariamente | Outubro a abril das 9h às 21h | Maio a setembro das 9h às 22h | Grátis

Catedral de La Almudena

  • Bailén 10 | Abre diariamente | Outubro a junho das 9h às 20h30 | Julho e agosto das 10h às 20h | Donativo: 1 euro

plaza de la villa madri

Plaza de la Villa

O próximo ponto a visitar em los Austrias é a Plaza de la Villa. Caminhe pela estreita Calle del Codo, a rua em formato de cotovelo, e imagine uma Madri medieval. A praça é um dos cenários mais bonitos da cidade, com contribuições de várias épocas. A Casa de Lujanes (Plaza de la Villa 2-3) é a mais antiga, ainda do século XV. Na torre, apesar das modificações feitas ao longo dos séculos, você ainda identifica elementos da arquitetura mudéjar. Ao redor da praça também está a Casa de Cisneros (Plaza de la Villa 4), do século XVI, e a Casa de la Villa (Plaza de la Villa 5), do finzinho do século XVII, que foi sede da prefeitura até 2008, antes da mudança para o Palácio de Cibeles. Contorne a Casa de Cisneros para achar, na Calle del Cordón, a loja El Jardín del Convento (Calle del Cordón 1), uma portinha onde são vendidos doces conventuais. Guarde para a sobremesa, mais tarde.

Tapas para que te quiero

madri mercado san miguel

Mercado de San Miguel

Siga para uma introdução às tapas no animado Mercado de San Miguel. Críticos dirão que o mercado é turístico demais, mas não dê ouvidos. De todo jeito, é um programão. No Mercado de San Miguel você vai encontrar menos barracas de frutas do que de comidinhas e de bebidas; a proposta é ser menos 'feira' e mais 'complexo gastronômico'. Veja na seção Onde comer deste guia quais são os nossos postos favoritos no mercado.

madri plaza mayor

Plaza Mayor

Daqui, caminhe em direção à Plaza Mayor. O rapaz no cavalo é Felipe III, o monarca que fez a encomenda de uma praça mais à altura da nova sede da corte, há 400 anos. Tente abstrair dos grupos de Segway e das pessoas fantasiadas de personagens infantis para reparar nas dimensões monumentais da praça, nos arcos de acesso e no bonito afresco da Casa de la Panadería.

Depois das fotos, siga até a Chocolatería San Ginés (Pasadizo de San Ginés 5) para um chocolate quente com churros, uma merenda tão típica em Madri quanto o nosso café com pão de queijo.

Para fazer um contraste da Madri de antigamente com a Madri de hoje, esse é um bom dia para reservar um jantar no badalado bairro de Chueca:

O que fazer | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

  • Dia 3: Mais arte, Parque del Retiro e Malasaña

Nesse segundo dia pelo Triângulo da Arte de Madri, você tem duas opções: visitar dois museus no mesmo dia, ou eleger o seu favorito entre o Reina Sofía e o Museu Thyssen-Bornemisza. Ambos são mais 'light' que o Museu do Prado, então fazem uma combinação melhor num dia só.

A estratégia que sugerimos para esse dia é museu + Parque del Retiro + museu. Por uma questão logística (o parque está entre os dois), e porque assim você tem tempo de deixar a cabeça descansar um pouco entre uma atividade cultural e outra.

Se você vai começar o dia pelo Thyssen-Bornemisza, salte na estação Banco de España do metrô. Se você vai começar pelo Reina Sofía, salte na estação de Atocha.

Thyssen-Bornemisza: pronuncie se for capaz

museu thyssen-bornemisza madri

Museu Thyssen-Bornemisza

O Thyssen-Bornemisza é o mais novo e mais eclético entre os três grandes museus de Madri. O nome e o acervo vêm de barões suíços, pai e filho, que foram vorazes colecionadores. A visita ao Thyssen-Bornemisza é uma aula de História da Arte (europeia e ocidental, ao menos), começando pela Idade Média e chegando até o século XX. Tem Caravaggio, tem Rembrandt, tem Degas, tem Dalí, e ainda tem muitos norte-americanos, como Georgia O'Keeffe, Lichtenstein e Hopper. Adendo: a lojinha é imperdível.

