Praias do Rio de Janeiro

Guia do Rio de Janeiro

20 melhores praias no Rio de Janeiro e em Niterói

Veja como chegar, onde comer e onde se hospedar perto de cada uma das praias do Rio de Janeiro.

Entenda a diferença entre as praias e aproveite o nosso beabá para aproveitar as praias do Rio.

A Bóia recomenda:

Mapa das praias

Praias do Rio de Janeiro na Zona Sul

Praia Vermelha (Urca)

Rio de Janeiro praias: Praia Vermelha

Por estar no limite da Baía de Guanabara, muita gente (do Rio, inclusive) acha que a Praia Vermelha tenha águas poluídas. Não podiam estar mais equivocados. A Praia Vermelha costuma estar entre as mais limpas da cidade. O visual é insuperável: está ao pé do Pão de Açúcar. O mar está quase sempre calminho, ótimo para fazer stand up paddle ou passear de caiaque.

A praia é delimitada por dois fortes. No forte da direita funciona um quartel do exército (o que ajuda a dar uma sensação extra de segurança). O pequeno forte da esquerda é um jardim de infância. Por trás dele sai a Pista Cláudio Coutinho, uma das trilhas mais bonitas do Rio, que leva ao Morro da Urca (onde está a primeira estação do Bondinho do Pão de Açúcar).

Informações práticas

Praia do Leme

Praia do Leme, Rio de Janeiro

É o canto esquerdo da praia de Copacabana — o desenho da calçada é o mesmo. Mas o Leme consegue manter uma personalidade própria.

O trânsito na avenida é mais tranquilo (porque o trecho é sem saída). Num dia ensolarado de semana, se você olhar em direção ao morro que marca o final da praia, pode até achar que está numa praiazinha pequena e afastada.

É a praia favorita do pessoal mais alternativo — quem curte a Praça São Salvador em Laranjeiras ou o circuito de Santa Teresa vai se enturmar fácil no Leme. O point é a barraca Rasta Beach.

O Morro (ou Pedra) do Leme, onde começa a praia, guarda algumas atrações. O Caminho dos Pescadores faz o contorno do morro e oferece vários bons pontos para pesca. O início do caminho é ocupado por bares que oferecem vista panorâmica de Copacabana, como o Mureta do Leme. No verão, o pôr do sol (lá longe, atrás da Pedra da Gávea) é um deslumbre.

E se o seu fôlego estiver em dia, suba 25 minutos por uma trilha de paralelepípedos na mata e você chega ao Forte do Leme, no topo do morro, com vistas que não estão no insta do seus amigos.

  • Rasta Beach | Praia do Leme, entre ruas Anchieta e Aurelino Leal, à altura do Posto 1 | Instagram
  • Mureta do Leme | Caminho dos Pescadores, av. Atlântica s/n, Leme | Tel. (21) 3514-2111 | Instagram

Informações práticas

Praia de Copacabana

Rio de Janeiro praias: Copacabana

O calçadão com ondas desenhadas com pedras portuguesas foi importado de Lisboa no início do século 20. Redesenhado nos anos 70 por Roberto Burle Marx, tornou-se a marca registrada de Copacabana.

É provavelmente a segunda calçada mais famosa do mundo, depois da Calçada de Fama de Hollywood. Você vai se emocionar quando caminhar por ela pela primeira vez.

A praia é longa — são 4,5 km de extensão — e tem seus trechos identificados pelo número do posto de salva-vidas. O Posto 1 é o Leme. No Posto 2 está o Copacabana Palace. O Posto 4 hospedará, em algum momento do futuro, o Museu da Imagem e do Som (em construção desde 2012, e com inauguração sempre postergada).

Posto 6 de Copacabana

Copacabana Posto 6

O trecho mais gostoso de Copacabana, na minha opinião, é entre os Postos 5 e 6, no canto direito – entre as ruas Sousa Lima e Francisco Otaviano.

Por vários motivos. A faixa de areia é mais estreita, o que preserva um pouco do jeitinho de Copa antes de ser aterrada, nos anos 70. O mar é sempre mais calmo (tanto assim, que virou point de stand up paddle).

O Forte de Copacabana, no canto direito, faz as vezes de moldura. A Colônia de Pescadores, com barquinhos estacionados na areia e uma peixaria funcionando no fim do calçadão, dá o toque pitoresco. E de lambuja, tem a vista. Do Posto 6 você contempla a curva inteira de Copacabana, com direito ao Pão de Açúcar em quadro.

