O que fazer em Montevidéu

Guia de Montevidéu

O que fazer em Montevidéu

O básico do que fazer em Montevidéu cabe num fim de semana. A partir do terceiro dia, já dá para dar um pulinho (ou esticadinha) a Punta del Este ou visitar uma das vinícolas (bodegas) dos arredores.

Para Colonia del Sacramento, recomendo ou pernoitar, ou fazer um pit stop a caminho de Buenos Aires. Ficando mais dias, fique de olho na programação cultural, que é intensa.

A Bóia recomenda:

Montevidéu como parada de cruzeiro

Montevidéu como bate-volta desde Buenos Aires

Atrações da Ciudad Vieja

Ciudad Vieja concentra as principais atrações turísticas. Vá de Uber até a Plaza Independencia e passeie a pé pela região.

Venha entre segunda e sábado até a hora do almoço. O comércio fecha sábado à tarde e domingo, e os museus não abrem no domingo.

Plaza Independencia e Palacio Salvo

A Plaza Independencia o melhor ponto de partida para um passeio pela Ciudad Vieja: é a divisa entre a Montevidéu antiga e a moderna.

No coração da praça há uma estátua equestre do general Artigas, precursor da independência uruguaia. (Embaixo dela funciona um Mausoléu General Artigas, que repassa o nascimento do Uruguai.)

À frente da estátua começa a Avenida 18 de Julio, principal avenida do centro moderno de Montevidéu.

Do lado direito sobressai o imponente Palacio Salvo. Arranha-céu de 27 andares inaugurado em 1928, o Palacio Salvo chegou a ser o edifício mais alto da América Latina. Ainda hoje é o maior cartão-postal da cidade.

Mas o que nos interessa está atrás do cavalo de Artigas: a Ciudad Vieja. Vire de costas para a estátua, e você verá a Puerta de la Ciudadela – uma réplica da porta da fortaleza militar que protegia Montevidéu nos tempos coloniais.

Teatro Solís

Escondidinho de esgelha numa das quinas da Plaza Independencia, o Teatro Solís é o maior tesouro da Ciudad Vieja. Foi inaugurado em 1856, apenas 31 anos depois da emancipação do Uruguai – e 52 anos antes do Teatro Colón de Buenos Aires.

Sua imponente fachada neoclássica já justifica a parada numa caminhada pelo centro histórico.

O interior do teatro, porém, é ainda mais belo – a sala de concertos, em formato de ferradura, emula teatros líricos italianos.

A visita guiada, que depois da pandemia acontece em poucos dias e horários (veja abaixo, na caixa Informações Práticas), passa pela principal, foyer, palco e bastidores. Os guias contam – em português – a história do teatro e explicam o estilo arquitetônico, os afrescos e obras de arte.

Informações práticas

Museu Torres García

Maior nome das artes plásticas uruguaias, Joaquín Torres Garcia conviveu com grandes mestres europeus e americanos na sua juventude, e ao voltar a Montevidéu criou seu próprio movimento artístico, o Universalismo Construtivo.

O Museu Torres García foi criado em 1955, sete anos depois da sua morte, passando em revista todas as fases da carreira do artista. Já teve diversos endereços – chegou a ser desalojado durante a ditadura militar. Hoje ocupa o predinho art-nouveau onde funcionava originalmente o magazine Broqua & Sholbert.

Informações práticas

Museu Andes 1972

Em 1972, um avião com 45 passageiros (jogadores uruguaios de rugby, familiares e amigos) caiu nos Andes. Foram dados por mortos, mas 16 conseguiram sobreviver a 72 dias de frio, fome e penúria, alimentando-se… dos companheiros mortos.

Esta história cinematográfica já rendeu dois filmes – “Os Sobreviventes dos Andes”, de 1976, e “Vivos”, de 1993.

O Museu Andes 1972 conta essa história com documentos da época e depoimentos reais.