Museu Thyssen-Bornemisza

  • Paseo del Prado 8 | Abre diariamente | 2ª das 12h às 16h; 3ª a domingo das 10h às 19h | Fechado em 1º de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro | Horário reduzido 24 e 31 de dezembro, das 10h às 15h | Ingresso: 12 euros (8 euros para maiores de 65 anos; grátis para menores de 18 anos) | Grátis na 2ª | Outros descontos aqui

Reina Sofía, a casa de 'Guernica'

reina sofía museu madri

Museu Reina Sofía

O Reina Sofía é a casa de Guernica e o museu mais 'cabeça' dos três. A coleção abriga muitas obras e artistas de vanguarda, e é organizada num percurso que aborda as grandes guerras mundiais, a guerra civil espanhola e o nosso mundo contemporâneo. Você vai encontrar obras de Miró, Tàpies, Picasso e Dalí, e, além do acervo, costumam estar em cartaz várias exposições temporárias. O prédio principal do museu – um antigo hospital acrescido de elevadores panorâmicos – é uma atração à parte.

Museu Reina Sofía

  • Santa Isabel 52 | Abre diariamente, exceto 4ª | 2ª, 3ª, 5ª, 6ª, sábado das 10h às 21h; domingo das 10h às 19h, com acesso parcial à coleção a partir das 13h30 | Fechado em 1º e 6 de janeiro, 1º e 15 de maio, 9 de novembro, 24, 25 e 31 de dezembro | Ingresso: 10 euros (grátis para maiores de 65 anos e menores de 18 anos) | Grátis no domingo a partir de 13h30 | Outras gratuidades aqui

Tanto o Reina Sofía quanto o Thyssen têm restaurante, mas vale mais a pena dar uma chegadinha para o almoço no Barrio de Las Letras, e daí seguir para o Parque del Retiro.

Uma tarde no parque

parque del retiro madri

Parque del Retiro

O Parque del Retiro tem 10 portões de acesso em sua volta. Entrando pela Puerta de Felipe IV você já se depara com um lindo jardim em estilo francês. E também começa o passeio bem pertinho do Estanque Grande, o lago artificial que é a imagem mais conhecida do parque. Dá até para alugar um barquinho a remo (8 euros por 45 minutos, maio/2018).

Estenda ou abrevie o passeio caso pretenda ou não visitar um segundo museu nesse dia.

Malasaña, a assanhada

malasana lojas calle espiritu santo

Loja DOOC em Malasaña

Mais tarde, que tal combinar compras e tapas por Malasaña, o bairro alternativo de Madri? As lojinhas da calle Espíritu Santo ficam abertas até 21h (tem livraria, brechó, loja de decoração, de bolsas...). As lojas mais mainstream da calle Fuencarral também. Há movimento todas as noites.

O nosso bar preferido em Malasaña é a Casa Macareno (San Vicente Ferrer 44, tel. 911 66 09 21), que aceita reserva. Você vê mais dicas para a sua rota de tapeo aqui:

O que fazer | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

  • Dia 4: Real Madrid, La Latina e um bom jantar

CR7 não mora mais aqui

Quando se fala do alto nível dos museus de Madri, geralmente está se falando do Museu do Prado, do Reina Sofía ou do Thyssen-Bornemisza. Mas poderíamos muito bem incluir nessa lista o museu do Real Madrid no estádio Santiago Bernabéu.

É bastante fácil chegar ao estádio de metrô ou de ônibus. De metrô, salte na estação Santiago Bernabéu. De ônibus, as linhas mais úteis serão a 27, 40, 147 e 150. Veja aqui todas as linhas que levam ao estádio, ou trace a sua rota no Google Maps.

Compre o ingresso online, com antecedência, para não pegar filas na bilheteria e ir direto ao raio-x.

santiago barnabeu real madrid tour madri

Tour Bernabéu

O Tour Bernabéu é uma atração que você não pode perder se curtir futebol, mesmo que não acompanhe tão de perto os campeonatos europeus. A visita ao museu é super interativa e de alta tecnologia. Além de ver de perto uma respeitável coleção de troféus do Real Madrid, você vai poder dar replay em lances históricos dos seus jogadores favoritos, ouvir gols narrados em vários idiomas, sentar no banco de reservas e entrar no vestiário onde até outro dia Cristiano Ronaldo trocava de roupa. Os fãs mirins vão adorar, e os marmanjos, mais ainda.

Obviamente, o tour termina numa gigantesca loja da Adidas.

Do Santiago Bernabéu, tome o metrô à estação de La Latina (linha 10, depois linha 5, com baldeação em Alonso Martínez).

