Onde comer em Lisboa: a lista do Phillip

Noobai, Lisboa

Semana passada, o Philipp deixou numa caixa de comentários algo que intitulou, modestamente, Pequeno guia gastronomico de Lisboa e arredores. Só que o adjetivo “pequeno” não se aplica nem à extensão, nem à estatura do belíssimo guia que ele produziu, já com links e tudo. Sem dúvida uma das contribuições mais luxuosas já feitas a este site. O blogueiro e as Bóias, boquiabertos, agradecem e transcrevem na íntegra. Vai pelo Phillip:

–> Campo de Ourique, Amoreiras, Campolide (fora da Lisboa mais turística)

Coelho da Rocha: restaurante tradicional na rua de mesmo nome. Empadão de perdiz e carneiro.

O Bitoque: restaurante bem simples na rua Ferreira Borges. Leite-creme, a versão portuguesa da crème brûlée.

A Charcutaria: para bacalhau espiritual. (Tambem há na rua do Alecrim – a que vai do Largo Camões ao Cais do Sodré).

Cataplana & Companhia: ótimas cataplanas e bom carneiro.

Casa dos Passarinhos: restaurante tipicamente “alfacinha”.

Natraj: indiano na Rua do Sol ao Rato. Ambiente simples, mas com muitas receitas de Goa (com leite de coco), meu indiano favorito.

La Trattoria: Italiano com ambiente trendy, preco muito bom para o almoço.

–> Largo do Rato

La Brusketta: varios tipos de bruschettas

Os Tibetanos: uma das poucas opcoes para os vegetarianos.

–> Avenida da Liberdade e arredores

Ribadouro: marisqueira tradicional na Avenida da Liberdade.

Solar dos Presuntos: o nome diz tudo, é para comer presunto cru, mas tambem conta com outros pratos. É meio que para turista, mas ainda assim vale a pena.

–> Bairro Alto

Bota Alta: no meio do Bairro alto, uma opcao para comer e depois curtir o Bairro, fazendo um ‘bar hopping”.

As Salgadeiras: como acima, outra opção para comer e depois curtir o Bairro. Bons peixes.

A Tasca do Chico: IMPERDÍVEL, não pela comida mas pelo fado vadio (fado improvisado) de quartas e domingos (confirme isto antes). Mas vá com boa disposição e paciência (e de prefêrencia chegue cedo), pois muitas vezes fica MUITO cheio e a tasca é pequenita. Na minha opinião, muito melhor que as casas de fado que vendem para turista.

Pap’Açorda: Um dos mais famosos da cidade, mas prepare o bolso. A mousse de chocolate é imperdível.

–> Príncipe Real

Chafariz do Vinho-Enoteca: muito bom para tomar bons vinhos com petiscos, recomendo a tosta com queijo de cabra.

–> Chiado

La Brasserie de L’Entrecôte: Você escolhe se quer carne normal ou de seitan (opção veggie), escolhe o ponto e o vinho. Simples e delicioso. Muito próximo ao Largo Camõees. Ha uma filial no Parque das Nações.

Cervejaria Trindade: proximo às Ruinas do Carmo, esta cervejaria conta com salao enorme e excelente selecao de frutos do mar. Almêijoas à Bulhão Pato de entrada é minha dica, aos mais corajosos os percebes ou, à época, os caracóis.

Sacramento: no Chiado, tem ótimo bacalhau com broa.

Casa do Alentejo: decoração alentejana (mourisca) e comidas típicas da região de onde recebe o nome. Se não vai visitar Évora, vale a pena passar por aqui para ter um gostinho do Alentejo (e ficar com vontade de voltar a Portugal para visitar Évora).

–> Miradouro de Santa Catarina

Noobai Café: É um “sitio” perfeito para o final de tarde [a foto do post é de lá, N. do E.]. Sangria com uma tosta de queijo de cabra com vistas espetaculares.

–> Alfama & Castelo

Chapito: Se o orçamento está apertado e dá somente para um bom restaurante (leia-se caro), este é o lugar. Reserve com antecêdencia uma mesa “com vista” para o Tejo, de preferência ao pôr do sol.

–> Docas de Santo Amaro ao Cais de Sodré

Nas docas de Santo Amaro, não há nada de destaque pela gastronomia, são restaurantes turísticos médios, porém o visual junto ao rio Tejo e a Ponte 25 de Abril compensa a comida mais-ou-menos.

Tromba Rija: tradicional grupo que dispensa apresentação aos alfacinhas.

Meninos do Rio: junto ao rio Tejo, otimo para um dia de sol, nem que seja somente para umas “imperiais” (como eles chamam a draft beer) ou para umas tacas de vinho. Proximo há a Kapital e Kremlin (acredito que ambos do grupo K) que eram baladas boas, mas vale perguntar o que está na moda. Perguntem sobre o Urban Beach, um lugar super trendy que fizeram ano passado, mas que era apenas para temporada assim como era antes o Kubo.

–> Belém

Portugalia: uma rede. A localizacao proxima ao Padrão dos Descobrimentos, faz com que uma visita à pequena Torre de Belém, Padrão dos descobrimentos, Centro Cultural Belém (CCB), Palácio de Belém, Museu Nacional dos Coches e, claro, Mosteiro dos Jerónimos, termine ou comece no almoõo — o que torna tudo mais conveniente. Não coma sobremesas aqui, deixe para comer os verdadeiros pastéis de Belém (se possível com um vinho do Porto).

Piazza di Mare: Italiano junto ao Tejo. Boas pizzas e durante o verao vale tambem o ambiente aberto junto ao rio para tomar uns drinks. Para os baladeiros, uma esticada ao BBC que esta logo ao lado e’ recomendavel.