Atrações fora da praia em Copacabana

Fora da praia, o maior tesouro de Copacabana é o núcleo de predinhos art-déco do entorno da Praça do Lido, no Posto 2. O estilo, em voga nos anos 40 e 50, pode ser visto nas fachadas geométricas e portas rebuscadas (que no Brasil tiveram influência dos padrões da cerâmica marajoara). Caminhe pelas ruas Duvivier, Ronald de Carvalho, Ministro Viveiros de Castro e pela N. Srª de Copacabana que você encontra vários representantes bem conservados. O site Art Déco Rio de Janeiro tem um mapa completo do art-déco no Lido e na cidade.

Informações práticas

Praia do Arpoador

Rio de Janeiro praias: Arpoador

Cantinho esquerdo de Ipanema, o Arpoador é a única praia da Zona Sul que não tem uma avenida acompanhando a orla — somente um calçadão com bancos de praça. A faixa de areia é bem estreita. No verão, em alguns períodos o mar fica caribenho: calminho e transparente. No inverno, dá surf.

Uma segunda praia, a pequenina Praia do Diabo, se esconde depois do calçadão. É point de surfistas o ano inteiro.

Mas a grande atração do fim do calçadão é a Pedra do Arpoador, que serve de camarote para o pôr do sol mais famoso do Rio. Para assistir a bordo de um drink, chegue cedo para conseguir uma mesa na calçada do restaurante Arp ou no quiosque descolado Alalaô Kiosk.

É mais tranquilo ir ao Arpoador de 2ª a 6ª. Sábado e domingo a praia fica supercheia. Uma ou duas vezes por ano, em algum domingo especialmente lotado, pode ocorrer aquele corre-corre causado por (ou confundido com) arrastão.

  • Arp | Hotel Arpoador: entrada pela R. Francisco Otaviano, 177, Arpoador | Tel. (21) 96748-0155 | Instagram
  • Alalaô Kiosk | Início do calçadão do Arpoador, à altura da rua Francisco Otaviano (Metrô: General Osório, saída “A” – Praça General Osório) | Instagram

Informações práticas

Praia da Farme

Praia da Farme, Ipanema

Já faz mais de duas décadas que este trecho do Posto 9 de Ipanema saiu do armário e se tornou a mais conhecida praia gay do Brasil. Hoje as bandeiras do arco-íris começam rente à rua Farme de Amoedo (antigamente o point era um pouco mais à esquerda).

O ambiente foi imortalizado por Mario Testino, em fotos que correram o mundo e fazem com que a Praia da Farme seja um dos trechos mais freqüentados por gringos (o que atesta a vitalidade do turismo LGBT no Rio).

O trecho acaba de ganhar um novo point: um mega Boteco Belmonte na esquina da Farme com a praia.

  • Boteco Belmonte Ipanema | Av. Vieira Souto, 236, esquina Farme de Amoedo (Metrô Nossa Senhora da Paz, saída “A” – Joana Angélica, ou General Osório, saída “A” – Praça General Osório) | Tel. (21) 2267-9909 | Instagram

Informações práticas

Praia de Ipanema

Rio de Janeiro praias: Ipanema

Copacabana pode ser mais famosa, mas Ipanema é a praia mais carismática do Rio.

A coisa mais linda, mais cheia de graça passou aqui, chegando à praia pela rua Vinicius de Morais (na época se chamava Montenegro). Foi no Posto 9 que Leila Diniz apareceu de biquíni e barrigão de grávida. E onde Fernando Gabeira voltou do exílio a bordo de uma tanga de malha lilás (não, não era de crochê). Petit, o Menino do Rio de Caetano Veloso, também pegava onda por aqui.

Entre 1972 e 1975, um píer foi erguido para ajudar na construção de um emissário submarino. Ao lado dele, a remoção da areia fez surgir uma duna. As obras aumentaram a altura das ondas e trouxeram surfistas. O paredão de areia reunia a nata da sociedade do desbunde. Passou para a história como ‘as dunas do barato’, ou ‘as dunas da Gal’, em homenagem a Gal Costa, que não saía dali.

OK, tudo isso é passado. Celebridades – nem mesmo as alternativas – não freqüentam mais as areias de Ipanema. O Posto 9 não fabrica mais a última gíria ou a nova modinha.

Mas se quiser pegar uma praia com um resquício da aura do desbunde dos anos 70, estenda sua canga no Coqueirão (entre as ruas Joana Angélica e Maria Quitéria) ou, se curtir o ambiente LGBT, vá direto à Praia da Farme (leia acima), que se localiza exatamente onde um dia foram as dunas do barato.

Informações práticas

Praia do Leblon

Rio de Janeiro praias: Leblon

Passando o canal do Jardim de Alah (que comunica a Lagoa Rodrigo de Freitas com o mar), a avenida beira-mar muda o nome para Delfim Moreira, marcando o início do Leblon. É uma praia menos popular (em vários sentidos) que Ipanema. O mar ali de vez em quando fica impróprio para banho, e a densidade demográfica na areia costuma ser menor.

O perfil mais família do Leblon era bem sintetizado pelo quiosque do Baixo Bebê, à altura da General Venâncio Flores (Posto 12), que começou como um fraldário e hoje é um parquinho na areia.

Mas do verão da Olimpíada para cá, o calçadão do Leblon foi gourmetizado. Os velhos quiosques mequetrefes deram lugar a bares estruturados, que só não podem ser chamados de beach lounges porque não têm serviço de praia. Entre os atuais concessionários estão o Azur Praia, do chef Pedro de Artagão, a cevicheria La Carioca en la Playa e a reencarnação do botequim de praia Caneco 70.

  • La Carioca en la Playa | Av. Delfim Moreira à altura do nº 96, perto da rua Almirante Pereira Guimarães, Leblon (Metrô: Jardim de Alah – saída “B” – Almirante Pereira Guimarães) | Tel. (21) 99811-9696 | Instagram
  • Azur | Av. Delfim Moreira à altura do nº 250, em frente à rua Almirante Guilhem, Leblon (Metrô: Jardim de Alah – saída “B” – Almirante Pereira Guimarães) | Tel. (21) 98295-0045 | Instagram
  • Caneco 70 | Av. Delfim Moreira à altura do nº 1026, em frente à rua Rainha Guilhermina, Leblon (Metrô: Antero de Quental – saída “B” – General Urquiza) | Tel. (21) 97435-1266 | Instagram

Informações práticas

Praia de São Conrado

Extensa, a praia de São Conrado se situa ao pé da Avenida Niemeyer, a bela estrada costeira que começa no final do Leblon.

Não é uma praia muito frequentada, por suas ondas fortes e também porque água não costuma ter boa balneabilidade. São Conrado é mais conhecida pelas fotos que mostram a desigualdade entre os prédios de luxo da sua beira-mar e a favela da Rocinha, que fica nos fundos.

O canto direito, conhecido como Praia do Pepino, funciona como campo de pouso dos voos duplos de asa delta e parapente. (Ali também ficam os postos dos operadores do passeio – os interessados preenchem as fichas e são levados para o alto da Pedra da Gávea.)

O calçadão, no entanto, é um polo de quiosques ajeitadíssimos – alguns deles, verdadeiros restaurantes de praia.

  • Barthô Praia | Av. Prefeito Mendes de Moraes, à altura do nº 1400, São Conrado | Tel. (21) 99521 478 | Instagram
  • QuiQui | Av. Prefeito Mendes de Moraes, à altura do nº 900, São Conrado | Tel. (21) 99501-0209 | Instagram
  • Gávea Beach Club São Conrado | Av. Prefeito Mendes de Moraes, entre as ruas Herbert Moses e Eng Armandino de Carvalho, São Conrado | Tel. (21) 99322-1551 | Instagram
  • SoGa Beach | Praia do Pepino, São Conrado | Tel. (21) 99557-3371 | Instagram

Informações práticas

Praia da Joatinga

Rio de Janeiro praias: Joatinga

Tecnicamente já na Zona Oeste, a praia da Joatinga está localizada num condomínio do bairro grã-fino do Joá, do ladinho da Barra da Tijuca. Quem vai de carro de São Conrado à Barra pelo elevado nem imagina que possa existir uma prainha escondida na montanha.

Não chega a ser uma praia particular, porque o acesso é liberado a todos os que chegam à guarita do condomínio. Mas é, de certa forma, um segredo: não existe sinalização para a praia, e antes do Google Maps era preciso perguntar muito pelo caminho.

Há uma trilha calçada que leva do alto da encosta até as pedras do início da praia. A faixa de areia não é larga (e fica bem estreitinha na maré alta). A Joatinga é freqüentada desde sempre por surfistas, e considerada a melhor praia para bodyboarding. Excepcionalmente você pode encontrar o mar calmo, e daí fica uma delícia para entrar n’água. Não há nenhuma estrutura de praia, só ambulantes vendendo bebidas.

Se você vem de carro, madrugue. São apenas 60 vagas de estacionamento, ao longo das ruas Pascoal Segredo e Sargento José da Silva (com um pequeno bolsão no fim da Sargento José da Silva). O porteiro da guarita anota os nomes dos motoristas dos carros visitantes e avisa se o limite já foi excedido (mas não impede a entrada de quem quiser entrar e esperar uma vaga).

Informações práticas

Praias do Rio de Janeiro na Zona Oeste

Praia do Pepê

Rio de Janeiro praias: Pepê

Pepê encarnava perfeitamente o espírito do menino do Rio: surfista consagrado, tornou-se um dos primeiros a praticar asa delta – chegou a ser campeão mundial.

Nos anos 80, abriu um quiosque de sanduíches naturais e sucos num trecho ainda pouco freqüentado da Barra, que virou o point da geração-saúde que começava a despontar. Morreu jovem, em 1991, num acidente durante uma competição de asa delta no Japão.

Mas foi imortalizado com a melhor homenagem que um menino do Rio poderia receber: virou o nome oficial de uma praia (a Praia do Pepê) e de uma avenida beira-mar (Av. Pepê).

Ocupando o canto esquerdo da Barra da Tijuca ao longo do Jardim Oceânico, a Praia do Pepê mantém a aura esportiva, agora com o esporte náutico do momento: o kitesurf. A praia é também o reduto dos beach lounges mais bacanas do Rio.

Antes de entrar n’água, porém, convém sempre consultar o boletim mais recente sobre balneabilidade das praias nesta página, já que o Pepê pode estar impróprio para banho.

  • Barraca do Pepê | Av. do Pepê, altura do nº 1300, Barra da Tijuca | Tel. (21) 97550-9820 | Instagram
  • Clássico Postinho | Av. do Pepê, Posto 2, Barra da Tijuca | Tel. (21) 3489-9217 | Instagram
  • K08 Club | Av. Pepê, 890 | Tel. (21) 99738-0808 | Instagram
  • VaiBE | Av. do Pepê, 1230, Praia do Pepê | Tel. (21) 98322-0017 | Instagram

Informações práticas

Praia da Barra da Tijuca

Rio de Janeiro praias: Barra

Descontando o trecho do Pepê, a praia da Barra da Tijuca tem mais 6 km de areias claras e águas normalmente limpas.

Como em toda a orla carioca, a força das ondas depende das condições atmosféricas; um dia a praia pode estar quase piscininha, noutro dia pode haver grandes ondas.

Ao longo de toda a praia, barraqueiros alugam cadeiras e guarda-sóis e vendem bebidas. Há também quiosques no calçadão.

O posto 7 ganhou uma filial do beach club Clássico. No geral, quem frequenta a praia do bairro são moradores da vizinhança.

  • Clássico Downwind | Av. Lúcio Costa, 5200, Barra da Tijuca | Tel. (21) 3489-9217 | Instagram

Informações práticas

Praia da Reserva

Rio de Janeiro praias: Reserva

Bordejando a Reserva Ambiental de Marapendi (onde deve ser instalado o Parque Municipal Natural Nelson Mandela), a Praia da Reserva tem sete gloriosos quilômetros livres da moldura de arranha-céus.

O trecho central da praia permanece intocado: só há quiosques e vagas de estacionamento nas duas pontas da praia, junto à Barra e ao Recreio.

A dificuldade de estacionar faz daqui a faixa de areia com menor densidade demográfica, mesmo nos fins de semana — ou seja: se estiver de carro, chegue cedo (ou venha de táxi ou Uber).

Os melhores quiosques estão no iniciozinho da praia, perto do hotel Grand Hyatt – o mais estruturado é o Pesqueiro.

  • Pesqueiro | Av. Lúcio Costa, à altura do Parque Municipal Marapendi, Praia da Reserva | Tel. (21) 99995-4794 | Instagram

Informações práticas

Praias do Recreio & Pontal

Guia da Barra da Tijuca: Praia do Pontal

Bem menos vertical do que a Barra da Tijuca, o Recreio (ninguém mais fala ‘dos Bandeirantes’) tem uma vibe muito tranquila.

A paisagem é dominada pela pedra do Pontal, no canto direito do quadro. Se algum dia você vir de carro pela costa desde o Leme, terá finalmente entendido Tim Maia (não esqueça de tomar guaraná, suco de caju, goiabada para sobremesa). A pedra só não é uma ilha porque permanece ligada ao Recreio por uma estreita faixa de areia perpendicular ao calçadão, na prática formando duas prainhas.

Informações práticas

Praia da Macumba

Rio de Janeiro praias: Macumba

É Praia da Macumba é a praia contígua ao Pontal, no lado direito. Quem vem de carro pela orla nem percebe sua existência: um trecho de prédios baixos impedem a visão do mar.

Justamente por não ser rota de passagem, a praia da Macumba é uma das mais simpáticas do Rio – uma espécie de Arpoador das bandas de cá.

A cena surf é forte por aqui. O quiosque mais disputado é o Rico Point.

  • Rico Point | Estrada do Pontal, 3580, Praia da Macumba | Tel. (21) 2438-1821 | Instagram

Informações práticas

Prainha

Guia da Barra da Tijuca: Prainha

Se o Rio de Janeiro é uma cidade imprensada entre montanha e mar, então a Prainha é uma das praias mais cariocas do Rio: a montanha começa praticamente onde a areia acaba.

O mar costuma ser bravo, com ondas cobiçadas pelos surfistas. O pessoal do surf prefere ficar do lado esquerdo, junto ao quiosque Soul Prainha.

As famílias preferem o canto direito, à sombra das árvores. Debruçado na lateral direita da praia, o restaurante Mirante da Prainha tem bons pastéis e serve de mirante para fotos.

  • Soul Prainha | Prainha | Tel. (21) 97827-3240 | Instagram
  • Mirante da Prainha | Canto direito da Prainha | Tel. (21) 97639-5464 | Instagram

Informações práticas

Praia do Abricó

Rio de Janeiro praias: Abricó

A Praia do Abricó, a praia oficial de nudismo do Rio, tem acesso relativamente fácil (é contígua a Grumari). Mas fica escondida da estrada, numa baixada recoberta por mata.

A praia tem uma ‘ante-sala’, junto ao estacionamento e à vista de quem passa, onde não se pode tirar a roupa. Quem fica ali aproveita a filial do beach club Clássico e o mar relativamente calmo entre as duas grandes pedras que delimitam a praia.

A área naturista fica mais para esquerda — para entrar, basta tirar a roupa ao passar pela placa que avisa o início da praia nudista.

Casais e naturistas de carteirinha costumam ficar no primeiro trecho da área nudista; homens gays preferem o canto esquerdo.

  • Clássico Grumari | Praia do Abricó | Tel. (21) 3489-9217 | Instagram

Informações práticas

Praia de Grumari

Rio de Janeiro praias: Grumari

Grumari é a praia mais longa depois do Recreio, com quase 3 km de extensão – e sem prédios à vista.

A faixa de areia é larga, mas pode ficar lotada nos fins de semana e feriados mais quentes.

Os quiosques ficam do meio para o canto direito da praia.

Informações práticas

Praias oceânicas de Niterói

Camboinhas, Niterói

As praias urbanas de Niterói, como Icaraí, têm lindas vistas do Rio — mas são impróprias para banho.

Para cair n’água é preciso se dirigir a uma das ditas praias ‘oceânicas’, já fora da baía de Guanabara. Duas delas (Camboinhas e Itaipu) oferecem até vista do Rio — de esguelha, mas oferecem.

O melhor jeito de aproveitar as praias oceânicas de Niterói é de carro (mas se quiser ir de transporte público, damos as coordenadas de cada praia). Se for alugar carro, veja nossas dicas aqui.

Praia de Camboinhas

Rio de Janeiro praias: Camboinhas, Niterói

Localizada num bairro residencial bastante agradável, de prédios baixos, Camboinhas tem um interessante calçadão no alto do platô.

Na areia, porém, horrendas mesas e cadeiras de plástico amarelo-skol e vermelho-brahma poluem o visual, como nas praias do Nordeste.

De todo modo, se você estiver de carro, vale a pena fazer o desvio na ida ou na volta a Itacoatiara — só para ver o Pão de Açúcar de um ângulo absolutamente original.

Informações práticas

Praia de Itaipu

Rio de Janeiro praias: Itaipu, Niterói

Separada de Camboinhas por um canal, Itaipu tem um astral totalmente diferente.

A praia é sede de uma colônia de pescadores, o que pode ser facilmente constatado pela quantidade de barcos na areia. O mar costuma ser calminho.

Restaurantes simples preparam peixes e frutos do mar frescos para servir em mesas postas na areia. (E antes que você pergunte: não, aqui o plástico não me incomoda, até por não ser tão preponderante quanto em Camboinhas.)

Informações práticas

Praia de Itacoatiara

Itacoatiara, Niterói

Itacoatiara não tem vista para a baía de Guanabara – mas permite que se veja de perto uma montanha imponente e pouco conhecida: a Pedra do Elefante, que fica bem atrás da praia.

Na areia, o elenco é parecido com os da Praia do Pepê e da Prainha, do outro lado da ponte: surfistas & cia.

Se você não surfa, não entre no mar aberto: vá até o canto direito, onde se forma uma piscininha protegida.

Informações práticas

Beabá: como aproveitar sua praia no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro praias: calçadões

‘Qual é a sua praia?’ é o tipo de gíria que só poderia ter nascido no Rio de Janeiro. Do Leme ao Pontal — ou melhor: até Grumari, um pouco mais adiante — são 45 km de costa. Cerca de 30 km são perfeitamente aproveitáveis para estender sua canga e entrar no mar.

O carioca pode escolher entre ir à praia mais próxima de onde mora (há quem escolha o lugar para morar de acordo com a praia de que mais gosta) ou procurar a sua turma em outro ponto.

Quando dá praia no Rio de Janeiro?

Rio de Janeiro praias: Copacabana

A cidade do Rio de Janeiro é dos poucos pontos do litoral brasileiro que dá praia o ano inteiro. Não há, no Rio, uma temporada longa e definida de chuvas (como o ‘inverno’ nordestino, entre maio e julho).

O inverno (junho-agosto) não é frio como em Santa Catarina. E o verão carioca (dezembro-março) costuma ser menos chuvoso que o do litoral imediatamente ao sul, entre Angra e Santos. Ou seja: pelo menos em teoria, ir à praia pode fazer parte do seu programa não importa a época da sua viagem.

Isso não quer dizer, contudo, que dê praia todo dia. Frentes frias podem passar em qualquer época do ano (e, quando passam no inverno, esfriam de verdade). A previsão do tempo só costuma ser precisa com uma antecedência de 72 ou 48 horas. O jeito é acompanhar pelos apps (e torcer).

A temperatura é decisiva para as praias lotarem. Quando o termômetro marca 28ºC, o carioca acorre em massa para as areias. Já temperaturas mais amenas (por exemplo, dias invernais com sol brilhando mas temperatura entre 20ªC e 23ºC) não costumam mobilizar muitos banhistas (aproveite!).

Veja também nossas sugestões de passeios fora da praia.

Segurança nas praias do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro praias: segurança

Muita gente riscou as praias do Rio do seu mapa por medo de assalto ou de arrastão.

Milhares de outras, no entanto, continuam batendo ponto na sua praia de sempre. E não há dia de sol e calor em que a orla inteira do Rio não esteja lotada de banhistas. O que esses habituês sabem que os outros desconhecem?

Clique aqui para ver como ir à praia no Rio com segurança.

Como funcionam as barracas de praia no Rio de Janeiro

A ocupação das praias no Rio é mais carioca, impossível: uma bagunça organizada. Você pode estender sua canga ou armar seu guarda-sol (trazido de casa) em qualquer ponto da orla. Mas também pode alugar cadeira e guarda-sol numa das inúmeras barracas que competem a cada faixa de areia.

Ao descer do calçadão para a areia, você vai passar pelas barracas (certamente vai ser abordado por funcionários no caminho). Se quiser alugar cadeira e guarda-sol (que os cariocas também chamam de ‘barraca’), passe numa das barracas e faça sua ficha. Ali constam todos os preços. Uma cadeira custa entre R$ 5 e R$ 10; um guarda-sol (ou barraca), entre R$ 10 e R$ 20.

A maioria das barracas aceita cartão ou pix e oferece wifi aos clientes. (Confirme se a maquininha está funcionando ou se aceitam de fato Pix antes de ocupar seu lugar na areia.)

Os funcionários da barraca armam o seu guarda-sol e estão sempre circulando pela areia. Mas não há problema nenhum em consumir bebidas de ambulantes avulsos.

Esse arranjo de banhistas dispersos aleatoriamente, em vez de confinados no território de uma barraca, é que transforma a praia na sala de estar do Rio.

Aquelas mesas e cadeiras de plástico horrorosas que poluem as praias do Nordeste são banidas aqui. As cadeiras de praia cariocas, levinhas, de nylon e alumínio, vão mudando de lugar ao longo do dia, posicionadas sempre de frente para o sol. Iniciar conversa com algum vizinho é praticamente inevitável — no mínimo, em algum momento você vai pedir para guardarem a sua bolsa enquanto você vai para o mar.

Ao fim do dia, leve sua ficha à barraca para fechar a conta. Não é preciso devolver a cadeira, os funcionários se encarregam dela.

Chuveiro e guarda-volumes nas praias do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro praias: vestiário

Os postos de salva-vidas oferecem banheiros (R$ 2), chuveiros (R$ 1,50) e armários guarda-volumes (R$ 10). O serviço também é oferecido na área subterrânea de alguns quiosques em Copacabana.

Beach lounges no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro praias: beach lounges

O único ponto da orla onde existem ‘beach lounges’ ao estilo europeu, com bar montado e espreguiçadeiras, é a Praia do Pepê, na Barra. Ali você pode alugar uma espreguiçadeira (ou uma tenda) e curtir o dia aproveitando um bar de verdade. Alguns quiosques da praia da Reserva (nas duas extremidades) também atendem na areia.

Os lounges mais novos e mais legais são os da Praia do Pepino em São Conrado – mas por ali o mar não é bom para banho.

Balneabilidade das praias no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro praias: balneabilidade

Na Zona Sul, costumam estar impróprios para banho as praias do Flamengo e de Botafogo, os arredores do canal do Jardim de Alah (entre Ipanema e Leblon), e a praia de São Conrado. Na Barra, o canto esquerdo (do Quebramar até a praia do Pepê) também registra períodos impróprios ao longo do ano.

O Inea (Instituto Estadual do Meio Ambiente) publica regularmente boletins de balneabilidade de todo o litoral fluminense. Clique para conferir a balneabilidade das praias do Rio e Niterói (selecione a cidade e então clique em ‘Último boletim divulgado’).

Além da balneabilidade, preste atenção nas bandeiras fincadas na areia, ao longo das praias. Elas não indicam a qualidade da água, mas a segurança de entrar no mar.

  • Bandeira vermelha: não entre, mar com repuxo
  • Bandeira amarela: entre com cautela
  • Sem bandeira: pode entrar com segurança

Mar calmo x Mar agitado

Praias do Rio de Janeiro com mar calmo

Rio de Janeiro praias: Arpoador

Quer garantia de mar calmo no Rio? Então dirija-se à Praia Vermelha, na Urca, que está na saída da Baía de Guanabara e não tem ondulações.

Ou então ao Posto 6, no canto direito de Copacabana, onde o mar é consistentemente calminho, a ponto de ter virado o point do stand-up paddle e da natação oceânica no Rio.

Na maior parte da orla, o mar ondulado predomina. De vez em quando, porém, em períodos de estio prolongado, o mar fica surpreendentemente calmo, sobretudo no alto verão.

O Arpoador costuma ser o endereço do mar piscininha-cristalino dos melhores dias de verão.

Praias do Rio de Janeiro com ondas

Rio de Janeiro praias: Prainha

O mar no Rio é predominantemente agitado, com (breves) períodos de calmaria. As ondas são mais altas no inverno.

As melhores praias para surf são Joatinga, a Macumba no Recreio, Prainha, Grumari e Itacoatiara em Niterói. No inverno, o Arpoador se junta à lista (e oferece surf noturno, graças à iluminação da praia).

A galera do bodyboard bate ponto na Joatinga. E o point do kitesurf é a Praia do Pepê.

Temperatura da água nas praias do Rio de Janeiro

20 melhores praias no Rio de Janeiro e em Niterói 1

As correntes marinhas levam águas friíssimas ao Rio — a temperatura costuma rondar 17-18ºC. Nos períodos de estio prolongado, quando o mar fica mais calmo, a temperatura pode ficar quase agradável, acima de 20ªC. Mas não conte muito com isso.

Praias urbanas x Praias selvagens

Praias urbanas no Rio de Janeiro

‘Imagine Waikiki em Manhattan’, dizia o título (em inglês) de um anúncio da Embratur, no fim dos anos 80, sobre uma foto da praia de Copacabana emoldurada pelo paredão de prédios da avenida Atlântica. Poder ir à praia na área urbana de uma grande metrópole é um privilégio do Brasil. E nenhuma cidade é tão pródiga em opções quanto o Rio.

Algumas praias são descaradamente urbanas, como as dos bairros verticalizados de Copacabana, Ipanema, Leblon e Barra da Tijuca.

Em outras, porém, a cidade do entorno é mais discreta. Praias como o Recreio (na Zona Oeste) e Camboinhas (em Niterói) têm prédios baixos e fazem a gente se sentir num balneário longe da área metropolitana.

Outras são dominadas por montanhas tão exuberantes, que por momentos dá para esquecer que estamos em área urbanizada — é o caso de Itacoatiara em Niterói, da Joatinga e, por que não, da Praia Vermelha ao pé do Pão de Açúcar.

Praias selvagens no Rio de Janeiro

Não é preciso sair do Rio para encontrar praias sem vestígios de urbanização em volta. A mais próxima da Zona Sul é a Praia da Reserva, entre a Barra e o Recreio, onde existe um trecho onde sequer são permitidas barracas.

Mais adiante na Zona Oeste, o trio Prainha, Abricó (a praia naturista do Rio) e Grumari estão cercadas por verde, e só.

Os mais aventureiros (e que estejam em forma) podem se embrenhar — de preferência, com guia — pela trilha Transcarioca, que leva às praias totalmente selvagens da região da Barra de Guaratiba. São 5 praias: Búzios, Praia do Perigoso (que costuma lotar), Praia do Meio, Praia Funda e Praia do Inferno.

Precisa alugar carro para ir à praia no Rio de Janeiro?

Rio de Janeiro praias: Prainha

Alugar carro para pegar praia na Zona Oeste (Reserva, Abricó, Grumari) ou de Niterói (Camboinhas, Itaipu, Itacoatiara) é uma boa idéia. Para quem está hospedado na Zona Sul, o carro alugado sairá mais barato que táxi, e permite encorpar o passeio com outras atrações.

Para o investimento valer mais a pena, siga essas dicas:

Alugue o carro na véspera, no fim do dia

Quando você chega para pegar seu carro na locadora de manhã cedo, descobre que meia cidade teve a mesma idéia. Eu já cheguei a perder uma hora e meia na fila numa agência em Copacabana.

Como o segredo para curtir praia na Zona Oeste de carro é chegar cedo (em fim de semana e feriado é difícil conseguir estacionar depois das 10h30), perder parte da manhã na locadora é fatal para o passeio.

Alugue no fim do dia na véspera. A conta vai aumentar em R$ 50 (vai ser o preço do pernoite no estacionamento), mas você vai poder sair cedinho para o seu passeio.

Pinga-pinga em praias? Só em dia de semana, fora de férias

Não pense em fazer beach tour com várias paradas num sábado ou domingo de sol, num feriado ou em qualquer dia durante as férias de janeiro. Você vai conseguir estacionar na primeira praia, mas só vai se incomodar nas praias seguintes.

Num dia de semana fora de férias, porém, o giro pelas praias da Zona Oeste é perfeitamente possível. Mas em férias, feriados e fins de semana ensolarados, combine uma praia (chegue cedo) com outro passeio (o Sítio Burle Marx e/ou uma extensão gastronômica a Vargem Grande & Guaratiba).

Em qualquer incursão de carro à Zona Oeste, aproveite a volta para dar uma paradinha na Vista Chinesa (saia da Barra pelo Itanhangá).

4 comentários

E o 2o comentário nesse post é de uma carioca – excelente ! Pegando ideias de passeios para férias na pandemia rs

Sempre gosto de ver dicas de viagem do Rio. Por mais que eu seja da cidade, é maravilhoso admirar o quanto as praias daqui são lindas. Com exceção da Joatinga, tive o prazer de conhecer todas elas. Minhas favoritas são a Vermelha, Arpoador, Ipanema, Reserva, Macumba, Grumari e Camboinhas. Tomando os devidos cuidados principalmente em relação as condições do mar, dá pra curtir bastante.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.