]Cava Baja, a rua das tapas

madri calle cava baja la latina

Cava Baja, La Latina

La Latina é o bairro mais boêmio de Madri. E a rua Cava Baja, o seu mais tradicional corredor de barzinhos. Vá no horário do almoço para poder ver o colorido das fachadas. No fim de semana a rua ferve, especialmente no domingo, quando acontece o mercado El Rastro. Chegue cedo. Em geral, os bares abrem às 13h e fecham às 16h no turno do almoço, mas também tem aqueles que não tiram a hora da siesta. Veja todas as dicas, e os nosso bares preferidos, aqui:

E quanto ao El Rastro... dá pra pular. É um dos programas preferidos de moradores e turistas em Madri, mas é muito capaz de na sua própria cidade você ter feiras de antiguidades ou de artesanato mais bacanas. Se quiser dar uma olhadinha de toda forma, o mercado acontece todo domingo e feriado.

El Rastro

  • Plazade Cascorro | Domingos e feriados | 9h às 15h | Grátis

À noite, deixe um último jantar especial reservado. Consulte a seção Onde comer do guia para ver dicas de restaurantes nos bairros de Salamanca, Chamberí, Retiro ou perto do seu hotel.

O que fazer | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

  • Bate-voltas saindo de Madri

Madri é a capital do bate-volta. Adicione mais pernoites à sua estadia em Madri para embarcar em passeios de dia inteiro a cidades vizinhas – e até a cidades não tão vizinhas assim, mas que ficaram mais perto com os trens de alta velocidade. Você vai sentir que fez várias viagens numa só, sem nem precisar mudar de hotel.

Os melhores bate-voltas saindo de Madri são a Toledo, Ávila e Segóvia. Se for fazer os três, comece por Segóvia. Ávila e Toledo causam mais impacto à primeira vista. Se você deixar Segóvia por último, pode rolar um anticlímax.

Ávila ou Segóvia também funcionam como pit-stop a caminho de Salamanca.

Também é uma boa idéia de bate-volta a visita ao Palácio de Aranjuez, o Versalhes espanhol.

De Madri dá para ter uma prévia da Andaluzia indo e voltando de Córdoba no mesmo dia, num dos trens de alta velocidade. Mas a melhor forma de visitar Córdoba ainda é num pit-stop a caminho de Sevilha.

Como organizar seu bate-volta

Compre os bilhetes antecipadamente pelo site da Renfe, a cia. ferroviária espanhola, para garantir descontos e o seu lugar a bordo. Escolha sempre os trens de alta velocidade (ALVIA, AVANT, AVE) quando disponíveis. Recomendamos bate-voltas em que cada perna tenha 1h30, no máximo duas horas de duração. Mais do que isso, o bate-volta não compensa.

Em todas as cidades, a dinâmica vai ser a mesma: saltar na estação de trem, pegar um ônibus ao centro histórico e passear a pé. Na volta, fazer o inverso. (Com exceção de Aranjuez, onde a atração principal já fica pertinho da estação.) Os ônibus que passam pelas estações de trem têm horários coordenados com as chegadas e partidas da Renfe. Procure na parada do ônibus pelos horários de retorno.

Bate-volta a Toledo

toledo bate volta madri

Toledo

O templo de Santa María La Blanca é o exemplo perfeito da Toledo das três culturas – uma sinagoga com arquitetura de mesquita e que hoje pertence à igreja católica. Seguir as pistas dos mouros, judeus e católicos em Toledo, vielas adentro e ladeiras acima, é o roteiro a se fazer na cidade. Comece o passeio pela Plaza Zocodover, e de lá caminhe até as ruínas da Mesquita do Cristo da Luz, o templo mais antigo de Toledo, com mais de mil anos de idade. Desse ponto, cruze o centro histórico até a judería, o bairro judaico. Uma visita recomendada é à Sinagoga del Tránsito e Museo Sefardí, que contam a história e os costumes dos judeus na Península Ibérica. Também vale a pena visitar a antiga sinagoga de Santa María La Blanca, ao mesmo tempo tão simples e tão deslumbrante. Caminhe ao ar livre, espie os mirantes sobre o rio Tajo (o Tejo, no seu trecho espanhol), e veja as vitrines das docerias na calle Santo Tomé (o marzipã é o doce mais típico).

A caminho da catedral, o almoço pode ser na Taberna El Botero (Ciudad 5, reservas aqui), mais moderninha, ou no Lo Nuestro (San Juan de Dios 7, reservas aqui), de cozinha tradicional toledana. Termine o dia visitando a Catedral de Toledo, uma obra única em toda a Espanha, e que mostra o poder da igreja católica após a reconquista.