–> Outros locais em Lisboa

A Tapadinha: Russo muito bom, fora do circuito turistico. Sempre que vou a Lisboa e tenho tempo passo por lá. Destaque para o bife tártaro (steak tartare), as ótimas cervejas russas e os drinks com vodka.

A Casa do Bacalhau: não preciso explicar o que comer aqui, várias opções do peixe mais consumido pelos lusitanos com um ambiente interessante. Única atração turística relativamente próxima é o Museu Nacional do Azulejo.

Portas do Sol:ótimo para um cha frio ou sangria no final de uma tarde quente, vistas sensacionais para o Tejo.

–> A 30 km, para quem realmente gosta de bacalhau:

Em Arruda dos Vinhos, uma cidadezinha a 30 km do aeroporto de Lisboa, o restaurante O Fuso é talvez a meca dos que gostam de bacalhau à lagareiro. Talvez uma boa pedida para quem estiver voltando a Lisboa pela A1.

Claro que há outras opções, mas queria aqui recomendar os que eu realmente gosto; sempre que volto a Lisboa (quase que todos os anos pois tenho familiares e muitos amigos lá) visito pelo menos um desta lista.

A lista motivou muitas contribuições. Vamos a elas — e viva a blogagem participativa 😀

–> Adendos da Eunice:

Cervejaria Ramiro (para frutos do mar) – Restauradores

Casa da Mó (pela sobremesa) – São Nicolau

Terraço do Bairro Alto Hotel (pela vista) – Chiado

–> Adendos do JotaPê:

Churrasco (para frango à pil-pil) – Baixa

A Valenciana (grelhados) – Campolide

Obrigadinho!

Leia também:

Página-guia de Lisboa no Viaje na Viagem

Chicago: as dicas do Philipp

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email
Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem


 

75 comentários

Phillip , o restaurante “ A Charcutaria “ está em Campo de Ourique, na rua Francisco Metrass n. 64. Com comida tradicicional portuguesa.

Em 2015 fomos jantar no Sacramento, no bairro Chiado e achamos a comida maravilhosa. Não se assuste com a entrada porque não impressiona, mas o interior é muito agradável e bonito. O atendimento é excelente.

Lisboa começa o ano mais doce!

A Queijadaria Lisboa abre portas dia 7 de Janeiro, próximo da rotunda da Estefânia (Rua Pascoal de Melo 140A).

Um espaço amplo, em tons claros e acolhedor.
Na Queijadaria vai poder encontrar vários produtos tradicionais portugueses, mas são as queijadas, de fios de ovos, doce de abóbora e noz, nutella, doce de leite e muitas mais, que dão o nome ao espaço. Feitas de modo artesanal, estas queijadas prometem fazer as delícias de muitos. Porém, nem só de queijadas se faz a Queijadaria!

Aqui também poderá encontrar refeições ligeiras, desde cordon bleu servido em pão de espelta, hambúrgueres vegetarianos às saladas e ainda tostas em pão escandinavo.

A Queijadaria tem ainda a perder de vista um jardim interior e, tudo isto, mesmo no coração da cidade.

Esperamos pela sua visita.
Até breve!

Hum, esse post me deixou com água na boca. Sempre que vou a Lisboa, além da Tasca do Chico comer um chouriço, tomar um vinho e um caldo verde e ouvir um bom fado vadio, não deixo de ir ao Restaurante Securas (escadinhas do Duque) comer um delicioso arroz de marisco. O lugar é uma delícia e a comida entao… nem se fala. Super recomendo.

Olá Bóia, estou em Portugal desde o dia 27 de setembro e adorando tudo o que tenho visto, e o sucesso da nossa viagem tem muita a ver com o VNV pois há muito tempo, desde que conheci este site, programo minhas viagens com a ajuda daqui e sempre deu tudo certo! Depois, como de costume, vou dar o meu depoimento falando dos hotéis e lugares que fui.Tenho uma dúvida e queria, se possível, vc ou algum viajante que já tenha vindo por aqui, me esclarecesse. Queria levar pros meus filhos e alguns amigos,uns doces portugueses. Posso levá-los numa mala pequena comigo dentro do avião ou corro o risco de ter que deixá-los na saída de Portugal? Nas malas que vou despachar, acho que teria menos chance de dar zebra, mas temo não chegar com um doce inteiro! Volto ao Brasil no dia 13. Um abraço pra vcs.

Cervejaria Ramiro é uma maravilha para mariscos, camarões, como já disseram. Eles ficam à vista de todos. Meus pais já tiraram fotos com as sapateiras (um caranguejo grande muito bom!) Bem fresquinhos!

O gelado (sorvete de massa) preferido é do Santini, no Chiado. Tem no centro de Cascais também.

E gosto muito do Mesón de Tapas que fica no El Corte Inglés.

Acabei de voltar do Solar dos Presuntos e confesso que me decepcionei. Achei extremamente turístico, atendimento péssimo e comida apenas OK. Mas o que mais me impressionou e quase me fez desistir foi um grande aquário repleto de lagostas logo na entrada do restaurante. Estas lagostas ficam agonizando e sao capturadas e levadas vivas às mesas, para que os clientes façam suas escolhas. Achei esta cena desnecessária. Beira à tortura o que estes bichos sofrem até morrer…
Quanto aos outros restaurantes sugeridos, sao maravilhosos!

    Ah…pois foi exatamente isso que me fez ficar no restaurante.
    Comi comida fresca.
    Sou carnívoro e adoro carne fresca…mesmo que seja, fruto do mar!!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.