Patagônia de carro: El Calafate, El Chaltén e Torres del Paine (outra bela viagem do Silvio) 1

Patagônia de carro: El Calafate, El Chaltén e Torres del Paine (outra bela viagem do Silvio)

Patagônia de carro: Silvio e Simone no Gourmet Experience

Muita gente, quando considera viajar pela Patagônia de carro, pensa em sair rodando desde o Brasil. É chão demais! Do Sudeste brasileiro até El Calafate, por exemplo, são quase 5.000 km: uma viagem assim é praticamente um rali — e, ainda que perfeitamente factível, deve ser planejada com ajuda de um forum de jipeiros. Veja o caso do nosso Silvio e da Simone: mesmo sendo adeptos contumazes das viagens de carro, foram de avião até El Calafate, e só lá começaram o périplo rodoviário. Esta viagem é um excelente contraponto ao relato recente da Miriam, que fez um roteiro parecido — incluindo Ushuaia, e sem passar por El Chaltén –, mas usando trânsfers nos deslocamentos terrestres. E como o próprio Silvio avisa ao fim do relato, também é possível se deslocar por ônibus. Mas vamos ficar no circuito da Patagônia de carro, descrito pela primeira vez com detalhes aqui no blog. Vai pelo Silvio:

Texto e fotos | Silvio Carlos Cury

Seguimos de carro entre Foz do Iguaçu e o aeroporto de Puerto Iguazú (custou aproximadamente R$ 250, ida e volta, com Silvio Rower – (45/9137-4757). Partimos de Puerto Iguazú, na Argentina, de avião, pelas Aerolíneas Argentinas e decolamos para El Calafate, com escala em Buenos Aires, uma viagem de 7h. Dali seguimos para El Chaltén, nossa primeira parada. Na volta, fomos de El Calafate a Buenos Aires (3h de voo) e, dias depois, voltamos à Puerto Iguazú (2h de voo). Alugamos um Chevrolet Cobalt na Localiza.

As condições meteorológicas nessa região são imprevisíveis. Brincam que é possível saber o que vai acontecer, no máximo, nos próximos 10 minutos. No verão os ventos são fortes e podem atrapalhar alguns passeios (como trilhas e viagens de barcos). Uma boa época para a visita é em outubro, a partir da segunda quinzena (até a primeira quinzena de dezembro).

Patagônia de carro: El Chaltén

Patagônia de carro: El Chaltén

De carro, uma viagem entre El Calafate-El Chaltén leva 3 horas, percorrendo 220 km, em uma estrada em excelente estado de conservação.

El Chaltén é uma região de natureza muito bonita, ideal para quem gosta de caminhadas (há várias atrações com acesso por trilhas de diversos níveis de dificuldade). Ficamos duas noites no bom Poincenot e pegamos chuva contínua. A cidade é pequena a agradável, com bons restaurantes (na rodovia para El Chaltén há um lugar bacana para um lanche gostoso – La Leona, perto de um sítio arqueológico).

Alguns passeios para pessoas com média resistência em trilha são o Mirador do Cerro Fitz Roy (1h30 de ida, com desnível de 350m); a Laguna Capri (1h45 de ida, com desnível de 350m e uma subida empinada no início); o Mirador do Cerro Torre (1h30 de ida, com desnível de 250m, ainda que com uma subida acentuada) e a Laguna Torre (3h de ida, com desnível de 250m, oferecendo uma excelente vista do Cordão da Torre). Há também o Lago Viedma (até lá com carro, e depois de barco) e o Lago do Deserto (a 40 km desde El Chaltén, em estrada de terra em bom estado de conservação, onde também há um passeio de barco).


passeio-glaciar-grey (4)
Patagônia sem carro

Patagônia de carro: Montanhas de El Chaltén

Se fazer trilhas não é seu forte, mas quer conhecer El Chaltén, faça o passeio de um dia a partir de El Calafate (onde é possível alugar roupas específicas para a jornada, como botas, capas, roupas impermeáveis e bastões para caminhadas).

Vista das montanhas em El Chaltén

Para comer, experimente El Huemul (uma fábrica de pastas); La Waflería; Don Guerra e La Tapera. Lembre-se que a cidade é pequena e está em fase inicial de infraestrutura turística.

Patagônia de carro: El Calafate

Patagônia de carro: Perito Moreno

Ao todo passamos 4 noites na agradável El Calafate (3 na ida a Torres del Paine; uma na volta, antes de seguirmos para Buenos Aires). A primeira hospedagem, no Santa Monica Aparts, foi muito boa. A segunda, no Solares del Sur, foi a mais fraca da viagem.

Vale fazer um passeio pelo centro da cidade, onde há bons restaurantes e bares. Recomendamos também a Administración de Parques Nacionales, na rua principal, que oferece informações e mapas que serão úteis durante todo o passeio. Reserve algumas horas para conhecer a avenida Costanera (inclusive o segmento não pavimentado) de dia ou à noite, de bicicleta ou de carro: é possível conhecer o Lago Argentino, a Laguna Nímez e a Bahía Redonda. Para desfrutar do momento com calma e romantismo, compre um bom vinho patagônico e prepare uma tábua de queijos (lembro que o melhor Pinot Noir argentino é feito na região).

Patagônia de carro: Lago Argentino em El CalafateLago Argentino

O Glaciar Perito Moreno (a 80 km do centro) é, sem dúvida, a principal atração local. Se quiser fazer a caminhada sobre a geleira, pense em dispor de um dia inteiro (custa 300 pesos ter acesso ao Parque Nacional los Glaciares). É interessante reservar mais meio período caso queira voltar a visitá-lo, pois à instabilidade meteorológica poderá atrapalhar os seus planos. O melhor horário é após às 14h, quando as excursões estão retornando (alugar um carro deixará você mais à vontade para decidir qual o melhor momento de realizar os passeios). Há transporte gratuito para o Glaciarium, saindo de hora em hora da avenida principal.

Patagônia de carro: Perito Moreno

Patagônia de carro: Perito Moreno

Outra opção interessante é o Glaciar Gourmet Experience, da Cruceros Marpatag. O confortável barco com capacidade para apenas 16 pessoas parte do Punta Bandera, distante 50 km do centro da cidade, e navega por aproximadamente 10 horas. Canapés, espumantes, vinhos e almoço fazem parte dessa agradável experiência. Custa R$ 1.250 por pessoa, mas há outras empresas que fazem o passeio sem a sofisticação oferecida pela Marpatag. O Glaciarium (Centro de Interpretação) é um interessante museu (R$ 50 por pessoa) que explica como se formaram os glaciais e que pede, entre o deslocamento e vista, de 3 a 4 horas para ser conhecido. Não deixe de assistir aos filmes e visitar o bar de gelo (que tem entrada cobrada à parte).

Patagônia de carro: Gourmet Experience nos glaciares

Patagônia de carro: Cruzeiro Gourmet Experience

As três unidades da Panaderia e Confitería Don Luis são excelentes para um lanche e cafés de qualidade. Já o Don Pichon, especializado em cordeiro e com boa carta de vinhos, foi o melhor restaurante da área na relação custo/benefício. Ficamos decepcionados com o La Tablita pela qualidade e preços.

Do aeroporto de El Calafate há transporte para a própria cidade e para El Chaltén, realizados por empresas regularizadas. Há escritórios na área de desembarque que fornecerão todas as informações. Os horários são definidos de acordo com as chegadas dos voos. Não se preocupe com lugares. Táxis fazem o mesmo trajeto.

Patagônia de carro: Puerto Natales & Torres del Paine

Patagônia de carro: PqNacional-Torres_del_Paine-vista-geleiras-silvio

A viagem de El Calafate (Argentina) a Puerto Natales (Chile) levou 4 horas. Foram 280 km de carro, via Paso/Cerro Dorotea, em uma estrada em excelente estado de conservação.

As 4 noites seguintes passamos na pequena Puerto Natales, cidade tranquila e organizada que serviu de base para os passeios a Torres del Paine (a aproximadamente 100 km do centro) e para a navegação pelo Fiordo Ultima Esperanza. A hospedagem aconteceu no melhor de todos os hotéis pelos quais passamos, The Singular Patagônia.

Patagônia de carro: PqNacional-Torres_del_Paine-mar-silvio

Torres del Paine foi o passeio mais interessante da viagem. Parque com fauna, flora e paisagens deslumbrantes. As estradas no seu interior são de “ripio” e bem conservadas. Fizemos o passeio em dois dias com um motorista/guia contratado através da agência de turismo TourExpress (Belarmino ou Nino). Todo o contato foi feito através de e-mail e no dia anterior ao passeio fizemos o pagamento na própria agência. O guia foi sensacional (Sr. Tato), disposto a mostrar atrações não acessíveis a outros turistas. Fazer o passeio em um só dia fica cansativo e as condições meteorológicas podem não estar favoráveis. Para aproveitar a visita vendo plantas, animais, lagos e paisagens fantásticas, prepare-se com três camadas de roupas, leve água e lanches. Nunca imaginamos que veríamos tantos condores! Faça também o passeio pelo Lago Grey e visite o Glaciar Grey (passeio de 3 horas de duração) – o nosso foi organizado com a Turismo Lago Grey.


TorresdelPaine---catamara-marina
Trekking em Torres del Paine

Patagônia de carro: PqNacional-Torres_del_Paine-vista-relato-silvio

Patagônia de carro: PqNacional-Torres-Paine_RioSerrano-silvio

Patagônia de carro: PqNacional-Torres_del_Paine-vista-silvio-relato

Patagônia de carro: PqNacional-Torres_del_Paine-flora-silvio

Patagônia de carro: PqNacional-Torres_del_Paine-aves-silvio

Patagônia de carro: Pq-Nacional-Torres-Paines-fauna-silvio

A navegação nos Glaciares Balmaceda e Serrano, de aproximadamente 10 horas de duração, também foi muito boa. A embarcação conta com uma confortável classe executiva. Compramos na própria Agunsa Patagônia, com dois dias de antecedência. Optamos por não almoçar na Estância Consuelo na volta e a empresa arranjou um táxi para nos levar de volta a Puerto Natales.

Patagônia de carro: Puerto Natales

Patagônia de carro: Glaciar Bamaceda

O restaurante do Singular Patagônia é simplesmente fantástico e vale várias visitas. No centro de Puerto Natales provamos a Parrilla Don Jorge e o Angelica’s, muito bons. Caso queira apreciar uma boa cerveja, café ou lanches, vá ao espaço Ñandu.

Patagônia de carro: Punta Arenas

Patagônia de carro: Vista geral de Punta Arenas

De Puerto Natales a Punta Arenas foram 250km de carro, uma viagem de 3 horas de duração em uma estrada em excelente estado de conservação.

As duas noites seguintes passamos em Punta Arenas, uma cidade sem atrativos que vale a pena se você estiver indo para Ushuaia. Havíamos estado nela por uma noite, há 7 anos, durante uma viagem para a Terra do Fogo, e como nossa impressão foi boa, resolvemos voltar, ignorando comentários de outros viajantes. A hospedagem foi no Punta Arenas Ilaia, a pior relação custo/benefício.

Passeamos pela Av. Costanera; visitamos a enorme zona franca, que conta com produtos de qualidade; e dois museus no centro da cidade: o Museo Regional de Magallanes ou Centro Cultural Braun-Menendez e o Palácio Sara Braun (reserve uma hora para cada um).

Patagônia de carro: Palácio Sara Braun, em Punta Arenas

Para comer, experimentamos o Restaurant Brocolino (frutos do mar e massas), o Chocolatta (que oferece lanches e doces deliciosos) e o Vistamar (no Mercado Municipal, aberto apenas no almoço, até às 17h30).


relato leitor viaje na viagem
As viagens do leitor

Buenos Aires

Passeio noturno por Buenos Aires

As três últimas noites da viagem foram em Buenos Aires, pra onde não cansamos de ir, mesmo estando decadente. A melhor região da cidade para se hospedar é, sem dúvida, Palermo Soho e Hollywood. Ficar perto da linha D do metro, para nós, é fundamental, pois é possível chegar a bons restaurantes sem a necessidade de um carro, com segurança. Indicamos três hotéis, muito bons: o Duque Boutique, onde ficamos; o Esplendor Palermo Soho e o Fierro Hotel, que tem um ótimo restaurante. Gostamos por serem hotéis pequenos, confortáveis, com bom café da manhã e serviços de boa qualidade.

Passeio noturno por Buenos Aires

Nesta viagem, fizemos o passeio noturno “Buenas Noches”, que tem aproximadamente três horas de duração e visita algumas atrações turísticas da cidade com excelente relação custo/benefício.

Também aproveitamos para caminhar a partir do hotel em direção ao Jardim Botânico, Zoológico de Buenos Aires, Jardim Japonês, MALBA, Planetário e El Rosedal (o jardim das rosas), um percurso de aproximadamente 9 km que levará aproximadamente de cinco a oito horas, com as visitas. Fique atento aos horários de funcionamento e ao fato de que, em dias chuvosos, o rosedal e o Jardim Japonês fecham. Quem estiver hospedado em outros bairros chega a região pela linha D do metrô, descendo na estação Plaza Itália. Outra dica é fazer a visita guiada ao Teatro Colón.


Rosedal
Buenos Aires verde

Para comer, vale conhecer o Armênia, o restaurante do Clube Armênio (às sextas e sábados há show de dança típica) e o excelente Sunae, de comida asiática.

Patagônia de carro: o que faríamos diferente

  • Como não somos trilheiros, iríamos conhecer El Chaltén a partir de El Calafate. Caso tivéssemos certeza de bom tempo, ficaríamos por lá uma noite para fazer o Lago do Deserto com passeio de barco, o Lago Viedma e a Laguna Capri. Também cortaríamos Punta Arenas da viagem.

Patagônia de carro: dicas práticas

  • Em novembro a temperatura variou de 2ºC a 16ºC. A sensação térmica, devido ao vento, pode chegar a menos de 0ºC. Levamos gorro, boné, segunda pele, impermeável e uma japona (uma unidade de cada) e foi o suficiente. Levávamos o “trio” a todos os passeios e íamos colocando ou tirando conforme a sensação térmica. Uma capa de chuva também pode ser útil.
  • Se alugar um carro, verifique se a empresa permite que você atravesse a fronteira para o Chile com ele. Na Localiza o documento de autorização (cruce) custou R$ 400 e foi feito no momento da retirada do carro, em El Calafate.
  • Ao dirigir nas estradas patagônicas mantenha os faróis sempre acesos (o que é obrigatório por lei) e a velocidade sempre abaixo de 100 km/hora; ande sempre com os vidros fechados (os fortes ventos podem provocar um aumento de pressão no interior do veículo e deixá-lo instável); diminua a velocidade quando cruzar com outro veículo (o deslocamento do ar pode provocar instabilidade); tenha muito cuidado quando abrir a porta, pois o vento pode danificá-la (tente estacionar contra o vento) e rode sempre com o tanque cheio (as distâncias sem qualquer posto de gasolina são de até 240 km – durante o passeio pelo Parque Nacional Torres del Paines você precisará ter autonomia para até 300 km, caso a cidade base seja Puerto Natales. É recomendado também adquirir o “spray” de reparo de pneus (comprei na loja de conveniência de rede de postos Ipiranga e, na viagem ao Atacama, foi bastante útil).
  • Caso resolva fazer de El Calafate a cidade base para visitar Torres del Paine é possível optar por dois percursos, conforme o tipo de carro. Via Cancha Carrera – Paso Rio Don Guillermo (fronteira) – Torres del Paine são 210km, sendo 41km de estrada de ripio (pedra miúda, em bom estado de conservação). Para esse trecho não há necessidade de automóvel 4×4. Outro caminho, somente para carros 4×4, é ir até El Cerrito (98km pela RN 40) e sair à direita, em direção a Cancha Carrera – Rio Don Guillermo – Torres del Paine (distância de 180km). Não há referência no GoogleMaps a partir de El Cerrito. Há passeios de um dia pela área (saída às 6h e volta por volta das 23h).
  • Aproveite a passagem por El Calafate e Puerto Natales para comprar muita água e snacks saudáveis em supermercados.
  • O deslocamento entre as cidades de El Calafate – Puerto Natales – Punta Arenas – El Calafate pode ser feito por confortáveis ônibus.
  • A região da Patagônia é a mais cara da Argentina e do Chile. O custo médio de gastos para duas pessoas incluindo hotel, refeição com bebidas e o automóvel alugado foi de US$ 300. Leve dólares americanos para o Chile, mas prepare-se para variação de cotação: a moeda é aceita nos hotéis e estabelecimentos comerciais a um câmbio bastante desfavorável. Se você for a partir de Foz do Iguaçu, vale fazer o câmbio no Brasil (indico a Casa de Câmbio Scapini do Supermercado Big).

Obrigado, como sempre, por mais um delicioso e excepcional roteiro, Silvio!

Leia mais:


El Calafate

40 comentários

Estou indo agora dia 20 de janeiro de 2019, ficarei 8 dias em El calafate. Gostaria de saber se vale a pena alugar carro, ou se é melhor contratar todos os passeios partindo de El calafate, com transfer incluso. Gostaria também de saber se é melhor levar pesos argentinos ou dólar? Ou se levo um pouco de cada. E os passeios? Podem ser pagos pela internet ou é melhor pagar ao vivo, em dinheiro? Aguardo a resposta. Estou com muitas dúvidas.

Olá Janai! Fiz isso no mês passado. Comprei Buenos Aires-Salta pelo site da Aerolineas em espanhol pois estava um pouco mais barato do que o site do Brasil. Viajei sem problemas, tudo tranquilo!

Boa tarde, estou passagens aéreas para voos domésticos no site da aerolineas argentinas, na versão espanhol, como se eu mora-se lá. Posso ter problema na hora de embarcar?

    Olá, Janay! Não acredito que haja tarifas diferentes para argentinos e estrangeiros, não. Mas se houver alguma limitação você saberá no decorrer do processo de compra.

    o site na versão em espanhol busca o trajeto por $ 9450 pesos (R$650,00) já na versão em brasileiro os mesmos voos buscam por R$ 1800,00. Mais de R$ 1000,00 de diferença na passagem. Alguem de vcs já comprou as passagens na versão em espanhol e conseguiu embarcar?

    Eu já comprei na Latam passagem para Santiago, no site em espanhol, pela metade do preço, mas já tem uns 4 anos. Embarquei normalmente. A única desvantagem foi que eles não parcelam como no Brasil, mas valeu à pena a economia.

    Não comprei pela aerolineas, mas ja fiz a mesma coisa comprando pelo site da American Airlines dos EUA. Embarque normal.

    Sim, fiz isso em Outubro 2019, ha menos de 3 meses, comprei de Buenos Aires a Bariloche ida pela Aerolineas e volta por outra CIA Suiça se não me engano, embarque normal, tudo sem imprevisto, viagem tranquila.

A estrada para El Chalten é a msma estrada que vai ao Glaciar Perito Moreno ? Desde ja agradeço

    Olá, Thais! Não. São estradas diferentes. Para ir do parque Los Glaciares, onde está o Perito Moreno, a El Chalten, você precisa passar por El Calafate de novo.

Muito bacana esse texto. Estou pensando em ir do Brasil de carro (já fiz várias viagens desta distancia) e gostaria de levar as bikes. Sabe se posso usar bike para visitar o El Calafe, Perito Moreno e outros lugares legais? acha que vale a pena levar as bikes?

    Olá, Fred! Não somos especialistas no assunto. É melhor procurar foruns/sites de cicloturismo para obter informação com autoridade.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.