A viagem de Madri (estação Puerta de Atocha) a Toledo dura cerca de 30 minutos nos trens rápidos da Renfe. Não há trens de Toledo para a Andaluzia. Se você vai seguir viagem a Córdoba e Sevilha, precisa voltar a Madri.

Da estação de trem de Toledo para o centro histórico da cidade, os ônibus das linhas 61 e 62 são os mais diretos. O ponto é na mesma rua, Paseo de la Rosa, à direita da estação. Salte na Plaza Zocodover.

Mesquita do Cristo da Luz

  • Cristo de la Luz 22 | Abre de 3ª a domingo | De 1º de março a 15 de outubro, das 10h às 18h45 | De 16 de outubro a 28 de fevereiro, das 10h às 17h45 | Fechada em 1º de janeiro e 25 de dezembro | Horário reduzido em 24 e 31 de dezembro, das 10h às 13h | Ingresso: 2,80 euros (grátis até 10 anos)

Museu Sefardí e Sinagoga del Tránsito

  • Samuel Leví s/n | Abre de 3ª a domingo | De 1º de março a 31 de outubro, das 9h30 às 19h30 | De 1º de novembro a 28 de fevereiro, das 9h30 às 18h | Fechado em 1º e 6 de janeiro, 1º de maio, 24, 25 e 31 de dezembro | Horário reduzido aos domingos e feriados, das 10h às 15h | Ingresso: 3 euros (grátis para menores de 18 anos e maiores de 65 anos) | Grátis aos sábados a partir de 14h | Grátis aos domingos | Outros descontos aqui

Sinagoga Santa María La Blanca

  • Reyes Católicos 4 | Abre diariamente | De 1º de março a 15 de outubro, das 10h às 18h45 | De 16 de outubro a 28 de fevereiro, das 10h às 17h45 | Fechada em 1º de janeiro e 25 de dezembro | Horário reduzido em 24 e 31 de dezembro, das 10h às 13h | Ingresso: 2,80 euros (grátis até 10 anos)

Catedral Primada

  • Cardenal Cisneros 1 | Abre diariamente | 2ª a sábado das 10h às 18h; domingo das 14h às 18h | Fechada em 1º de janeiro e 25 de dezembro | Horários reduzidos: consulte aqui | Ingresso: 10 euros sem acesso à torre; 12,50 euros com acesso à torre

Bate-volta a Ávila

avila bate-volta madri

Ávila

A muralha de Ávila é uma das mais bem preservadas do mundo. Contorna todo o centro histórico da cidade, e tem três pontos de acesso para caminhar e ver a vista lá de cima. Suba pela Casa de las Carnicerías (San Segundo 17), onde são vendidas as entradas. No mesmo lugar funciona o posto de informações turísticas. Por esse acesso você vê de cima a catedral, a Basílica de San Vicente, e chega até a Puerta del Carmen – a parte mais bonita do interior da muralha. Desça e comece a caminhada pelo centro histórico. Passe na Plaza del Mercado Chico, uma gracinha de lugar, e compre por lá as suas yemas de Ávila, doce típico feito de ovos, na lojinha da Pastelería Iselma (Plaza del Mercado Chico 5). Repare nas formas dos palácios renascentistas, como o Torreón de los Guzmanes (Plaza Corral de las Campanas 4), hoje sede da diputación provincial, a Casa Superunda (Corral de las Campanas 3), um museu, ou o Palacio de los Velada (Plaza de la Catedral 10), transformado em hotel.

Hora do almoço? Chegou a sua oportunidade de provar o chuletón, um bifão de vitela, prato tradicional de Ávila e especialidade nos restaurantes Siglodoce (Plaza de la Catedral s/n, tel. 920 25 28 85) e Los Candiles (Pedro de Lagasca 5, tel. 920 21 31 02). Reserve antes; as mesas são disputadíssimas. De tarde, passeie pelo Paseo Rastro, um calçadão aos pés da muralha, de onde se tem lindas vistas. Siga por esse caminho para visitar o Convento de Santa Teresa d'Ávila.

A viagem de Madri (estação Chamartín) a Ávila dura cerca de uma hora e meia nos trens MD (de 'media distancia') da Renfe. Caso você siga a Salamanca, são mais 1h10 a 1h25 de viagem, dependendo do horário (é preciso comprar duas passagens separadas).

Da estação de trem de Ávila para o centro histórico da cidade, tome um ônibus da linha 1 ou da linha 4. O ponto fica um quarteirão adiante da estação de trem, na esquina da Calle del Ferrocarril com o Paseo de la Estación. Salte na Basílica de San Vicente para entrar a pé na cidade amuralhada.

