Santo André (BA)

Campeã do sossego
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Guia de Santo André da Bahia

Veja neste guia prático de viagem a Santo André da Bahia:

Imagine-se na pele do enviado especial que veio vasculhar o Brasil em busca de um lugar para a Seleção Alemã montar sua base durante a Copa do Mundo de 2014 e, sabe-se lá como, foi dar na vila de Santo André.

O alemão pegou a balsa no centro histórico de Santa Cruz Cabrália e, ao atravessar o rio João de Tiba, foi deixando tudo para trás: o trânsito, as megabarracas, os hotelões, o turismo de massa. Ao chegar à outra margem, devia ser difícil acreditar que Porto Seguro estivesse a meia hora dali.

Menos de 2 km depois de atracar, a Mercedes do enviado deixou o asfalto e entrou na ruazinha de terra do vilarejo. Ele bordejou a barra do rio por aguns instantes, viu os os barquinhos coloridos de madeira com o mangue viçoso ao fundo. Finalmente chegou à praia, escondida pelas casas e pousadas pé na areia.

O motorista estacionou, o alemão contemplou a praia deserta, quase selvagem. Deve ter tirado o sapato e pensado: em que outro lugar do Brasil, perto de um aeroporto, sua Seleção estaria tão próxima da natureza e tão longe do stress da civilização?

O resto da história está nos tuítes do Podolski.

O visitante que quiser recarregar suas baterias em Santo André vai encontrar o mesmo paraíso dos alemães, intacto. E de quebra ainda vai experimentar prazeres negados à turma do Podolski, que ficou semiconfinada no hotel. A saber: a cena gastronômica da vila é padrão Trancoso, mas com preços mais abordáveis. E a travessia de voadora da vizinha Belmonte a Canavieiras pelos canais do rio Pardo, no delta do Jequitinhonha, é o passeio de mangue mais bonito que eu já fiz (veja o que fazer em Santo André).

Vai por mim: em Santo André da Bahia, o sossego sempre dá de 7 a 1 no stress.

Voltar | Topo

Quando ir a Santo André da Bahia

Santo André da Bahia dicas

O Sul da Bahia funciona como o coringa do litoral brasileiro. Nenhuma época do ano deve ser descartada por frio ou excesso de chuva. A região de Porto Seguro, onde fica a vila de Santo André, dificilmente registra mais de 150 mm num mês.

Por outro lado, tampouco existe época certa de pegar uma semana inteira de tempo firmíssimo e céu imaculado. Isso pode acontecer em qualquer momento do ano; só não dá para prever. O mais provável é que, não importa quando você vá, você pegue sol e um pouco de chuva. Normal. A região está exposta às frentes frias que sobem do Sudeste. As mais fortes acabam chegando.

Janeiro, fevereiro e março em Santo André

Nos três meses de verão, chove menos de 150 mm por mês na região.

Durante todo o mês de janeiro e no Carnaval, a vila atinge ocupação máxima -- mas se você já foi a outros pontos do litoral nessas épocas, vai achar tudo bastante sossegado (apesar da fila em alguns restaurantes).

Abril, maio e junho em Santo André

No outono, Santo André é um destino bastante agradável. A partir de meados de maio, você vai poder dormir sem ar condicionado.

Quanto à chuva, em abril costuma cair uns 160 mm. Em maio e junho, o histórico indica a volta ao patamar abaixo de 150 mm por mês.

Julho e agosto em Santo André

O inverno em Santo André se caracteriza por dias mais curtos (anoitece logo depois das 17h) e noites frescas.

Julho historicamente tem precipitação em torno de 150 mm, enquanto agosto é mais seco: não deve chover mais que 90 mm.

Setembro, outubro e novembro em Santo André

A primavera começa seca em Santo André: setembro é o mês com menor precipitação (60 mm). Outubro e novembro registram mais chuva, com 150 e 160 mm respectivamente.

As temperaturas já sobem, e você vai querer usar ar condicionado à noite.

Dezembro em Santo André

Aproveite os primeiros 20 dias para pegar bom tempo e bons preços: o público do Natal e Réveillon ainda não chegou, e você pode encontrar pechinchas no quesito hospedagem.

Como em qualquer outro destino de praia do Brasil, o Réveillon é o período mais caro para se hospedar.

A chuva fica dentro daquela média de 150 mm no mês.

Santo André: quando dá praia?

