Baar Fun Fun

Guia de Montevidéu

O que fazer em Montevidéu

O básico do que fazer em Montevidéu cabe num fim de semana. A partir do terceiro dia, já dá para dar um pulinho (ou esticadinha) a Punta del Este ou visitar uma das bodegas (vinícolas) dos arredores.

Para Colonia del Sacramento, recomendo ou pernoitar, ou fazer um pit stop a caminho de Buenos Aires. Ficando mais dias, fique de olho na programação cultural, que é intensa.

Passeio pela Ciudad Vieja

Ciudad Vieja concentra as principais atrações turísticas. Vá de Uber até a Plaza Independencia e passeie a pé pela região.

Venha entre segunda e sábado até a hora do almoço. O comércio fecha sábado à tarde e domingo, e os museus não abrem no domingo.

Plaza Independencia e Palacio Salvo

A Plaza Independencia o melhor ponto de partida para um passeio pela Ciudad Vieja: é a divisa entre a Montevidéu antiga e a moderna.

No coração da praça há uma estátua equestre do general Artigas, precursor da independência uruguaia. (Embaixo dela funciona um Mausoléu General Artigas, que repassa o nascimento do Uruguai.)

À frente da estátua começa a Avenida 18 de Julio, principal avenida do centro moderno de Montevidéu.

Do lado direito sobressai o imponente Palacio Salvo. Arranha-céu de 27 andares inaugurado em 1928, o Palacio Salvo chegou a ser o edifício mais alto da América Latina. Ainda hoje é o maior cartão-postal da cidade.

Mas o que nos interessa está atrás do cavalo de Artigas: a Ciudad Vieja. Vire de costas para a estátua, e você verá a Puerta de la Ciudadela – uma réplica da porta da fortaleza militar que protegia Montevidéu nos tempos coloniais.

Teatro Solís

Escondidinho de esgelha numa das quinas da Plaza Independencia, o Teatro Solís é o maior tesouro da Ciudad Vieja. Foi inaugurado em 1856, apenas 31 anos depois da emancipação do Uruguai – e 52 anos antes do Teatro Colón de Buenos Aires.

Sua imponente fachada neoclássica já justifica a parada numa caminhada pelo centro histórico.

O interior do teatro, porém, é ainda mais belo – a sala de concertos, em formato de ferradura, emula teatros líricos italianos.

A visita guiada, que depois da pandemia acontece em poucos dias e horários (veja abaixo, na caixa Informações Práticas), passa pela principal, foyer, palco e bastidores. Os guias contam – em português – a história do teatro e explicam o estilo arquitetônico, os afrescos e obras de arte.

Informações práticas

Museu Torres García

Maior nome das artes plásticas uruguaias, Joaquín Torres Garcia conviveu com grandes mestres europeus e americanos na sua juventude, e ao voltar a Montevidéu criou seu próprio movimento artístico, o Universalismo Construtivo.

O Museu Torres García foi criado em 1955, sete anos depois da sua morte, passando em revista todas as fases da carreira do artista. Já teve diversos endereços – chegou a ser desalojado durante a ditadura militar. Hoje ocupa o predinho art-nouveau onde funcionava originalmente o magazine Broqua & Sholbert.

Informações práticas

Museu Andes 1972

Em 1972, um avião com 45 passageiros (jogadores uruguaios de rugby, familiares e amigos) caiu nos Andes. Foram dados por mortos, mas 16 conseguiram sobreviver a 72 dias de frio, fome e penúria, alimentando-se… dos companheiros mortos.

Esta história cinematográfica já rendeu dois filmes – “Os Sobreviventes dos Andes”, de 1976, e “Vivos”, de 1993.

O Museu Andes 1972 conta essa história com documentos da época e depoimentos reais.

Informações práticas

Museu do Carnaval

Sabia que o Carnaval é uma tradição de Montevidéu? A cultura carnavalesca é celebrada no pitoresco Museu do Carnaval, do ladinho do Mercado del Puerto (com entrada pela Rambla).

Há três exposições permanentes: Carnaval do Uruguai, Candombe (o batuque afro-uruguaio) e Os Velhos Tablados (que documenta a época de ouro dos tablados de rua que eram montados no centro de Montevidéu durante o carnaval).

Mostras temporárias complementam a visita, sempre revelando um novo aspecto do surpreendente carnaval uruguaio.

Informações práticas

O histórico Café Brasilero está ali perto, na Ituzaraingó quase esquina com 25 de Mayo. Siga descendo pela 25 de Mayo ou pela Rincón; passe pela praça mais bonita da cidade velha, a Plaza Zabala, e vire à direita no calçadão da Pérez Castellano: este é o caminho que leva até o Mercado del Puerto, a atração número 1 de Montevidéu, onde vale a pena esperar por um lugar no balcão da churrascaria El Palenque para ver sua carne preparada ao vivo, na sua frente, pelo asadorna grelha inclinada.

Uma boa continuação de passeio é pegar, no finzinho do calçadão da Yacaré (a uma quadra do Mercado) o Bus Turístico, o ônibus de dois andares que faz a ronda das outras atrações de Montevidéu, num percurso de 2 horas e 15 minutos.

As estações que valem a parada (lembrando que o próximo ônibus passará uma hora mais tarde) são o Jardín Botánico, o Estádio Centenário e o Parque Rodó. O ônibus também pára no Montevideo Shopping, em Pocitos e no shopping Punta Caretas.

No domingo o ônibus também tem uma parada estratégica para quem quer entrar na feira Tristán Narvaja. O ônibus custa 494 pesos por 24 horas (R$ 62) e 720 pesos para 48 horas (R$ 90). No terminal do centro velho aceita-se dinheiro; mas também dá para comprar a passagem com o motorista, em qualquer parada, com cartão de crédito.

Volte ao centro numa sexta ou sábado a noite para ouvir tangos no Baar Fun Fun; se puder, fique até o início da madrugada, quando sempre tem uma sessão de candombe, a salsa uruguaia.

No domingo, a feira Tristán Narvaja (de hortaliças, bichos, antigüidades e cacarecos) é imperdível. Em janeiro, nos domingos ao entardecer, é possível participar dos ensaios das troças de carnaval uruguaias, as murgas, nas ruas do barrio Sur.

As ruas arborizadas e o calçadão à beira-rio (ou, como querem os montevideanos, à beira-mar) de Punta Carretas, Pocitos e Buceo são ótimos para caminhadas. Nesta região estão os restaurantes, bares e shoppings da cidade (o melhor é o Punta Carretas).

O bairro chique de Carrasco também vale uma escapada — aproveite para fazer uma fezinha no Casino Carrasco ou, melhor ainda, passar a última noite na cidade no elegantérrimo Sofitel Carrasco.

Há várias vinícolas (bodegas, em espanhol) nos arredores de Montevidéu. A mais próxima é a Bodega Bouza; dá para ir de táxi. No município vizinho de Canelones as mais bacanas são a Juanicó e a H. Stagnari; um remise (carro com motorista) custará em torno de 200 dólares para qualquer uma das duas. Em todas as vinícolas, é necessário fazer a reserva da visita. É também possível almoçar, também mediane reserva.

Colonia del Sacramento, a duas horas e meia de ônibus, é muito longe para um bate-volta; visite a cidade a caminho de Buenos Aires, ou durma lá uma noite pelo menos. É possível passear em Punta del Este de carro; mas no verão o bacana é ficar uns dias por lá.