Informações práticas

Museu do Carnaval

Sabia que o Carnaval é uma tradição de Montevidéu? A cultura carnavalesca é celebrada no pitoresco Museu do Carnaval, do ladinho do Mercado del Puerto (com entrada pela Rambla).

Há três exposições permanentes: Carnaval do Uruguai, Candombe (o batuque afro-uruguaio) e Os Velhos Tablados (que documenta a época de ouro dos tablados de rua que eram montados no centro de Montevidéu durante o carnaval).

Mostras temporárias complementam a visita, sempre revelando um novo aspecto do surpreendente carnaval uruguaio.

Informações práticas

Mercado del Puerto (Mercado do Porto)

O Mercado del Puerto é “a” atração turística mais importante de Montevidéu. Nenhum visitante sai da cidade sem dar um pulinho aqui.

Aberto em 1868 para ser exatamente o que o seu nome implica – um mercado de produtos que chegam a Montevidéu pelo porto, que fica em frente -, com o tempo o Mercado del Puerto se converteu num complexo de bares e restaurantes, com lojas de artesanato e, vá lá, produtos alimentícios.

Alguns restaurantes, como o El Palenque, mantêm um balcão em torno da tradicional grelha inclinada uruguaia, onde você vê o churrasco sendo preparado ao vivo.

Outra marca registrada do Mercado é o medio y medio – uma bebida engarrafada que é um blend de vinho branco seco e espumante branco doce.

Ainda que seja bastante turístico, o Mercado permanece como um ponto de encontro dos montevideanos. Durante a tarde de 31 de dezembro, a pracinha em frente é palco de uma pitoresca tradição de ano novo: vem gente de toda a cidade para fazer uma batalha de medio y medio – todo mundo esguicha todo mundo de espumante para dar sorte para o ano que entra.

Baar Fun Fun

Em seu quinto endereço em mais de 120 anos de história, o Baar Fun Fun é o mais tradicional bar com música ao vivo de Montevidéu. (A pronúncia é “fum fum” mesmo – não é fã fã, não.)

A programação atualmente segue esse padrão:

  • 3ª e 4ª feira: programação variável – consulte o Instagram do Fun Fun
  • 5ª feira: música urbana, incluindo candombe, e karaokê
  • 6ª feira: 100% tango – o show é aberto opr um casal de dançarinos e continua com tango tocado e cantado
  • Sábado: tango (dançado, tocado e cantado) e, depois da meia-noite, candombe

A marca registrada do Baar Fun Fun é o seu drink uvita, à base de vermute doce. Tem que experimentar para poder criticar…

O Baar Fun Fun aceita reservas – preecha o formulário no site. (Veja abaixo em Informações Práticas.)

Informações práticas

Atrações fora do Centro Histórico

Mercado Agrícola

Reinaugurado em 2013, o Mercado Agrícola de Montevidéu é o equivalente local ao Mercado Municipal de São Paulo ou Cadeg do Rio de Janeiro.

O galpão centenário reúne um mix de bancas de frutas e verduras, açougues e peixarias, lojas de comida, de produtos típicos e de souvenirs, além de lugares para comer, beber e tomar café.

Situado fora das zonas mais turísticas da cidade, vale uma parada para quem está fazendo o circuito do Bus Turístico.

Informações práticas

Mercado Ferrando

Aberto em 2017 num galpão art-déco abandonado que abrigou originalmente como fábrica de móveis, o Mercado Ferrando foi o precursor da modinha de mercados gastronômicos da cidade.

Sua proposta, no entanto, é bastante diferente da dos novos mercados. O Ferrando é um mercado conceitual, tem uma pegada mais alternativa-antenada que os mercados mais novos, que têm cara de shopping.

O Mercado Ferrando está fora das zonas hoteleiras de Montevidéu, mas é a melhor pedida para um trago, um lanche ou um almocinho depois de passear pela Feria de Tristán Narvaja, que não fica longe.

Informações práticas

Feria de Tristán Narvaja

Realizada todo domingo de manhã, a Feria de Tristán Narvaja se estende por quarteirões e mais quarteirões a partir da avenida 18 de Julio.

Apesar de famosa pelas bancas de antiguidades e artigos de brechó, boa parte da feira de Tristán Narvaja é ocupada por vendedores de plantas, frutas, legumes, filhotes e quinquilharias.

O filé das antiguidades se encontra em apenas duas quadras, entre a Uruguay e a Paysandú. É quando a rúcula e os coelhinhos vivos dão lugar às banquinhas de especialistas neste ou naquele item de coleção.

Na quadra entre Cerro Largo e Paysandú, do lado esquerdo de quem desce, três ou quatro antiquários funcionam em porões abarrotados. São grandes fornecedores de artigos vendidos em feirinhas América do Sul afora. Um pouco antes dos antiquários ficam os sebos, também um ao lado do outro.

A Feria de Tristán Narvaja é um dos programas favoritos da cidade para uma manhã de domingo. É o melhor lugar para encontrar os montevideanos a passeio empunhando uma cuia de mate e carregando uma garrafa a térmica a tiracolo. (Quando a garrafa se esvazia, pode reabastecer num dos trailers de comida que, entre outras coisas, vendem… água quente para garrafas térmicas.)

Um bom lugar para comer e beber depois da feira é o Mercado Ferrando.

Informações práticas

Estádio Centenário e Museu do Futebol

Palco da Copa do Mundo de 1930 – a primeira das Copas – o velhusco Estádio Centenário é um clássico que está no radar de todo fanático por futebol que passe por Montevidéu.

O estádio recentemente passou por discretas reformas, mas para alegria dos torcedores-raiz não foi adaptado ao padrão Fifa.

O mesmo ingresso dá direito a entrar no estádio e visitar o Museu del Fútbol, que conta histórias dos títulos da Seleção Uruguaia (incluindo o Maracanazo de 1950, quando a Celeste foi campeã em cima do Brasil no Maracanã) e dos triunfos dos clubes uruguaios.

O Centenário está localizado no parque Battle, ligeiramente do eixo turístico.

Confirme o horário de visitação por telefone antes de ir (o site não é atualizado).

Informações práticas

Parque Rodó

Localizado ao lado de Punta Carretas, o Parque Rodó se estende da Playa Ramírez até o limite norte de Pocitos. É o parque mais concorrido de Montevidéu.

Junto à praia, na Rambla Presidente Wilson, há um parque de diversões com roda gigante e trem frantasma.

Na outra extremidade do parque, com acesso direto pela avenida General Artigas, funciona um parquinho de diversões infantil com diversos carrosséis (de carrinhos, aviõezinhos, cavalinhos, xícaras), balanços e escorregas.

O Parque Rodó também abriga um museu (o Museu de Artes Visuais), quadras de esporte (incluindo uma cancha de bocha), um lago com pedalinhos e vários nichos interessantes.

Nos arredores do parque há também bares e restaurantes movimentados.

Informações práticas

Letreiro de Montevidéu

Instalado em 2012 para um simpósio bancário mundial, o Letreiro de Montevidéu caiu no gosto da população.

A primeira versão era suscetível a vandalismos, então foi substituída pela atual, pintada com tinta resistente a pichações.

Fica na ponta leste da praia de Pocitos, em frente ao hotel Hyatt Centric, oferecendo um belo panorama da enseada.

Cassino Carrasco

Aberto em 1921, o Cassino Carrasco fica em edifício tombado pelo patrimônio histórico uruguaio. Funciona nos fundos do luxuoso Sofitel Carrasco, inteiramente reformado em 2013.

Depois da pandemia, o cassino deixou de funcionar 24 horas, mas seus horários continuam bastante largos: do meio-dia à alta madrugada (veja detalhes na caixa Informações Práticas).

Menores de 18 anos não entram (nem mesmo acompanhados pelos pais).

No sábado há shows no bar.

Informações práticas

Vinícolas perto de Montevidéu

Procurando algo que tem em Montevidéu mas não existe em Buenos Aires? Achou: vinícolas.

Há várias vinícolas (bodegas, em espanhol) nos arredores da cidade. Dá para fazer enoturismo hospedado em Montevidéu!

Bodega Bouza

A 25 km do shopping Punta Carretas, na direção norte, a Bodega Bauza é a mais visitada de Montevidéu. Dá para ir de táxi – são 35 minutos de percurso.

É uma vinícola ainda familiar. Por ser pioneira no enoturismo em Montevidéu, a Bodega Bouza tem um esquema muito bem organizadinho de visitas. A visita guiada por vinhedos, vinícola e adega é gratuita e leva 45 minutos. É preciso agendar seu horário.

À experiência gratuita você pode adicionar uma degustação de 4 vinhos (1 branco, 3 tintos) com tapas (uma tapa por vinho), realizada na Garagem Bouza, onde está a coleção de carros antigos da família proprietária. A degustação leva 45 minutos e custa 1.500 pesos uruguaios por pessoa.

Também é possível almoçar na bodega. O serviço é à la carte, e vinhos não estão incluídos.

As reservas da visita, da degustação e do almoço são feitas no site da vinícola.

  • Bodega Bouza | Camino de la Redención 7658 bis | Tel. (598) 2323-7491 | Aberta de 4ª a 2ª 11h-18h | Fecha 3ª | Visitas guiadas: 11h30 e 16h | Reservas

Bodegas Carrau

Outra vinícola familiar nos arredores de Montevidéu, a Bodegas Carrau está a 20 km de Punta Carretas. Os Carrau , provenientes da Catalunha, produzem vinhos desde 1720. Estão no Uruguai desde 1930 e se dedicam a produzir vinhos finos desde 1976.

A sede da vinícola ocupa uma casa colonial do século 19, recuperada pela família.

As visitas guiadas incluem degustações de 4 vinhos. A degustação Tradicional custa 35 dólares por pessoa (30 dólares em dinheiro vivo) e a Grandes Reservas, de vinhos topo de gama, custa 60 dólares por pessoa (55 dólares em dinheiro vivo). É necessário reservar.

  • Bodegas Carrau | César Mayo Gutiérrez 2556 | Tel. (598) 9195-0046 | Visitas guiadas: 2ª a 6ª 10h e 14h | Site

Bodega Juanicó & Familia Deicas

47 km ao norte de Punta Carretas, no município vizinho de Canelones, a Bodega Juanicó e a Bodega Familia Deicas formam o mesmo grupo, controlado pela família Deicas, que assumiu a Juanicó nos anos 80.

É possível agendar 3 tipos almoços (2 deles com harmonização de vinhos incluída) ou 3 tipos de degustações acompanhadas de tábuas de frios e pão artesanal (de lambuja, com uma degustaçãozinha de azeite no pacote).

A degustação mais em conta, Atlantic (vinhos de vinhedos influenciados pela proximidade do mar), custa 1.200 pesos uruguaios por pessoa. A mais cara, Familia Degas, inclui vinhos de guada, incluindo a estrela da casa, o premiadíssimo Preludio, e custa 2.000 pesos por pessoa.

A bodega também organiza os traslados, se o cliente quiser.

  • Juanicó & Familia Deicas | Ruta 5 km 38, Canelones | Tel. (598) 9484-7482 | Visitas 6ª a domingo | Reservas

H. Stagnari

Outra vinícola de Canelones, 30 km ao norte de Punta Carretas, a vinícola H. Stagnari produz ‘vinhos de autor’ que são servidos em seu restaurante, em menus harmonizados.

Os almoços de 3 passos incluem 4 vinhos a escolher entre uma seleção para cada menu. O mais em conta sai 3.500 pesos uruguaios por pessoa. O mais caro, 6.300 pesos uruguaios.

Antes ou depois do almoço você pode fazer a visita guiada pela bodega e pela sala de prêmios.

  • H. Stagnari | Ruta 5 km 20, Canelones | Tel. (598) 9709-1327 | Visitas 5ª a dom 11h30 e 15h | Reservas

Bate-volta a Punta del Este

A 1 hora e meia de Montevidéu, Punta del Este é um bate-volta totalmente factível.

De tour organizado

O melhor jeito de fazer um bate-volta a Punta del Este é em tour. Você garante a passagem por todos os pontos turísticos e vem descansando na volta. No seu hotel você encontrará folhetos de agências que fazem o tour.

De carro alugado

Para quem não curte o esquema de passeio em grupo, ir de carro é a melhor alternativa.

Alugue o carro na véspera da viagem, para não perder um tempo precioso do dia do passeio.

  • Saia cedo
  • Pare no Porto para ver os leões-marinhos que batem ponto ali
  • Ponha no Google Maps o monumento dos Dedos
  • Siga pela Praia Brava e atravesse a ponte ondulada para La Barra – almoce por lá
  • Volte e zanze de carro pelo bairro Beverly Hills, das mansões
  • Dê uma entradinha no cassino Enjoy ou estacione no centro para bater perna na avenida Gorlero
  • Dirija-se à Casa Pueblo para ver o pôr do sol
  • Volte a Montevidéu

No modo bate-volta de carro alugado, a volta é cruel, porque você estará bastante cansado pelo dia intenso que teve. Considere dormir uma noite em Punta del Este – se for a última noite da sua viagem, você já sai de Punta direto para o aeroporto de Montevidéu.

Bate-volta a Colonia del Sacramento

Colonia del Sacramento está a duas hora e meia de carro ou 3 horas de ônibus.

Não recomendamos o bate-volta: é longe demais.

Na verdade, Colonia del Sacramento é um excelente bate-volta para quem está em Buenos Aires, porque a travessia leva apenas 1 hora.

Deixe para visitar Colonia quando você viajar a Buenos Aires – ou, se fizer questão de incluir Colonia na sua viagem ao Uruguai, programe um ou dois pernoites por lá.

O básico do que fazer em Montevidéu cabe num fim de semana. A partir do terceiro dia, já dá para dar um pulinho (ou esticadinha) a Punta del Este ou visitar uma das bodegas (vinícolas) dos arredores.

Para Colonia del Sacramento, recomendo ou pernoitar, ou fazer um pit stop a caminho de Buenos Aires. Ficando mais dias, fique de olho na programação cultural, que é intensa.

7 comentários

Boia, pretendo ficar 4 dias no Uruguai e depois seguir viagem a Buenos Aires de barco por Colonia. Como proceder em relação ao PCR? Terei que fazer um novo exame no Uruguai para entrar na Argentina?

    Olá, Perla! Sim. Seu PCR tem que ter sido feito no máximo 72 horas antes da travessia, o que você fez no Brasil já estará vencido.

Olá, Vou para o Uruguai no dia 04 de janeiro, e fiz uma reserva para a Vinicula Bouza para o dia 10 de janeiro, e recebi um email confirmando a reserva e logo depois um falando que por conta da COVID eles estão fechados.

Muito obrigada! E parabéns pela nova função de notificação no e-mail, foi maravilhoso!
Uma sugestão é voltar a data de atualização da postagem, achava bastante útil também. No mais, parabéns pelo trabalho impecável de sempre! Sou fãs de vocês!

Quero um “a bóia indica” de vinícolas, please 🥰

    Olá, Marcela!

    Dessas 4 dos arredores de Montevidéu aqui listadas, indicamos a Bouza se você se interessa pelo pacote completo (visita a vinhedos + vinícola + almoço) – eles são os mais antigos no enoturismo, e o passeio é aprovadíssimo por todo mundo que vai.

    As outras 3 valem pelas degustações, para quem quer se aprofundar no conhecimento de vinhos uruguaios.

    Olá, sou uruguaio, se tiver interesse em vinícolas somaría a vinícola Garzon a essa lista, é uma ótima experiencia (mais cara) ficaperto de Punta.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.