Chove bem pouco (menos de 100 mm): Agosto | Setembro

Chove um pouco (menos de 150 mm): Janeiro | Fevereiro | Março | Maio | Junho | Julho | Outubro | Dezembro

Chove um tiquinho a mais (160 mm): Abril | Novembro

Chove demais (mais de 300mm): nenhum mês

Voltar | Topo

Como chegar a Santo André da Bahia

Balsa de Santo André Cabrália

Como chegar a Santo André

O aeroporto mais próximo de Santo André é o de Porto Seguro, a cerca de 30 km de distância (incluindo uma travessia de balsa). Veja:

De avião a Porto Seguro

Voos a Porto Seguro

Porto Seguro tem vôos diretos diários de:

Vôos de outras cidades (incluindo o Rio de Janeiro) costumam fazer conexão em São Paulo, Belo Horizonte ou Brasília - pesquise as opções mais baratas de voos para Porto Seguro aqui.

vôos diretos nos fins de semana vindos de:

Como ir do aeroporto a Santo André

O aeroporto fica a 30 km da vila de Santo André. É preciso ir até Santa Cruz Cabrália e pegar a balsa que atravessa o rio João de Tiba.

Táxi do aeroporto

Táxi aeroporto Porto Seguro

Os taxistas do aeroporto operam com tabela. Em outubro de 2019, a corrida a Santo André estava tabelada em R$ 250. É possível negociar diretamente com o taxista.

Trânsfer de/para o aeroporto

Os taxistas de Santo André fazem corridas pré-agendadas entre o aeroporto e a vila, nas duas direções, de R$ 180 a R$ 200 por trecho.

Você pode pedir para sua pousada arranjar o trânsfer ou contactar diretamente os taxistas por WhatsApp. Alguns deles: Bino (73 9984-3172), Odair (73 9979-4672) e Gilson (73 9911-4736).

A empresa Taxi Service Porto Seguro opera traslados entre o aeroporto e Santo André por R$ 200.

Uber de/para o aeroporto

Apesar do que dirão os taxistas do aeroporto, é perfeitamente possível chamar um Uber. Os motoristas de Uber buscam e deixam passageiros no primeiro portão (embarque), enquanto o ponto de táxi fica junto ao desembarque.

Mas tem pegadinha.

O aplicativo aceita corridas a Santo André e você vai conseguir um Uber que atenda ao seu chamado. Mas a corrida não compensa para o motorista, porque ele não vai conseguir corrida para voltar (Uber não funciona fora de Porto Seguro), e ainda vai ter que pagar a balsa ida e volta como carro comum (algo que o aplicativo não calcula). O mais provável é que o motorista proponha um negócio 'por fora', cancelando a corrida e negociando uma tarifa um pouco mais alta do que a cotação inicial. Muitos já carregam maquininha de cartão para atender quem estava contando com o pagamento automático.

Alugando carro

Todas as locadoras nacionais têm agência no aeroporto de Porto Seguro. Você pode comparar tarifas entre todas elas e reservar com desconto pelo nosso parceiro Rentcars.

Existem dois caminhos entre o aeroporto e Santo André. Consulte o Waze -- provavelmente, será mais rápido pegar o Anel Rodoviário.

Pela orla de Porto Seguro

O caminho mais curto é descer do aeroporto até a orla de Porto Seguro e seguir na direção norte. Na temporada, porém, este é um caminho muito lento, porque o trânsito na praia de Taperapuã (onde estão as barracas Toa Toa e Axé Moi) é muito intenso, e a velocidade média, bastante baixa. São 25 km até o terminal da Balsa em Santa Cruz Cabrália.

Pelo Anel Rodoviário

Inaugurado em setembro de 2019, o Semi-anel Rodoviário de Porto Seguro passa por fora do trecho mais conturbado da orla. Você já sai adiante do Axé Moi. O percurso até Cabrália aumenta em 10 km, mas você vai pegar menos trânsito. No horário de pico da praia, certamente será mais rápido ir por aqui.

Saia do aerporto e vire à esquerda na BR 367 (direção Eunápolis). A entrada para o Semi-anel Rodoviário aparecerá 7 km adiante. A partir do aeroporto, são 34 km até o terminal da Balsa em Santa Cruz Cabrália.

Precisa carro em Santo André?

