Lisboa Story Center, mirante e ginjinha, num passeio da Praça do Comércio ao Rossio

Heloísa Dall'Antonia
por Heloísa Dall'Antonia

Terreiro do Paço
No mapa está escrito: Praça do Comércio. Mas os lisboetas só conhecem como Terreiro do Paço. De frente para o Tejo, a praça (uma das maiores da Europa, com mais de 35 mil m²) é a ante-sala de Lisboa; passe por baixo do Arco Triunfal da rua Augusta e você adentra a Baixa lisboeta, com seus perfeitos quarteirões desenhados pelos urbanistas do Marquês de Pombal depois do terramoto de 1755.

Lisboa Story Center

A região que renovou a Lisboa do século 18 é também o endereço da maior atração da cidade inaugurada no século 21: o Lisboa Story Center (Terreiro do Paço, 78-81, tel. 351/211-941-099; abre todos os dias, das 10h às 20h). Inaugurado em setembro de 2012, o local é um museu interativo onde cada sala é dedicada a um fato histórico, em ordem cronológica. Assim, equipado com um áudio-guia que funciona automaticamente, o visitante ouve -- no seu ritmo, enquanto caminha -- 17 “capítulos” que contam a “biografia” de Lisboa. Estão lá desde a lenda que liga o herói grego Ulisses a uma passagem por aquelas terras, em busca de Aquiles, até a reconstrução da cidade, idealizada pelo Marquês de Pombal, depois do terremoto (perdão: terramoto) e posterior tsunami de 1755. Mas também há espaço para acontecimentos mais leves e divertidos, como o da possibilidade de voo da Passarola, uma espécie de barco com asas criado pelo padre jesuíta Bartolomeu de Gusmão.

Lisboa Story Center

Lisboa Story Center

Olha a Passarola aí, gente!

Com direito a cenários caprichados e animações com divertida narração, a visita é perfeita para entender a cidade que você vai explorar nos dias posteriores. O passeio dura, em média, 60 minutos (e há uma versão do áudio-guia especial para crianças). Os ingressos custam € 7 (há uma entrada combinada com o Arco da Rua Augusta que sai mais em conta).

Praça do Comércio

Uma rápida caminhada leva à estátua de D. José em seu cavalo, olhando para o rio Tejo. O local, que era uma entrada nobre de Lisboa, com direito a escadas de mármore para os nobres que desciam dos navios, era também onde ficava o Palácio Real e sua importante biblioteca - construções destruídas pelo terremoto de 1755. Foi ali também que, no início de 1908, o rei D. Carlos e seu filho Luís Filipe, foram assassinados. Hoje, basta escolher um dos simpáticos restaurantes e cafés da praça para observar, sem pressa, o movimento. Duas boas opções são o Ministerium (Terreiro do Paço - Ala Nascente 72-73, tel. 351/ 218-888-454) ou a Sala de Provas Vinhos de Portugal em Lisboa (Terreiro do Paço – Ala Poente, tel. 351/ 213-420-690), que oferece degustação de vinhos de diversas regiões do país.

Ali pertinho está a entrada da Lisbon Shop (Rua do Arsenal, 15, tel. 351/ 210-312-802), uma loja situada no Pátio da Galé que vende todo tipo de presente e lembrancinhas tipicamente portuguesas, agradando tanto quem prefere artigos mais tradicionais, como pequenos azulejos e conservas, até um público mais jovem e divertido, com direito a um mash-up cômico da famoso Galo de Barcelos com os passarinhos do game Angry Birds, ou mesmo do galinho com um imenso bigode.

Praça do Comércio

Atravessando a rua, passe para uma pausa no Café-Restaurante Martinho da Arcada (Praça do Comércio, 3, tel. 351/ 218-879-259), fundado em 1782 e famoso por ser onde está a mesa dedicada a um importante habituê da casa, um rapazinho que escrevia, chamado Fernando Pessoa. Várias das obras do autor foram escritas ali mesmo.

