Foz do Iguaçu

Planeta água

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Por onde você tem andado esse tempo todo, que ainda não foi ver as cataratas mais bonitas do planeta? Não, não se trata de ufanismo da minha parte: para ter a experiência completa, você vai ter que atravessar a fronteira e se deslumbrar com o lado argentino também.

É incrível que tantos brasileiros desdenhem Iguaçu – ou que precisem de outras desculpas (muambagem no Paraguai, cassino na Argentina, Itaipu) para marcar sua viagem.

Não é só a beleza da paisagem que vai surpreender você: Foz está muitíssimo bem estruturada para receber seus visitantes. Do lado brasileiro, o parque é um exemplo de organização — e acabou se tornando uma espécie de pólo de ecoturismo light (não é preciso ser jovem nem estar em forma para aproveitar). O parque argentino é mais roots e requer mais atividade física, mas entrega mais água e mais selva para quem se aventurar.

Quando ir

A primavera e o verão são chuvosos – a vazão de água das cataratas aumenta. O outono e o inverno são mais secos – conseqüentemente, vê-se menos água jorrando.

Já fui a Iguaçu no estio e na época de chuvas, e adorei as duas vezes. Na seca, algumas quedas tinham desaparecido, mas a queda principal me pareceu mais bonita. Na época de vazão caudalosa, me encantei com o volume e a força das águas, mas a Garganta do Diabo estava permanentemente coberta por uma nuvem de spray.

Conclusão: não há melhor época para ir. Meu conselho – vá mais de uma vez, em épocas diferentes, para ver as cataratas do Iguaçu em todas as versões oferecidas no menu.

Como chegar

Há vôos diretos de São Paulo (Guarulhos e Congonhas), Rio (Galeão), Curitiba e Porto Alegre. Vindo de outras cidades você faz conexão em Guarulhos ou Curitiba.

A TAM também voa a Ciudad del Este, no Paraguai, desde São Paulo e Assunção. De Puerto Iguazú, na Argentina, a Aerolíneas voa a Buenos Aires.

De ônibus são 9h desde Curitiba e 18h desde São Paulo. De Buenos Aires a Puerto Iguazu o ônibus leva 18h. Querendo ir de carro, são 1.065 km desde São Paulo, e 660 km desde Curitiba.

Onde ficar

Os hotéis estilo resort ficam ao longo da Rodovia da Cataratas e oferecem ambiente tropical. O maior é o Mabu Thermas, que trabalha com sistema all-inclusive. Dê uma olhada também no Iguassu Resort, no Bourbon e no San Martín, que não chega a ser um resort mas tem boa estrutura. O mais luxuoso dos hotéis de Foz é o histórico Hotel das Cataratas, o único dentro do parque, a passos das quedas, e que hoje pertence ao grupo Belmond/Orient-Express.

No centro há muitos hotéis com boa relação custo x benefício, como o Bella Italia, Best Western Tarobá, Foz Plaza e o moderninho Concept Design Suites.

Se você prefere ambiente de cidade pequena (com noite animada), pode ficar em Puerto Iguazú. (Os únicos passeios que ficam inconvenientes a partir do lado argentino são a Itaipu e às compras no Paraguai.) O Saint George fica convenientemente ao lado da rodoviária; o Panoramic tem piscinão e vista para o rio e, fora da cidade, o Loi Suites funciona como um hotel de selva.

O que fazer

Reserve um dia para fazer o lado brasileiro, com Macuco Safari e Parque das Aves.

Reserve um segundo dia só para o lado argentino. (O lado argentino vale inclusive dois dias de visita exclusiva, se você dispuser desse tempo.)

Itaipu é um passeio de meio dia. Se você estiver podendo, pode fazer um sobrevôo de helicóptero no mesmo dia.

Indo com crianças, você vai querer ir um dia ao parque aquático Acquamania.

Os melhores restaurantes e a vida noturna mais animada estão em Puerto Iguazú.

Para compras no Paraguai, vá durante a semana. As lojas fecham cedo no sábado e não abrem no domingo.

Para detalhes desses passeios, leia os posts relacionados a seguir.

Foz do Iguaçu no Viaje na Viagem

128 comentários

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Bóia e tripulação, fuçei todas as páginas de Foz aqui no site e não achei: alguém tem indicação de local para fazer câmbio de dólar blue em Puerto Iguazu? Vou pra Foz depois do carnaval, e planejo jantar todos os dias em Puerto, além de comprar uns vinhos. Como já tenho um pouco de dólar em espécie, queria tentar fazer o câmbio paralelo (fiz em Mendoza ano passado e a viagem ficou muuuito mais barata). Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Juliana! Use seus reais diretamente no comércio, perguntando a cotação antes.

Denis
DenisPermalinkResponder

Olá Juliana, essa informação é bem útil. Vc descobriu algum lugar?

Michele
MichelePermalinkResponder

Pessoal, eu estive lá faz um ano, procurei e não encontrei. Acho que a oferta de dólares por lá é bem grande e portanto essa questão do dólar blu não pega tanto. De qualquer forma paguei muitas coisas em dolar com um cambio relativamente bom.

Karina
KarinaPermalinkResponder

Não é necessário fazer o câmbio.
Leve seus dólares e eles serão bem aceitos e com câmbio favoravel na maioria das lojas e restaurantes de Puerto Iguazu! Estive em Foz em junho 2014 e não me esqueço que na loja em que comprei alfajores ganhei um brinde por pagar em dólares!

Isabel
IsabelPermalinkResponder

Bóia, quero ir a Foz em Julho. Sabe se o frio é suportável ou temos que andar muito encasacados?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Isabel! A mínima de temperatura em julho costuma ser de 13ºC, e o tempo é menos chuvoso do que em outros meses do ano.

Karina
KarinaPermalinkResponder

Quando fui em junho de 2014 fez muito frio à noite (peguei até 10C) e de dia oscilou com manhãs nubladas e frias e dias de sol para usar a piscina do hotel! Sugiro atenção para os dias de passeio nas Cataratas pois como é muito úmido por lá a sensação de frio é maior!

Paula Kiyomi
Paula KiyomiPermalinkResponder

Li bastante coisas legais no site e sobre um dia para o lado brasileiro e outro pro lado argentino. Gostaria da opinião de quem ja foi, se em um dia consigo fazer o passeio em Itaipú (manhã) e a tarde no Parque lado brasileiro. Ou é pouco tempo pra conhecer o parque no lado brasileiro?
No lado argentino consigo fazer as duas trilhas (superior e inferior) e ir até a Isla San Martin em um dia?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paula! Se você não fizer o Macuco Safari, dá pra fazer o parque brasileiro em uma manhã ou em uma tarde, sim. No lado argentino, as duas trihas vão deixar você exausta, provavelmente você não vá querer emendar com a ilha San Martin não. Mas você vê na hora. SE for para voltar no outro dia, o motivo seria o Aventura Náutica, não a ilha...

Paula
PaulaPermalinkResponder

Olá Bóia! Obrigada pelas informações wink
Outra dúvida.. se u for de onibus pro lado Argentino , eles aceitam real? ou melhor levar em pesos? Pelo que li temos que pegar dois onibus.. um pra Argentina e outro la dentro pro parque ne? vc saberia quanto tempo leva mais ou menos?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paula! Sempre vai ter quem aceite os seus reais.

Leia:
http://www.viajenaviagem.com/2014/03/foz-do-iguacu-dicas-transporte-onibus

Paula
PaulaPermalinkResponder

Ah sim wink eu li este post,por isso resolvi tentar ir de ônibus rs
Valeu!
Abraços!

Liessa Rocha Aguiar

Olá Bóia, tudo bem?
Primeiramente quero parabenizá-los pelo ótimo site de vocês. Eu curto muito cada dica apresentada. Ouço as dicas do Ricardo Freire na rádio Band News, tb.

Bom, eu preciso muito da ajuda de vocês. Eu e o meu esposo faremos uma viagem na 2ª semana de março para Foz do Iguaçú. Ficaremos 7 dias e preciso da ajuda de vocês para aproveitar esses dias...
Pensei que poderíamos visitar outra cidade em alguns desses dias (fazer passeios a cavalo ou tomar banho de cachoeira, por exemplo).

Ressalto que, iremos de avião e utilizaremos táxi ou traslados, e se possível transporte público.

Fico grata pela atenção.

Liessa Rocha

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Liessa! Todas as nossas dicas de passeios na região estão nesse post mesmo. Veja essa caixinha de links no final do texto. smile

Liessa Rocha Aguiar

Outra opção, que gostaria de ver a possibilidade, seria visitar uma praia... Talvez no lado Argentino...Bjs. Liessa

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Acabei de voltar de uma viagem de 4 dias a Foz do Iguaçu e volto aqui para deixar minhas impressões – as dicas daqui foram imprescindíveis para eu resolver minha viagem! Ficamos quatro noites, fomos a Itaipu, parques brasileiro e argentino, parque das aves, fizemos o passeio de helicóptero e fomos jantar todos os dias em Puerto Iguazu. Fiz um relatório, ficou meio grande, então devo dividir em vários comentários.

Hotel: Ficamos no Recanto Cataratas. Ele é estilo resort, com uma piscina bem grande, bar molhado, estrutura bem boa. As áreas comuns são bem bonitas, café da manhã gostoso (muitas frutas e sucos). Os quartos são razoáveis – no que ficamos, que pelo que entendi é o quarto duplo mais simples, dá para perceber que o quarto foi reformado, está bem bonitinho, mas o banheiro está bem defasado. Muito antigo (estilo ‘casa de vó’), desgastado, com muitas manchas, água acumula no chão do box. Nada que impeça o uso, mas passa uma impressão ruim. Por ser uma estrutura antiga, também achamos o isolamento acústico entre os quartos ruim – em alguns dias acordamos mais cedo que o previsto com o barulho das pessoas nos outros quartos. As portas também são bem barulhentas.
Quanto à localização, ele fica meio longe (mais perto de Itaipu e do Paraguai que do Centro, Cataratas e Argentina). Como alugamos carro, não teve problema, mas no último dia já estava meio cansada de ter que andar 10 km para ir a qualquer lugar. Por outro lado, como fica em uma área meio isolada, não tem barulho de rua.

Transporte: como queríamos ir bastante à Puerto Iguazu, alugamos carro na Localiza (usando desconto da parceria com a Gol) e foi ótimo. Eu e meu marido somos bem independentes, então foi muito bom poder sair/voltar quando queríamos, sem preocupar com transporte, gasto com táxi, etc. A Localiza emitiu uma autorização de circulação no Mercosul, para podermos ir à Argentina, por R$ 22. Não compramos a Carta Verde – o atendente da Localiza disse que como iríamos apenas a Puerto e às Cataratas, não era necessário (e eles vendem a carta verde lá, então realmente não é necessário, ou eles teriam nos empurrado). Em nenhum momento (nem na aduana nem em Puerto) nos foi pedido qualquer documento do carro.

Itaipu: Fizemos o Circuito Especial, no qual se entra na área de operação da usina. Muito interessante, mas achei caro para o que oferece (são R$ 64, mais caro que as entradas dos dois parques das cataratas). Não faria de novo (mas eu cresci frequentando canteiro de obras de hidrelétricas, então apesar de Itaipu ser gigante, a estrutura em si não me impressiona muito).

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Olá Juliana, gostaria de lhe fazer uma pergunta e se poder responder agradecerei muito!
Pode me dizer qual o valor que pagou na locação do carro?
Também vou com a Gol, como funciona esse desconto?
e qual o limite necessário no cartão?

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Oi Rafael. Nós fizemos a reserva direto no site da Gol, depois de entrarmos com o localizador do voo, aparece aoscar de locação de carro. Vc reserva a categoria mais simples, mas eles te dão o carro com ar, vidro elétrico e direção, pelo preço da anterior - é automático esse processo no site. Ficou R$ 360 por quatro dias de locação, Km livre, pegamos um celta novinho. Na hora da locação a localiza bloqueou R$ 1,5 mil no cartão como garantia

Juliana
JulianaPermalinkResponder

(continuando o relato do comentário anterior)

Cataratas: Fomos primeiro ao parque brasileiro, depois ao argentino (um dia em cada), como indicado aqui. Realmente a melhor opção. Achei o parque brasileiro, apesar de mais bem cuidado e com mais estrutura, com menos atrações. Além da ‘trilha’ de 1,2 km que tem a vista pras cataratas e termina na passarela na qual vc fica pertinho delas, e do passeio de barco, não tem mais nada pra fazer (além de trilhas muito longas, de 9 km, que só gente com mais preparo/animação aguenta). No dia que fomos só deu tempo de fazer a trilha – quando estávamos na passarela começou a chover, primeiro fraco, mas depois caiu um dilúvio, que durou umas boas horas – e continuou chovendo fraco o resto do dia. Acabamos indo embora sem fazer o Macuco Aventura (o que no fim acabou sendo bom).
No dia seguinte, fomos ao parque argentino. Estava nublado, então resolvemos ir direto para o passeio de barco. Optamos pelo Gran Aventura (que além de ir nas cachoeiras inclui um passeio de jipe pela mata e uma navegação rápida pelo rio antes de chegar nas cachoeiras. Não achei nenhum dos dois nada demais, para mim não valeu o dinheiro a mais – mas quem não tá acostumado com natureza/rio deve valer sim – no meu grupo, que só tinha estrangeiros, todos ficaram bem impressionados com a mata).
A parte das cachoeiras é muito legal! Sai todo mundo realmente ensopado, mas a sensação é deliciosa, muito divertido. Eles dão uns sacos a prova d’água para colocar seus pertences, e o mais indicado é estar de chinelo e roupa bem leve ou roupa de banho (tinha uma mulher de maiô no meu barco). Adorei essa parte, e no fim achei bom não ter feito o passeio no Brasil – ia ser meio repetitivo e o passeio argentino vai em uma queda a mais.
Depois disso nos secamos e fomos fazer as trilhas. Para sair do ponto de desembarque do barco e chegar no Circuito Inferior, que é o acesso ‘de volta’ ao parque, vc sobe uma trilha na beira da montanha, pertinho das cachoeiras, que é muito linda! Depois continuamos pelo Circuito Inferior, que é mesmo imperdível – cachoeiras lindas, vc chega muito perto, e tem outras muito escondidas. Depois dele fizemos o Circuito Superior (legal também, vc tem uma vista de cima das cachoeiras) e por último fomos pra Garganta do Diabo. Comandante tem razão em recomendar essa trilha primeiro (chegar e sair é muito chato, um monte de passarelas sobre o rio sem nada muito legal para ver, e sem árvores perto, então é com sol na cabeça o tempo todo). Mas como queríamos garantir o passeio de barco antes da chuva (no fim não choveu e o tempo abriu), invertemos. Apesar do caminho ser chato, o fim vale a pena. É muito bonito.
Chegamos cedinho no parque, no horário da abertura, e saímos um pouco antes das 16h. Temos um ritmo de caminhada rápido, mas paramos muito para contemplar as cataratas e fazer fotos. Chegamos a validar o ingresso para ir no dia seguinte novamente pela metade do preço, mas acabamos não indo porque o tempo estava bastante nublado e instável. Mas em um dia consegui fazer tudo o que queria e saí maravilhada.

Passeio de Helicóptero: por favor, FAÇAM! Foram os 10 minutos mais caros da minha vida, mas também alguns dos mais sensacionais também. É maravilhoso, fiquei de boca aberta o tempo todo, não conseguia parar de sorrir. Incrível. Custou R$ 325 por pessoa. É caro, mas vale cada centavo, reservem o dinheiro antes de ir, por favor! Fizemos no mesmo dia do parque argentino (aproveitamos que o tempo estava bom e fomos direto para lá).

Parque das Aves: também maravilhoso, fiquei encantada. Vale muito o passeio, os viveiros em que as aves ficam soltas e você anda entre elas é incrível. As aves voam como se vc não estivesse ali – um tucano quase bateu no meu marido. O viveiro das araras é incrível. São muitas, de todas as cores, demais. Adorei o passeio. Ficamos umas três horas lá dentro, fazendo com calma, apreciando bem as aves.

Juliana
JulianaPermalinkResponder

(terceira e última parte do relato - ficou longo mas como eu adoro ler relatos detalhados, gosto de escrever também)

Aduana: Como nossos RGs são antigos, feitos há mais de 10 anos, viajamos com o passaporte. Nosso saldo foi de 12 carimbos novos (fomos 6 vezes para Argentina). Em geral com o passaporte a passagem pela aduana demora um pouquinho mais, mas sem grandes problemas. Em média demoramos 10 minutos para passar, todas as vezes de forma bem tranquila – no máximo nos perguntavam para onde íamos. Apenas no sábado, quando estávamos indo jantar, por volta das 20h, pegamos uma fila maior, de uns 20 minutos. Cedinho, quando fomos para o parque argentino, não tinha ninguém na fila.

Restaurantes em Puerto Iguazu: fomos em três: Te Amaré Maitena, La Rueda e Aqva (duas vezes). O primeiro não recomendo – apesar de a comida ser boa (comemos massas) e do preço bom, o atendimento é péssimo (tinha apenas um garçom para salão interno inteiro) e o ambiente é muito barulhento (tinha música ao vivo do lado de fora e outra música nas caixas de som do lado de dentro. Ambas eram altas e conflitavam). Demoramos muito para conseguir fazer os pedidos. Eu tinha lido uma resenha de alguém falando que o ambiente era ótimo, romântico, ideal para casais, mas é totalmente ao contrário – bem informal, não achei nada demais, foi bem decepcionante. Aceita real, na época a cotação era 4 para 1.
Do La Rueda eu gostei – ambiente bem agradável, serviço bom, carta de vinhos ótima. Comemos carnes – boas a baratas, mas os dois cortes que pedimos não estavam muito macios (se acha carne melhor nos restaurantes argentinos de SP). Estava gostoso, mas não foi sensacional.
O Aqva foi o melhor – a carta de vinhos é menos extensa, mas tem boas opções, o atendimento é bom, o ambiente gostoso (mas simples, não é elaborado) e a comida muito boa. Pedimos em um dia carne, no outro peixe. Ambos deliciosos – carne super macia, os peixes sensacionais. Vale muito. Aceita real, na época a cotação era 4 para 1.
Pra quem gosta de sorvete, quase do lado dele, uns dois restaurantes para frente, tem uma sorveteria Cremollati – sorvete delicioso, mais barato que o Freddo.

Vinhos: para quem gosta de vinhos argentinos, vale muito comprar lá – pagando em pesos, fazendo o câmbio em Foz, ou em real mesmo (mas em cash). O melhor custo benefício que achamos foi na Vinoteca Don Jorge (fomos na unidade da Av. República Argentina). A loja é meio bagunçada, mas os preços são bem melhores do que os das outras que fomos, tem uma boa variedade, e eles estavam dando 15% de desconto no pagamento em dinheiro. Quando fomos, eles aceitavam o real a 4 pesos para 1 real, então nem precisamos faze câmbio para comprar.

Aproveito para agradecer a todos pelas dicas! Abraços!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Uau, Juliana! Obrigadissíssima pelo feedback!

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Imagina, Bóia! Vocês são minha fonte número um de pesquisa de viagens (e inspiração tbm!) há muitos anos. Nada mais justo que retribuir!

Marlise
MarlisePermalinkResponder

Olá, fui a Foz no começo do mês e gostaria de apenas acrescentar algumas observações e agradecer por tantos comentários legais, que me ajudaram bastante.
Primeiro, fevereiro é um mês muito quente em Foz: pegamos um dia de 38°! Até para mim, nordestina, é demais! É bom pesar isso na hora de marcar a viagem. O lado bom é que as Cataratas estavam a todo vapor! Uma perfeição...
Outra coisa: é possível sim passear em Foz apenas com transporte público, porém é bom saber que os pontos turísticos são bem distantes do Centro (média de 40 minutos) e o trajeto será em pé, pois os ônibus tem poucos assentos. Eu tiro de letra, mas idosos e crianças talvez não...
Outro ponto negativo de estar sem carro, é a ida a Argentina a noite. Nesse horário não existe transporte e os taxistas costumam cobrar uns R$ 60 a viagem (só ida ou volta), o que para mim ficaria bem pesado, considerando o jantar. O bom é que Foz tem alguns restaurantes legais: o Rafain e o 4Sorelle são bem bacanas. Mas queria ter conhecido o Cassino de Puerto Iguazu e acabou que não fui, pois o hotel que fiquei (Pietro Angelo, recomendo, bem legal) não fazia mais a parceria de leva e traz gratuito com o Cassino. Fui apenas um dia na Argentina.
Outra informação que obtive por lá: atravessar a ponte da Amizade a pé não é coisa do outro mundo! Li vários relatos e fiquei tão assustada, que quase não era convencida a fazer a travessia. Muito tranquilo (tirando o sol de rachar), gente de todas as idades...perfeitamente possível. No hotel tinha uma agente de turismo que me contou que aconteciam furtos, roubos, enfim de tudo! Mas o pessoal de lá negou tudo...acho que isso é conversa de empresa de turismo, só pode.. hehehehehe
Em tempos de reforma na ponte, acho bem recomendando atravessar a pé, claro que acompanhado e até as 16h no máximo.
Última informação: com o peso desvalorizado, para comprar no Duty free da Argentina recomendo que faça a troca em alguma casa de câmbio em Foz de real para peso. Assim, o dólar vai acabar saindo por uns R$2, em vez de quase R$3, se você for comprar em real. Fazendo assim, achei mais interessante comprar no Duty Free do que no Paraguai.
É isso! Boa viagem! Foz é linda! Ainda hoje sonho com o Parque da Aves! Muito Bom!

wagner
wagnerPermalinkResponder

Nao estou encontrando o site para o passeio de Helicoptero pelas cataratas.
Voces sabem se ainda existe esse passeio?
Wagner

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Wagner! O site da Helisul está fora do ar, mas o Viator continua vendendo o passeio:
http://br.viator.com/pt/8328/tours/Foz-do-Iguacu/Voo-panoramico-de-helicoptero-pelas-Cataratas-do-Iguacu/d970-2484IGUHELI

(Ou seja: deve continuar existindo, sim. Para não pagar IOF, compre ao chegar ou via uma agência de receptivo de Foz.)

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Olá! Vou para Foz do Iguaçu em outubro, nas minhas férias, e gostaria de passar por Encarnaíón (Paraguai), Posadas (Argentina) e São Miguel das Missões (Rio Grande do Sul) e depois seguir para de ônibus para SP. Desejo saber se é possível fazer os trechos entre as cidade acima de ônibus? Só encontrei informações sobre o trecho Assuncíon-Encarnación, mas não quero passar pela capital do Paraguai, gostaria de seguir direto de Foz do Iguaçu ou Puerto Iguazú (Agentina) para Encarnación, caso seja possível.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Juliana! O site http://www.plataforma10.com traz todos os trajetos de ônibus da Argentina. Use um mapa e vá testando pares de cidades.

Bruno Dias
Bruno DiasPermalinkResponder

Olá a todos,

O Viaje na Viagem foi meu guia para minha viagem para Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú entre os dias 12 e 16/3/2015 e foi demais, só não encontro aqui dicas para acomodações digamos... mais econômicas rs...

Só quero adverti a todo: CUIDADO AO VISITAR O MARCO DAS 3 FRONTEIRAS!

Peguei um ônibus no TTU e fui conversando com o cobrador e foi mais um que não recomendou a visita. O lugar é muito afastado, inóspito, sem qualquer segurança e existem relatos e mais relatos de assaltos. Nem saí do ônibus, voltei pro centro de Foz e infelizmente fiquei sem tempo para o Plano B do dia, o Parque das Aves.

Se quiserem ir, vão em algum passeio de agência e certifiquem-se de que haverá segurança para os turistas.

De resto, aproveitem, a viagem é fantástica.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Se alguém precisar de hotel no caminho para Foz, fiquem na cidade de Medianeira, no Hotel Harbor Inn. Preço bom, café da manhã delicioso. A cidade fica a 50km de Foz.

Bleu
BleuPermalinkResponder

Ola pessoal! Mas que maravilha de site! Super informativo e bem estruturado. Parabens.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Comentar novamente

Cancelar