Carro em Santo André vale a pena para quem quer fazer passeios pela região -- passar o dia em praias como Guaiú ou Santo Antônio, ou fazer dar um pulinho em Belmonte. Vale a pena sobretudo para quem vai continuar viagem para outras bases da Costa do Descobrimento, como Trancoso, Espelho, Caraíva ou Corumbau.

Mas se você planeja uma estada mais sossegadinha, os táxis de Santo André vão atender você muito bem.

De ônibus, saindo do aeroporto

Dá também para vir do aeroporto de ônibus. Você vai precisar ir caminhando (5 minutos) do aeroporto até o ponto que existe em frente à Ladeira do Sabão (você saberá quando vir). Embarque no primeiro ônibus que passar da linha Porto Seguro-Cabrália via praias, operada pela Expresso Brasileiro (tel. 73 3288-3650). A linha opera entre 6h e 23h30. A viagem leva 1h10 e a passagem custa R$ 4,71.

A balsa

Balsa Cabrália-Santo André

A balsa entre Santa Cruz Cabrália e Santo André funciona das 24 horas, em horários determinados. A travessia leva menos de 15 minutos.

Das 6h às 19h:
- Travessia a cada meia hora, partindo das duas margens.

De 19h30 à 6h:
- De Cabrália para Santo André: 19h30, 20h30, 21h30, 22h30, 23h30, 0h30, 2h30 e 4h30
- De Santo André para Cabrália: 20h, 21h, 22h, 23h, 0h, 2h e 4h

Tarifas:
- Passageiro (não-morador): R$ 5 em qualquer horário
- Carro: R$ 18,60 (2ª a 6ª 6h-22h) ou R$ 22,90 (2ª a 6ª 0h-6h, sáb e dom o dia inteiro)

Telefone da balsa: (73) 3282-1094

Santo André sem balsa

Caso você venha de carro pela BR 101, não precisa entrar em Porto Seguro, nem esperar pela balsa.

Existe uma estrada construída pela indústria de celulose Veracel, que liga a BR 101, 30 km ao norte de Eunápolis (8 km ao sul de Itagimirim), à vila de Barrolândia, e de lá continua até a costeira entre Belmonte e Santo André. Desde Eunápolis, dá 140 km (uns 50 km a mais do que via Porto Seguro, porém mais rápido por não pegar o trânsito de Porto nem esperar pela balsa).

A entrada não é bem sinalizada, e tem uma pegadinha para afastar os não-iniciados: o primeiro trecho de 500 metros não é asfaltado, então quem passa pela BR 101 acha que a estrada é de terra. Não é não. Três minutinhos depois de entrar você já pega asfalto (e do bom).

Voltar | Topo

28 comentários

Helem Azevedo
Helem AzevedoPermalinkResponder

Boa matéria, Santo André é um paraíso, mas acho incrível como quase todos os jornalistas e veículos do segmento, para exaltar as cidades e vilarejos vizinhos, precisam depreciar a imagem de Porto Seguro...é desnecessário isto, temos aqui a terceira maior rede de hotelaria do país, empregamos MILHARES de pessoas, de todos os lugares do Brasil e estrangeiros, trabalhamos com todos os tipos de turismo, temos hoteis, restaurantes e beach clubs para todos os gostos e bolsos, e não APENAS o de massa, e não temos APENAS as barracas e tudo de ruim que todos os canais insistem em "gritar bem alto". Acho e recomendo que conheçam um pouco mais sobre Porto, e atualizem este repertório cansado que é utilizado, , existem outro tipo de turismo e de turista frequentando a cidade a tempos, destino aliás que ainda é o mais vendido nas maiores operadoras e sites de compra on line do País. Esta história de "lambada, povão e axé" ainda existem sim, mas está velha e tem pouco uso.

Andre
AndrePermalinkResponder

Concordo em parte Helem, mas infelizmente o trade de Porto Seguro no passado, fez a escolha errada no fomento turístico do local, aquela velha fórmula de pensar no imediato, sem preocupação com a sustentabilidade econômica a longo prazo, afastou Porto do roteiro de charme e tranquilidade, somente uma mudança muito intensa de posturas do empresariado e governo local, irá amenizar o estigma do destino como povão e cultura de massa.

Carol Dias
Carol DiasPermalinkResponder

Muito legal esse lugar. Não cheguei tão ao norte, mas fui até Santa Cruz de cabrália, fiz um passeio com uma escuna que além de atravessar quilômetros em um rio (mague) andamos mais 1h mar a dentro. Lá havia uma pequena ilha rasa feita de fragmentos de corais. DESLUMBRANTE!! Água muito clara, muitos peixes coloridos presos à ilha... Um Snorkel e uma tarde ensolarada dá pra fazer a festa (com maré baixa, pois se a maré for alta, não rola!)...
Gostaria de ter ficado mais tempo pra aproveitar mais o norte, porém, fui para o Sul, onde todo mundo me falava... Caraíva, Praia do Espelho, etc... Lindo também, mas muito mais agitadinho!!
Boa matéria!!

wink

Lucia Albanez
Lucia AlbanezPermalinkResponder

Estivemos nesse paraíso por uma semana em outubro de 2013. Foram dias excelentes e minha filha (na época com 5 anos) estranhou o sossego, mas se acostumou depois. Lugar que merece uma visita.

Geraldine
GeraldinePermalinkResponder

Vim conferir o sossego de Santo André e, de fato, é o local para repor as energias. Fiquei na praia de Guaiú, que é muito tranquila e ainda oferece o atrativo de banho de água doce no Rio Guaiú. Tem apenas 3 barracas de praia e a mais famosa é a do Restaurante Maria Nilza (comida boa, com preços salgados). Mas anotem aí um ótimo lugar para comer: Restaurante do Pedro e Nete, que fica na frente do campo de futebol da Vila de Guaiú, onde todas as ruas são de terra batida. A comida é tão boa, ou melhor, que a da Maria Nilza, com preços bem mais em conta. E o casal esbanja simpatia wink. Vale a pena conferir.

Edson Carvalho

Estou com vigem marcada para o mês de janeiro e vou passar sete dias em Santo André.
Os comentários me ajudaram na escolha e boa dica de restaurante.
Na volta vou postar minha experiência.
Abraços

Francisca
FranciscaPermalinkResponder

Realmente o lugar é incrível!!!

aloisio de oliveira santos

realmente um lugar maravilhoso tudo de bom porem os preços sao salgados

Natália
NatáliaPermalinkResponder

Adorei as sacadas nesse texto, Ricardo. Sempre sua fã!

Marcio Pascoal

Vou a Vila de Santo André ha vários anos e não me canso de ir a Barraca da Maria Nilza, que é uma pessoa maravilhosa, esbanja simpatia e cordialidade, comida excepcional. Assim como o restaurante que ela abriu, um sucesso, bom gosto, funcionários educadíssimos e o carinho de sempre da Maria Nilza.
Além disso recomendo também o Sant'annas, atendimento 10 e comida muito boal! Vale muito a pena conhecer a Vila e seus arredores, os passeios pelos Rios, os caminhos por dentro dos manguezais é de tirar o fôlego! Acorde cedo e contrate o Carlindo (todos conhecem na Vila) para te levar para o Por do Sol no banco de areia em Araripe ou Coroa Alta. Inesquecível!

Allan
AllanPermalinkResponder

Muito bom esse artigo...

Marcos
MarcosPermalinkResponder

Segue meu relato dos dias que passei em Santo André em novembro/2016.
Me sinto na obrigação de dar retorno no VnV, uma vez que fui visitar essa cidade por indicação de vocês. Não conhecia Santo André e estava procurando justamente um local tranquilo para passar alguns dias nas minhas férias.
Meu roteiro original era o seguinte: 3 noites em Santo André e 3 noites em Arraial d´ajuda.
Aluguei carro assim que sai do aeroporto de Porto Seguro para me dar mais mobilidade.
Escolhi a pousada Vila Araticum para me hospedar com minha esposa em Santo André e em Arraial, fiquei na pousada Maria Pitanga.
A pousada Vila Araticum estava com apenas 2 quartos ocupados além do meu. Ou seja, silêncio total. Além disso, aproveitei uma promoção de tarifas mais baratas para quem ficasse no mínimo 3 noites hospedado.
Ótimo café da manhã com os itens básicos (pães, sucos, frios, bolos, etc.) e com outros extras, como ovos mexidos, tapioca feita na hora e biscoitos caseiros.
Os quartos são limpos todos os dias.
Destaco a simpatia dos funcionários, a tranquilidade e a proximidade com o mar como pontos fortes da pousada.
Como estava na semana de um evento (Festival da Lagosta), resolvi jantar na pousada Villa Araticum dois pratos com lagosta: Talharim com lagosta e macarrão com frutos do mar. Ambos estavam divinos.
Comi peixe no restaurante Gaivota. Muito bom, porém o atendimento foi muito (muito mesmo) demorado. O restaurante estava lotado e o cozinheiro havia faltado. Acabei levando na descontração, pois as mesas eram bem animadas com a demora dos pratos, mas demorou muito.
Pizza excelente no Paralelo 16. A Marta, dona da pizzaria é uma simpatia. Cerveja Heineken super gelada.
Outra ótima opção foi um peixe com alcaparras e banana no restaurante Almescla. Ótima opção. A dona Zeti também é uma simpatia.
Posso resumir Santo André em tranquilidade, bons restaurantes e simpatia dos moradores locais. Boa opção para quem quer sossego. Mas fiquei sabendo pelos nativos que enche desde o Ano novo até o carnaval.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcos! Superobrigadíssima pelo relato!

Só um adendo: esse 'enche' entre o Ano Novo e o Carnaval é bem relativo, viu? Comparado com qualquer outra praia (e sobretudo com as praias próximas!), Santo André continuará com baixa densidade demográfica. O que eles devem ter querido dizer é que a vila não fica vazia como você encontrou smile

marilia candida rodrigues

fomos em janeiro/2018: muito vazio , tranquilo, amei

Marcos
MarcosPermalinkResponder

Bóia.

Perfeito seu adendo. Cheio para mim, é diferente do "cheio" deles.

Apenas mais uma observação a respeito dos preços em Santo André.
Eu sabia que iria pagar um pouco mais caro pelos pratos que comi. Sabia que estava indo num evento, pois era o festival da Lagosta.
Fiz uma caminhada com minha esposa e paramos num quiosque "meio improvisado" na junção do rio com o mar. Não me lembro o nome desse cantinho, mas fica a uns 300 metros da hospedagem Campo Bahia (onde a seleção alemã ficou).
Paramos nesse local e pedimos uma água de coco. A atendente perguntou se queríamos com ou sem álcool e se queria que ela misturasse limão e maracujá, tipo um coquetel de frutas. Escolhemos sem álcool, mas com limão e maracujá.
O coco vem muito bem apresentado, com flores ornamentando o coco e um canuto bacana e tudo mais.
Como estávamos sem fome, bebemos só esse coquetel e pedimos a conta: 18 reais. Eu perguntei? Oito? Não, senhor, dezoito.
Paguei, mas fica o aviso. Foi a água de coco mais cara da minha vida.

Neide Kertzman

Não gostei. O povo é realmente super gentil, a praia é realmente mais vazia e sossegada. Mas é inacessível para a maioria. Para chegar à praia, vindo de carro ou à pé, só existem duas entradas bem compridas e abafadas para pedestres, e bem distantes uma da outra. Não é acessível para pessoas com necessidades especiais, idosos com alguma dificuldade motora, crianças pequenas que não caminham longas distâncias. Ah, tudo bem, lugares rústicos e preservados são mesmo assim! Não! Existen hoteis e pousadas de luxo lá. A praia é quase totalmente fechada por condomínios murados. É um absurdo.
Fora o fato de ter lixo na praia em excesso, em especial próximo às barracas destinadas aos que turistas que não estão hospedados nos lugares top. Detestei. Praia é natureza, não deveria ser fechada para usufruto da elite econômica.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Neide! Há pelo menos duas servidões (passagens públicas) ao longo da ruazinha de Santo André. E nada, absolutamente nada nem ninguém impede você de caminhar por toda a extensão da praia e estender sua canga onde bem entender, na frente de qualquer pousada ‘de luxo’ (só tem uma nessa categoria) ou da ‘elite econômica’.

Rosaine
RosainePermalinkResponder

Sempre as indicações deste site em todas as viagens. Elas ajudam muito e são valiosíssima para alguém como eu que gosta de locar um carro e explorar. Gosto de praias sossegadas limpas e com mar calmo. Estou voltando mais cedo de Santo André bastante decepcionada. Muito precaria as instalações. Não existem sequer banheiros disponíveis. Quando você pergunta pelo banheiro respondem que é MM (mato ou mar). Lixo ao redor das barracas de praia. Nem pensar em pedir algo p/ comer. Aviso aos navegantes: FURADA! Não desperdicem seu dia quando há tantas praias maravilhosas em toda essa região.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rosaine!

Veja bem: não é 'essa' a experiência de Santo André que recomendamos. Santo André é para ir e ficar, escolher uma pousada e aproveitar a tranqüilidade. Essa prainha do canto é pitoresca, mas se você quer algo mais produzido teria que ir às pousadas com bar de praia, como a Victor Hugo ou a Vila Araticum.

Danielle
DaniellePermalinkResponder

Olá, Ricardo!! Adorei seu post. Acabo de fazer um blog de viagens e você é minha inspiração. Adoro criatividade e boa escrita!! Parabéns! Ah, e também amoooo Santo André!!! kkk

Lu-Levy ajando

Faz tempo que eu queria fazer um comentario nesse post. Antes de mais nada, amo o blog, confio muito nas opinioes de vocês e já aproveitei muito as dicas. Porém, gostaria de fazer uma ponderaçao ao texto. Santo André nao fica "perto do aeroporto". Passei um reveillon em um desses hoteis e uma pessoa da minha família teve uma crise aguda de pedras no rim. Nessas horas, você percebe que entre sair do hotel (super difícil encontrar um taxi, o gerente do hotel teve que levar a pessoa no carro dele), esperar a próxima balsa chegar (ela pode ter acabado de sair para o outro lado), esperar cerca de 15 minutos para o embarque, atravessar até Santa Cruz Cabralia em mais 15 minutos, desembarcar e passar pelo transito horrivel da rua das barracas de Porto Seguro sao mais de 2 horas até o posto de saúde de Santa Cruz Cabralia, em que nao há nada além de um médico de plantao (com sorte). O hospital mais próximo fica em Porto Seguro e a mais de 3 horas de carro de Santo André. Mesmo assim, lá nao era possivel fazer um simples ultrassom. Compramos passagens de ultima hora e voltamos correndo para casa. Vejam, nós nao tinhamos nenhuma doença pregressa, somos (relativamente) jovens e ja viajamos para muitos lugares inóspitos ou distantes (como Patagônia profunda, Amazônia ou Polinésia Francesa) e nos consideramos "experientes", mas acabamos indo a Santo André meio desavisados sobre esse tema. Tínhamos a impressao de que realmente era "perto" de lugares com estrutura, mas nao é. Fica o aviso, principalmente para quem pensa em ir com criança. Abraços.

Gabriel dos santos ramos

Eu era guia mirim de Santa Cruz Cabrália

Lázaro Antonio Toledo

Adorei Porto Seguro e todo seu entorno que cheguei a conhecer.
Preciso tirar uma dúvida: estive na Praia de Santo André certo que estava em Santa Cruz Cabrália! Porem, visitando o site de Porto Seguro, pareceu-me não tratar do mesmo local. POR FAVOR, ALGUÉM PODE ME AJUDAR ESCLARECER?
Abraços

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lázaro! Santo André é um distrito de Cabrália.

Pedro
PedroPermalinkResponder

Olá! Irei passar uma semana em Porto Seguro e um dos lugares que queria conhecer em um dos dia era Santo André, porém vi alguns comentário negativos sobre a parte na ponta, mais próxima da balsa, referentes a estrutura e atendimento, e também vi que recomendam as pousadas Victor Hugo ou a Vila Araticum.
Minhas duvidas são, compensa ir até lá em um bate e volta? É possível acessar as praias com mais estrutura mesmo não estando hospedado nas pousadas citadas? E existe van ou até mesmo alguma agência de turismo que faça excursão até esses pontos mais afastados da ponta? Obrigado pela atenção e adorei o site.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Pedro! Os bares das pousadas Victor Hugo e Vila Araticum atendem não-hóspedes. A Casa Praia também voltou a funcionar. Os passeios a Santo André normalmente incluem passeio de chalana e param na praia mais próxima da balsa. Para uma experiência mais personalizada você vai precisar ir por conta própria.

Veja:
https://www.viajenaviagem.com/destino/santo-andre/como-chegar-santo-andre-ba/

Luis Fernando Lima

Fevereiro/2019 estarei lá.

Sandra Regina Bragancça e Silva

Santo André é pra quem quer sossego e comida boa. Passei 3 dias lá furando a dieta no festival da lagosta, por indicação do Ricardo Freire. Amei! Conto mais no furandoadieta.blogspot.com

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar