#Linkódromo | Um roteiro etílico-cultural por Santa Teresa, no Sundaycooks

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Roteiro por Santa Teresa

Desde agosto de 2015 (depois de quatro anos parado), o bondinho de Santa Teresa vem sendo reativado, um trecho por vez. Desde o fim de dezembro, quando a operação foi estendida até o Largo dos Guimarães, no coração do bairro, o bondinho voltou a ser útil para um roteiro por Santa Teresa.

O ponto de partida é o mesmo de antes: atrás da sede da Petrobrás, nos fundos do Largo da Carioca (ponha no Google Maps: rua Lélio Gama), a 3 minutos de caminhada do metrô Carioca (saída B: República do Chile; fechada domingo). Mas atenção para as pegadinhas: o horário de funcionamento é limitado -- apenas das 11h às 16h -- e como a passagem, nesta fase de testes, é grátis, a fila costuma ser considerável.

(E atenção: a melhor alternativa ao bondinho não é o táxi. Os taxistas cariocas acreditam que subir a Santa Teresa vai acabar de desmanchar os seus possantes -- no que não estão totalmente desprovidos de razão -- e, quando aceitam levar ao bairro, vão resmungando do início ao fim da corrida. Chame um Uber. Aliás, chame um Uber sempre no Rio de Janeiro. Os táxis aqui são um caso perdido.)

Um roteiro por Santa Teresa no Sundaycooks

Depois de descer do bondinho (ou do Uber), use este ótimo roteiro por Santa Teresa que a Nat e o Fred acabam de publicar no Sundaycooks.

O roteiro combina as atrações culturais com os barzinhos que tornaram o bairro uma referência boêmia no Rio de Janeiro (sobretudo entre os gringos). A caminhada pelas ladeiras de Santa fica mais fácil quando intercalada com os bolinhos, pastéis, drinks e docinhos recomendados pelos Sundays.

(Aproveite e conheça as duas novidades do blog: a planilha de planejamento financeiro de viagem e a consultoria de viagem online.)

Foto | Sundaycooks

Vai pelo Sundaycooks:

20 comentários

Angelina Monteiro

Sou leitura assídua deste site e começo a ter dúvidas em relação a credibilidade das informações dos artigos. Qual o motivo de desabonar os taxistas da nossa cidade? Sempre utilizo esse meio de transporte, principalmente quando se trata de idas a restaurantes e bares. Nunca tive nenhum tipo de problema que leve a desacreditar esse tipo de serviço. Propaganda do uber? Estranho.... Muito estranho....

Ricardo Freire

Vamos lá, sra. Angelina. Ano passado peguei um táxi no MAR para ir até as barcas da Praça XV. Eu estava com o Waze ligado no meu celular e fui indicando o caminho. O taxista se recusou a ir pelo Waze, entrou "sem querer" no novo mergulhão em vez de pegar a Presidente Vargas, e 15 minutos depois do taxímetro estar ligado, voltou exatamente ao ponto de partida.

Quando subi a Santa Teresa pela última vez o taxista alegou não conhecer as ruas (A RUA PRINCIPAL DE SANTA TERESA) e foi reclamando do início ao fim da corrida. Depois de me deixar (NA RUA PRINCIPAL DE SANTA TERESA) teve a pachorra de perguntar: "e agora, como saio daqui"?

Cheguei agora pelo Santos Dumont, e o motorista do táxi ESPECIAL veio teclando no messenger do aeroporto até o Posto 6.

Numa saída recente do João Caetano, o motorista do táxi comum veio teclando e mandando mensagens pelo Whatsapp a viagem inteira.

Toda vez que pego um táxi no Rio me pergunto: o que será que pode acontecer desta vez? Classifico 80% das corridas que faço como não-profissionais. Não tenho queixas do Uber; já aceito pagar até mesmo as tarifas mais altas nos horários de pico.

A senhora é a primeira pessoa que conheço que fala bem de taxista no Rio de Janeiro.

Se a senhora se acha no direito de insinuar que eu sou pago pelo Uber para recomendar o Uber, então me permita achar que a senhora tem um taxista na família para defender essa categoria que só dá reclamação no Rio de Janeiro.

Em tempo: em São Paulo sou muito bem servido pelo 99 Taxis e nunca chamei um Uber.

Gabriel Britto

Se esta caixa de comentários virar uma sessão de relatos de experiências negativas com taxistas do Rio, vai ser a maior da história do VnV.

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Apoio totalmente a crítica aos taxis. Sou nascida e criada no Rio, não dirijo e utilizo transportes coletivos e taxi. Obviamente, já peguei taxis bons, com serviço correto, e costumo escolher (as cooperativas nem funcionam mais, e começaram a mandar taxis horríveis, no que diz respeito ao trato e à conservação do veículo, então passei a pegar na rua e escolher pelo aspecto). Entretanto afirmo que já peguei muitos, muitos taxis abaixo da crítica. Situações absurdas, como as relatadas pelo Ricardo Freire. Não raro já saltei no meio do percurso, por medo de acidente (pois o motorista estava distraído teclando no celular) ou outros motivos. Já ouvi grosserias, cantadas indesejáveis, um horror. Quanto ao Uber, lamento apenas que o único modo de pagamento seja pelo cartão de crédito. Isso porque tive recentemente o meu cartão clonado, e fiquei com receio do cadastro do Uber não ser bem seguro. Atualmente, para compras pela web, quando dá uso o cartão virtual (alguns sites não aceitam o virtual, mas pedem o nr. "token", o que confere maior segurança.) Em suma: é urgente que se melhore o serviço no Rio!

leticia bilaqui

Fiquei no hotel Sta Teresa e foi uma chatice a questão do táxi,não existia viv'alma que quisesse subir!!!!! Reitero o Riq.

Anderson
AndersonPermalinkResponder

Eu não tenho sequer uma experiência boa com Taxis no RJ. Fui algumas vezes, a trabalho e turismo. Já tive problemas com taxistas se recusando a ir pelo valor do taxímetro, somente com preço fixo.

Mesmo no aeroporto, já fi reclamações pois a própria cooperativa se recusa a fazer corrida pelo taximetro, dependendo do horário que você chega.

Já discuti com taxistas dando voltas (sempre acompanho corridas por GPS e Waze) e não raro peguei taxistas reclamando ou mesmo mal educados no RJ.

Sim, já tive problemas em outros locais também, mas é 1 pra 10 quando comparamos com o RJ.

Em contrapartida, nunca tive problema com Waze e já cheguei a pedir dicas em hotéis para transporte alternativos e me indicaram empresas de transporte particular, que cobravam muito menos que uma corrida de taxi (KM) e me tratavam bem.

Os hoteis acabam oferecendo e alguns já me sugeriram não pegar taxis em determinados pontos próximos, pois não era recomendado. Não foi apenas eu falando, na ocasião.

É lamentável e felizmente existem alternativas.

Aline
AlinePermalinkResponder

Então, Angelina. Odeio andar de táxi, sou do RJ e quando ando sempre escuto relato dos taxistas, eles não param aonde nos pedimos, agora eles dizem até que ponto vão, se você pegar na zona sul eles não vão pra zona norte,se você pegar de madrugada corre risco de ser assaltada pelo próprio taxista.
Então,isso são com os cariocas, imagina com turista ?
No dia-a-dia eles só faltam atropelar as pessoas, passam do sinal, não param quando você chama ( principalmente se você estiver com bolsa do mercado e se for idoso ),mas se você estiver na porta do shopping,shows e aeroporto eles saem do carro e abrem até a porta pra você.
Nunca andei com UBER , mas dizem que eles são super atenciosos ,levam cachorro e cobram super barato.
Se você está descrevendo algo útil para pessoas que não conhecem o RJ , o correto é falar a verdade e a verdade é essa .

val
valPermalinkResponder

Olha, realmente os taxistas devem ter algo contra Sta Tereza. Fiquei mais de 1 hora esperando um taxi pra voltar ao Leblon ...E o taxi foi chamado pelo Hotel Santa Tereza!

Malu Esper
Malu EsperPermalinkResponder

Sou Uber Black sempre. Excelente serviço a qualquer hora, qualquer distância, países e cidades. No Santos Dumont já passei constrangimentos e medo do Taxi comum xingando os motoristas do Uber.

Cristiana Gomes

Taxistas no Rio de Janeiro acham que estão fazendo "um favor" em atende-lo. Esquecem que o passageiro paga pela corrida. Por segurança eu só pego os de aplicativos pois me sinto um
Pouco mais protegida em relação ao roteiros absurdos que fazem. Quando preciso ir à Sta Teraza aviso o motorista quando já estou dentro do taxi com o carro andando, caso contrário os motoristas saem andando e recusam a corrida!
Que a concorrência do Uber melhore o nível do serviço e o respeito pelo consumidor.
Obrigada pela dica, vou experimentar da próxima vez

Vera Lúcia
Vera LúciaPermalinkResponder

Muito estranho é uma moradora da cidade do Rio nunca ter sido enganada (no sentido amplo) por taxi comum. Usamos por necessidade, não por confiabilidade. Até porque não podemos generalizar.

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Moro no Rio e uso pouquíssimo os taxis, já que moro na Barra da Tijuca e o carro é parte integrante da nossa vida. Eventualmente quando preciso de um, principalmente indo e vindo dos aeroportos, uso sempre a cooperativa de "TAXIS EXECUTIVOS", que na verdade são particulares com carros comuns que se associam para prestar o serviço. Há várias no Rio. O preço é fixo pela corrida e quase sempre é bem parecido com o que daria no taxímetro de um taxi comum. É bastante confiável. Veja no GOOGLE os telefones. Quanto à Santa Tereza, não há jeito. Ninguém realmente quer levar lá. Nem os cariocas sabem andar por lá. É mais um local turístico , principalmente para estrangeiros. É muita ladeira, paralelepípedo, quem não conhece acaba entrando em algum beco, principalmente à noite.

rita garibotti

Ricardo, sempre leio seu blog (meu companheiro de madrugadas insones). Bom, discussões a parte, 1) concordo com voce - sim, taxistas (em geral e não só no Rio), são difíceis; 2) apesar de ser carioca, nunca fui a Santa Tereza (espero que com as dicas do blog consiga!) e por último, todas as vezes que preciso de um taxi uso SEMPRE a 99taxis, portanto querido Riq, quando vier ao Rio sinta-se tranquilo de usar o aplicativo, funciona muito bem, os carros são ótimos e o atendimento nunca me decepcionou! Ah, e não estou ganhando nada do 99 pra dizer isso! Parabens pelo blog - eu como A MAIORIA, confiamos nele!

Beatriz Accioly

É pena o Rio estar assim... Fui quando era criança e não sinto a menor vontade de voltar, porque quase tudo que escuto de conhecidos que estiveram na cidade é negativo, principalmente sobre os táxis... A exceção são as paisagens, essas sim ainda são um ponto positivo da cidade...

Maria Luíza
Maria LuízaPermalinkResponder

Nao desanime não, Beatriz... Apesar dos " inconvenientes", o Rio vale muito a pena. Acredite!

Cristiane Ribeiro

Quando estive no Rio o taxista teve a cara de pau de dizer que não sabia onde era Santa Teresa. E isso que nós estávamos na Lapa. Bem pertinho.

Majô
MajôPermalinkResponder

Lembro bem desta "volta" que o taxi deu com vocês, na saída do MAR, enquanto esperava com a Lu, sua chegada nas barcas para irmos para Niteroi. Vocês tiveram que literalmente correr para pegar a barca. Senti vergonha ! Nem todos são assim, uso bastante os de cooperativa, como o Amarelinho da Barra com carros novos, limpos e motoristas educados. Tenho o tel gravado no meu celular. E, uso também o Uber, nunca tive problemas, no Rio ou em Sampa. Já tive problema com o 99, na chegada do SDU, taxista me ligou dizendo que chegava em 10 min, pois estava perto da praia de Botafogo, esperei por ele, e vi que quando chegou perto do SDU foi embora, possivelmente pegou outro passageiro. Fiz reclamação dele no site.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Infelizmente as participações dos leitores estão citando muito mais os problemas relacionados aos táxis, do que o ótimo post da Nat e o Fred (sigo eles no Sundaycooks). Mas realmente, percebo que no Rio os taxistas tendem a fazer caminhos mais longos (tive essa experiência há 2 meses, quando o motorista poderia ter feito um retorno bem próximo, mas preferiu andar uns 2km a mais para retornar). Voltando ao post, fui várias vezes ao Rio e não conheço Santa Teresa. Acredito que o bairro sofra uma espécie de bullying em relação à segurança. O que vcs acham em relação à segurança dos turistas lá?

Fred Marvila
Fred MarvilaPermalinkResponder

Obrigado, comandante pela referência grin

Obrigado a você também, Fabíola smile Eu também tinha essa preocupação, mas eu não senti problema nesses dias que ficamos e caminhamos por lá, mas, com exceção de uma noite, caminhamos majoritariamente de dia e pela região mais movimentada.

Daniel Conceição

Santa Teresa é um bairro legal, tenho grandes amigos que moram lá, mas realmente não é bom dar bobeira por suas ruazinhas e becos, pois a malandragem tá de olho... Infelizmente é a realidade.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Comentar novamente

Cancelar