Se estiver fazendo pit-stop entre Madri e Salamanca, deixe a mala no guarda-volumes da estação de ônibus, que fica a menos de 10 minutos a pé da estação de trem. Para seguir da estação de ônibus ao centro da cidade, pegue um ônibus da linha 1 ou da linha 4 -- a parada fica à direita da rodoviária, passando o viaduto. Salte na Basílica de San Vicente para entrar a pé na cidade amuralhada.

Muralha de Ávila

  • San Segundo 17 (Casa de las Carnicerías) | Horário de inverno: de 3ª a domingo das 10h às 18h | Horário de verão: diariamente das 10h às 20h | Calendário detalhado aqui | Fechado em 1º de janeiro, 24, 25 e 31 de dezembro | Ingresso: 5 euros (3,50 euros para menores de 18 anos e maiores de 65 anos; grátis até 12 anos) | Grátis 3ª de 14h às 16h

Convento de Santa Teresa

  • Plaza de la Santa 2 | Abre de 3ª a domingo | De abril a outubro, de 10h às 14h e de 16 às 19h | De novembro a março, de 10h às 13h30 e de 15h30 às 17h30 | Ingresso: 2 euros

Bate-volta a Segóvia

segovia bate-volta madri

Segóvia

O aqueduto é o que leva todo mundo a Segóvia. De pé desde o tempo dos romanos, e em atividade até o século passado, é realmente uma obra de engenharia impressionante. Mas Segóvia também tem outras atrações, e uma bonita vista para a serra da Guadarrama. Comece a visita pela Plaza del Azoguejo, para tirar as primeiras fotos do aqueduto. Suba a escadaria à sua esquerda, e vá caminhando até o bem preservado Alcázar de Segóvia, fortaleza e palácio do século XII – uma visita imperdível. Na volta, passe pela Plaza Mayor. Bem pertinho, o restaurante José María (Cronista Lecea 11; reservas aqui) é o melhor endereço para provar o famoso cochinillo segoviano, um leitão assado suculento, de pele crocante e que, sozinho, já valeria a viagem até a cidade. É importante reservar.

A viagem de Madri (estação Chamartín) a Segóvia dura cerca de 30 minutos nos trens rápidos da Renfe. Caso você siga a Salamanca, dá mais 1h10 (é preciso comprar duas passagens separadas). Há guarda-volumes na estação de ônibus.

Da estação de trem em Segóvia até o centro da cidade, tome o ônibus da linha 12. O ponto é em frente à estação. Salte na parada da Comisaría de Policía, e de lá caminhe até o aqueduto.

Aqueduto de Segóvia

  • Plaza del Azoguejo | Aberto 24 horas | Grátis

Alcázar

  • Plaza de la Reina Victoria Eugenia s/n | Abre diariamente | Abril a outubro das 10h às 20h | Novembro a março das 10h às 18h | Horário reduzido em 5 de janeiro, 24 e 31 de dezembro, das 10h às 14h30 | Fechado em 1º e 6 de janeiro, 25 de dezembro, e no Dia do Alcázar (consultar aqui) | Ingresso: 5,50 euros sem acesso à torre (3,50 euros de 5 a 16 anos e maiores de 65 anos; grátis até 4 anos), 8 euros com acesso à torre | Outras gratuidades aqui

Bate-volta a Aranjuez

O bate-volta a Aranjuez é o mais fácil de fazer: a atração é uma só, o Palácio Real de Aranjuez, com seus jardins, a Casa del Labrador e o Museo de Falúas. Aprimorado ao longo de vários reinados, o Palácio de Aranjuez foi muito usado como residência de primavera durante a dinastia dos Bourbon – mudar de endereço segundo as estações foi um hábito que trouxeram da França. O acesso apenas aos jardins é grátis, mas para o bate-volta compensar, compre a entrada para fazer a visita completa. O Palácio de Aranjuez tem cômodos curiosos, com o Gabinete de Porcelana e o Salón de Fumar, que parece saído de algum palacete em Sevilha. Na Casa del Labrador, a Sala de Billar demonstra que não são só plebeus gostam de sinuca. Finalmente, no Museo de Falúas você vê embarcações fantásticas feitas para navegar em rios e para impressionar os reis, que as recebiam como presente. Para almoçar, fique com o El Corral de La Abuela (Calle de la Reina 2, reservas aqui).

A viagem de Madri (estação Atocha Cercanías) a Aranjuez dura cerca de 35 minutos nos trens MD (de 'media distancia') da Renfe. Da estação de trem de Aranjuez ao palácio, você pode ir caminhando.

Palácio Real de Aranjuez

  • Plaza de Parejas s/n | Abre de 3ª a domingo | De abril a setembro, das 10h às 20h | De outubro a março, das 10h às 18h | Fechada em 1º e 6 de janeiro, 1º de maio, 31 de agosto, 24, 25 e 31 de dezembro | Ingresso: 9 euros (4 euros de 5 a 16 e maiores de 65 anos; grátis até 4 anos) | Outras gratuidades aqui

Bate-volta a Córdoba

cordoba bate-volta madri

Córdoba

Visitar Córdoba como bate-volta de Madri mata um pouquinho da curiosidade sobre a Andaluzia. Mas tenha atenção na hora de comprar a o bilhete, porque ir e voltar no mesmo dia só é indicado nos trens rápidos (a distância de Madri a Córdoba é de quase 400 km). É também preferível escolher um trem que chegue em Córdoba até 10h da manhã, e outro que retorne a Madri por volta das 18h, para que você possa aproveitar bem o dia.

Comece o passeio visitando os lindos jardins do Alcázar de Los Reyes Cristianos, um palácio-fortaleza que, depois de servir como residência real para Isabel I e Fernando II, foi cedido para a Santa Inquisição (o museu, no interior do Alcázar, é fraquinho e não conta essa história; fique só pelos jardins). Depois, vá caminhando até a ponte romana e à Puerta del Puente, onde você vai ter uma bonita vista do rio Guadalquivir.

Combine a pausa para o almoço com uma caminhada pela judería, para ver as casas branquinhas e os gerânios nas sacadas. Uma boa dica de restaurante é o Qurtubah (Céspedes 8, tel. 957 49 01 14), um árabe cheio de delicadeza, com um lindo pátio. E, enfim, visite a Mesquita Catedral de Córdoba – Patrimônio da Humanidade pela Unesco, e, ao lado da Alhambra de Granada, o registro mais importante do domínio islâmico na Península Ibérica. Um templo impressionante, que foi ampliado até a capacidade de abrigar 40 mil fiéis. Depois da reconquista dos católicos, a mesquita trocou de mãos e ganhou o 'Catedral' como segundo nome. No meio de um bosque de colunas mouras, uma simbiose sui generis: uma igreja com altar, órgão e imagens de santos.

A viagem de Madri (estação Puerta de Atocha) a Córdoba dura cerca de uma hora e 40 minutos nos trens rápidos da Renfe. Se continuar a Sevilha, são mais 45 minutos de viagem (é preciso comprar duas passagens separadas).

Da estação de trem de Córdoba para o centro histórico da cidade, tome o ônibus 3, que deixa em frente à Ponte Romana, pertinho do Alcázar e da Mesquita.

Se estiver fazendo pit-stop entre Madri e Sevilha, deixe a mala no guarda-volumes da estação de ônibus, que fica em frente à estação de trem.

Alcázar de los Reyes Cristianos

  • Caballerizas Reales s/n | Abre de 3ª a domingo | De 16 de junho a 15 de setembro, das 8h30 às 15h; domingos e feriados, até 14h30 | De 16 de setembro a 15 de junho, das 8h30 às 20h45 | Ingresso: 4,50 euros (grátis para menores de 15 anos e maiores de 65 anos) | Outros descontos aqui

Mesquita de Córdoba

  • Cardenal Herrero 1 | Abre diariamente | De 1º de março a 31 de outubro: 2ª a sábado, das 10 às 19h; domingos e feriados, de 8h30 a 11h30, e de 15h às 19h | De 1º de novembro a 1º de março: 2ª a sábado, das 10h às 18h; domingos e feriados, das 8h30 às 11h30, e das 15h às 18h | Ingresso: 10 euros (5 euros de 10 a 14 anos) | Outros descontos aqui

O que fazer | Chegada | Dia 1 | Dia 2 | Dia 3 | Dia 4 | Bate-voltas

2 comentários

Lu Levy-ajando

Incrível como vocês sempre estao atualizadíssimos! Parabéns pelo novo post sobre Madri. Redondinho, como sempre!

Arthur
ArthurPermalinkResponder

Bóia, além do Abono Paseo del Arte, também há o Passe Art Walk Madrid para visitar os três museus - https://madrid.ticketbar.eu/pt/cartes-de-desconto/passe-art-walk-madri-/
No mais, excelente trabalho!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar