O que fazer no Rio de Janeiro

Guia do Rio de Janeiro

O que fazer no Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro pode ser aproveitado de inúmeras maneiras. Você pode simplesmente contemplar a beleza e curtir a praia, ou sair explorando todos os cantos da Cidade Maravilhosa. Mas o melhor é misturar as duas coisas.

Veja nesta página roteiros prontos para seus passeios no Rio de Janeiro. Com dicas de 50 atrações na cidade, não vai faltar ideia sobre o que fazer no Rio de Janeiro:

A Bóia recomenda:

Para organizar seu passeio privado e roteiro personalizado no Rio, veja as opções abaixo, oferecidas pela nossa parceira Easy Travel Shop:

Boulevard Olímpico & Porto

Erguido no lugar de um viaduto que alijava a cidade de sua orla central, o Boulevard Olímpico é a nova grande atração do Rio de Janeiro.

Seus 3,5 km de extensão levam a várias novidades pós-olímpicas (como Museu do Amanhã, o AquaRio, a Roda Gigante Rio Star, M.A.R., painel Etnias, a Pira Olímpica e o passeio de barco da Marinha. E também dá acesso desimpedido a atrações tradicionais que ficavam escondidas pelo traçado emaranhado das ruas do centro (casos de Mosteiro de São Bento, Centro Cultural Banco do Brasil e Ilha Fiscal.

O Boulevard também deixou mais fácil visitar o pitoresco Morro da Conceição e desencavou o Cais do Valongo, local de desembarque de navios negreiros que é um dos mais novos patrimônios da humanidade da Unesco.

E é fácil combinar passeios ao Boulevard com duas atrações próximas, a Confeitaria Colombo e o Museu Histórico Nacional.

Veja 5 roteiros práticos de passeios pelo Boulevard Olímpico.

AquaRio

Boulevard Olímpico: AquaRio

Com 28 tanques – incluindo um tanque gigante, que você atravessa por um túnel de acrílico por baixo de tubarões e arraias -, o AquaRio é o maior aquário marinho da América Latina.

Se você já visitou outros grandes aquários do mundo, como Lisboa ou Monterey, não verá novidades. Mas para neófitos e sobretudo crianças, é um programa mágico.

Ao entrar, você sobe de elevador ao terceiro andar, onde começa o circuito da visita. Reserve ao menos 90 minutos para completar o circuito.

Compre ingressos com antecedência (nas férias, costumam esgotar já na véspera). Visitando nos primeiros horários da manhã, pode ser que você encontre os corredores menos congestionados.

Brasileiros e cidadãos do Mercosul podem comprar o bilhete promocional Mercosul. Cariocas e residentes no Rio (com comprovante), o bilhete promocional Rio.

Veja detalhes da visita no post Por dentro do AquaRio.

Informações práticas

Cais do Valongo

Durante as obras da zona portuária para o Boulevard Olímpico e a linha do VLT foram desencavadas ruínas do Cais do Valongo. Este era o local onde aportavam os navios que traziam escravos da África.

O lugar funciona hoje como um sítio arqueológico, foi alçado a Patrimônio da Humanidade da Unesco em 2018. Fala-se em construir o primeiro museu brasileiro dedicado à memória da escravidão – um tema doloroso mas que precisa ser abordado, até para que se avalie o tamanho da dívida do Brasil com a população afro-descendente.

A visita pode (deve!) ser complementada com uma esticada até o Museu Memorial dos Pretos Novos, a menos de 10 minutos de caminhada.

Informações práticas

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

Boulevard Olímpico: CCBB

Graças à Orla Conde e ao VLT, o Centro Cultural Banco do Brasil ficou bem mais fácil de achar.

O CCBB tem um calendário intenso de exposições, com entrada gratuita.

Só a visita ao prédio já vale a espiadinha: uma construção do início do século passado que inicialmente abrigou a Associação Comercial do Rio de Janeiro. A cúpula é magnífica.

Para continuar no espírito Rio belle-époque, você pode dar uma esticada até mais adiante, no número 16 da rua Primeiro de Março, onde está a loja-conceito dos Sabonetes Granado.

  • Sabonetes Granado (loja-conceito) | R. Primeiro de Março, 16 | 2ª a 6ª 9h-19h, sáb 10h-14h | Site

Informações práticas

Fábrica Bhering

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Fábrica Bhering

Uma fábrica de chocolate desativada ocupada por ateliês de artistas e designers, lojas, cafés, pequenos restaurantes e empresas da economia criativa. Desde 2010, a Fábrica Bhering é um pedacinho de Berlim encravado na Zona Portuária.

Os horários das lojas e ateliês são variáveis. Alguns estão abertos à visitação, outros precisam ser agendados.

O sábado é sempre o dia mais movimentado. Consulte o instagram da Fábrica para informar-se sobre os eventos.

Informações práticas

Ilha Fiscal

Ilha Fiscal

O palacete verde-bandeira que presenciou o último suspiro da monarquia brazuca – o famoso Baile da Ilha Fiscal – é visitado num passeio guiado que leva cerca de duas horas. O acesso é feito de barco (na maioria das vezes) ou van.

Com o mesmo ingresso você pode visitar os outros atrativos do Centro Cultural da Marinha, como o Submarino-Museu Riachuelo e a réplica da Nau dos Descobrimentos. O Navio-Museu Bauru, que completa o complexo, passa por manutenção em outro local.

Informações práticas

M.A.R. (Museu de Arte do Rio)

Boulevard Olímpico: M.A.R.

Primeira obra a ser inaugurada na Praça Mauá (em 2013), o M.A.R. acabou ofuscado pela profusão de novidades do Boulevard Olímpico.

Com tanta coisa para olhar na praça, muita gente nem percebe a graciosa cobertura ondulada que une os dois prédios do museu – um palacete de 1919 e um terminal rodoviário de 1950 – e que rendeu ao M.A.R. prêmios de arquitetura mundo afora.

Os dois prédios tem usos distintos: o palacete recebe as exposições, enquanto o prédio modernista abriga a Escola do Olhar e o terraço.

O museu costuma ter uma exposição por andar – raramente são espetaculosas, mas costumam ser bastante interessantes.

Informações práticas

Morro da Conceição

Morro da Conceição

O Morro da Conceição é um pedacinho pitoresco do Rio encravado em pleno centro financeiro. Suas ruelas de nomes poéticos (rua do Jogo da Bola, Ladeira do João Homem) remetem a Portugal e têm casinhas charmosamente simples, a maioria ainda ocupada por moradores de longa data, mas algumas já transformadas ateliês de artistas. Com acesso pelo alto do morro, o elegante Jardim Suspenso do Valongo foi restaurado recentemente.

Ao pé do morro se localiza o berço da cultura negra carioca: a Pedra do Sal. Nos tempos coloniais, ali aportavam navios negreiros com escravos. Mais tarde, o lugar atraiu imigrantes da Bahia, que disseminaram o candomblé e viram o samba se tornar carioca. Toda 2ª à noite tem roda de samba na Pedra do Sal – à moda antiga, sem microfone, com os instrumentistas em torno de uma mesa junto à pedra, e o público cantando, bebendo e dançando ao redor.

Veja os detalhes no Roteiro Boulevard Olímpico com Morro da Conceição. Leia sobre a roda de samba da Pedra do Sal na página Divirta-se deste guia.

Mosteiro de São Bento

Mosteiro de São Bento

ATENÇÃO: O MOSTEIRO ESTÁ FECHADO PARA VISITAS DEVIDO À PANDEMIA

O Mosteiro de São Bento está a 5 minutos de caminhada da Praça Mauá: é uma visita bem fácil (e imperdível!) para quem está passeando no Boulevard Olímpico.

Não se deixe deter pela fachada simples: o interior oferece o exemplo mais rebuscado de barroco brasileiro, com paredes, colunas e púlpitos revestidos por talha dourada – madeira entalhada e folheada a ouro.

Para a experiência completa, assista a uma das missas com canto gregoriano (a de domingo é ‘solene’).

Atenção: para subir de elevador, procure o número 40 da rua Dom Gerardo.

Informações práticas

Mural Etnias

Boulevard Olímpico

Criado para as Olimpíadas, o mural Etnias, do grafiteiro Eduardo Kobra, faz uma homenagem aos primeiros habitantes de cada um dos continentes. Entrou para o Guiness Book como maior painel de street art do mundo. De manhã o mural fica a favor do sol; à tarde, contra a luz (mas em dias nublados, evidentemente, não há diferença).

Informações práticas

Museu do Amanhã

Boulevard Olímpico: Museu do Amanhã

Ponto focal do novo Centro do Rio, o Museu do Amanhã não tem acervo: tem conteúdo.

Vá com tempo — digamos, pelo menos duas horas. Numa visita rápida só vai dar tempo de se impressionar com os efeitos especiais (que são inúmeros, e muito bons). Mas é melhor ir com tempo para melhor absorver a torrente de informações encontradas a cada sala (perdão: a cada esfera, cubo, pirâmide, casulo…).

Compre o ingresso com hora marcada (mesmo os ingressos gratuitos devem ser solicitados na bilheteria online). Veja mais detalhes em Conheça o Museu do Amanhã por fora e por dentro.

Informações práticas

Museu Histórico Nacional

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Museu Histórico Nacional

ATENÇÃO: VISITAS SUSPENSAS DURANTE A PANDEMIA

Quando um forte foi construído na Ponta do Calabouço, em 1603, o mar chegava até ali. Ao longo da história a edificação foi modificada várias vezes. Primeiro para incorporar uma prisão para escravos, depois para se tornar um arsenal, e por fim, um quartel completo. Em 1922, a Ponta do Calabouço foi aterrada (anos mais tarde, o aterro receberia o aeroporto Santos Dumont). Foi quando o forte-prisão-arsenal-quartel passou a hospedar o Museu Histórico Nacional.

A última das reformas do complexo, entre 2003 e 2010, serviu para dar uma bem-vinda modernizada na exposição do acervo. Totens interativos, iluminação caprichada e efeitos em 3D fazem do Museu Histórico Nacional o único entre os museus tradicionais do Rio que parece estar no século 21.

O circuito de visita começa na ala Oreretama, que descreve o Brasil pré-histórico e reproduz arte rupestre da Serra da Capivara. Em seguida, a exposição Portugueses no Mundo trata das grandes navegações lusas e do império colonial português.

O terceiro módulo, A Construção da Nação, elabora o Brasil pós-independência. Dom Pedro II ganha destaque com seu pendor para as inovações tecnológicas. Painéis gigantescos (‘Combate naval do Riachuelo’, de Victor Meirelles, e ‘O Último Baile da Ilha Fiscal’, de Francisco Melo) transportam a gente para os livros do primário, como no Museu de Belas Artes.

A sala mais bonita, porém, é a dedicada à contribuição africana à formação do Brasil, onde brilha a instalação ‘Altar de Oxalá’, de Emanoel Araújo.

Informações práticas

Museu Memorial dos Pretos Novos

É a visita complementar ao Cais do Valongo.

O Museu Memorial dos Pretos Novos está localizado sobre o sítio arqueológico do Cemitério dos Pretos Novos, onde eram enterrados os escravos que morriam ao chegar ao Rio, antes mesmo de serem vendidos.

O museu se dedica à memória dos enterrados e também sobre a vida dos descentes de escravos no Brasil e à cultura afro-brasileira.

Informações práticas

Paço Imperial

O Boulevard Olímpico/Orla Conde revalorizou uma das áreas mais bonitas do Rio antigo: a Praça XV. De um lado, a imponente Estação das Barcas, de onde saem os catamarãs para Niterói e Paquetá.

E do outro, o histórico Paço Imperial, uma relíquia do Brasil colônia que cumpriu a função de palácio de governo da era das Capitanias à vinda da Corte portuguesa ao Brasil.

Transformado em centro cultural, o Paço sempre tem alguma exposição que vale a pena xeretar.

Numa das laterais da praça (à esquerda de quem olha para a estação das Barcas), no fim do dia, acontece a muvuca das rodas de samba dos barzinhos do Arco do Teles.

Informações práticas

Pira Olímpica

A Pira Olímpica fica em frente à Igreja da Candelária (e ao lado do CCBB).

Mesmo com a chama apagada, continua uma linda escultura cinética – e é, sem dúvida, o mais bonito dos souvenirs olímpicos.

Informações práticas

Roda Gigante Rio Star

Roda gigante Rio Star

Com 88 metros de altura, a Rio Star é a maior roda gigante da América Latina. Nos 20 minutos em que a roda leva para dar a volta completa você aprecia alguns ângulos pouco convencionais do Rio.

Você vai ver Boulevard Olímpico (com o Terminal de Cruzeiros e o Museu do Amanhã), a Ponte Rio-Niterói, o Morro da Previdência (a primeira comunidade carioca, de 1897), o relógio da Central do Brasil, o Centro da cidade e, bem à distância, o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar (este, no vão entre prédios).

A experiência de andar numa roda realmente gigante é o que vale mais a pena no passeio. Encare a vista como um bônus, e não como o motivo principal para subir na Rio Star. Para pegar menos fila, prefira vir de manhã.

Veja todos os detalhes no guia completo de visita à Roda Gigante Rio Star.

Informações práticas

Centro, Aterro & Catete

O Centro do Rio de Janeiro conserva tesouros que, mesmo ofuscados pelas novas atrações da Zona Portuária, não devem ser menosprezados.

Muitas das atrações, como o Theatro Municipal, o Museu Nacional de Belas Artes e a Biblioteca Nacional, levam a uma época em que o Rio queria ser Paris.

A Confeitaria Colombo é um ímã de turistas – aproveite que está na área para visitar duas atrações menos conhecidas, a Igreja da Penitência e o Real Gabinete Português de Leitura.

A Escadaria Selarón não fica longe do ponto de embarque do bonde de Santa Teresa – aproveite.

Fora do Centro, não perca três grandes museus: o MAM no Aterro do Flamengo, o Museu da República no Catete e a Casa Firjan em Botafogo.

Confeitaria Colombo

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Confeitaria Colombo

Espelhos belgas, lustres tchecos, cadeiras de palhinha, mesas com tampo de mármore, o lindo vitral na clarabóia: o Rio belle-époque vive na Confeitaria Colombo. Aberta em 1894, a confeitaria só foi ganhar a roupagem mais chique entre 1912 e 1922.

Apesar de francesa (ou vienense?) na aparência, o forte da Colombo é a doçaria portuguesa, pastéis de nata e ninhos de fios de ovos à frente. Mas não é pelos doces, pelo café ou pelo chá que se vai à Colombo, mas pelo ambiente. É inacreditável que a casa tenha sobrevivido à descaracterização do Centro do Rio – e que, mesmo tão sofisticada, seja um espaço tão democrático. Para conseguir uma mesa, provavelmente você vai ter que entrar na fila formada no centro do salão.

No mezanino funciona o restaurante Cristóvão, que está funcionando apenas aos sábados, com buffet a R$ 75.

O famoso chá da tarde está suspenso devido à pandemia.

Informações práticas

Biblioteca Nacional

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Biblioteca Nacional

O belo prédio neoclássico-eclético que completa o trio de atrações culturais da Cinelândia é a Biblioteca Nacional, que está ali desde 1910. É a mais importante do Brasil e uma das maiores do mundo, com acervo valiosíssimo de cartografia, manuscritos, partituras e obras raras.

De 2ª a 6ª é possível percorrer suas instalações em visitas guiadas. No térreo há um espaço para exposições temporárias.

Informações práticas

Casa Firjan

Breve.

Catedral Metropolitana

Breve.

Escadaria Selarón & Arcos da Lapa

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Escadaria Selarón

Com seu mosaico coloridíssimo, a Escadaria Selarón tornou-se um ponto de peregrinação de visitantes ao Rio. O artista chileno Jorge Selarón criou o mosaico entre 1994 e 2000.

Depois de famosa, a obra foi incrementada com a inclusão de azulejos do mundo inteiro, enviados por estrangeiros que passaram pela escadaria.

Em 2013, deprimido e vítima de ameaças de um ex-colaborador, Selarón acabou se suicidando. Mas deixou seu nome imortalizado num marco carioca.

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Arcos da Lapa
O que fazer no Rio de Janeiro 2

Ao chegar e ao sair, você vai avistar um dos ícones da paisagem urbana do Rio, os Arcos da Lapa. Foram erguidos no século 18, para sustentar o Aqueduto da Carioca, que trazia água do rio Carioca para a cidade.

Desde o fim do século 19, porém, os arcos servem apenas de viaduto para a passagem do Bondinho de Santa Teresa.

Veja os detalhes em Como visitar a Escada Selarón e Arcos da Lapa.

Informações práticas

Feira Rio Antigo (Rua do Lavradio)

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Feira do Lavradio

Todo primeiro sábado do mês a Rua do Lavradio, na Lapa, ganha uma super atração diurna: a Feira Rio Antigo.

Além dos stands e barraquinhas, você pode visitar também os sebos e ateliês da rua (que também funcionam durante a semana).

Informações práticas

Igreja de São Francisco da Penitência

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência

VISITAÇÃO SUSPENSA DEVIDO À PANDEMIA

Nem só do Mosteiro de São Bento é feito o barroco carioca. A pequena Igreja de São Francisco da Penitência, apesar de menos famosa, tem um esplendor equivalente.

Por fora, nada indica que esta igrejinha anexa ao Convento de Santo Antônio, que domina o Largo da Carioca do alto de uma pequena colina, possa ser tão suntuosa.

Concluída em 1733 e restaurada minuciosamente entre 1998 e 2002, esta jóia colonial tem a nave talhada em cedro e inteiramente folheada a ouro. O magnífico trabalho foi feito por Francisco Xavier de Brito, ninguém menos que o mestre que ensinou o ofício a Aleijadinho.

Numa salão contíguo, o Museu Sacro Franciscano expõe imagens e objetos litúrgicos antigos. Tente vir 3ª ou 5ª às 14h, para fazer a visita guiada.

Informações práticas

MAM (Museu de Arte Moderna)

Rio de Janeiro: passeios no Centro - MAM

O Aterro do Flamengo não seria completo sem um museu importante. Trata-se do MAM, um ícone da arquitetura moderna brasileira, construído em 1958, dois anos antes da inauguração de Brasília.

As mostras são todas temporárias. Não existe uma exposição permanente do acervo.

O museu é privado, sem fins lucrativos. A última mudança de administração, no início de 2020, tirou o MAM de um período de letargia, retomando o seu lugar no mapa cultural do Rio.

Todas as visitas precisam ser reservadas online. São gratuitas, com sugestão de contribuição para quem quiser fazer.

Aproveite as visitas guiadas: são gratuitas no domingo e sob medida para grupos pequenos às 5ªs e 6ªs.

Informações práticas

Marina da Glória

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Marina da Glória

Depois de décadas com acesso controlado, a Marina da Glória foi reintegrada ao Parque do Flamengo às vésperas da Olimpíada.

A queda dos muros devolveu a visão total da orla a quem passa pelo Aterro. É o local de onde sai a maioria dos passeios de barco pela Baía da Guanabara.

Há uma ala gastronômica. Entre os restaurantes está a filial da churrascaria Corrientes 348, além do italiano Bota e do asiático fusion Kitchen. Num dia bonito, vale a pena pegar uma mesa ao ar livre para almoçar (ou jantar) com vista para os barcos e a baía.

É também um importante lugar para eventos.

  • Corrientes 348 | Marina da Glória | Tel. (21) 2557-4027 | Site
  • Bota | Marina da Glória | Tel. (21) 98309-8273 | Instagram
  • Kitchen | Marina da Glória | Tel. (21) 98685-5555 | Instagram

De dia, dá para ir de metrô (salte na Glória, use a saída B, Outeiro da Glória). De noite, Uber ou táxi.

Informações práticas

Museu da República

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Museu da República

ATENÇÃO: VISITAS SUSPENSAS DURANTE A PANDEMIA. APENAS OS JARDINS ESTÃO ABERTOS.

O simpático Museu da República ocupa o Palácio do Catete, que foi o ‘Alvorada’ de sua época, entre 1897 e a inauguração de Brasília. A construção, no entanto, é de 1858 — originalmente, foi a residência do Barão de Nova Friburgo.

O prédio mantém a decoração suntuosa da época do palácio presidencial — pena que a iluminação não valorize os ambientes como deveria. Para aproveitar a visita, vá com tempo (pelo menos uma hora) e peça o audioguia na entrada. Os detalhes da narração são saborosos.

No primeiro andar, o destaque é o Salão Ministerial, com a mesa arrumada para uma reunião de ministros (veja as placas de cada ministro marcando seus lugares).

O segundo andar é o espaço social, com os salões cerimoniais e de festa (e a capela). O gabinete de despacho do presidente também fica ali.

Finalmente, o terceiro andar é o maior objeto da curiosidade dos visitantes: ali está, preservado como no dia de sua morte, o quarto onde Getúlio Vargas se suicidou. (O revólver está exposto numa vitrine.) O contraste entre o aposento monástico do presidente e a opulência do palácio acaba aumentando o ibope de Getúlio entre os visitantes.

Os jardins são muito bonitos (palmeiras imperiais pairando acima de tudo) e também merecem ser visitados. Fique de olho nos eventos de música que de vez em quando acontecem por ali.

Informações práticas

Museu Nacional de Belas Artes

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Museu de Belas Artes

ATENÇÃO: VISITAS SUSPENSAS DURANTE A PANDEMIA

O prédio de1908, construído para abrigar a Escola Nacional de Belas Artes, forma um belo conjunto com o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional.

O Museu Nacional de Belas Artes detém o mais importante acervo de arte brasileira do país. Você vai gostar de ver ao vivo obras que só conhecia dos livros da escola, como os gigantescos painéis ‘Batalha dos Guararapes’, de Victor Meirelles, ‘Batalha do Avaí’, de Pedro Américo, e ‘Elevação da Cruz em Porto Seguro’, de Pedro Peres, na galeria dedicada à pintura brasileira do século 19.

Portinari, Tarsila, Guignard e artistas artistas recentemente consagrados, como Beatriz Milhazes, fazem parte da galeria de arte brasileira moderna e contemporânea.

Apesar das contínuas reformas, as instalações do museu não estão à altura do prédio, sobretudo na galeria de arte brasileira do século 19. Mas a visita vale muito a pena, mesmo assim.

Informações práticas

Passeios de barco

O Rio visto do mar é lindo também. Há muitos itinerários de barco pela Baía de Guanabara — e também passeios às ilhas Cagarras e Tijucas, em frente às praias oceânicas cariocas.

Saindo do Boulevard Olímpico

O passeio mais em conta pela Baía de Guanabara é organizado pela Marinha. A inteira custa apenas R$ 36.

Originalmente é feito no histórico Rebocador Laurindo Pitta – mas em caso de manutenção é usada outra embarcação.

O itinerário leva até Niterói, passando ao largo dos fortes, voltando pelo Pão de Açúcar, Aterro do Flamengo, Aeroporto Santos Dumont e Ilha Fiscal.

Infelizmente o passeio não tem saídas diárias: sai apenas nos fins de semana e, nas férias, entre 5ª e domingo.

Informações práticas

Saindo da Marina da Glória

Da Marina da Glória saem passeios regulares e fretados.

Os itinerários duram de 2 a 3 horas e costumam fazer o giro da Baía de Guanabara até Niterói. Alguns roteiros porém, tomam a direção das ilhas Cagarras, em frente a Ipanema.

Os passeios compartilhados começam em R$ 60. Os passeios privativos oferecem maleabilidade de roteiro e possiblidade de paradas para mergulhar.

Informações práticas

Real Gabinete Português de Leitura

Real Gabinete Português de Leitura

É, sem dúvida, a atração mais curiosa do Centro do Rio. Escondido num miolinho conturbado, o Real Gabinete Portuguez de Leitura está fora do circuito central da Cinelândia à Praça Mauá.

Se bem que agora ficou mais perto: já dá para chegar de VLT (é um programa ótimo de combinar com a Confeitaria Colombo ou a Igreja de São Francisco dos Penitentes).

O palacete, erguido em 1837, segue o estilo neomanuelino e evoca o Mosteiro dos Jerónimos.

Sua fachada pode até passar despercebida, confundida, sei lá, com uma igreja. Mas é impossível não ficar boquiaberto ao alcançar o interior da biblioteca – que não ficaria fora de lugar num filme de Harry Potter.

As estantes de madeira entalhada guardam 350.000 livros disponíveis para consulta. Os exemplares mais raros estão expostos em vitrines.

Visitantes só podem circular pelo térreo. Lembre-se de manter silêncio. É permitido fotografar, sem flash.

Informações práticas

Santa Teresa

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Santa Teresa

Visitar ‘Santa’, como os cariocas chamam o bairro, é como fazer uma escapada dentro da própria cidade. Os artesãos, as ruas de paralelepípedo, o bonde, gente conversando na porta dos bares e muitas casas antigas dão a Santa Teresa um ar nostálgico, um outro ritmo.

O Bonde de Santa Teresa

Com uma frequência esparsa (uma saída a cada meia hora), o Bonde não é mais o transporte cotidiano dos moradores de Santa Teresa. Tornou-se um meio de locomoção essencialmente turístico.

Ainda assim, o bonde ainda é o meio mais charmoso de chegar a Santa Teresa.

Além de permitir reviver um pouquinho da história do Rio, quando esse tipo de bonde era o transporte que levava a todas as partes da cidade.

Só preste atenção nos horários. Quando não estiver funcionando, use o Uber.

Informações práticas

Parque das Ruínas

Rio de Janeiro: passeios em Santa Teresa - Parque das Ruínas

Um bom lugar para começar uma visita ao bairro é no Parque das Ruínas – um palacete transformado em centro cultural, de onde se tem uma vista deslumbrante da cidade.

De lá, uma caminhada tranquila leva ao Largo dos Guimarães, onde fica a maior concentração de lojinhas de artesanato, bares, restaurantes e gente na calçada.

Informações práticas

Comer e beber

Difícil é escolher: há muitos lugares tentadores.

Para pastel e feijoada, vá ao Bar do Mineiro. Se a fome for de comida nodestina, escolha o Café do Alto. Refeição saudável? Sobrenatural. Tomar uma gelada e petiscar num botequim centenário: Bar do Gomez/Armazém São Thiago.

Mas onde quer que se almoce ou se petisque, o importante é deixar a sobremesa com a Alda Maria, doceira de mão cheia, com uma linda casa que leva o seu nome. Na pandemia a casa atende apenas a encomendas, faça a sua e retire na porta. (R. Almirante Alexandrino, 1116, tel. 21 2232-1320 – Instagram).

  • Bar do Mineiro | R. Paschoal Carlos Magno, 99 | Tel. (21) 2221-9227 | Instagram
  • Café do Alto | R. Paschoal Carlos Magno, 143 | Tel. (21) 2507-3172 | Instagram
  • Sobrenatural | R. Almirante Alexandrino, 432 | Tel. (21) 2221-9465 | Instagram
  • Bar do Gomez (Armazém São Thiago) | R. Áurea, 26 | Tel. (21) 2232-0822 | Instagram
  • Alda Maria Doces | R. Almirante Alexandrino, 1116 | Tel. (21) 2232-1320 | Instagram

Bonzolândia

Antes de ir embora, passe pelo ateliê Chamego Bonzolândia.

Ali o artista plástico Getúlio Damado monta bonecos feitos de sucata e exibe suas obras numa réplica do bondinho de Santa Teresa.

Informações práticas

Theatro Municipal

Rio de Janeiro: passeios no Centro - Theatro Municipal

Inspirado na Ópera de Paris, o Theatro Municipal foi inaugurado em 1909, depois de quatro anos de obra. O teatro já passou por várias reformas (uma delas ampliou o número de lugares), mas permanece fiel ao estilo original.

A visita guiada foi retomada em junho de 2021, por enquanto apenas às quintas e sextas.

Na visita guiada você fica por dentro de todas as fofocas ligadas à construção (a começar pelo favorecimento do filho do prefeito Pereira Passos no processo de escolha do projeto).

Você passa pelo Café do Theatro (antigo restaurante Assyrio, em estilo babilônio), senta na platéia, visita o foyer e bisbilhota um camarote.

O tour destaca as principais obras de arte, com destaque para o magnífico painel ‘A Música’, de Eliseu Visconti. O percurso leva uma hora.

É preciso agendar a visita online.

Informações práticas

Floresta da Tijuca & Zona Norte

O Parque Nacional da Floresta da Tijuca divide o Rio entre Zona Sul e Zona Norte.

No alto da montanha ou nas franjas da floresta encontram-se grandes atrações da cidade, duas delas de primeiríssima grandeza: o Cristo Redentor e o Jardim Botânico.

O carismático Parque Lage, o civilizado Instituto Moreira Salles e a deslumbrante Vista Chinesa completam o menu de lugares imperdíveis da área.

Do outro lado da montanha, a Zona Norte só costumava entrar no mapa dos turistas que visitavam o Maracanã.

Mas agora a região é o endereço da mais nova super atração da cidade: o BioParque do Rio.

Você pode incluir outras paradas no passeio, como um rolê pela Quinta da Boa Vista e uma boquinha na Feira de São Cristóvão ou no Cadeg.

BioParque do Rio

Depois de dois anos fechado, o RioZoo reabriu inteiramente repaginado: agora é o BioParque do Rio.

O BioParque é um zoológico de última geração, inspirado no San Diego Zoo da Califórnia. O novo concessonário, o grupo Cataratas, é o mesmo do AquaRio e das vans do Cristo Redentor.

O novo conceito é de enclausuramento reverso. Os visitantes é que ficam contidos em áreas seguras, enquanto os bichos ficam o mais soltos possível. As grades foram substituídas por vidros ou telas.

Ha uma área de bichos de fazenda, a Fazendinha, cobrada à parte.

O número permitido de visitantes ainda é limitado e as vendas de ingressos acontecem apenas pela internet. Compre com antecedência.

Informações práticas

Cadeg

A Cadeg (na verdade, “o” Cadeg: Centro de Abastecimento do Estado da Guanabara) é um mercado que abastece bons restaurantes, empórios e floriculturas do Rio. Usando os melhores ingredientes da cidade, os restaurantes do mercado foram descobertos há alguns anos por um público em busca de comida boa a preço justo. Ir até Benfica para traçar um belo bacalhau virou programa de gourmets de todos os quadrantes da cidade.

O bacalhau mais famoso é o do Barsa, mas quase todos os restaurantes servem o prato em porções generosas. Outro campeão de preferência é o Costelão do Cadeg, que prepara a costela na brasa, mas também na forma risoto ou mesmo prosaicos bolinhos.

Se bem que o bolinho mais procurado do Cadeg é mesmo de bacalhau, servido pelo Cantinho das Concertinas, que aos sábados faz uma pequena festa portuguesa ao som de acordeons (as concertinas do nome).

Os restaurantes costumam abrir diariamente para almoço. Sábados e domingos são os dias mais concorridos – mas vá prevenido que no sábado à tarde e no domingo as lojas e empórios estarão fechados.

  • Barsa | Tel. (21) 97103-5969 | Instagram
  • Costelão do Cadeg | Tel. (21) 2589-0022 | Facebook
  • Cantinho das Concertinas | Tel. (21) 99280-2854 | Instagram

Informações práticas

Cristo Redentor

O que fazer no Rio de Janeiro: Cristo Redentor

O Cristo Redentor é a atração mais procurada do Rio de Janeiro. Ver a estátua de perto parece ser o objetivo principal da maioria dos visitantes. O que deveria motivar a peregrinação até lá em cima, porém, é a vista. Não existe paisagem urbana mais bonita no planeta do que a Baía de Guanabara e o Pão de Açúcar vistos da varanda do Cristo Redentor.

Suba num dia claro. Num dia de céu carregado, nuvens mais baixas do que a estátua podem eliminar a vista.

Para não enfrentar fila, compre ingresso com hora marcada (pode ser no próprio dia). O transporte de trem ou de van oficial está incluído no ingresso. A maneira mais lúdica é ir de trenzinho. O melhor custo x benefício está nas vans oficiais que saem de Copacabana ou do Largo do Machado. Quem sobe de táxi vai precisar comprar o último trecho de van oficial, do Centro de Visitantes à estátua.

Veja mais detalhes no guia completo da visita ao Cristo Redentor.

Informações práticas

Feira de São Cristóvão

O Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, mais conhecido como Feira de São Cristóvão, foi construído no local onde retirantes do Norte-Nordeste desembarcavam no Rio de Janeiro, atrás de novas oportunidades de trabalho e de vida.

O pavilhão é uma celebração de tudo o que é nordestino: a literatura de cordel, o repente, a culinária típica, o forró e o povo. De noite, a farra é grande; se você preferir conhecer com calma o labirinto de lojinhas, é melhor ir à feira entre o fim da manhã e o início da tarde, num fim de semana.

Considere almoçar lá: na feira existem ótimos restaurantes, como a Barraca da Chiquita, onde a comida é farta e o preço é camaradinha.

  • Barraca da Chiquita | Feira de São Cristóvão | Tel. (21) 3860-2047 | Facebook

Informações práticas

Instituto Moreira Salles

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Instituto Moreira Salles

A propriedade onde morou a família do embaixador Walther Moreira Salles, fundador do Unibanco, foi transformada na sede carioca do Instituto Moreira Salles em 1999.

A visita já valeria pela arquitetura e pelo paisagismo. A casa, inaugurada em 1951, é um exemplar da melhor arquitetura moderna brasileira. O desenho é de Olavo Redig de Oliveira. Os jardins – e o lindíssimo painel de azulejos – de Burle Marx. (O entorno leva a assinatura da Mata Atlântica, mesmo.)

Se não bastasse a beleza do lugar, as exposições – normalmente, gratuitas – têm a qualidade de curadoria que é característica do IMS.

E de lambuja, fica ali o cinema mais elegante do Rio de Janeiro. Quando termina a sessão, as cortinas se abrem automaticamente e a parede envidraçada revela o bambuzal lá fora.

Vejam mais detalhes em Instituto Moreira Salles, um dos melhores segredos do Rio.

Informações práticas

Jardim Botânico

O que fazer no Rio de Janeiro: Jardim Botânico

A vinda da família real portuguesa em 1808 não transformou somente a arquitetura da cidade do Rio de Janeiro. A criação do Jardim Botânico também remonta àquela época. Inicialmente, era um ‘jardim de aclimatação’ para adaptar espécies exóticas (e especiarias) às condições brasileiras.

Tornou-se o mais belo parque urbano do Brasil, famoso por seu corredor de palmeiras-imperiais (originárias das Antilhas, mas vindas da Ilha Maurício). A vegetação diversa e exuberante, as fontes e o orquidário também são motivos para visitar.

Para pegar temperaturas mais amenas, vá no começo da manhã ou no fim da tarde. Evite apenas os dias chuvosos ou de muito calor. Num dia de sol tudo fica mais bonito (mas as fotos ficam mais complicadas, por causa do contraste de sol e sombra).

Veja mais detalhes em Jardim Botânico do Rio: um dos melhores progtramas da cidade.

Informações práticas

Maracanã

O que fazer no Rio de Janeiro: Maracanã

Do ‘maior do mundo’, infelizmente, só restou a casca. Inteiramente reconstruído para Copa e Olimpíada, o Maracanã perdeu boa parte do seu carisma. Mas a oportunidade de emergir pela boca do túnel e ver o estádio ao rés do gramado não é de se jogar fora.

Por causa da pandemia, os tours agora são apenas guiados. Não é possível fazer a visita livre.

As duas primeiras salas funcionam como um pequeno museu, mas o acervo é bem fraquinho. Tem uma estação dedicada a Zico (maior artilheiro do Maracanã), outra à Seleção Brasileira e suas conquistas, outra ao milésimo gol de Pelé (incluindo a bola do gol). Há também uma espécie de calçada da fama com os moldes dos pés de craques de times e épocas diversas. Além disso, existem algumas estações interativas/moderninhas que propõem games (e podem ter ingresso cobrado à parte).

Depois do museu você passa pelo vestiário (onde estão expostas as camisetas dos 20 times da Série A) e finalmente entra em campo. Ou quase: não dá para pisar no gramado, mas você anda pela lateral e pode sentar no banco de reservas.

Comprando ingresso com antecedência você evita perder algum tour guiado que esteja lotado por grupos de excursão. Mas normalmente dá para comprar na hora sem problema.

Você pode também tentar assistir a um jogo oficial. Dos times da cidade, apenas Flamengo e o Fluminense mandam seus jogos no Maracanã (o Vasco manda jogos em São Januário, e o Botafogo, no Nílton Santos). Alguns jogos do Flamengo, no entanto, acabam com ingressos esgotados pelos sócios-torcedores, que têm prefência para compra.

Informações práticas

Parque Lage

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Parque Lage

Assim como o quase-vizinho Jardim Botânico, o Parque Lage ocupa uma encosta da Floresta da Tijuca.

O nome homenageia Henrique Lage, que ao comprar a propriedade mandou construir o palacete que se tornou sua marca registrada.

Passeie por seu jardim tropical, repare nas fontes e esculturas, mas sobretudo deixe o nome na fila de espera para uma mesa no Plage Café, no entorno da piscina mais instagramada da cidade.

  • Plage Café | Parque Lage | Tel. (21) 2535-7336 | Instagram

Informações práticas

Quinta da Boa Vista

Rio de Janeiro: passeios na Zona Norte - Quinta da Boa Vista

Você salta do metrô na estação São Cristóvão, passa pela conturbada estação de trens da SuperVia, atravessa rua na faixa de segurança e… ao cruzar o portão da Quinta da Boa Vista você entra em território sangue-azul.

Aqui residiram a família real portuguesa e a família imperial brasileira, de Dom João VI a Dom Pedro II. Naquele tempo, era possível ver a Baía de Guanabara ao longe, do alto da colina onde está instalado o palácio – daí a ‘boa vista’.

Hoje em dia a Quinta da Boa Vista funciona como parque municipal, sem cobrança de ingresso. É concorridíssima no fim de semana, quando acorrem famílias que alugam tricicletas e fazem piqueniques, crianças andam de trenzinho sobre rodas e casais de namorados fazem selfies românticas no coreto ou na gruta artificial.

Seu maior tesouro, o Museu Nacional, foi arrasado pelo incêndio de setembro de 2018.

Mas em 2021 a Quinta ganhou uma nova mega-atração: o BioParque, o RioZoo repaginado.

Informações práticas

Vista Chinesa

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Vista chinesa

Se dá para colocar algum defeito na vista que se tem do Pão de Açúcar, é que de lá de cima não se vê o Pão de Açúcar.

Pois a Vista Chinesa é um mirante na Floresta da Tijuca que tem vista panorâmica para com vista panorâmica para muitos dos ícones mais conhecidos do Rio: o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, a Lagoa Rodrigo de Freitas, as praias do Leblon, Ipanema e Arpoador, o Morro Dois Irmãos.

O nome se deve ao pagode construído no início do século XX.

Para tirar uma foto mais bonita do que a minha, vá à tarde. De manhã, quando eu fui, a paisagem estará no contraluz. E, evidentemente, escolha um dia claro.

O estacionamento é escasso. É melhor vir de táxi e pedir para o motorista esperar.

Informações práticas

Zona Sul & Zona Oeste

A maior atração perto do seu hotel é provavelmente uma praia. Mas existem outros passeios que dá para fazer sem se afastar muito da orla.

O Pão de Açúcar é a mais importante. Não se contente em contemplar o Pão de Açúcar ao longe: suba num dia bonito para ter direito às vistas mais lindas da cidade.

Em Copacabana, faça o circuito dos dois fortes: o Forte do Leme e o Forte de Copacabana. No fim da tarde, compareça à Pedra do Aerpoador para aplaudir o pôr do sol.

A Lagoa Rodrigo de Freitas é a “outra orla” da Zona Sul: descubra suas atrações.

E comece agora a arranjar coragem para um voo duplo sobre São Conrado.

Na Barra da Tijuca, a placidez da Ilha da Gigoia ficou mais próxima depois da chegada do metrô à sua porta. A região oferece outro passeio de barco, com tons ainda mais ecológicos, na Lagoa Marapendi.

No miolo do bairro, a Cidade das Artes é um monumento que recebe espetáculos.

Já na zona rural da Zona Oeste, a Fazendinha é um bom passeio para as crianças, e o Sítio Roberto Burle Marx acaba de se tornar Patrimônio da Humanidade da Unesco.

Cidade das Artes

Guia da Barra da Tijuca: Cidade das Artes

Primeiro centro cultural da Barra da Tijuca, desenhado pelo arquiteto franco-marroquino Christian de Portzamparc e inaugurado em 2013 (depois de 10 anos de obras), a Cidade das Artes ainda não se livrou da pecha de elefante branco.

Mas é um lindo prédio, que vale ser apreciado de perto. Se houver algo na programação – que pode envolver exposições, teatro, cinema, palestras ou atividades educativas – tanto melhor.

Informações práticas

Favela Tour

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Favela tour

Não recomendável neste momento

Incompreendido pela maioria dos brasileiros, o tour de favelas no Rio é um dos passeios mais procurados pelos gringos. Neste momento de conflitos nas favelas, não é um passeio seguro nem recomendável. Mas em tempos de paz, na minha opinião, vale muito a pena. Inclusive para nós, brazucas.

Ao contrário do que todo mundo imagina, o passeio não explora a pobreza. Pelo contrário: você sai da favela com uma opinião muito melhor de quem mora lá e das condições de moradia. Até porque o passeio é feito na Rocinha, que é a favela com mais cara de bairro (eu sempre digo, meio de brincadeira, meio sério: se caiarem as fachadas, vira Positano). A organização urbana é fascinante, a vista é linda, e o interior das casas tem tudo o que você espera encontrar numa casa de classe média.

Quando a atual onda de violência nos morros arrefecer, recomendo o passeio do operador pioneiro, o Favela Tour do Marcelo Armstrong.

O passeio é feito em van (não em jipes com camuflagem de guerra, pelamordedeus). Seus guias são excelentes e o programa inclui a visita a duas escolas na Rocinha que recebem doações do Favela Tour. O fim do tour acontece num projeto social da favela urbanizada de Vila Canoas, um pouco adiante da Rocinha, onde tem um momento boteco e também uma visita a um projeto social.

Fazendinha Nova Estação

Procurando um programa com criança fora dos shoppings?

O passeio mais bacana com os baixinhos é a esta fazenda que tem bichos (de galinha a cavalo, passando por cabra, tucano, pavão…), horta e muitas atividades monitoradas.

A Fazendinha Nova Estação fica na zona rural de Vargem Grande e abre no fim de semana. Não se esqueça do repelente.

Informações práticas

Forte de Copacabana

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Forte de Copacabana

No canto direito da orla de Copacabana, o Forte de Copacabana é o melhor mirante para apreciar a bela curva da praia. A vista vai do Pão de Açúcar à colônia de pescadores (e point de praticantes de SUP) do Posto 6. Difícil é tudo caber no quadro da sua câmera.

A vista é o maior chamariz para visitar. Mas indo com tempo, você deve aproveitar para fazer o tour completo e entender a função do Forte no sistema de proteção da Baía de Guanabara nos tempos coloniais.

Logo na entrada do forte, à direita, uma sala exibe um vídeo que explica a história do bairro de Copacabana e do forte. Em seguida, se quiser, você pode entrar no Museu do Exército, onde é apresentada a versão da instituição sobre sua participação na história do Brasil. As salas Colônia/Império e República versam sobre o Brasil até 1945.

A terceira parte da visita é na ponta da fortificação, onde estão os canhões (e a vista mais completa). É possível também visitar a casamata.

Dois restaurantes funcionam na mureta. O mais concorrido é a filial da Confeitaria Colombo, sempre com filas. Mais adiante, o Café 18 do Forte tem menos espera por uma mesa e um bom menu de pratos rápidos e cervejas artesanais.

De manhã a vista é um pouco mais bonita, porque o sol incide sobre Copacabana. O passeio matinal pode ser iniciado no Forte do Leme. A caminhada pelo calçadão de Copacabana deve levar 1 hora.

Indo à tarde você pode combinar um café na mureta do forte com uma caminhada até a Pedra do Arpoador para o pôr do sol.

  • Confeitaria Colombo | Forte de Copacabana, Av. Atlântica à altura da R. Francisco Otaviano | Tel. (21) 99603-2171 | Instagram
  • Café 18 do Forte | Forte de Copacabana, Av. Atlântica à altura da R. Francisco Otaviano | Tel. (21) 2523-0171 | Instagram

Informações práticas

Forte do Leme

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Forte do Leme

O nome oficial é Forte Duque de Caxias. Junto com o Forte de Copacabana e a Fortaleza de Santa Cruz, em Niterói, o Forte do Leme formava o sistema de proteção da Baía de Guanabara nos tempos coloniais.

A vista mais original do Pão de Açúcar e da praia de Copacabana (com as montanhas ao fundo) está escondida aqui.

Mas pouca gente sabe que disso: das grandes atrações da Zona Sul, esta é a menos visitada. A razão está no (pequeno) esforço físico exigido do visitante. A subida ao cocoruto do Morro do Leme leva entre 20 e 30 minutos, dependendo do seu fôlego. Pelo menos metade do trajeto é sombreada.

A entrada ao forte é pelo estacionamento – você compra ingresso na guarita. Lá em cima, passeie pela área dos canhões e aproveite que o bar vende água de coco gelada. Vá de manhã, logo que o forte abre, para pegar menos calor e ver o sol incidindo sobre a Praia de Copacabana. O único inconveniente é que o forte abre já com o sol mais ou menos alto, às 9h30.

Uma hora de caminhada pelo calçadão separam o Forte do Leme do Forte de Copacabana, na ponta oposta da praia.

Informações práticas

Ilha da Gigoia

Guia da Barra da Tijuca: Ilha da Gigóia

A Lagoa da Tijuca, logo à direita de quem chega na Barra, guarda o pedaço mais exótico do bairro: um arquipélago de ilhotas ocupadas por casas e sobrados (e alguns clubes). Cada ilha tem seu nome, mas costuma-se referir a todo o o conjunto como ‘Ilha da Gigoia‘.

Aqui você tem a sensação de estar a léguas da cidade grande. O transporte pelos canais é feito em pitorescas chalanas.

O metrô (Jardim Oceânico, saída A – Lagoa) deixa você a passos dois dois píers de acesso: há um píer para barcos de trânsito local, e outro píer para passeios turísticos.

O píer ‘dos moradores’ fica ao final de uma servidão ao lado do pequeno shopping Barra Point. Os barcos que param nesse píer fazem dois percursos:

  • A travessia simples até margem em frente (R$ 2, preço para não-moradores), para quem quer continuar a pé por dentro da ilha.
  • O serviço de barco-lotação, que leva a qualquer endereço no arquipélago por R$ 5 (preço para não-moradores)

Você pode pegar o barco-lotação para ir a um dos restaurantes do pedaço. O Cícero tem um deck à beira d’água e prepara bons petiscos e frutos do mar. O Cais Bar tem mesas junto ao canal e também um gostoso jardim interno. O Venne tem cardápio mezzo brazuca, mezzo mediterrâneo.

O píer ‘turístico’ fica exatamente atrás da estação Jardim Oceânico (saída A, Lagoa). O passeio-padrão, de 1 hora de duração, faz um circuito pelos canais habitados mas também chega a partes da Lagoa da Tijuca onde a natureza ainda prevalece. Custa R$ 25 por pessoa e depende de uma lotação mínima (no fim de semana dá para embarcar mais fácil).

  • Cícero | Ilha da Gigoia | Tel. (21) 96675-9838 | Instagram
  • Cais Bar | Ilha da Gigoia | Tel. (21) 98284-6779 | Instagram
  • Venne | Ilha da Gigoia | Tel. (21) 99988-9916 | Instagram

Informações práticas

Lagoa Marapendi

Guia da Barra da Tijuca: Lagoa de Marapendi

Todos os dias, pequenas balsas cruzam a Lagoa Marapendi levando à praia da Barra da Tijuca moradores de condomínios situados na margem oposta do espelho d’água.

Mas todo domingo, a empresa que opera essas travessias, a Ecobalsas, realiza também um passeio ecológico pela lagoa, a Expedição Barra.

O tour, de 1 hora, tem acompanhamento de biólogos e passa em revista o ecossistema da Lagoa Marapendi. Com sorte, você vai avistar capivaras e jacarés.

Não se esqueça do repelente.

Informações práticas

Lagoa Rodrigo de Freitas

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Parque do Cantagalo

Se você andar de táxi no Rio, não escapa de passar pela Lagoa Rodrigo de Freitas – conhecida universalmente como ‘Lagoa’.

O grande espelho d’água da Zona Sul é o acesso mais direto ao Túnel Rebouças (e à Zona Norte) e também ao Túnel Zuzu Angel (e à Barra da Tijuca).

Apesar dos constantes engarrafamentos, a Lagoa costuma servir de atalho entre os bairros do entorno (Copacabana, Ipanema, Leblon, Gávea, Jardim Botânico), e também entre Botafogo e outros bairros da Zona Sul. A paisagem é linda, não importa por que lado você passe.

Mas não se limite a passar: aproveite a Lagoa. Seu perímetro de 8 km funciona como um parque.

Cariocas fazem jogging no início da manhã e no fim da tarde. Dar a volta de bicicleta é fácil: há uma pista exclusiva para ciclistas e 10 pontos do sistema TemBici de bicicletas compartilhadas. De manhã cedo você também vai poder observar remadores treinando n’água. Três pontos merecem uma atenção especial:

  • O Parque do Cantagalo, para os lados de Copacabana e Ipanema, é onde se encontram os pedalinhos e os quiosques da Lagoa. É a área mais bacana para fazer um piquenique.
  • O Parque dos Patins, nos fundos do Jockey (Gávea/Jardim Botânico), é um ponto para levar as crianças ao ótimo parquinho, cheio de brinquedos legais. O passeio de helicóptero passeio de helicóptero também sai de um heliponto ao lado.
  • O Parque da Catacumba fica na encosta do morro um pouco adiante dos pedalinhos do Parque do Cantagalo. Ocupa uma área reflorestada onde na década de 50 havia uma favela. O parque serve para encorpar uma saída com crianças. Antes ou depois do pedalinho, dá para brincar na tirolesa, na passarela de arvorismo ou no muro de escalada do parquinho privado Lagoa Aventura.

Informações práticas

Mureta da Urca

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Mureta da Urca

A Mureta da Urca, em frente ao Bar Urca, é o complemento perfeito para um passeio vespertino ao Pão de Açúcar.

O que faz sucesso aqui é o cenário – uma mureta à sombra de árvores frondosas, com vista para o Aterro. Mas as empadas, pastéis e caldinhos do Bar Urca não fazem feio (e a cerveja é de garrafa).

Quando o point se tornou conhecido por não-cariocas (e os preços subiram), surgiu uma mureta concorrente, 1 km adiante, à altura do Urca Grill. Com preços mais em conta, ganhou apelido de ‘Pobreta’. A vista da Pobreta é para a Marina da Urca e Cristo.

  • Bar Urca | R. Cândido Gofre, 205 | Tel (21) 96432-4382 | Instagram
  • Urca Grill | R. Marechal Cantuária, 18 | Tel. (21) 98021-9133 | Instagram

Pão de Açúcar

Pão de Açúcar reaberto

Não basta subir ao Cristo. O Pão de Açúcar é a sua vista complementar. Além de apreciar a Baía de Guanabara pelo ângulo oposto (e com o próprio Cristo ao fundo), você ainda tem praticamente uma vista aérea sobre Copacabana. Sem falar de todas as montanhas. A subida pelo bondinho já vale a viagem.

Monitore a previsão do tempo para subir num dia claro. Vale a pena comprar ingresso antecipado para não pegar fila na bilheteria. Dá para comprar no próprio dia. Comprando o Bilhete Acesso Rápido, você tem entrada preferencial (em todas as estações).

Veja todos os detalhes no Guia completo para visitar o Pão de Açúcar.

Informações práticas

Passeio de helicóptero

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Sobrevôo de helicóptero

Tanto o Pão de Açúcar quanto o Cristo Redentor já oferecem vistas ‘aéreas’ do Rio. No entanto, sobrevoar o Rio de helicóptero é uma experiência insuperável.

A empresa Helisight (que atua também em Foz do Iguaçu) tem dois pontos de embarque: na Lagoa e no próprio Pão de Açúcar.

Só faça o passeio se o dia estiver esplêndido. O melhor esquema é aproveitar a visita ao Pão de Açúcar. Ao chegar à primeira escala, o Morro da Urca, você deixa o seu nome na lista. Daí sobe para a segunda etapa (o Pão de Açúcar propriamente dito) e, na quando descer de volta, já deve estar na hora de embarcar.

Há vários roteiros à sua escolha.

O roteiro Cariocando, de 7 minutos, sai do Pão de Açúcar ou da Lagoa. Leva a Copacabana e Arpoador (com vistas de Ipanema e da Lagoa).

O roteiro Cristo Redentor, de 8 minutos, sai apenas da Lagoa. Sobrevoa o Jardim Botânico e dá a volta na estátua do Cristo.

O roteiro Cidade Maravilhosa, de 13 minutos, sai do Pão de Açúcar ou da Lagoa. Junta os dois roteiros anteriores: a orla de Copacabana ao Leblon, a Lagoa, o Jardim Botânico e a volta na estátua do Cristo.

Não é possível fazer reservas antecipadas.

Informações práticas

Pedra do Telégrafo

Sucesso no Instagram, a Pedra do Telégrafo é um mirante em Barra de Guaratiba que, além de vistas deslumbrantes para as praias selvagens de Guaratiba e para a Restinga da Marambaia, ainda garante um efeito especial para a sua foto.

A pontinha da pedra permite criar uma ilusão de ótica na foto, como se você estivesse se arriscando a cair no precipício. Não há perigo: o lugar é protegido por um platô.

Atualmente, o lugar oferece uma ilusão de ótica extra: além de parecer que pode despencar montanha abaixo, você ainda passa a idéia de que está num lugar selvagem e remoto.

Na vida real, porém, haverá uma fila de gente esperando sua vez de tirar a foto, tamanha é a popularidade do lugar.

(Ah, sim: o nome da pedra também é uma ilusão. Pedra do Telégrafo é o nome do morro. Aquela pedra específica onde todo mundo se pendura é a Pedra da Bigorna.)

A trilha começa depois de uma ladeira urbana, que você pode subir de mototáxi (R$ 10). A partir do início da trilha, são pouco menos de 30 minutos de caminhada.

Barra de Guaratiba também tem outra trilha, que sai da praia da vila e leva às praias selvagens do Perigoso, dos Búzios, do Meio, Funda e do Inferno.

Informações práticas

Pôr do sol no Arpoador

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - pôr do sol no Arpoador

Copacabana é voltada para o leste: o sol nasce no mar. Já Arpoador, Ipanema e Leblon são voltados para o sul. Isso permite que o sol se ponha à direita da praia, atrás da montanha Dois Irmãos. No alto verão, o sol morre ao lado da montanha, praticamente no mar.

O pôr do sol no Arpoador, emoldurado pelos Dois Irmãos é visível ao longo de toda a enseada.

Mas o grande camarote é a Pedra do Arpoador, no canto esquerdo. Basta ir até o fim do calçadão, continuar pela pedra e encontrar (ou disputar) um ponto estratégico.

Você estará de frente para o espetáculo. No fim, pode acompanhar o aplauso (se ninguém estiver vendo, não é cringe).

Informações práticas

Sítio Roberto Burle Marx

Guia da Barra da Tijuca: Sítio Burle Marx

O Sítio Roberto Burle Marx acaba de ser designado pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. Vale a pena rodar 40 km da Zona Sul para visitar esta maravilha.

Maior paisagista brasileiro de todos os tempos, Roberto Burle Marx doou o sítio onde morava (e trabalhava) à União, para que fosse preservado do jeito que ele criou. Quem administra a propriedade é o IPHAN, que conduz excelentes visitas guiadas duas vezes por dia, de 3ª a sábado (é preciso reservar com antecedência).

Você bisbilhota os viveiros onde Burle Marx adaptava plantas brasileiras e exóticas, percorre os jardins do sítio (com direito a causos sobre árvores e plantas) e visita as duas casas do paisagista: a mais antiga, que ele mantinha como um museu de arte sacra brasileira e latino-americana, e a nova, que ele projetou para integrar o estúdio aos aposentos de dormir, mas que não chegou a concluir.

É preciso agendar a visita por email. Ah: não esqueça de levar repelente.

Informações práticas

Vôo duplo em São Conrado

Rio de Janeiro: passeios na Zona Sul - Vôo duplo em São Conrado

Sobrevoar um dos pontos mais fotogênicos do Rio a bordo de uma asa delta ou de um parapente não requer experiência nem preparo físico. Basta ter mais de 16 anos, não sofrer de vertigem e poder desembolsar entre R$ 500 e R$ 600 pela aventura. A pilotagem é feita por um instrutor que voa com você (por isso o tal do ‘voo duplo’, ou ‘tandem flight’ em inglês).

Os voos acontecem do início da manhã ao fim da tarde, sempre que as condições meteorológicas permitirem. Na maioria dos operadores você pode escolher entre decolar de asa delta (em que você voa na horizontal, como um pássaro) ou paraglider (em que você vai sentado, como um piloto de ultraleve).

A aventura costuma começar no canto direito da praia do Pepino, em São Conrado. Ali, atendentes dos operadores, equipados com pranchetas, entregam o contrato de seguro para você assinar. Então você é levado de van até a rampa da Pedra Bonita, 520 metros acima do nível do mar. Antes de saltar você faz um pequeno curso junto com o seu instrutor, para aprender a interagir como equipe.

O voo dura entre 7 e 20 minutos, dependendo das condições do vento. O pouso é feito na praia do Pepino, em São Conrado (a mesma em que você assinou o contrato para voar).

Quanto custa o voo duplo?

O voo, incluindo o transporte da praia do Pepino até a rampa da Pedra Bonita e o seguro obrigatório, começa em R$ 550. Obviamente você vai querer acrescentar fotos e/ou vídeo ao pacote, o que faz subir o preço para o patamar dos R$ 800. Você pode levar a sua GoPro desde que compre também a cobertura fotográfica oferecida pelo operador. Caso você inclua traslado de ida e volta ao hotel, o preço sobe um pouco mais.

Alguns operadores buscam os clientes gratuitamente na saída C do metrô São Conrado.

Infelizmente, a maioria dos operadores não publica seus preços: obrigam você a ligar. O único site que divulga os preços com transparência é o do Centro de Voo Livre de São Conrado Centro de Voo Livre de São Conrado.

Um bom ponto de partida é a página de passeios de vôo livre do Tripadvisor. TripAdvisor. Ali você encontra vários operadores avaliados com 5 estrelas pelos clientes.

Informações práticas

Receba a Newsletter do VNV

Serviço gratuito

    Bate-voltas

    Os melhores voltas são para as cidades mais próximas, que entregam o que têm de melhor num passeio sem correria e sem passar metade do dia na estrada: Petrópolis, a 60 km, e Niterói, do outro lado da baía.

    Já os passeios a ilhas em Angra ou à Região dos Lagos… não recomendamos. Saiba por quê.

    Bate-volta a Angra dos Reis, Arraial do Cabo, Búzios ou Ilha Grande

    Passeio de escuna

    Durante a sua estada no Rio, você vai ser bombardeado com ofertas de passeios a praias próximas. Resista. Não valem a pena. Veja por quê:

    • Essas praias não são tão próximas assim. Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo estão a 3 horas de viagem (para ir e depois para voltar). O embarque para passeios a ‘ilhas tropicais’ ou Ilha Grande está a pelo menos duas horas e meia do seu hotel. No caminho é certo que você vá enfrentar engarrafamentos, para ir ou para voltar. Não será um dia agradável
    • O tempo é imprevisível. Esses passeios precisam ser decididos até a véspera. O clima pode mudar sem avisar. Ventos frios que sopram do mar costumam fazer surpresas aos meteorologistas, e dias com previsão de tempo ótimo amanhecem encobertos (e assim ficam durante o dia). A trajetória de frentes frias também pode se acelerar, mudar o tempo e estragar o seu passeio
    • Não dá tempo para aproveitar. Tanto a região dos Lagos (Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio) quanto a Costa Verde (onde estão Angra, Ilha Grande e Paraty) devem ser exploradas com mais calma. Esse esquema vapt-vupt só é bom para quem vende o passeio
    • Veja nossos guias de Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio e Paraty.

    Bate-volta a Niterói

    Rio de Janeiro: passeio a Niterói - MAC

    A uma curta travessia de barca, saindo da Praça XV, Niterói oferece as vistas mais bonitas do Rio e suas montanhas. De quebra, tem uma atração de valor histórico (a Fortaleza de Santa Cruz), um ícone arquitetônico (o MAC, de Niemeyer) e um trio de ótimas praias oceânicas.

    Veja um roteiro prático para o passeio de 1 dia em Niterói.

    Leia também sobre as praias oceânicas de Niterói: Camboinhas, Itaipu e Itacoatiara.

    Bate-volta a Petrópolis

    O que fazer no Rio de Janeiro: bate-volta a Petrópolis

    A meros 60 km da saída da cidade (75 km da beira da praia de Copacabana), Petrópolis proporciona um dia charmoso na serra, com temperaturas sempre mais amenas que no Rio. O Museu Imperial, o Palácio de Cristal, a Casa de Santos Dumont, o antigo hotel Quitandinha e uma visita à cervejaria Bohemia compõem um itinerário redondo e factível sem maiores perrengues.

    Veja um roteiro prático para um passeio de 1 dia em Petrópolis.

    Veja como chegar à Rodoviária.

    21 comentários

    Boa noite! Vou ao Rio em dezembro e estou pensando em visitar o sítio Burle Marx indo de Uber. Sendo um lugar mais distante, será que poderei ter problemas em conseguir Uber para a volta? Recomenda que faça esse passeio com agência de turismo? Obrigado!

      Olá, Carlos! Fazer com agência é tranquilo. Você pode ter algum problema para chamar Uber porque agora andam cancelando muitas corridas, mas afora uma espera maior não há problema. Nossa dica para ir até lá de Uber sem gastar uma fortuna é ir de metrô até Jardim Oceânico e lá chamar o Uber. Na volta, a mesma coisa (Uber até Jardim Oceânico, então metrô).

    Gostaria de ficar 1 dia no Rio com as crianças, 8 e 10 anos. Gostaria que eles conhecessem os principais pontos turísticos. Indica algum guia/ empresa que faça isso com segurança e exclusividade? Nos pegue no hotel, nós economize tempo e nos proporcione segurança? Obrigada

      Olá, Roberta! Nosso parceiro Easy Travel Shop vende city-tours privativos incluindo Cristo e Pão de Açúcar. Oferece também o serviço de carro com guia por 4, 6 ou 8 horas seguidas, para roteiros customizados. Acesse aqui.

    Boa noite pessoal,

    Vou ir ao Rio em 03/2020 com meu filho de 7 anos. Ficaremos hospedados em Copacabana por 3 dias (de sexta à segunda). O que recomendam de interessante e que sejam um perto do outro para ir seguindo “um caminho” e não pagar muito em taxi ou Uber. Saindo de Copacabana, onde podemos ir com VT? existe algum lugar seguro para solicitar informações quando estivermos por lá?

    Desde já agradeço!

      Olá, Kisie! Você vai precisar pegar metrô (se a pandemia já tiver passado), táxi ou Uber. De Uber sai bem baratinho. Siga os nossos roteiros prontos.

    Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.