Praça do Comércio

Vista do Arco da Rua Augusta

Vista da Praça do Comércio a partir do Arco da Rua Augusta

Escadaria do Arco da Rua Augusta

As estreitas escadinhas que levam ao topo do Arco

Arco Triunfal
Dali, alguns passos levam o visitante ao monumento que acompanhou, onipresente, todo o percurso pela praça: o Arco da Rua Augusta (Rua Augusta, 2-10 – Aberto todos os dias, das 9h às 19h). Símbolo do renascimento de Lisboa depois do malfadado terremoto, a construção do arco começou em 1775, terminando um século depois. Numa entradinha do lado direito do arco estão a bilheteria e o elevador. Depois da primeira viagem, uma escadaria leva ao relógio e seu maquinário, além de uma breve exposição de fatos sobre o monumento. Dali ao mirante segue-se mais um lance de escadas, desta vez em caracol, com um simpático semáforo para que ninguém tenha de descer de ré no meio do caminho. Lá de cima, é possível não apenas ter uma linda vista da cidade, mas também ter noção do tamanho das estátuas de Celestin Anatole Calmeis, que representam a Glória coroando o Gênio e o Valor. Os ingressos custam € 2,5 para adultos (há uma entrada combinada com a do Lisboa Story Center, que sai mais em conta).

Seguindo pela rua Augusta, uma série de lojas de roupas, acessórios e restaurantes farão companhia ao visitante até a chegada à Praça do Rossio. Na rua de Santa Justa, um desvio para a esquerda leva você ao mais famoso elevador de Lisboa, que leva ao Chiado (leia mais neste post dos 5 miradouros de Lisboa). Indo em frente, você chega à praça do Rossio. Ali, é praticamente obrigatório um pequeno desvio para conhecer A Ginjinha (Largo de São Domingos, 8 – tel. 351/ 218-862-249), primeira casa a comercializar o licor "oficial" de Lisboa.

Ginjinha Espinheira

A bebida é uma mistura de cerejas portuguesas (as tais ginjas), aguardente, açúcar, água e canela e pode ser tomada com ou sem a frutinha no fundo do copo (é a tradução do “com ou sem” que os atendentes do pequeno balcão vão perguntar depois que você fizer o pedido). Apenas alguns barzinhos servem a ginjinha na cidade. Por favor, não exagere: tenho mais um post de sugestão de como continuar o dia deste passeio. smile

Heloísa viajou a convite do Turismo de Lisboa.

12 comentários

Cândida Silva

Lisboa linda de viver! Em março próximo, tenho uma conexão na capital lusa de meras 3 horinhas, logo cedo pela manhã. Não vejo a hora de ir tomar o café da manhã em uma das incríveis pastelarias do centro e dar um cheirinho no Tejo!

Leandro Ferreira

Amigos, tenho uma duvida e que se possível, gostaria que ajudassem este nobre viajante solitário rsrs. Em Março estarei indo à Europa pela primeira vez e não tenho noção de quanto posso gastar nesta viagem. O meu roteiro será o seguinte:
-Lisboa (3 dias);
-Barcelona (3 dias);
-Roma (4 dias);
-Berlim (3 dias);
-Paris (3 dias).
As hospedagens já estão todas pagas, assim como as passagens aéreas entre as cidades q citei acima. s meu gastos serão somente com alimentação e transporte aos principais pontos turísticos. Os amigos poderiam me dar um norte? Certo da compreensão de todos, desde já agradeço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leandro! Este post é sobre um passeio pelo centro de Lisboa.

Veja como montar viagens para a Europa:
https://www.viajenaviagem.com/2011/12/como-montar-viagem-europa

Marina
MarinaPermalinkResponder

Leandro, em uma viagem que fiz há 2 anos bem parecida com a sua gastei 1.500 euros.

Leandro Ferreira

Obg pelo norte, Marina

ursula
ursulaPermalinkResponder

olá! gostaria de convidá-lo a conhecer meu blog http://poraitur.blogspot.com.br/

Malu
MaluPermalinkResponder

Heloisa, super legal seu post sobre uma encantadora região de Lisboa. A Praça do Comércio, Rua Augusta e Rossio ficam especialmente alegres e com outro público no final da tarde. São os Lisboetas saindo do trabalho e relaxando nos cafés. Imperdível para quem não está com crianças e antes de ir para o hotel tomar uma ducha e curtir a noite no Bairro Alto.....

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Ola Leandro , trabalho em uma agencia de passeios e receptivos em Paris, caso precise de ajuda , entre em contato conosco abs

Leandro Ferreira

Juliana, qual o contato, por favor Abraços

Iêda
IêdaPermalinkResponder

Leandro, levei 3.000 euros. ..numa viagem similar. ..pude aproveitar bastante. ..sem muitas compras...

Maria Benincasa

Heloísa, que bacana esse teu post. Vou em abril para Portugal e suas dicas estão sendo muito uteis para montar meu roteiro.Obrigada! Um abraço

wolfgang
wolfgangPermalinkResponder

Somos dois. Eu e minha esposa.Já passeamos por três vezes na Europa.Sempre programamos gastos de 100 euros diários, excluindo estadia (atrações,comida,extras etc etc...).Funciona bem!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar